#ADEHOJE – O QUE BOLSONARO FEZ DE POSITIVO?

#ADEHOJE – O QUE BOLSONARO FEZ DE POSITIVO?

SÓ UM MINUTO – Eu mesma só apoio o fim do horário de verão. Não surpreende em nada o resultado do Datafolha divulgado hoje que aponta que 39 % dos entrevistados não viram nada de positivo no atual governo do homem que na verdade nos desgoverna. Nos faz rir e chorar com tantas bobagens que profere. Mas a cada dia está ficando mais séria a situação. Além dos ataques, da ignorância, das palavras chulas, a tal caneta vem assinando coisas perigosas. Hoje a gente soube que ele tirou os representantes da sociedade civil do Conselho da Política de Drogas. Já atacou a Cultura, o Meio Ambiente, a realidade dos fatos. Nos faz passar vergonhas todo dia. O Nordeste está em levante por conta de suas declarações preconceituosas. As mulheres continuam sendo mortas impiedosamente e …

A lista é grande de desserviços – esses a gente pode citar. De cor e salteado.

Mas o medo da greve dos caminhoneiros está pondo o governo pilha – a tal tabela do frete já foi suspensa.

Veja resumo da pesquisa:

Datafolha

O que Bolsonaro fez de melhor em 6 meses de governo

Rodovias

39%

Nada

19%

Não sabe

16%

Outros

8%

Segurança

7%

Reforma da Previdência

4%

Fim da corrupção

2%

Política externa

1%

Ministros

1%

Bolsa Família

1%

Fim do horário de verão

1%

Nomeação de Moro

1%

Rodovias

1%

ARTIGO – Natureza humana e o Feminismo. Por Marli Gonçalves

 

A paixão é da natureza humana. Por ela, enlouquecemos, nos transformamos, às vezes até nos subestimamos. Muitas coisas são da natureza humana, mas é importante pensar sobre elas para modificar essa natureza, especialmente quando mostram seu lado escuro. As mulheres têm uma importância enorme nessa criação e é preciso fazer todos compreenderem muitas das questões que nos diferenciam para que haja paz nessa relação. Simples de entender e apoiar, desde que não haja preconceitos. Muito prazer, esse é o Feminismo.

Resultado de imagem para FEMINISMO, SORORIDADE, ANIMATED GIFS

Feminismo é para todos. Embora seja um movimento predominantemente feminino, pela igualdade de direitos em todas as áreas, luta por questões relacionadas às mulheres e às suas características inclusive físicas, por toda uma série de coisas que deveriam já estar há muito reconhecidas – mas que ainda não estão – diz respeito a todos. A toda a sociedade. Todos os sexos, idades, raças, classes sociais, gêneros. O feminismo trata do aprimoramento da natureza humana. É preciso acabar com os clichês e estereótipos que o envolvem, para que venha à luz. Quando nela chegar e puder ser visto claramente, não haverá dúvida: todos seremos feministas. Quem não for, bom sujeito ou sujeita não é… Não será.

Não é radicalismo. É a lógica. Quem pode ser contra a igualdade salarial entre homens e mulheres exercendo a mesma função? Quem pode limitar – e cada dia mais as mulheres conseguem glórias em novas e espetaculares áreas – as suas atividades, seu avanço? Quem lhes pode negar proteção em suas fragilidades? Quem lhes pode negar seus direitos e necessidades em saúde, justiça, participação na vida pública, tantos passos ainda a serem dados e respeitados?

 Apenas os que pregarem a dominação, a injustiça, o machismo, a incompreensão e a violência. E cada dia fica mais claro quem é parte desse grupo que dissemina o ódio, encobre a violência, ainda tenta manter o controle bruscamente, porque percebe que sua derrota se torna inevitável, rápida. Esses se isolarão.

Andam falando muito em mandar as mulheres nas missões espaciais à Lua. Bom. Mas demorou, hein?!? Agora há pouco bateram palmas para a nossa Seleção Feminina de futebol, mas elas há muito estão nessa batalha, e com muitas vitórias, vide Marta, que arrasou mais ainda ao jogar com a sua boca pintada, mulher, ironizando as velhas falas. Conhecemos mulheres interessantíssimas, do mundo inteiro, fortes, corajosas, e enfrentando poderosos.

Informação é fundamental. Mas as mulheres infelizmente, ainda não integram naturalmente as pautas de imprensa, embora vejamos que cada dia mais nela trabalhem, numerosas. Ainda aparecemos, sim, destacadas, mas como ETs e aí todo mundo se surpreende como esta ou aquela mulher chegou tão longe, seja no feito, no poder, no comando. A primeira mulher isso, aquilo vira manchete. Tantas outras passam despercebidas.

Há muito as mulheres vêm sendo assassinadas, violentadas, assediadas, cruelmente, mas foi só em 2015 que se moldou o termo feminicídio, que agora conta essas mortes às centenas; e precisou que estrelas de cinema abrissem as cortinas do espetáculo para que se percebesse o que ocorre todos os dias no trabalho, nos transportes, dentro das casas, nas relações. Assim por diante. Quem pensa nas crianças, que já devem ser educadas para esse novo mundo de igualdades? Quem pensa nas mulheres velhas e sem viço que vagam pelas ruas? Homens podem envelhecer com muito mais tranquilidade e sem cobranças – e vejam que até a Xuxa anda falando muito sobre isso.

Por isso e outras que tenho horror ao termo “empoderamento” que virou chiclete, uma espécie de adesivo. Ninguém precisar dar poder às mulheres, aos homens, aliás, a ninguém. Cada de um de nós o detém. E da natureza humana e de caráter individual encontrá-lo. Seja para ser como se quiser ser, seja para chegar cada vez mais longe.

Falo mais uma vez sobre esse assunto – que quem me acompanha sabe que está sempre na minha mira – porque agora escrevi um livro que chega nas livrarias esta semana, e que lanço oficialmente dia 20 de agosto, aqui em São Paulo: Feminismo no Cotidiano – Bom para as mulheres. E para homens também. Pela editora Contexto, que me convidou para esse que é o segundo livro da coleção “Cotidiano”. O primeiro foi de Luiz Felipe Pondé, Filosofia no Cotidiano.

Escrevi sobre o que vejo, vivo, e sei que viveremos ainda por um bom tempo. Realidades, sem teorias, mostrando o que se passou e o que se passa. Voltado para homens e mulheres. Hoje o movimento feminista se apresenta vibrante e abrangente – e talvez por isso mesmo estejamos assistindo a um recrudescimento contra ele, e com teses estapafúrdias. Não precisa se embandeirar.  É só ser. Viver. Deixar viver. Melhorando essa terrível natureza humana que parece sempre buscar conflitos.

Apresento a vocês, com orgulho, meu livro, e a fé de que passemos a andar um pouco mais rápido nesse assunto, ainda com conquistas tão lentas.

________________________________________________

Marli Gonçalves, jornalistaConsultora de Comunicação, editora do site Chumbo Gordo, autora de Feminismo no Cotidiano – Bom para as mulheres. E para homens também, pela Editora Contexto, e que está nas livrarias e à venda online, pela Editora e pela Amazon

marligo@uol.com.br / marli@brickmann.com.br

 

______________

ME ENCONTRE (se republicar, por favor, se possível, mantenha esses links):

https://www.youtube.com/c/MarliGon%C3%A7alvesjornalista

(marligoncalvesjornalista – o ç deixa o link assim)

https://www.facebook.com/BlogMarliGoncalves/

https://www.instagram.com/marligo/

#ADEHOJE –TRAPALHÃO. PRECONCEITUOSO. PERIGOSO. O QUE É QUE É?

#ADEHOJE –TRAPALHÃO. PRECONCEITUOSO. PERIGOSO. O QUE É QUE É?

 

SÓ UM MINUTO – Claro, que é o governo do homem que nos desgoverna. Trapalhão, porque as medidas são tomadas a bel prazer, anunciadas de qualquer jeito, canceladas Graças a Deus e às pessoas ainda atentas. Vejam só, por exemplo, a história da liberação do FGTS. Houve gritas de várias partes, inclusive do pessoal da construção civil. Agora ficou para depois, junto com as explicações pastelão.

Mas o pior é essa história do Conselho Superior de Cinema, transferido para a Casa Civil e decepado… E o Ancine, transferido do Rio para Brasília. Censura. Contra a liberdade de expressão. Preconceituoso. Moralista de quinta categoria. A política nacional de cinema e vídeo tomou um baque, e isso – atenção – nos afeta! Não posso admitir que façam filmes como o da Bruna Surfistinha’, diz Bolsonaro. Vê se isso é argumento! “Não vamos permitir o ativismo em respeito às famílias”, disse. Que família é essa? Sai para lá!

#ADEHOJE – BONDADES A GRANEL E… MINHA NOVIDADE

#ADEHOJE – BONDADES A GRANEL E… MINHA NOVIDADE

SÓ UM MINUTO – Vou falar deles, mas antes vou falar de mim. Saiu meu livro Feminismo no Cotidiano, Bom para Mulheres. E para homens também – pela Editora Contexto. O lançamento oficial será no dia 20 de agosto, a partir das 19 horas na Livraria da Vila da Alameda Lorena, aqui em São Paulo, mas vai estar em livrarias de todo o país. Conto com o prestígio de vocês. A batalha é para que entendam que o feminismo é um dos movimentos sociais mais importantes e que todos, homens e mulheres deveriam ser feministas. Como é que você poderia ser contra a igualdade? Os direitos? Entender o quanto as mulheres ainda precisam avançar para serem respeitadas? Isso é feminismo. Vou falar mais sobre o assunto aqui nos próximos dias.

Sobre o mundo: o governo quer liberar o saque do FGTS. A nova discussão, se é bondade que depois quem pegar vai se arrepender… Quando precisar, já pegou! Presta atenção. O resto continua igual: o homem teimando, os amigos do homem aprontando e nosso meio ambiente em perigo real com as mudanças que o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, está promovendo. Atenção!

#ADEHOJE – – INSISTÊNCIAS DAS COISAS

#ADEHOJE – – INSISTÊNCIAS DAS COISAS

SÓ UM MINUTO – Olhos abertos! O presidente insiste em indicar o filho Eduardo Bolsonaro à embaixada do Brasil nos EUA. Pelo que vi o Senado, que é a instância que deve aprovar ou não a indicação, está em polvorosa, e promete reagir. Ao mesmo tempo, claro que já tem lá também os espíritos de porco que querem voto secreto. Precisamos ficar atentos… Isso são golpes.

Outra insistência que temos ouvido falar nos últimos dias também é sobre a criação de outra CPMF, que sempre como vocês sabem de provisória não tem é nada. Imposto vem e fica; cria raiz.

O que digo hoje é o quanto precisaremos ficar atentos para não tomarmos essas pauladas.

#ADEHOJE- “¡Si hay pueblo, soy contra!”.

#ADEHOJE- “¡Si hay pueblo, soy contra!”.

SÓ UM MINUTO – Gostei do comentário do amigo jornalista Cacalo Kfouri no Mira de hoje no Chumbo Gordo. “¡Si hay pueblo, soy contra!”. Sobre a forma de Bolsonaro governar, anunciar as medidas que bem entende, como por exemplo essa indicação que tentará do filho Eduardo Bolsonaro à embaixada do Brasil nos EUA, em Washington. Chegou a dizer que se a imprensa e as pessoas criticam, é porque ele está certo. Oi?

Esse é o problema. Governar por conflito. Jogar no ar assuntos polêmicos, importantes para a sociedade, como se estivesse querendo resolver os grandes problemas da Humanidade, mas na verdade criando problemas, divisões, atritos.

Ah, e olha só: hoje entrou em funcionamento o site www.nãoperturbe.com.br. Cadastre-se. Quem sabe agora a gente vai parar de aguentar aquelas chaaaatas e insistentes chamadas de telemarketing! Leva ainda 30 dias depois do cadastro, dizem. Eu já cadastrei o meu número.

 

imagem:MURAL DE DIEGO RIVERA

ARTIGO – Ninguém está falando… Por Marli Gonçalves

E precisamos pensar e falar de tantas coisas. Ninguém tem mais tempo nem de falar, nem de ler, nem de ver tudo o que circula, muito menos de ouvir. Quer dizer, ninguém, ninguém, não é bem assim. Tem quem tenha tempo para tudo isso, inclusive para preferir enviar por tudo quanto é canto nas redes sociais vídeos que gastam mais tempo e dados para serem baixados do que para saber do que se trata.

“… O Sol nas bancas de revista. Me enche de alegria e preguiça. Quem lê tanta notícia?“ …Imagine se o Caetano Veloso  profetizava isso lá há 50 anos, em Alegria, Alegria, como tanta coisa mudou até hoje. Nas bancas de jornal, de um tudo, impressionante, cada dia empurrando mais para lá os jornais e revistas. Outro dia vi uma que vende consertos de sapatos. Viraram pequenos mercadinhos nas esquinas da vida. Melhor que lá no Posto Ipiranga.

Aliás, postos que cada vez também são menos frequentados com o preço sideral da gasolina e outros combustíveis na bomba que estoura nos nossos tanques e bolsos. Aumentando o preço e a temperatura de tudo o que consumimos e que, como vimos recentemente, chega no lombo dos caminhões.  Reparou que o abastecimento ainda não está nada normalizado? Que os preços estão siderais?

É muito louco, meio esquizofrênico. Passamos dias e dias tendo overdose de alguns assuntos. De repente eles somem como num passe de mágica. Foram atropelados por outros sem que tivesse sido concluído o anterior. Exemplos, essa história do frete e preços e os coitados sobreviventes do incêndio no prédio do centro de São Paulo, que continuam lá. Talvez você não saiba, estão lá naquela mesma praça, sem banco,  amontoados em barracas, esquecidos, tendo de roubar banheiros químicos de outros lugares para usar, porque o Governo demorou mais de um mês para lembrar desse detalhe.  Uma situação horrorosa, dramática, vergonhosa.

Ah, e a cada dia é maior o número de pessoas vivendo em barracas, nas ruas, canteiros, praças, avenidas, viadutos e buracos (literalmente) que encontram. Ou vestidas com caixas de papelão, sacos de lixo, jogadas pelas ruas como se lixo fossem. Eles não têm representação política, não são de esquerda, não votam, aliás, nem no PT, nem são vistos pelos aparelhados Movimentos sem alguma coisa. São nômades, não invadem, ocupam; mas as ruas. Não são nem gente, parece; e aquelas crianças já têm seu futuro altamente comprometido.

Pronto, chegamos a mais um assunto que nos fez, vejam só, invejar a Argentina essa semana! As proles. Lá, ao menos está havendo a discussão parlamentar sobre a descriminalização do aborto, com possibilidade até de aprovação de uma lei sobre o assunto.  Adianta sentar em cima do assunto? Não!

(Não me venham falar – acusando-os de não usarem- em métodos contraceptivos, informação, bibibibododó. Essas pessoas não têm o que comer. Muitas são analfabetas. Aliás, acaso você aí já precisou comprar remédios populares nas farmácias? Pois é, simples não é. E as pessoas que cito agora não têm nem identidade, literalmente. Muito menos receitas).

Mais um #precisamosfalar. Descriminalização da maconha.  Fechar os olhos? Tampar o nariz?  Só assim para não perceber que a cada dia corre mais livre por conta própria, em todos os lugares, todas as idades, além das pesquisas sérias sobre seu uso em medicina.

Não aguento hipocrisia, nunca aguentei , e é uma das coisas que mais me aborrecem nesse pais. Esse atraso, essa cegueira moral que tentam impingir – ou com leis que não são e nunca serão cumpridas, repressão errada , ou simplesmente esquecendo o assunto- a toda uma sociedade que precisa avançar sob o risco de acontecer o que já vemos se aproximar, o retrocesso.

Não dá para falar aqui de todos os assuntos importantes, os verdadeiros direitos humanos, atropelados nas estradas da vida e, inclusive, na imprensa que, coitada, esmorece, atacada, pobre, manipulada. Até desbancada.

Estamos precisando fazer de novo uma publicação que até hoje tem seu nome marcado na história para ser usado de novo: Realidade.

Precisamos falar sobre isso, sobre ela, a realidade, nua e crua.

_______________________________________

Marli Gonçalves, jornalista – Enquanto isso, a bola está rolando lá longe, quase do outro lado do mundo.

 São Paulo, 2018

marli@brickmann.com.br e marligo@uol.com.br