#ADEHOJE – CAIU UM AVIÃO E 182 MULHERES MORRERAM. SE LIGA.

#ADEHOJE – CAIU UM AVIÃO E 182 MULHERES MORRERAM. SE LIGA.

 

SÓ UM MINUTO E MEIO!Se eu falar que caiu um avião no ano passado e que matou 182 mulheres só no Estado de São Paulo vocês vão ficar comovidos, pedir investigações, noticiar de dia, de tarde e de noite, buscar especialistas para perguntar o porquê desse desastre? Pois bem, não caiu o avião. Mas 182 mulheres foram vítimas de feminicídio apenas no ano passado, e contando apenas as ocorrências aqui no Estado de São Paulo. Em 2018, esse “avião” matou outras 136 mulheres. Agora em 2019, repito, foram 182. Isso, contando os casos declarados como feminicídio.

Foram 55 mil lesões, ou seja, mulheres que não foram assassinadas, mas machucadas, com lesões sérias. Também só em SP esse número. O que dá mais ou menos 150 casos por dia.

Está entendendo a gravidade do problema ou será preciso que mais um ano passe e mais muitos aviões destes matem? Vamos falar sério sobre esse assunto?

Imagem relacionada

ARTIGO – A Era do Bate-boca. Por Marli Gonçalves

  Creio que, a partir de janeiro, com a posse do novo Governo, a Era do Bate-boca se torne realidade histórica. Já vem num formidável crescendo, pega pra capar, durante o processo eleitoral. Tudo acaba em bate-boca, por mais que se evite. Na vida, na política, no futebol, nos amores. Mas no maior dessa semana deu orgulho a altivez (e até certa paciência) com a qual a juíza Gabriela Hardt enfrentou o ex-presidente Lula

Com quem você pensa que está falando? Lembra do tempo em que tínhamos de abaixar a cabeça diante de poderosos? Acabou. E não volta mais, não há de voltar. Pois eu lembro bem e faço de tudo para esquecer, hoje batendo é palmas para esse novo momento de não levar desaforo e desrespeito para casa, especialmente as mulheres, que de igual para igual vêm participando em todos os debates. O Lula revoltado que apareceu essa semana dando depoimento no caso do Sítio de Atibaia pareceu claramente achar que a juíza Gabriela Hardt, que substituiu Sergio Moro, baixaria a cabeça diante de sua ex-autoridade. Acho até que ela foi paciente demais.

É o evidente velho hábito – desculpem aí, hein, esquerda, direita, centro! – de achar que mulher é menos, mais facilmente amedrontável. Vimos um Lula destemperado (ok, isso não é tão anormal assim) ao lado de seu pálido advogado silente, enfrentando a Justiça como se ela não fosse para todos, e ali personificada por “aquela mocinha”, como tenho certeza de que ele pensou antes de estar ali cara a cara com ela. Sobrou até para o promotor, várias vezes chamado de você, e para quem ousou até insinuar o que é que ele e ela deviam estar perguntando. E aproveitando para desmerecer com evidente ódio e insinuações o ex-juiz Sergio Moro, que o colocou ali naquele banco. A juíza brincou de Stop; de Wanderléa ao contrário: senhor ex-presidente, pare, agora!

O doloroso processo político que o país vem enfrentando, o momento eleitoral que parece interminável, a sensação de poder das redes sociais e a intransigência colocaram o bate-boca na ordem do dia. Mas há o bom bate-boca, o que poderá nos defender dos desatinos e ignorâncias. Vamos e devemos bater muita boca ainda, principalmente se decisões do novo governo (dos novos governos, se contarmos outros seres reacionários que dirigirão os Estados e alguns de seus parlamentares lambisgoias) nos afrontarem – e algumas já estão vindo recheadas de desaforos.

Debates: saempre bons, para a democraciaA discussão burra que eles chamam de “Escola sem partido”, que sabe-se lá Deus de onde apareceu essa besteira que só atrapalha o foco e a verdadeira busca por uma Educação eficiente; as tentativas de encabrestar os indivíduos e seus corpos numa moral religiosa excludente; as tentativas de criminalizar atos civis e individuais de uma liberdade pela qual tanto lutamos; e, entre outros tantos atos que já podemos prever, o de buscar jogar a sociedade contra a imprensa, a guardiã, trocando-a por falas únicas em caracteres de Twitter, copiando outros topetes do poder mundial.

Motivo para bate-boca não vai faltar. Inclusive de outros países com o nosso, se o diplomata escolhido para Ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, resolver levar seus patéticos pensamentos de cabeceira para a política externa. Serão bate-bocas memoráveis.

Por conta disso vamos bater cabelo e bater barba contra os bate-orelhas; bater chinela e os pés pelos nossos direitos. Zunir e chamar atenção até resolver, como as pequenas abelhas bate-chapéu. Que bater panelas virou démodé e bater coxas é coisa íntima.

Não nos intimidarão como fazem os bate-bolas que saem nas ruas à época de Carnaval, personificando o bicho-papão. Quem fará barulho, porque não somos palhaços, seremos nós. Afinal, já estamos acostumados.

Embora claramente prefiramos um bom e velho bate-papo para resolver as diferenças.

____

  – Marli Gonçalves, jornalista – Tudo para não entrar se não for preciso…, mas mamãe sempre ensinou a não trazer desaforos para casa e que ninguém é melhor do que ninguém. Também sempre respeitei a hierarquia, desde que ela não tente a submissão pela força.

marligo@uol.com.br / marli@brickmann.com.br

Brasil, à espera da posse de 2019

 


 ONDE ME ENCONTRAR: NÃO PERCA O #ADEHOJE, #ADODIA:

https://www.youtube.com/channel/UCC-sDrkeHk5KRijJ6eESqfQ/featured?view_as=subscriber
https://www.facebook.com/BlogMarliGoncalves/
https://www.instagram.com/marligo/?hl=pt-br
www.chumbogordo.com.br
https://marligo.wordpress.com

Até pai de santo já entra na Casa da Mãe Joana. Ops! Palácio do Planalto, de Dilma…Para alertar contra um inimigo de ambos, pai de santo e Dilma

FONTE – COLUNA RADAR – POR LAURO JARDIM – VEJA ONLINE

SÓ PUXANDO A ORELHA DESSES CARAS!

Dilma e Cunha: pendenga espiritual

Depois do deputado Cabo Daciolo (leia mais aqui), hoje foi a vez de um pai de santo dirigir-se à portaria do Palácio do Planalto e pedir para falar com Dilma. Dizia ter uma carta para entregar.

Sabe-se lá por quê, o pai de santo foi encaminhado à Secretaria de Relações Institucionais. Foi recebido por uma secretária. Explicou o pai de santo, apontando para a Praça dos Três Poderes:

– Dilma tem que se proteger. Vim aqui falar isso com ela. Todo mundo aqui faz batuque.

Diante da surpresa da secretária, o pai de santo completou:

– A Dilma tem que se proteger do Eduardo Cunha.

Preocupada, a secretária interrompeu a conversa e, discretamente, telefonou para a segurança. Oito homens subiram até o quarto andar, onde fica a SRI, a Casa Civil e a Secretaria-Geral. Gentilmente, o pai de santo foi convidado a se retirar.

A secretária fez um apelo aos seguranças, indagando por que o pai de santo foi autorizado a subir. Eles tentaram tranquilizá-la, dizendo que já havia um alerta contra ele no terceiro piso, andar onde fica o gabinete de Dilma.

Ou seja: nenhum alerta no quarto andar. Te cuida, Mercadante.

Por Lauro Jardim

ONU ALERTA: para o que nós, mulheres, já estamos sentindo na pele.Retrocesso, em números impressionantes

Buzzed_womanONU alerta sobre retrocesso nos direitos fundamentais das mulheres

Em Genebra/UOL

As Nações Unidas alertaram nesta sexta-feira (6) sobre o retrocesso que estão sofrendo as liberdades fundamentais das mulheres em muitos lugares do mundo.

Por causa do Dia Internacional da Mulher, comemorado no próximo domingo, o Grupo de Especialistas sobre a Discriminação Contra as Mulheres (CEDAW, em sua sigla em inglês) advertiu sobre o perigo de que os os avanços conquistados durante anos de luta pela igualdade se percam.

“Os progressos e as conquistas durante os últimos cem anos na luta pela igualdade das mulheres estão sob constante ameaça”, afirmou a CEDAW em comunicado.

“Estamos vendo sinais repressivos, frequentemente em nome da cultura, da religião, das tradições, que ameaçam o duro progresso alcançado”.

“Estamos vendo tentativas de restringir o lugar da mulher à esfera doméstica, e apesar da importância da família, sua proteção não pode estar em detrimento do direito das mulheres à autonomia”, acrescentou a CEDAW.

Os especialistas lembraram que a discriminação contra as mulheres persiste em todas as esferas, a pública, a privada, em tempos de guerra, em tempos de paz, e em todas as regiões do mundo.

“Continuamos sendo testemunhas de inimagináveis formas de violência no nome da honra, da beleza, da pureza, da religião e da tradição”, disseram.

A cada ano, 50 mil mulheres morrem no mundo por causa de um aborto inseguro e outras 5 milhões sofrem lesões graves por falta de serviços reprodutivos.

A ONU lembrou ainda que a participação política das mulheres continua sendo muito baixa, dado que só representam 20% dos parlamentares do mundo, e 17% dos chefes de Estado e de governo.

O alto comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Zeid Ra’ad al-Hussein, expressou “a necessidade urgente de que as mulheres participem das discussões sobre as respostas estratégicas sobre a violência extremista, a discriminação, e o resto de privações”.woman2

Para isso, pediu aos Estados “que vão em frente com as declarações de intenções e desmantelem realmente as estruturas e dinâmicas de poder que perpetuam a discriminação contra as mulheres”.

“Em todo os lugares é possível fazer mais para garantir e sustentar os direitos das mulheres, seu acesso ao emprego, à saúde e sua capacidade de tomar o controle sobre as decisões que afetam cada dimensão de sua existência”, concluiu Zeid.

“Lembrando os compromissos adotados há 20 anos na Plataforma de Pequim, a comunidade internacional deve introduzir medidas para proteger as mulheres deslocadas pela violência e exploração, e oferecê-las meios de subsistência levando em conta sua educação e suas habilidades”, solicitou William Lacy Swing, diretor-geral da OIM.

Cabe lembrar que a Organização Internacional do Trabalho (OIT) alertou que, no ritmo atual, sem uma ação dirigida, a igualdade salarial entre sexos não será alcançada em, pelo menos, 71 anos.