#ADEHOJE, #ADODIA – INSEGURANÇA E A INSANIDADE DAS PROPOSTAS.

#ADEHOJE, #ADODIA – INSEGURANÇA E A INSANIDADE DAS PROPOSTAS.

Muito triste com a morte de um colega da faculdade. Mas que morreu por saúde. Já o médico Roberto Kikawa não teve a mesma “sorte” – foi assassinado friamente em um assalto. A vida ficou no caminho de uma carona, de uma parada. Ele vai fazer falta, porque ajudava muita gente, como criador das Carretas da Saúde, que vão aonde o povo está. A insegurança é tal que a gente não sabe se vai ou se fica. Imagino os prejuízos, inclusive, porque nos grandes centros urbanos as pessoas não estão nem mais querendo sair. Aí a gente ainda tem de ler o tal filho do Capitão que vai ser deputado federal, o Eduardo, dizer que não vê problemas em prender cem mil pessoas. Como? Onde? Nas nossas casas? E aí, Moro, esperança geral, qual é a proposta para melhorar essa loucura geral?

 

Anúncios

#ADEHOJE, #ADODIA – O NOSSO AO REDOR

#ADEHOJE, #ADODIA – O NOSSO AO REDOR

 

 

 

FICAMOS IMPLICANDO UNS COM OS OUTROS E ESQUECEMOS DE CUIDAR DO PRINCIPAL. NOSSO AO REDOR. TRAGÉDIAS COMO A DE NITERÓI E A ENCHENTE EM CARAGUATATUBA NOS FAZEM LEMBRAR DE OUTRAS. MAS PRECISAMOS ESTAR SEMPRE MUITO ATENTOS AO NOSSO REDOR, PORQUE A ZELADORIA DAS CIDADES ESTÁ PÉSSIMA. AQUI EM SÃO PAULO, CIDADE ÀS TRAÇAS. CONVIDO PARA ADERIREM À MINHA CAMPANHA #ARVORENAOÉLIXEIRA. JÁ SALVEI ALGUMAS. APROVEITA O DOMINGÃO E VÊ O QUE PODE AJUDAR A MELHORAR

 

#ADEHOJE, #ADODIA – SEXO! PAPAI & MAMÃE?

#ADEHOJE, #ADODIA – SEXO! PAPAI & MAMÃE?

 

 

O COMENTÁRIO E A CONVERSA DE HOJE É SOBRE O ESTARRECEDOR VÍDEO GRAVADO PELO FUTURO PRESIDENTE E DIVULGADO ONTEM. FRASES COMO SEXO QUEM ENSINA É PAPAI E MAMÃE, MORO VAI TE PEGAR, VOU VER A PROVA (ENEM) ANTES SÃO A MOSTRA PERFEITA DE QUE INFELIZMENTE JAIR BOLSONARO NÃO SE PREPAROU PARA ENTENDER O QUE É PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA E QUER SE METER ONDE JAMAIS SERÁ CHAMADO E CRIARÁ MUITOS PROBLEMAS.

 

ARTIGO – Os filhos do Capitão. Por Marli Gonçalves

Os três filhos do Capitão. Eles não são três; são quatro os meninos. Mas o quarto, Jair Renan, ainda não preocupa e não aparece muito – é imberbe, 20 anos, e de qualquer forma vamos vê-los crescer, ele e a sua irmã mais novinha, às nossas vistas, nos próximos quatro anos. Os três que estão na política já dão trabalho e o que falar. Flávio, Carlos e Eduardo me fazem lembrar de certas reinações, as dos Sobrinhos do Capitão, uma HQ histórica do século passado. Lembra?

Os dois molequinhos (na história dos Sobrinhos, sim, eram dois, Hans e Fritz, gêmeos), levadíssimos, infernizavam a vida do Capitão, que não era propriamente tio, era aquela coisa de tio, tia, que a gente chama qualquer um mais velho que nós. Atazanavam na verdade tudo e todos os que estavam à sua volta, e apanhavam, apanhavam muito. Pouco adiantava.

Aqui no nosso caso real que também certamente vai render história, os três irmãos parecem combinar entre si é mais como aterrorizar a vida da outra banda, a que não votou no pai deles, não necessariamente por ser petista, ressalte-se, por favor. Foram quase 2/3 da população, 61,8% dos aptos a votar que, ou sumiram, ou anularam, branquearam ou estrelaram seus votos. É muita gente.

Flávio, 37 anos, Eduardo, 34 anos, e Carlos, 35 anos, são filhos de Rogéria, a primeira ex-mulher do presidente eleito. Pensam o que? Michelle, a nossa jovem futura primeira dama, é a terceira esposa do Capitão. Olha só – também poderia haver outra série: “As esposas do Capitão”.

Voltando aos três que não são mosqueteiros, mas estão se saindo excelentes marqueteiros, inclusive de si próprios, veja que Flávio e Eduardo tiveram votação recorde, respectivamente para senador pelo Rio de Janeiro e deputado federal por São Paulo. Carlos já é vereador no Rio de Janeiro. Assim ocupam todas as Casas com a mais nova marca da política nacional. Um carimbo. Radicais e empinados.

E opinam sobre tudo. Quando não vêm com suas opiniões fresquinhas que disparam principalmente pelo Twitter, a rede onde acharam seus reinados de poucos caracteres, toda hora aparecem vídeos de suas opiniões e feitos que deve ter gente cavoucando até a marca e a cor das cuecas deles todos.

Já pitacaram sobre fechar o Congresso, aquecimento global, Direitos Humanos, Educação, áreas sobre as quais destilam desinformação e preconceitos, assim como sobre a História recente do Brasil que devem ter aprendido em livros com páginas arrancadas, só pode ser.

Adoram arrumar uma briga. Suas falas e aparições estão criando é ainda mais muitos outros problemas para o pai, que até parece estar tentando montar um governo razoável enquanto lida com uma equipe boquirrota, começando a já gostar de ser fonte “confiável” dos jornalistas cativados que ganham declarações logo desmentidas. É rápido, gente: os caras estão gostando do poder, de Brasília, dos segredos dos caminhos e corredores, de soltar balões de ensaio com nomes que se valorizam imediatamente após aparecerem em lista de indicados. Notícias chegarão sopradas pelos ventos.

Os garotos de Bolsonaro, não. Esses não são novatos. Já vivem isso tudo praticamente desde que nasceram, já que o pai tem quase 30 vividos na política. Só houve uma mudança importante, do baixo clero ao mais alto cargo da República.

Isso sobe pra cabeça. Tomara que o pai deles cuide disso também. Nem precisa dar palmadas; só puxão de orelhas. Para não virarem Os Três Patetas.

——

Marli Gonçalves, jornalista – Não vai faltar assunto ao meu programinha #adehoje, #adodia. Ah, sabia que o cartunista Angeli criou a tira “Os Skrotinhos” para homenagear “Os sobrinhos do Capitão”? Quem se habilita a desenhar “Os filhos do presidente”?

Brasil, 2018, reality, reality

——————————————————-

 ONDE ME ENCONTRAR:
https://www.facebook.com/BlogMarliGoncalves/
https://www.instagram.com/marligo/?hl=pt-br
www.chumbogordo.com.br
https://marligo.wordpress.com
https://www.youtube.com/channel/UCC-sDrkeHk5KRijJ6eESqfQ/featured?view_as=subscriber
marligo@uol.com.br / marli@brickmann.com.br

#ADEHOJE, #ADODIA. SENSAÇÕES. DE QUE O TEMPO PASSA COM TUDO IGUAL E OS SOPROS DOS TRÊS FILHOS DO CAPITÃO

#ADEHOJE, #ADODIA. SENSAÇÕES. DE QUE O TEMPO PASSA COM TUDO IGUAL E AGORA, COM OS SOPROS DOS TRÊS FILHOS DO CAPITÃO

 

Mais um dia em que a gente acorda ouvindo falar em Operação da PF com nome esquisito prendendo os mesmos de sempre, alguns novos, e até quem está já preso. Não para. Não acaba. Também não acabamos malucos armados, seja com faca, facão, pistola, fuzil, matando matando, matando em todo o mundo. E para piorar, os três filhinhos do papai que ainda nem tomou posse. Metem o bedelho em tudo com suas opiniões e ignorâncias. Era mesmo o que nos faltava, os Três filhos do Capitão. Isso vai dar HQ

 

É meio óbvio, mas é bom ressaltar. Mais armas, mais mortes de mulheres

fonte: agência patricia galvão

mulheer faz o jardimLIBERAÇÃO DA POSSE DE ARMA PODE AUMENTAR CASOS DE FEMINICÍDIOS NO BRASIL

Especialistas ouvidos pela VICE afirmam que revisão do Estatuto do Desarmamento pode intensificar agressões contra mulheres. O raciocínio é simples: mais armas em casa, mais mortes.

(Vice, 06/11/2018 – acesse no site de origem)

Um dos principais holofotes da campanha do presidente recém-eleito Jair Bolsonaro (PSL) foi a revisão do estatuto de posse de arma que facilitaria a compra de pistolas pelo cidadão comum. Para os especialistas ouvidos pela VICE, essa descomplicação na aquisição de armas seria um tiro no pé: aumentaria ainda mais os casos de violência doméstica e mortes de mulheres no país.

Os números mostram que o problema já é grave no Brasil. Segundo os dados do Mapa da Violencia e do Atlas da Violência, as vítimas mais comuns por disparo de fogo são jovens negros e mulheres. Em 2016, 4.645 mulheres foram assassinadas no país, o que representa uma taxa de 4,5 homicídios para cada 100 mil brasileiras.

Segundo o Atlas da Violência, entre 1980 e 2016 cerca de 910 mil pessoas foram mortas por armas de fogo no país. Conta o documento que “Uma verdadeira corrida armamentista que vinha acontecendo desde meados dos anos 1980, quando a proporção de homicídios com o uso da arma de fogo girava em torno de 40%, esse índice cresceu ininterruptamente até 2003”, e só foi interrompida com a criação o Estatuto do Desarmamento. Já o Feminicídio só foi inserido no Código Penal em 2015, sendo configurado como homicídio qualificado, com pena de 12 a 30 anos.

Uma prova de que a posse de arma nunca foi garantia de segurança é a extinta Campanha Nacional do Desarmamento, que incentivava a população para o desarmamento. Foi uma ação do próprio Governo Federal que integrava o Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania, em apoio a Ações de Prevenção à Violência. A campanha motivava a entrega espontânea de armas de fogo, podendo a pessoa ser indenizada por até R$ 300, de acordo com o tipo e calibre da arma.

Nesse sentido podemos compreender que se antes o próprio governo incentivava a retirada de armas de fogo de circulação e logo depois foi sancionada a lei de desarmamento, não faria muito sentido o retrocesso de uma nova liberação da posse se arma no Brasil.

A advogada Maria Letícia Ferreira, do TamoJuntas, organização que presta assessoria jurídica, psicológica, social e pedagógica gratuita a mulheres em situação de violência, revela que o Brasil é o 5º país no ranking mundial de países que matam mulheres. Como maioria das vítimas é assassinada por parceiros e os crimes muitas vezes acontecem dentro de casa, a liberação do porte de armas pode ter efeitos catastróficos.

“Mulheres e crianças são as maiores vítimas da violência no lar. Com a liberação e aumento da circulação de armas de fogo, a letalidade das agressões deve aumentar incidindo sobre os índices de feminicídios”, explica a advogada da Bahia.

O Ministério Público do estado de São Paulo realizou pesquisa que concluiu que 66% dos feminicídios no Brasil ocorreram na residência da vítima e que 70% eram pessoas do convívio da vítima ou ex-cônjuge. A arma de fogo, por sua vez, é a segunda opção mais utilizada, abaixo somente de facas.

A regulamentação da posse de armas está vigente no Brasil desde 2003, mas nem sempre foi assim. Em meados dos anos 80 e 90, era possível a qualquer momento nos deparar, em jornais e revistas, com anúncios de venda de armas. O Estatuto foi criado para restringir a posse e o acesso a armas no país.

Parece que esse passado está próximo de se tornar realidade se formos considerar o plano de segurança de Jair Bolsonaro, com a revisão do projeto de lei que autoriza a aquisição, a posse e a circulação de armas de fogo e munições em território brasileiro.

Em publicação em sua rede social, o autor do projeto de lei, o deputado federal Rogério Peninha Mendonça (MDB-SC), confirmou que o presidente eleito decidiu adiar a votação para 2019. Entre as declarações do texto: “a composição do novo Congresso é mais conservadora. Com os novos deputados, as chances de aprovarmos o PL 3722 são bem maiores”.

A advogada e mestra em Políticas Públicas em Direitos Humanos pela UFRJ, Paola Bettamio, explica que a legalização do porte de arma foi uma experiência traumática em diversos países, pois “o problema da segurança muitas vezes se relaciona a outros, como a desigualdade social, a ausência de investimento em educação e lazer entre outros”. “Se não se resolver o problema pela raíz, todas as outras soluções se tornam ineficazes”, diz.

Mas é claro que a simples liberação de posse de arma não fará com que qualquer um vá ao mercado mais próximo e compre arma. Existem dois órgãos que controlam armas de fogos existentes no país. O Sigma (Sistema de Gerenciamento Militar de Armas), vinculado ao Exército Brasileiro, regula o armamento das forças armadas e auxiliares e, também, dos caçadores, colecionadores e atiradores esportistas; e o Sinarm – Sistema Nacional de Armas – vinculado ao Departamento de Polícia Federal, que centraliza o controle das demais armas de fogo.

A lei, em vigor até o momento, contém algumas restrições burocráticas para a aquisição de uma arma de fogo para defesa pessoal. O cidadão deve ter acima de 25 anos, solicitar autorização com a Polícia Federal e apresentar documentação, além de preencher formulário, justificando a efetiva necessidade e comprovar aptidão psicológica, ocupação lícita e antecedentes criminais negativos.

Para a advogada Maria Letícia, arma de fogo é poder e as pessoas relacionam segurança a maior força e poder. No entanto, no ambiente doméstico, as armas de fogo, além de causar acidentes, também aumentam a gravidade das agressões entre familiares já tão comum em nosso país.

Não podemos resolver o medo através do medo, como comenta a advogada Paola Bettamio. “As pessoas se sentem inseguras pela violência e respondem muitas vezes a esta insegurança através da mesma violência”, diz.

Por Gislene Ramos


circulo mulher

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

#ADEHOJE, #ADODIA – REAJUSTES DO JUDICIÁRIO, OPERAÇÕES DA PF E A LIMPEZA PESADA QUE TEMOS DE FAZER

#ADEHOJE, #ADODIA – REAJUSTES DO JUDICIÁRIO, OPERAÇÕES DA PF E A LIMPEZA PESADA QUE TEMOS DE FAZER

É TANTA COISA ACONTECENDO QUE DAQUI A POUCO VAI SER #ADOMINUTO. ALÉM DAS MORTES HORROROSAS NA CALIFÓRNIA POR MAIS UM MALUCO ARMADO ATÉ OS DENTES, O ESCANDALOSO REAJUSTE DO JUDICIÁRIO POSTO – E APROVADO – PARA VOTAÇÃO À LUZ DO DIA. NEM ESPERAM MAIS A CALADA DA NOITE. E OS DEPUTADOS ESTADUAIS DO RIO? TINHA UM QUE RECEBIA 100 MIL MENSAIS PARA SE CALAR ENQUANTO OS GOVERNADORES, INCLUSIVE O PEZÃO, NOS ROUBAVAM, SAQUEAVAM. COMO É QUE A GENTE VAI LIMPAR ISSO TUDO?