Brilhante ensaio sobre a loucura. Do Helinho Schwartsman , na Folha, hoje

Hélio Schwartsman, na Folha de S  Paulo, de hoje                                                                    

Ouvindo vozes

SÃO PAULO – Alguns médicos se queixaram da coluna na qual critiquei a lei que prevê a internação involuntária, que o governo quer utilizar em seu plano anticrack. Para eles, como o médico sempre pauta sua ação pelo bem do paciente, nem seria necessário reforçar as salvaguardas jurídicas dadas ao interno.

É possível, e até provável, que a maioria dos médicos observe o princípio da beneficência, mas daí não decorre que o sistema funcione, em especial no campo da psiquiatria.

Prova-o o célebre experimento conduzido por David Rosenhan em 1973, em que o psicólogo e sete associados, todos sãos, apareceram em diferentes hospitais psiquiátricos dos EUA queixando-se de ouvir vozes. Todos foram imediatamente internados. No hospital, passaram a agir normalmente e de modo cooperativo, dizendo que as vozes tinham sumido. Mas sair era mais difícil do que entrar. A estadia média foi de 19 dias (variando de 7 a 52).

A parte mais divertida é que, embora nenhum dos médicos e enfermeiros tenha notado que os pesquisadores não estavam doentes, 35 de um total de 118 pacientes perceberam. “Você não é louco. É jornalista ou professor”, disse um interno.

E as coisas não acabam aqui. Ao tomar conhecimento de que Rosenhan preparava seu artigo, representantes de um hospital lhe escreveram dizendo que não cairiam num truque barato desses.

Rosenhan aceitou a provocação e escreveu de volta propondo um desafio. Nos três meses seguintes, ele enviaria ao hospital um ou mais pseudopacientes, que a instituição deveria identificar como tal. Dos 193 internos admitidos no hospital no período, 41 foram classificados como impostores e 42 como possíveis fraudes. Só que Rosenhan blefara e não havia mandado nenhum confederado seu. “Está claro que não conseguimos distinguir os sãos dos insanos em hospitais psiquiátricos”, concluiu o pesquisador. QED.

helio@uol.com.br

Um comentário sobre “Brilhante ensaio sobre a loucura. Do Helinho Schwartsman , na Folha, hoje

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.