Cesar Maia publicou em seu ex-blog. Sobre o gás lacrimogêneo. Saber é bom.

 

police00207152655_detail_aGÁS LACRIMOGÊNEO!

(BBC, 23) 1. Protestos impulsionam indústria do gás lacrimogêneo.  A organização internacional War Resister League, que tem uma campanha específica contra o gás lacrimogêneo, identificou a presença de empresas americanas como Combined Systems Inc., Federal Laboratories e NonLethal Technologies da Argentina até a Índia; de Bahrein, Egito e Israel a Alemanha, Holanda, Camarões, Hong Kong, Tailândia e Tunísia.

2. A brasileira Condor Non-Lethal Technologies, uma das principais provedoras da Turquia, vende seus produtos a 41 países.  Durante a Primavera Árabe, empresas americanas exportaram 21 toneladas de munição, o equivalente a cerca de 40 mil unidades de gás lacrimogêneo.  Em termos de manejo de protestos, nada mudou com a democratização egípcia. Esse ano, o ministério Interior encomendou cerca de 140 mil cartuchos de gás lacrimogêneo ao mesmo elenco de exportadoras americanas.

3. Em fevereiro, o porta-voz do Departamento do Estado americano, Patrick Ventrell, defendeu a concessão de licenças para a exportação a essas empresas, dizendo que o gás lacrimogêneo “salva vidas e protege a propriedade”.  A empresa brasileira Condor Non-Lethal Technologies usa argumentos semelhantes. 

4. A expressão “não letal” aparece no nome e marca de muitas companhias. Mas o uso dessa expressão é contestado por especialistas e grupos defensores de direitos humanos, que também questionam a relação próxima entre a indústria, as forças militares e de segurança e governos, que permitiu que o uso do produto fosse se consolidando como arma repressiva favorita ao longo das últimas décadas.

5. Na Primeira Guerra Mundial, o gás lacrimogêneo era classificado como arma química. Mas a partir daí, entrou um cena a força do lobby industrial-militar-governamental, como explicou Anna Feigenbaum.  “Por pressão dos governos e das corporações, mudou-se o nome de ‘arma química’ a ‘irritante químico’ ou ‘instrumento de controle de distúrbios’. Isso produziu uma normalização. O gás que começou a ser usado no ‘controle de multidões’ na década de 30 se generalizou a partir dos anos 60”, disse.

Mais uma, só para “tocar o terror”. Sobre armas não-letais e machucantes

 

sadCom todo gás

Em meio à crise econômica mundial, um setor da indústria está se dando bem: os fabricantes de gás lacrimogêneo. Desde a Primavera Árabe (no final de 2010), esse mercado não para de faturar bilhões. Na linha de frente, a brasileira Condor Non-Lethal Technologies vende o produto para 41 países, especialmente – claro – para o Brasil.

fonte – coluna Aziz Ahmed – Jornal O POVO/RJ