ARTIGO – Sonhos de muitas noites de Quatro Estações. Por Marli Gonçalves

Sou bem sonhadora, o que me dá a vantagem de pelo menos às vezes, acordada, conseguir levantar o pé dessa realidade, no mínimo torpe, fase que estamos atravessando aos trancos e barrancos. Mas nunca, dormindo, sonhei tanto, e os sonhos mais loucos, do que nesses últimos meses. São muitos, coloridos, e o mais engraçado é que em geral andam sem conexão direta com quaisquer fatos reais; aliás, que possam até ser descritos assim. Tem acontecido com você aí também?

Paul Nash - sonhos

Os nossos sonhos, aqueles que elaboramos enquanto estamos acordados têm, a princípio, algum pé e cabeça, alguma lógica. Sabemos de onde eles vêm, de desejos, do coração, de coisas que almejamos viver, fazer, ver acontecer. Nessa época do ano aumentam consideravelmente principalmente porque começamos a fazer aquelas enormes promessas para nós mesmos. Elegemos a zero hora do primeiro dia de janeiro como se mágica fosse. O problema, claro, depois, passam a ser as frustrações por não cumprir muitas delas. Daí, sempre melhor nem contar para ninguém quais foram essas promessas, para pelo menos não ter de lidar com isso também. Já basta a gente se cobrando.

Mas adoraria saber exatamente um pouco mais sobre a fonte dos sonhos loucos e surreais das noites. Do que são feitos? Adianto que não bebo, durmo bem, durmo cedo, sem aditivos, aquele soninho de botar a cabeça no travesseiro e ir embora, uma verdadeira bênção nessa altura dos acontecimentos que vêm mexendo tanto com nossas cabeças, com nossa ansiedade. Conheço tanta gente que está com sérios problemas de insônia, e não é por menos o recorde de tarjas pretas sendo vendidos.

Uma vez ouvi dizer – precisa acreditar, ser um pouco mais esotérico – que enquanto dormimos o nosso espírito, nossa alma, sei lá, essa parte invisível de nosso ser, se separa e viaja em um espaço etéreo que não conhecemos. Bom, pelo menos uma viagem que não custa nada, que não precisa agendar, nem correr em agências de turismo, muito menos se preocupar com essa loucura de passaporte, se tomou, se testou, vírus e cepas para lá e pra cá, controle alfandegário; o combustível também não preocupa, porque nos sonhos a gente até voa. Não precisa arrumar malas, reservar assento, resolver onde ficar, prazo de ida e volta, horários, com quem deixar os bichinhos. Tudo aquilo que faz com que a gente quase se canse mais ainda com providências a serem tomadas. Também saem bem mais baratas essas extravagantes viagens noturnas, interrompidas apenas pela vontade de fazer xixi. Depois, a volta para a cama faz com que outra viagem nos sonhos comece.

Digo que essas visões têm sido o de melhor e mais criativo nesses meses quando preocupações e notícias esquisitas têm sido a nossa rotina. As vivemos naquele momento. Elas somem depois, deixando apenas alguma sensação. Penso em manter o tal caderninho do lado da cama, até já tentei. Não deu muito certo. Primeiro porque precisaria dar uma acordada legal para anotar direito; e  as que fiz, meio sonada, depois não houve Cristo que me deixasse entender minha própria letra – parecia aquelas palavras doidas de um idioma inexistente que a primeira dama cantou outro dia, e que depois ainda tentou explicar. Só uma vez, e este ano, consegui: e o imponderável aconteceu. Nas anotações, que aliás demorei meses para rever, havia uma rascunhada sobre gatos brancos. E não é que já estava ao meu lado a minha Nyoka, adotada de uma ninhada toda branca? Sucessora da que perdi em fevereiro, a Love.

Vamos sonhar às noites que é o melhor. Anda cansativo todos os dias ao acordar de vez pela manhã correr para ver se o governo caiu, se algo mudou, se o cara não falou ou ordenou mais alguma bobagem. E descobrir sempre que parece que só piora. Tenho visto muita gente reclamando das notícias, eu bem sei, mas puxa, é o pesado papel da imprensa apresentar a realidade, e ela está sendo de verdade muito cruel para todo o mundo. Não tem jeito. Não adianta parar de ler notícias, como tenho ouvido alguns tentarem. Não reclamem contra o mensageiro: ele traz os elementos para que, informados, consigamos mudar, transformar as situações. Respeite a imprensa.

Essa semana está chegando com o Verão, com o Natal, finalizando mais um ano, e o próximo mais uma vez não será bolinho – já dá para antever.

Meu desejo para todos, agora, é que tenham boas noites de sono, e com sonhos que tragam as melhores fantasias, os locais mais fantásticos, e que nessas horas possamos conhecer pessoalmente a Esperança, e que essa nos alimente a vida real.

___________________________________________________

Marli GonçalvesMARLI GONÇALVES – Jornalista, consultora de comunicação, editora do Chumbo Gordo, autora de Feminismo no Cotidiano – Bom para mulheres. E para homens também, pela Editora Contexto.  (Na Editora e na Amazon). marligo@uol.com.br / marli@brickmann.com.br

___________________________________________

 (se republicar, por favor, se possível, mantenha esses links):
Instagram: https://www.instagram.com/marligo/
No Twitter: @marligo
Blog Marli Gonçalves: www.marligo.wordpress.com
No Facebook: https://www.facebook.com/marli.goncalves 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.