Ninguém melhor do que a própria vítima da intolerância para falar sobre o caso do Colégio Rio Branco

englishlesson2Este comentário (sic) foi postado ontem aqui.

Destaco, por considerar que ninguém melhor do que essa pessoinha para dizer o que se passou e como ela se sente.

Não vou colocar meu nome, mas posso dizer, isso tudo, toda essa polemica aconteceu comigo. Fui sentar na sala de aula e vi os escritos, contei para minha mãe e isso assumiu grandes proporções, até que hoje dia 06/03 fui em uma reunião na escola com a minha mãe. A diretora falou que iriam trabalhar e conversar com os alunos tanto em sala como individualmente, mas de nada adiantou, ainda dia 06/03 as 21:38 recebi gravações de audio no gupo da sala do whatsapp com reclamações da atitude da escola e com reclamações contra a atitude da minha mãe de ter publicado. Mas é ridiculo, talvez se tivessem publicado isso em 1938 não teriam matado mais de 8 milhões de pessoas, entre elas 6 milhões de judeus.

Esperando poder ajudar para que casos como esse jamais voltem a ocorrer, agradeço a todos que nos prestigiaram e os convido para sempre aparecerem neste blog que tem a luta pela liberdade, paz, e respeito entre os povos,  como um de seus princípios fundamentais.

——————————————————————————–

Para saber mais sobre o caso:

1. CLIQUE AQUI

2. ou AQUI

3 comentários sobre “Ninguém melhor do que a própria vítima da intolerância para falar sobre o caso do Colégio Rio Branco

  1. jomabastos 7 de março de 2014 / 19:32

    Muito bem! Um relato de quem esteve in loco.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.