Patinete elétrico chega a SP. De início, grátis. Veja como funciona

FONTE: ASSESSORIA DE IMPRENSA SCOO

Patinete Elétrico  nas ruas de SP

Mais de 300 pré-cadastros foram efetuados nesse final de semana para uso do novo sistema de patinetes elétricos compartilhados lançado pela SCOO na região da Av. Paulista, no último sábado (11)

Nega Dilma: só no sapatinho

São Paulo, agosto de 2018 –  Desde o último sábado (11), os patinetes elétricos da startup de mobilidade  SCOO – responsável pela chegada dessa modalidade de transporte ao país -, operam em período de testes e estão à disposição dos moradores de São Paulo para uso gratuito, na região da Av. Paulista.

Em apenas dois dias, mais de 300 pré-inscrições foram feitas diretamente no site da SCOO – http://www.scoo.mobi/cadastre-se.html – para que o acesso seja liberado para uso dos patinetes no período de testes, que não tem data estabelecida para terminar, mas deverá durar entre 30 e 90 dias.

Neste período, a SCOO seguirá o mesmo modelo usado quando linhas de trens e metrô são inauguradas na cidade: a população terá acesso gratuito e os patinetes estarão disponíveis em todos os dias da semana, em um horário pré-estabelecido.

“Febre” mundial

Presentes em diversas cidades do mundo todo – como São Francisco, Los Angeles, Pequim, Moscou e recém-chegados em Paris- os patinetes elétricos deixaram de ser tendência para ser realidade em vários países.

“Em menos de 1 ano de operação, estima-se que existam mais de 10 mil patinetes elétricos somente nos EUA. A adesão da população é grande, devido ao aspecto sustentável, e o patinete é o transporte ideal para um deslocamento mais ágil, seguro e barato”, explica Duarte.

Ciclovias de São Paulo

Durante o período de testes, os patinetes elétricos também estarão disponíveis em outras ciclovias da cidade como – Avenida Faria Lima e Amaral Gurgel, além de estarem presentes em parques, como  o Ibirapuera e o Villa Lobos.

“Queremos testar a usabilidade de perfis de usuários diferentes, seja o que alugará para lazer ou o que usará para se deslocar de uma estação de metrô até o local de trabalho”, comenta o executivo, que pretende colocar até 100 patinetes elétricos na cidade ao longo das próximas semanas.

Aplicativo em teste

A função de bloqueio e desbloqueio dos patinetes elétricos por meio do aplicativo acontecerá a partir de setembro, quando a versão beta será lançada oficialmente. . “Neste primeiro momento, é necessário que o usuário interessado faça um cadastro no site da SCOO (http://www.scoo.mobi/cadastre-se.html)”, orienta Duarte.

Após aprovação do cadastro, o usuário recebe o link para utilizar o patinete, disponibilizado na Rua Hadock Lobo, 595 – em frente ao Digital Building.

Legislação

Com potência de 250w e velocidade de até 25km, os patinetes elétricos estão dentro da Lei que autoriza bicicletas e patinetes elétricos a circularem nas ciclovias da cidade. Quem for pego fora da ciclovia estará sujeito a receber uma multa de R$ 574,62, aplicada pela Prefeitura de São Paulo e pela CET (Companhia de Engenharia e Tráfego) de São Paulo.

Segurança

Os patinetes elétricos possuem certificação de segurança fornecida pela fabricante, e as baterias de lítio-íon foram testadas por um laboratório de padrões de segurança eletrônica. A segurança do condutor também é assegurada. Capacetes serão disponibilizados gratuitamente pela SCOO para todos os condutores.

Tecnologia

O período de teste dos patinetes elétricos do SCOO também servirá para checar a tecnologia aplicada em questões de segurança do produto, protegendo-o contra furtos e avarias por vandalismo. “Todos possuem rastreadores e GPS, além do tempo de uso ser codificado como “pay-per-use”, explica Duarte.

Regras Gerais para uso

  • Idade mínima 18 anos de idade
  • Uso de capacete próprio ou fornecido pela SCOO, conforme exigido por lei
  • Estacionar apenas em locais determinados pela empresa
  • Patinar apenas em ciclovias
  • Respeito aos sinais de trânsito e aos pedestres
  • Acionar sempre o freio do patinete, que possui ABS

Motoristas de patinetes elétricos não devem:

  • Jamais andar nas ruas ou calçadas;
  • Carregar acessórios qe impossibilitem que o condutor guie sem o uso das duas mãos;
  • Beber e patinar;
  • Dar carona;
  • Usar o patinete para corridas, passeios de veículos, acrobacias ou manobras
  • Operar o patinete em locais não pavimentados, ou em qualquer local que seja proibido, ilegal e/ou um incômodo para os outros
  • Pesar mais do que 120kg – incluindo bagagem.

SCOO – A startup nasceu no ano de 2018,  com o propósito de oferecer mobilidade compartilhada acessível em deslocamentos de curta distância, colaborando na melhoria da qualidade de vida nas grandes cidades brasileiras. Atualmente é operadora dos patinetes elétricos em São Paulo e é gerida pela Seeds Capital, empresa de capital de risco (venture capital) com foco em startups.

Anúncios

Carta aberta ( e séria) ao Prefeito Bruno Covas.

LGBTSNós, do movimento LGBT abaixo-assinado, vimos por meio desta externar toda nossa solidariedade à Dra. Eloísa Arruda, ex-Secretária Municipal de Direitos Humanos e Cidadania, por todo o processo de machismo, sexismo, misoginia e fisiologismo enfrentado no processo de mudança na Coordenação de Políticas LGBTI de São Paulo.
Uma gestora que sempre esteve ao lado do movimento social LGBT, ouvindo nossas demandas e se colocando ao nosso lado no enfrentamento à LGBTfobia deveria ter sido tratada com mais respeito e dignidade e o partido não deveria permitir que seus integrantes a chamassem pela alcunha de “desequilibrada”, reforçando a desigualdade de gênero dentro do PSDB. Foi com choque que recebemos a informação da exoneração da Dra. Eloisa em razão desses fatos, até porque esperávamos ser recebidos(as) pelo Senhor Prefeito Bruno Covas, para tratar dessa polêmica, antes de alguma decisão. Mas ele se recusou a nos atender, rasgando a democracia da qual tanto enche a boca para pronunciar em discursos ocos. Afinal, expusemos todas essas questões em carta aberta encaminhada ao senhor Prefeito, mas ele claramente decidiu que não precisava dialogar com o movimento social, em atitude inegavelmente antidemocrática.Meninas e meninas

De qualquer forma, obviamente estamos abertos(as) ao diálogo com a nova Secretária de Direitos Humanos já nomeada, por colocarmos a causa LGBT acima de disputas partidárias. Esperamos que ela não sofra o machismo sofrido pela Dra. Eloisa caso tome alguma decisão contrária aos interesses partidários da Diversidade Tucana, aliás presidida pelo Senhor Ivan Batista (podemos ver claramente porque esse setorial atuou tanto na defesa de seu presidente…).

LGBTQueremos, ainda, avisar ao Senhor Prefeito Bruno Covas, que não aceitaremos o retorno do ex-coordenador Ivan Batista, poe todo o exposto na citada carta aberta. Levaremos nossaa demandas à nova Secretária, diretamente.
Reforçamos que Ivan não representa a população LGBT e sequer dá ouvidos às demandas dessa população, agindo como dono de um espaço construído pelo movimento social, com o qual ele tem se recusado a dialogar, como atestam entidades aqui signatárias.

Não à Ivan Batista! Não ao fisiologismo! Não ao machismo! Não ao sexismo! Não a misoginia partidária!

lgbtsAssociação Mães pela Diversidade
APOGLBT SP – Associação da Parada do Orgulho LGBT
Consulado das Famílias
Família Braction
Família d’ Matthah
Família Durell SP
Família Mad Queen
Família Mó chavão
Família Smorffets
Família Stronger
GADVS – Grupo de Advogados pela Diversidade Sexual e de Gênero
IBRAT – Instituto Brasileiro de Transmasculinidades
Ivone de Oliveira – Blog Gata de Rodas
Matheus – Portal Menino Gay
Salete Campari
Heitor Werneck
Consulado das Familias LGBT
Instituto omidare
Diversa Cultura e Arte -Dac

ARTIGO – Postes desencapados. Por Marli Gonçalves

PosteNão encoste no poste. Eles são frágeis, sem ideias, a não ser as que colam neles, servem só para atravancar e segurar mal e porcamente os malditos fios que teimam em não ser enterrados. Agora, metidos, querem de novo participar das eleições

Estaca, pau, toco, se já é difícil definir melhor os postes, agora eles tentam nos atrapalhar novamente nas eleições. Se estamos nessa penúria já é por causa de uma posta presidenta que caiu tarde, nos deixando a sua sombra da meia-noite, o vampiro que se escondia por detrás da chapa quente. Não é que agora estão tentando “emplacar” outros e outras?

Não sei se dar com a cara no poste é pior do que os acintes que nos impõem dia após dia. Auto concessão de aumentos de salários de e para quem já ganha o máximo e que, se aprovados, farão uma perigosa transmissão de valores para todas as esferas, ressonantes. Pior, quem poderia parar essa gracinha são justamente aqueles que – justamente pelos agraciados – serão julgados logo mais à frente.

Bem, e as aterradoras discussões do espetado país que solta para o Dia dos Pais quem matou o seu com requintes de crueldade?

Justiça? Querem debater para intervir sobre nossa cultura e religião, os nossos corpos, e aceitam, plácidos como postes inertes, que um preso por eles julgado, julgado e julgado se arrogue da porta para fora com megafone, receba mais visitas do que as casas da mãe joana, e ainda queira ser candidato à presidência da República. O espetáculo continua: agora, além do ap triplex, alguém já tinha ouvido falar da chapa triplex? Preso, poste, vice. Três em um. E um monte de inteligentinhos batendo palmas pros malucos dançarem. O que bebem para se encostar nos postes? Acham mesmo que essa é uma atitude avançada, de esquerda, de compromisso social, popular, correta?

Ou será apenas tanta insegurança que acham que seguir um líder, um Messias, um Bessias, os salvará? O mesmo com relação aos patriotinhas de araque, quem quer o poste Palmito, apelido que ele próprio disse que tem mostrando seus pálidos cambitos, e que pretende pendurar insígnias militares no nosso viver, contaminando tudo com toda a sua atroz ignorância.

O momento é sério. Estamos em grandes dificuldades. Não temos um candidato sequer que possa ser defendido sem ruborizar. Para relaxar, até porque já não tem mais outro jeito a não ser esperar o dia seguinte, estamos brincando, fazendo memes, até nos esforçando para tentar ouvi-los em debates e entrevistas para ver se, quem sabe, espremendo bem, sai algo que preste. E dia a dia só piora. Falam uma língua desconhecida, desqualificam nosso idioma, usam termos pomposos, prometem o que é impossível e fazer o que nunca fizeram quando puderam.

E os “novos” – que surgem, batendo no peito que são novos e chegam com as mais milenares práticas do dá aqui, que eu retribuo lá?

Não fizemos reforma política. Agora será uma maçaroca e é no que eles mais uma vez se fiam com a nossa distração. Talvez poucos entendam ainda que no dia da eleição vão encontrar uma urna repleta de fotos, e que terão que apertar para presidente (que vem com o vice dependurado), dois senadores, governador, deputado federal e estadual. Seis vezes aquele irritante alarme triiimmmm vai tocar. Pela ordem: deputado federal, deputado estadual ou distrital, senador primeira vaga, senador segunda vaga, governador e presidente da República.

Um monte de postes. Um do lado do outro. No meio da rua. Para tropeçarmos, darmos topadas neles. E estarão interligados transmitindo essa energia ruim que já sentimos no ar. Aterrados estamos nós.

Mariposas, quem nos dará uma luz?

————————————–

Marli Gonçalves, jornalista – Se tivesse um cachorro, o levaria para irrigar esses postes.

Brasil, 2018

marligo@uol.com.br e marli@brickmann.com.br