Agora importamos sarampo também! Veja o alerta da Secretaria de Saúde

SP confirma caso de sarampo importado

 e convoca paulistas para vacinação

 Paciente de Campinas contraiu vírus durante viagem aos EUA; quem vai viajar ao exterior ou a outros estados deve se proteger

A Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo decidiu convocar as pessoas que irão viajar ao exterior ou a outros estados brasileiros para que tomem a vacina contra o sarampo, caso ainda não tenham sido imunizadas. O motivo é a confirmação do primeiro caso importado de sarampo no Estado desde 2005. A ação é preventiva, com objetivo de evitar que a doença retorne a circular no território paulista.

Segundo investigação do Centro de Vigilância Epidemiológica (CVE) da Secretaria, o caso confirmado é de um morador de Campinas, de 41 anos, sem documentação de vacina tríplice viral, que viajou para Orlando (EUA) em janeiro. Análises de amostras de sangue e urina feitas no Instituto Adolfo Lutz, em São Paulo, e na Fiocruz, no Rio de Janeiro, deram positivo para sarampo.

Além dos viajantes, devem tomar a vacina os profissionais que atuam no setor de turismo, como motoristas de táxi, funcionários de hotéis e restaurantes, e outros que mantenham contato com turistas no Estado. Também devem tomar uma dose da vacina profissionais de saúde e de educação. Pessoas com doses em atraso na caderneta também devem tomar a vacina.

A vacinação é importante. No calendário básico a primeira dose é aplicada aos 12 meses e uma segunda dose entre 4 e 6 anos de idade. Para as pessoas entre 7 e 19 anos de idade, recomenda-se que recebam 2 doses (com intervalo de 30 dias) e para as pessoas entre 20 e 50 anos, pelo menos uma dose. 

Casos de sarampo continuam ocorrendo em diferentes partes do mundo, como Europa, África e Austrália. Na região das Américas houve evidência de surtos neste ano no Canadá, Estados Unidos e Argentina. No Brasil, em 2010, foram identificados 68 casos de sarampo, distribuídos entre Pará, Rio Grande do Sul e Paraíba.

O Estado de São Paulo não apresenta casos autóctones de sarampo desde 2000. Em 2001, 2002 e 2005 foram identificados quatro casos importados ou vinculados à importação.

“A vacinação é a forma mais eficaz de se prevenir o sarampo. Por isso reforçamos a necessidade de todos aqueles que não tiverem comprovação de dose em carteira, em especial aos viajantes, comparecerem aos postos de saúde para tomarem a vacina e ficarem protegidos”, afirma Helena Sato, diretora de Imunização da Secretaria.

Para os viajantes que retornam a São Paulo a orientação é para que fiquem atentos aos sintomas do sarampo. Os principais sintomas são febre e exantema (manchas avermelhadas no corpo), acompanhados ou não de tosse, coriza e conjuntivite. Nesses casos a recomendação é para que a pessoa procure imediatamente um posto de saúde e evite contato desnecessário com outras pessoas até que receba avaliação médica.

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.