Sobre os escorpiões que andam no Congresso… Passam bem depois de picar certas pessoas?

A Câmara dos Deputados encontrou mais de uma centena de escorpiões em suas dependências, nos últimos dias. Apesar de perigosos, eles não podem ser eliminados para que a Zoonoses identifique a espécie e faça as anotações estatísticas, como manda a lei. Os brigadistas explicam que, com o retorno das chuvas, os bichos peçonhentos buscam alimento (baratas) e também o calor na Câmara.
Apesar do alerta, não há registro de deputado picado por escorpião, à exceção de Heráclito Fortes (PSB-PI), em um restaurante de Brasília.
Um assessor parlamentar ficou muito nervoso quando um escorpião caiu sobre o seu paletó dentro de um dos elevadores do Anexo 4.
Servidores reclamam que, apesar da infestação, não existe previsão para dedetização. “Estão esperando morrer alguém”, reclamam.
Os relatos são de invasão geral: escorpiões têm sido encontrados em corredores, banheiros, gabinetes… Mas eles parecem evitar o plenário.

Um comentário sobre “Sobre os escorpiões que andam no Congresso… Passam bem depois de picar certas pessoas?

  1. José Silvério Vasconcelos Miranda 17 de novembro de 2017 / 14:01

    Infestação de escorpiões nada tem de incomum. Brasília é uma das cidades mais sujas que já
    conheci. Deve ser excesso de baratas. Controle natural de pragas urbanas. Ratazanas de toda
    espécie existem em abundância em BSB, desde os anos setenta quando morei por lá. E tem mais: os escorpiões não frequentam o plenário por temer os deputados. Mais peçonhentos do que os insetos.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.