ARTIGO – O jogo começou divertido. Lance os dados que é sua vez. Por Marli Gonçalves

Game-Board-Ludo-200p-2types-animatedO jogo começou. Façam suas apostas. Cada vez mais pessoas, principalmente jovens, se desinteressam pela política, que anda mesmo “trabalhada na chatura”. Assim, num momento de colaboração, porque sou boazinha, resolvi jogar os dados para você ver como tudo anda parecendo um gigantesco Ludo, ou um misto com Banco Imobiliário versão luxo. Dá para se divertir acompanhando, mas alguém tem de ganhar, e aí é que está o xisGame-Board-Ludo-200p-2types-animated

Estava no meu canto prestando atenção às coisas e, como diria aquele juiz de futebol, a imagem foi clara. A política nacional virou um joguinho que você vai lembrar porque certamente já o jogou, o Ludo, aquele que você vai andando as casinhas, para, recua, anda, com misto de Banco Imobiliário, Minha Casa Minha Vida, Minha Mansão.

Vê se não tenho razão para brincar: de dois a quatro jogadores, um vermelho, um azul, um verde e outro amarelo, cores partidárias. O objetivo do jogo é ser o primeiro que, partindo de uma casa de origem chega à casa final. Para isso, deve-se dar a volta inteira no tabuleiro e chegar antes dos adversários. Na minha cabeça misturei com o Banco Imobiliário justamente para dar mais emoção: o jogador ganha bolsa, perde bolsa, pode ser preso, inventa que está construindo, dando desconto. A casa cai. Tem um valor no morro e na cidade. Enfrenta protestos e balas perdidas. Enfrenta o Batman. Pode construir de mentirinha: laboratórios. Investe em ações: Eike no jogo. É espionado. Faz compras nos Estados Unidos e paga mais…Ou pode ser expulso, pagando é o mico da vez, com guardanapo na cabeça.

0091Preparado? Trouxe uns jogadores para brincar com a gente.

Alexandre Padilha, candidato do PT ao Governo do Estado de São Paulo. Recuou quatro casas quando encontrou com o doleiro, com o deputado do bracinho levantado, e depois de ter assinado a compra do Labogen. Vai virar poste, mas para ficar parado um tempo até ser resgatado, se possível.Ainda tem de ficar ouvindo piadinhas tipo “Volta para casa, Padilha!”

Lula, ex-presidente que fez que ia, mas não foi. Botou todas as cartas em jogo. Parou no hospital, desencalacrou, tenta trocar jogadas com qualquer um. Elegeu um poste e uma posta. Fixou um em Brasília. Outro, em São Paulo. Ambos perderam jogadas. Mudou de tática. Agora quer de novo dar as cartas, ou tem quem queira trucar com ele. Andou duas casas esta semana com o movimento Volta, Lula, mas disfarça as cartas que tem na mão. Resolveu virar messiânico e acha que o povo vai comprar o que diz.0008

Dilma, a posta. Primeira mulher a governar o Brasil, mas continuou com o passo duro e irritada, gritando com todo o mundo. Fez uma jogada grande, conseguiu chegar no Palácio do Planalto, mas não abriu as portas, não conseguiu abaixar nada do que disse, nem entregar o que prometeu. Como gerentona se acabou quando assinou – e disse que não sabia de tudo nem de nada – a compra da Refinaria nos Estados Unidos. Obama sabia, mas também fez birra. Vai andar várias casas para trás nas próximas jogadas. Ou acabar só com o Jogo da Velha.0099

Fernando Haddad, poste e prefeito de São Paulo. Pediu para sair do jogo. Prefere Buracos. A cidade está repleta. Já faz planos de voltar a estudar, defender alguma tese, já que na política não deve se aventurar mais.

Aécio, candidato da oposição, como tucano, à Presidência da República. Apareceu no jogo. Andou umas dez casas nos últimos dias. Empurrou para lá o senador Álvaro Dias e agora é ele quem dá opinião sobre tudo e todos, ziguezagueia no tabuleiro, sobe e desce do muro. Aproveita fama das jogadas do avô.

0100Eduardo Campos, outro candidato de oposição à Presidência. Tenta hipnotizar os ex-amigos, agora inimigos, com seus olhos coloridos. Avança no tabuleiro muito lentamente porque ainda não definiu sua estratégia. Encavalou sua partida quando entrou junto com o peão verde, Marina Silva, e está um tal de empurra para lá, empurra para cá, para ver quem se equilibra no quadradinho. Quem fica em cima ou embaixo. Ainda tem muita coisa para resolver quando passar pelos pontos Igreja, Economia, Ecologia, quando deverá ainda enfrentar os perigosos soldados dos ruralistas.

Geraldo Alckmin, governador de São Paulo e candidato à reeleição. Secou. Atolou. Está de castigo, parado há várias jogadas, até que chova. Ou que algo melhor caia do céu.Adoraria ficar transparente, literalmente.

Paulo Skaf, presidente da FIESP e candidato ao Governo do Estado de São Paulo, pelo PMDB. Pulou umas oito casas na frente quando o Padilha regrediu. Comprou indústrias, casas, jogou tudo o que podia, se reune até com o diabo. Deixou crescer cabelo na cabeça e vitaminou os “Ss”(esses), e com eles serpenteia por todo o Estado. Espera desistências para continuar no tabuleiro. Que não é o da bahiana, literalmente.Door_01_Reactions

Olha, que pena que a gente não pode colocar um número indefinido de jogadores, porque ainda tem uns bem legais esperando a vez, e que de vez em quando jogam para a plateia. Mas estes preferem, creio, o dominó, ficam encaixando as peças para ver se acabam as pedras. Fernando Henrique Cardoso, Gilberto Kassab, bons exemplos. Mas eles também sabem jogar com outras pedras, peças e cartas; sabem jogar damas, xadrez, War.

São Paulo, sua vez, 2014

  • Marli Gonçalves é jornalista Como esse jogo ainda leva meses, os esquecidos aqui ainda terão algum tempo de se movimentar.

magicMan

********************************************************************
E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br

ARTIGO – Fúrias, furiosas fúrias. Por Marli Gonçalves

Gifs%20Anim%E9s%20Feu%20%2850%29Muito impressionada com a capacidade humana para odiar, maldizer e amaldiçoar, pensar mal sobre quem não pensa igual. Muito triste também por estar vendo um país nervoso, dividido sem necessidade e perdendo a essência e alegria que é o nosso próprio rebolado

Depois de escrever o artigo da semana passada, sobre a minha visão, sobre como eu vi ou não vi passar esses 50 anos desde o Golpe de 1964, senti na pele e fiquei totalmente horrorizada com a incapacidade de diálogo que parece estar permeando esse nosso Brasil, até outro dia um simpático, amoroso, musical e cálido país da América do Sul. Fui chamada de tudo quanto é coisa – de petralha, comuna, esquerdinha, entre as mais “publicáveis”, nesse território qualquer coisa que é a internet e anonimato misturado com covardia. Virou mesmo o campo dos covardes, dos brutos, dos incitadores. Sites e jornais importantes publicaram o artigo, e pude ler centenas de comentários e ver grande repercussão, incluindo os muitos xingamentos, até porque é bom lembrar que quem quer xingar tem muito mais afinco do que quem quer falar bem. Faz questão de ir lá xingar, ofender, falar impropérios, vomitar sua bílis, ocultos atrás de computadores. Eles não querem só ter a razão, não admitem a outra parte. E nesse caso apareceu gente defendendo tortura , morte, ditadura. Apavorante.

Apareceram homens e mulheres que obviamente não conheço, e sinceramente nem pretendo. Duvidaram até da minha memória, como se crianças de seis anos fossem abobados sem relação com seu redor. E ai de quem tentou defender o mesmo ponto de vista que o meu! Tomou bordoadas uma em cima da outra. Não há chance de entendimento.

Resolvi não responder a nenhuma agressão, mesmo as que me dirigiram diretamente. Não há argumentação possível para quem acha certas coisas. Por outro lado, também recebi cartas até legais e absolutamente válidas de pessoas que fizeram questão, na boa, de me dizer como para elas não foi tão ruim esse período, que viveram felizes, livres, sem problemas. O que eu poderia dizer a elas? “Que bom que para você foi assim. Para mim não foi” – ia ser pouco. Sempre haverá quem estará bem enquanto outros não; é de lei.

Insistiram comigo que naquele momento não havia corrupção, nem roubalheiras, e que os militares e conspiradores estavam caindo do céu, para livrar o país do perigo vermelho – que devíamos agradecer esse tempo de horror.

LOVEAinda bem que é só virtual, pela internet onde agora todo mundo vira revolucionário, e só por ali – igual ficar rico em Banco Imobiliário. Tanta gente perigosamente pensando em fechamento que insistiram em tentar, botando as manguinhas de fora, sem qualquer base real, nem sentimento, nem emoção, muito menos organização, reeditar uma marcha de outrora, totalmente sem sentido para os dias de hoje, 50 anos depois. Meio século. O chabu foi histórico, gracias. Não é assim que se acaba com a praga, com os atuais carrapatos no poder.

cookiesA fúria dos ataques me fez lembrar até das mitológicas Fúrias, ou Erínias, as três pavorosas irmãs com asas de morcego e cabelos de serpentes famintas, nascidas de gotas de sangue – Tisífone (Vingança), Megera (Rancor) e Alecto (Cólera). Vingadoras, atacavam os mortais gritando, enlouquecendo-os, perseguindo-os, fazendo-os penar, castigados.

Vejam só onde chegamos. Como poderemos modificar as coisas agindo assim de forma tão funesta? Já não bastam os informes que nos chegam diariamente de Brasília dando conta de uma presidente sempre colérica, de difícil trato, sempre em fúria com todos que a cercam apavorados? Escrevi “Dilma irritada” no Google – em segundos, 3500 resultados se apresentaram. “Dilma furiosa”, 678 resultados apareceram em 0,38 segundos, junto com imagens destes momentos. Apavorantes. Muitos esgares presidenciais. Poucas soluções. Nenhuma temperança.frank1-7

Política é coisa séria. Mas estamos vendo virar enorme piada de mau gosto, atropelados todos os dias por revelações espantosas, vindas de todas as direções. Quem é honesto, batalha direito, mas patina enquanto outros lesam com facilidade. Penso que se realmente essa turma toda estivesse preocupada com valores morais estaria batalhando em muitas outras direções, ao invés de ficar batendo só nesta tecla, pobre tecla, os governantes.

Estamos com furiosos soltos na praça, Que dizem que é a mulher que provoca o estupro. Um povo de ascendência predominantemente negra que se junta e vai aos estádios promover o racismo, ou que se junta para espancar o torcedor do outro time. São bandos atrás de desgarrados. Médicos que atendem idosos no chão, ou que se recusam a ajudar uma grávida em trabalho de parto. Policiais que ferem e arrastam suas vítimas. Bandidos que atiram pelas costas. Bebês atirados no chão. Organizações criminosas no comando de instituições, oficial e extra-oficialmente. A barbárie de justiceiros amarrando pés-de-chinelo em postes e se comprazendo em praticamente chicoteá-los. Pedaços de corpo encontrados em bairro nobre da cidade dentro de sacos de lixo cuidadosamente espalhados. É ou não é a fúria que enfrentamos?

parler_beaucoupSome-se a estas, estas nossas fúrias, as outras, invencíveis, fúrias da Natureza, que devastam, secam, molham, inundam, avançam, queimam. Que nos tiram a água, a terra, o ar, a energia e a Paz.

Por onde começar para não terminar?

chuva de floresSão Paulo, perplexa, 2014
Marli Gonçalves é jornalista Com as melhores intenções.

********************************************************************
E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br

as três fúrias: