Caso sério. Conto com sua atenção, também. Isso é Brasil. Mas não pode continuar assim.

ATENÇÃO, CORREÇÃO DE INFORMAÇÃO, ATUALIZADA DIA 8/12/2010, às 20h10

Do site www.brickmann.com.br

“As primeiras informações sobre o caso colocaram a responsabilidade sobre um órgão federal. Quem se opõe ao fornecimento do remédio que mantém a criança viva é, entretanto, a Agência de Vigilância Sanitária de São Paulo, um órgão estadual”.

Eu diria: “dá na mesma”.

 A ANVISA quer matar uma criança??

ESSA NOTA SERÁ PUBLICADA  DAQUI A POUCO NA COLUNA DE CARLOS BRICKMANN,no www.brickmann.com.br 

E  AMANHÃ ESTARÁ EM VÁRIOS JORNAIS QUE PUBLICAM A COLUNA.

MAS ACHO QUE TEM COISAS QUE NÃO PODEM ESPERAR NEM MAIS UM SEGUNDO PARA SEREM DENUNCIADAS, FALADAS, XINGADAS.

São inacreditáveis.

O crime de salvar uma vida

Diz a Bíblia: “Não fique inerte perante o sangue do próximo”. O Talmud, compilação das leis judaicas e de suas interpretações, diz que quem salva uma vida salva a Humanidade. No Brasil, um laboratório está sendo processado por uma agência federal pelo crime de colaborar, de graça, para salvar uma vida.

A história inacreditável do processo da Anvisa, Agência Nacional de Vigilância Sanitária, contra o Laboratório Baldacci, de São Paulo, começou há três anos. Victor, filho recém-nascido de Bianca Calumby, tem uma doença rara: para viver, precisa de um caríssimo aminoácido, a citrulina, que lhe permite aceitar alimentação. O Laboratório Baldacci, procurado, doou três quilos do aminoácido, que garantiram a vida de Victor até o início deste ano. O Baldacci doou então mais dois quilos – tudo documentado, com pedido médico, doação formal.

A Anvisa, alegando que o Baldacci tinha autorização para usar o aminoácido como matéria-prima, mas não para doá-lo, autuou o laboratório. “Nunca pensei que pudéssemos ser punidos por querer socorrer uma criança”, diz, com toda a razão, Ronaldo Abbud, diretor do Laboratório Baldacci. A mãe de Victor completa: “É questão de formalismo cego. Sem o remédio, o garoto teria morrido”.

O laboratório fala pouco sobre o caso: pode sofrer retaliações e talvez até perder o certificado de boas práticas farmacêuticas, o que o tiraria fora do mercado. Mas o Baldacci pretende continuar (gratuitamente) cumprindo sua missão: ajudando a salvar vidas. Já a Anvisa prefere cuidar dos formulários e não de vidas.

As dúvidas, as dúvidas

Caso a Anvisa tenha êxito e impeça o Laboratório Baldacci de doar a substância que permite a sobrevivência de Victor, que acontecerá?

1 –Abre-se então um rigoroso inquérito caso o menino morra?

2 – O Governo passa a fornecer o remédio que já disse que não tem?

3 – A família do menino que se vire, que a Anvisa não tem nada com isso?