Sangue do dragão, entre outros nominhos que dizem tudo. Pimenta brasileira entre as mais ardidas do mundo.Veja essa matéria do G1

Casal do DF planta pimentas mais ardidas do mundo, segundo Guinness

Sylvio Borges e Priscila de Ávila plantam 90 espécies de 62 países.
Plantação em chácara começou com simpatia para espantar mau-olhado.

 FONTE: G1

Káthia Mello Do G1 DF

Um professor de inglês e uma cantora do Distrito Federal largaram suas profissões para se dedicar ao cultivo de algumas das pimentas mais ardidas do mundo, segundo o Guinness, o livro dos recordes. Há quatro anos, Sylvio Borges e Priscila de Ávila plantam 90 espécies de pimentas de 62 países.

“Sangue de dragão”, “picada de escorpião” e “inferno de Dante” são os nomes dados a alguns dos molhos preparados pelo casal a partir de suas pimentas. Entre as espécies cultivadas está a indiana Bhut Jolokia, eleita pelo Guinness em 2007 como a mais ardida do mundo.

'Sangue de dragão', 'picada de escorpião' e 'inferno de Dante' são nomes dados a alguns dos molhos preparados pelo casal do DF a partir de suas pimentas (Foto: Káthia Mello / G1)A pimenta indiana Bhut Jolokia, eleita pelo Guiness em 2007 como a mais ardida do mundo, cultivada emn chácara no DF (Foto: Káthia Mello / G1)

Também conhecida como “pimenta fantasma”, porque “espanta até espírito“, a espécie tem mais de 1 milhão de unidades de ardência, segundo a escala Scoville, que mede a intensidade da capsaicina, o composto químico presente nas plantas. A escala vai de 0, índice no qual estão enquadrados os pimentões, a 15 milhões de unidades, o equivalente a capsaicina pura.

O grau de ardência da Bhut Jolokia equivale a 40 vezes o da pimenta malagueta. A espécie indiana também é conhecida por ser utilizada na produção do spray de pimenta, usada pelas polícias de vários países.

Para mim, a caribenha 7 Pod é infernal. É a única pimenta que eu respeito mesmo. Essa dói”
Sylvio Borges, produtor de pimenta no Distrito Federal 

A produção do casal é vendida para restaurantes de Brasília e de outras cidades. “A nossa especialidade são as mais fortes”, diz Borges.

As sementes, cultivadas em uma chácara no Núcleo Rural Lago Oeste, em Sobradinho, são importadas. As das espécies mais nobres, como as indianas, custam até 6 euros a unidade, o equivalente a cerca de R$ 15.

“Compro as sementes pela internet, em um site espanhol. O local é credenciado pela Organização Mundial de Saúde. As sementes passam por testes físicos e biológicos antes de serem comercializadas”, explica Borges.

Mau-olhado
Foi por acaso que Borges e Priscila entraram no mundo das pimentas. Priscila disse que plantou na chácara onde vivem um pé de pimenta como simpatia, para afastar mau-olhado.

“Deu uma praga e o Sylvio começou a pesquisar na internet a solução. Durante as pesquisas ele encontrou um grupo que planta pimentas de outros países”, conta. E foi durante os estudos que ele descobriu a Naga Morich, outra espécie indiana, parente próxima da Bhut Jolokia.

O casal recebeu um kit com várias espécies para experimentar e, após fazer contas, percebeu que a produção de pimentas era um negócio viável.

O cuidado com a plantação é pensado em todos os detalhes. O casal iniciou uma criação de cabras para produzir o adubo orgânico usado no cultivo. “As pimentas são plantadas com adubo de nossas cabras leiteiras. Tenho 30 animais. É tudo 100% orgânico”, diz Borges.

Além de fornecer seus produtos para restaurantes, o casal participa de eventos e feiras na capital.

O G1 esteve numa dessas feiras, em um shopping de Brasília, e constatou que os molhos com as pimentas mais ardidas do mundo são capazes de provocar lágrimas nos apreciadores.

Foi o que aconteceu com o diretor do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura de Pernambuco, Tadeu Pontes. Apaixonado por pimentas, ele se interessou pelos produtos produzidos por Borges e Priscila e experimentou vários produtos.

“Algumas são fortes demais e outras mais saborosas. Essa ‘sangue de dragão’ é muito boa e muito forte. A pimenta nordestina não é tão forte. Essa me fez chorar”, disse, enxugando os olhos.

Na visita à chacara de Borges e Priscila, o G1 conheceu alguns segredos dos produtores. Eles têm guardadas e identificadas em uma caixa as sementes que serão plantadas, as que serão testadas e as de que eles mais gostam. Como são feitos os molhos, Borges não revela. “Tem mistura que eu faço que nem a Priscila conhece”, revela.

A pimenta preferida dele não é indiana. “Para mim, a caribenha 7 Pod é infernal. É a única pimenta que eu respeito mesmo. Essa dói”, conta. Quando recebe amigos, ele prepara molhos de um vidro onde estão concentradas as seis pimentas mais fortes do mundo. “São as top de linha. É da diretoria. Tem que ser doido para provar o que tenho nesse vidro. Só uso em ocasiões especiais”, diz Borges.

Sylvio Borges em sua plantação e exemplos de pimentas produzidas por ele e a mulher (no alto, a partir da esquerda) com adubo orgânico de cabras criadas pelo casal;  abaixo, à esquerda, acervo de sementes compradas pela internet de produtor espanhol (Foto: Káthia Mello / G1)Sylvio Borges em sua plantação e exemplos de pimentas produzidas por ele e a mulher (no alto, a partir da esquerda) com adubo orgânico de cabras criadas pelo casal; abaixo, à esquerda, acervo de sementes compradas pela internet de produtor espanhol (Fotos: Káthia Mello / G1)

As mais ardidas
Entre 1994 e 2000, a pimenta Habanero Red Savina, do México, constava no Guinness como a mais “quente” do mundo, com 577 mil unidades de ardência na escala Scoville. Em 2007, os especialistas consideraram a Naga Morich como a mais ardida, superando a mexicana.

Essa espécie, que também entrou no livro dos recordes, é uma prima da Bhut Jolokia, que a sucedeu naquele ano. Há ainda uma espécie de pimenta conhecida como “scorpion”, originária de Trinidad e Tobago.

Do tamanho aproximado de uma bola de golfe, uma variedade da scorpion plantada na Austrália, a Butch T, foi classificada pelo Guinness como a pimenta mais ardida do mundo em 2011, com 1,463 milhão de unidades de ardência.

2 comentários sobre “Sangue do dragão, entre outros nominhos que dizem tudo. Pimenta brasileira entre as mais ardidas do mundo.Veja essa matéria do G1

  1. Bruno 10 de abril de 2012 / 11:18

    Preciso do contato deles para poder comprar também… Parabéns

    Curtir

    • marligo 10 de abril de 2012 / 13:48

      puxa, Bruno, não tenho o contato! e volta sempre!

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.