Entre a cruz e a caldeirinha, por Marli Gonçalves

Sempre nos deparamos com bifurcações. Mas algumas decisões, embora nossas, só nossas, também são coletivas, e dizem respeito a um monte de gente. Mais uma vez o “carrinho de bater” onde levamos nossa vida vai ter que decidir por onde ir, por qual caminho, e de mãos dadas com quem. Sem meias palavras, sem meias desculpas e até sem a meia estação que piscou, virou Primavera, e eles não são flores para cheirar

Na frente do abismo. Dá vontade de sentar e ficar só anotando todas as formas e analogias possíveis de descrever estar entre uma e outra coisa, ambas esquisitas, mas adoro a imagem da caldeirinha, que imagino aquela bem pretinha, gasta, de ferro e alça. E a vejo em cima de uma fogueira com algo borbulhante já fervendo, quente. Da cruz, engraçado, penso sempre em manter civilizada distância – não é um símbolo que me apeteça. Me entristece.

A expressão foi cunhada diferindo a vida da morte, o sim e o não, essa constante dicotomia da vida, bem e mal, com água benta enchendo a tal caldeirinha. Significa também, veja que lindo, estar entre Cila e Caríbdis, que também é quando alguém escapa por um triz de uma má situação e cai em situação ainda pior ou se encontra perante um enorme perigo, seguido de outro ainda pior. Na real é passar entre um despenhadeiro e um redemoinho, fabulosamente visto como monstros crueis contra viajantes distraídos.

Entendeu a analogia poética? Se você é de São Paulo, especialmente, imagino que sim, embora dilemas estejam diante de todos nós todos os dias, em todos os locais. Se você é consciente e anda preocupado com uma certa santificação que anda por aí, entendeu também. Pode ser ainda que você apenas esteja confuso – é bem o caso – e sem entender como pudemos chegar neste praticamente beco sem saída. Porque também nao é o caso de tirar o corpo fora: nós criamos essa situação. Estamos carentes de líderes. Tanta modernidade, tanta tecnologia, e só surgem meias-tigelas.

Pior é que não é entressafra. Nosso celeiro não tem revelado grandes coisas, ao ponto de vermos, se autochamando de novos, pessoas e fatos que não são exatamente novos; alguns são até velhacos.

Com a temperatura maluca do jeito que está até as plantas estão se insurgindo, e de repente dão flores fora de época. Tudo é possível e há uma nova ordem se impondo meio que obrigatória. Só que cada um quer cuidar do seu jardim, da sua horta, o que até é compreensível. Cecilia Meirelles foi categórica: “A primavera chegará, mesmo que ninguém mais saiba seu nome, nem acredite no calendário, nem possua jardim para recebê-la. A inclinação do sol vai marcando outras sombras; e os habitantes da mata, essas criaturas naturais que ainda circulam pelo ar e pelo chão, começam a preparar sua vida para a primavera que chega (…)”.

O problema é que não é só decidir guinadas à direita ou à esquerda, porque as pistas se confundem, e as placas dão indicações erradas, como se o Lobo Mau estivesse nos cercando na floresta.

A gente não sabe se vai ou se fica. Se tosse ou espirra. Se leva blusa, chapéu ou guarda-chuva. Se protege o pescoço ou as orelhas.

Se vota com luvas. Ou se deixa as digitais.

Estamos mesmo entre a cruz e a caldeirinha. Entre a espada e a parede. Entre o martelo e a bigorna. Na beira do abismo.

São Paulo, primavera 2012

Marli Gonçalves é jornalistaComeçou o ano de Portugal no Brasil. Nada como aproveitar grandes falas culturais comuns. Enquanto o gato anda pelo telhado, anda o rato pelo sobrado. Enquanto o meu carvão não acabar, serei uma brasa. Enquanto o vinho desce, as palavras sobem. Enquanto os cães brigam, o lobo leva a ovelha. Enquanto se capa, não se assobia. Enquanto se conta, não se erra. Enquanto se descansa, se carrega pedra. Ensaboar a cabeça do asno é perder sabão. Melhor não ensinar padre nosso ao vigário. Ensinar rato a subir de costas em garrafa. Entre gado ruim há pouco que escolher. Entre gente honesta basta a palavra.

************************************************************

E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br

2 comentários sobre “Entre a cruz e a caldeirinha, por Marli Gonçalves

  1. Silvio Massarini 8 de setembro de 2012 / 15:42

    É, cara amiga Marli.esse povo analfabeto político não toma jeito mesmo…É verdade que de todos os candidatos à prefeitura, eles são o ruim do pior. Não há muita opção não…É cada Zé Promessa, Promessinha e Promessão, que a gente fica estupidificado ao ver a cara de pau como eles fazem as promessas mais mirabolantes, impraticáveis, e impossíveis de cumprir. Inclusive o Serra, que já foi prefeito duas vezes e não deu jeito em tanta coisa que teria de ser feita. Não teve tempo, teve de abandonar os mandatos por duas vezes, para se alçar em outros voos. E deixou de herança, cada vice! Vixe! O atual prefeito e seu ex-vice, é um caso de polícia. Mas, e os outros candidatos? Cada um pior do que o outro…E o pior é que o povo, totalmente analfabeto político, não sabe diferenciar o ruim do pior. Não podemos condená-lo por isso, as opções são muito ruins. O ideal seria votar no menos pior. Mas, exixtirá algo menos pior do que essa ‘troupe’que se apresenta como salvadores da pátria, ops!!! Da cidade? É cada figura de arrepiar! Só me admiro é do Tiririca não ter se candidatado também, em comparação com essa turminha “braba” que aí está, e levando-se em conta a votação que teve como deputado federal, ele ganharia com uma mão nas costas…Essa eleição aquí em Sampa, vai ser um verdadeiro “Circo do Horrores”…

    Curtir

  2. norma7 8 de setembro de 2012 / 15:53

    Marli, eu mesma aki no RJ sou acometida de crises de drapetomania (*)
    Bom Finde, Bjo Norma
    (*) impulso irresistível em querer fugir (rs)

    Em tempo: Ano de Portugal no Brasil. Passei o link do teu post s/o ass. para Aventar – PT (literário/político – na maré que atravessam, mais político do que tudo…) Causou! (espanto):
    QT

    “Maria do Céu Mota commented on Literacia não é para nós.

    Muito obrigada!!!!! Ano de Portugal no Brasil!! Quem diria! Bjo Céu”

    Unquote
    Boa sorte,Nac.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.