ARTIGO – Quando setembro vier, por Marli Gonçalves

bandeira brasileiraEu quero estar primavera. O mais lindo mês do ano, pelo menos para mim, chega com gosto de dúvida, de desilusão, de mais repetição de promessas de sonhos que não se realizam. Devia marcar o contrário, a criação e o florescimento, mas a mediocridade está secando a terra, e só ervas daninhas estão sendo, digamos, legalizadas e incentivadasb151

Meus dedinhos gordinhos foram contando… setembro, outubro, novembro, pânico, dezembro! O terceiro quadrimestre abre a cortina e já mostra os dentes com um sorriso maroto e muito pouco confiável. O coração aperta e o bolso, ah, este, coitado, que já vive tendo contrações terríveis, se estoura de vez. Fosse só isso, normal. Mas há um estranho sentimento no ar que respiro, e que percebo – não é pólen. É descrédito, decepção, uma preguiça danada, toalhas jogadas ao chão junto com os cartazes que pediam, pediam, e que até agora não ganharam nada, a não ser uns remendos. Uns garranchos, arremedos.

O mês que também é o mais romântico – deve ser por causa do acasalamento das espécies – marca uma nova aceleração dos fatos, uns empurrões para concretizar um monte de coisas antes que o número vire, e 2014 chegue. Digo até que anteciparia um título: 2014, o ano que a currupoca vai piar. Não adianta procurar no Google, mas saiba que as currupocas, sejam o que for, piam sim. (Já a jiripoca é um peixe que imita passarinho). Aliás, como ia dizendo, construindo meu raciocínio, elas, inclusive, as currupocas, já estão piando! Deve ser a primavera chegando que adiantou o ciclo das eleições e medidas eleitorais, tantos movimentos em cima das árvores, com macacos correndo para os seus galhos ou pulando deles, rapidamente.

flying4É muito impressionante e chega a dar angústia porque o Brasil parece muito com aquela brincadeira de criança, de amarrar uma nota com um cordão, se esconder, e ficar puxando cada vez que um incauto tenta pegar. O Brasil continua o país do Futuro, aos soquinhos, aos pulinhos; anda uma casa, recua três, avança duas, retrocede e fica de castigo sem jogar por duas rodadas. Quarenta ministros e quetais para só uns dois ou três ficarem apitando a locomotiva para aparecer. O resto, ei lá, gazeteia. É um vai-não-vai-vai sem graça.

FREETudo isso pode emergir no Dia 7 de Setembro. Ou não, como diria Caetano. Ou talvez,como gesticularia o Gil, pode não ser bem assim. É Dia da Pátria, Dia do Pau Brasil. Mas ainda não é dia do patriota que, aqui, é só nome de um ministro a cada dia mais nanico, mais inoperante. Um ataque de arma química na Síria mata mais de mil, criancinhas são mostradas agonizantes, e o cara diz apenas que “é grave e preocupante, precisa ser investigado”. Um brasileiro é preso em Londres, tem suas coisas apreendidas, e o Patriota chama de “inusitada” a ação inglesa. Fora os coitados dos corintianos que penaram aqui na esquina da Bolívia. Qualquer hora essezinho vai perder a permissão até para usar seu próprio sobrenome.

Já falei para vocês e se não falei, conto agora, que fui uma criança fraquinha, o que me manteve muito dentro de casa, assistindo a desenhos animados e lendo contos que me influenciam até hoje. Um deles me veio à cabeça agora, para tentar descrever a ânsia de nossa presidente que vejo, tentando se disfarçar de fada madrinha, abrindo um saquinho de bondades e felicidades que se desmancham no ar quando em contato com quem pensa. A varinha de condão, a caneta com a qual assina os benefícios exclusivos e especiais, inclusive financeiramente, para os aduladores que se multiplicam à medida que sua popularidade baixa, impressionante!

h16Mas vamos hastear as bandeiras! Vesti-las. Pintar tudo de verde e amarelo, nos fantasiar de flores pipocando em todas as terras, dando frutos. Pode até amarrar pano na cabeça para se disfarçar e não ser reconhecido – uma ideia para um monte de gente que não poderia nem ser visto protestando porque há, sim, uma patrulha no ar. (E, garanto que não é o Obama em busca de terroristas, mas partidários na caça dos que consideram desviados). É uma patrulha especial que vive nos fundos das pensões, de onde sai apenas para disfarçar um pouco os cortiços, torná-los só mais arrumadinhos; prega um prego aqui, constrói um negocinho ali. Joga um cubano onde houver um prefeito amestrado. Pinta lá.

Nada de planejamento, nada de estrutura, de estudos, de direção. Vai batendo o vento e eles vão vergando, mas essa é esperança que, tal como no funk, desçam, desçam , desçam, até o chão e lá fiquem para pelo menos adubar a terra.

Podemos começar agora. Pode não ser hoje nem amanhã, mas conseguiremos. Para que possamos acreditar. Botar uma fé. E aí viver uma primavera de verdade. Uma primavera brasileira, a nossa. Trabalhando como as abelhas e as formigas. Cantando como as cigarras. Fazendo os ninhos para chocar o Futuro.4

São Paulo, 2013
Marli Gonçalves é jornalista Uma otimista por natureza.

********************************************************************

E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br

3 comentários sobre “ARTIGO – Quando setembro vier, por Marli Gonçalves

  1. Otaviano Gomes 25 de agosto de 2013 / 16:40

    Menina! Você foi fuundo! Parabéns pelo artigo, pelo discernimento e espirito civico.

    Curtir

Deixe uma resposta para Otaviano Gomes Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.