#ADEHOJE – PODERES, JUNTOS, ATÉ QUE UMA TUITADA OS SEPARE

#ADEHOJE – PODERES, JUNTOS, ATÉ QUE UMA TUITADA OS SEPARE

 

SÓ UM MINUTO– Entre tapas e beijos, sorrisos e apertos de mão, a nossa masculina República novamente se reuniu hoje pela manhã em café da manhã. Bolsonaro, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, o presidente do STF, Dias Toffoli. Apareceram para tirar casquinha o Onyx Lorenzoni, articulador das articulações perdidas, e Paulo Guedes, o que diz que vai se mandar se não aprovarem as reformas… Enfim…Mais uma vez juraram amor até que a próxima tuitada os separe. Agora assinarão um pacto. O governo de vários governos…

A bárbarie em Manaus contabiliza 55 presos mortos em dois dias no presídios.55! Guerra interna de uma facção só, dizem…

A tristeza da morte do menino que tinha acabado de conhecer o sucesso: Gabriel Diniz. Está sendo velado em João Pessoa

#ADEHOJE, #ADODIA – DIPLOMAÇÃO E A HORA DA VERDADE. JÁ SÃO MAIS DE 200 MULHERES DENUNCIANDO JOÃO DE DEUS

#ADEHOJE, #ADODIA – DIPLOMAÇÃO E A HORA DA VERDADE. JÁ SÃO MAIS DE 200 MULHERES DENUNCIANDO JOÃO DE DEUS

ACABOU O TEMPO REGULAMENTAR. HOJE, COM A DIPLOMAÇÃO DE JAIR BOLSONARO, SEU VICE E DEMAIS, O NOVO GOVERNO A PARTIR DE 1º DE JANEIRO FICA “ASSINADO”. O QUE VEM JUNTO JÁ ESTAMOS VENDO, ESPECIALMENTE OS TRÊS MENINOS BOLSONARINHOS, OS FILHOS DO CAPITÃO, QUE VÊM ATUANDO AQUI E ALI, E UNS RABINHOS JÁ COMEÇAM A APARECER. ENQUANTO ISSO MAIS DE 200 MULHERES JÁ PROCURARAM O MINISTÉRIO PÚBLICO PARA DENUNCIAR O MÉDIUM JOÃO DE DEUS POR ABUSO SEXUAL, E O NÚMERO DEVE CRESCER. CORAGEM, FOI ABERTA A PORTEIRA, E O FIM DO MEDO DAS AMEAÇAS. ONTEM JÁ APARECEU O ADVOGADO NEGANDO, NEGANDO, E FOI O CRIMINALISTA ESTRELADO ALBERTO TORON QUEM DEU ENTREVISTA POR TELEFONE, E QUE JÁ PARECEU NÃO MUITO CONFORTÁVEL COMO PORTA-VOZ DO ACUSADO DE DEUS. OU SEJA, CONTINUA ESSA MANIA DE DAR A ADVOGADOS O PAPEL DE PORTA VOZ QUE COSTUMEIRAMENTE ERA DE ESPECIALISTAS EM COMUNICAÇÃO. ASSIM, TUDO FICA AINDA MAIS DESASTRADO, SUPERFICIAL, DISTANTE, IMPESSOAL E JÁ HÁ AMEAÇAS DE FECHAR O CENTRO EM ABADIÂNIA, GOIÁS.
COMEMOREMOS, AINDA OS 70 ANOS DA DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS, QUE CONTINUAM TENTANDO SER GARANTIDOS. EMBORA SEM SUCESSO EM VÁRIAS PARTES DO MUNDO, ONDE AINDA REINA A BARBÁRIE.

ARTIGO – Barbaridade e barbeiragens. Por Marli Gonçalves

assaltantes, traficantes e quetais

Barbaridade e barbeiragens

Marli Gonçalves

Pior do que está pode ficar sim. Pior do que o que vemos, sentimos e não estamos acreditando como é que pode, e acontece bem sob as nossas barbas, é que estas – as ARTIGOnossas barbas – estão de molho. Os causadores, criadores, desgovernadores, irresponsáveis e apaniguados, podem ver, passa minuto a minuto e ainda estão lá em suas cadeiras, sentadinhos com seus enormes traseiros. Como se nada estivesse acontecendo, não devessem satisfação para ninguém

Barbárie é pouco para descrever tudo isso. É o horror, o terror, o mais inimaginável no mais louco Filme B que se possa criar, dos de quinta categoria, cheios de catchup e outros efeitos toscos. É mais do que Sexta-feira, 13, Jason, O Exorcista, A Vingança dos Zumbis das facções, Pânico 1, 2,3 e 4, O Massacre da Serra Elétrica, Tubarão, Piranha, o filme. Todos juntos.

E nós sabemos o que eles fizeram nos governos passados que se prolongam nesse nosso futuro. Nada nada. Ou fizeram errado. Ou estavam ocupados roubando. Nos esbofeteando com suas frases feitas, explicações vazias, promessas que se repetem , nunca cumpridas – apenas se repete mais uma vez a lista das providências que serão tomadas no Dia de São Nunca, depois que o buraco abriu muito mais lá em baixo.

Adoraria saber que quando você estiver lendo esse artigo o Ministro da Justiça – este ser que vem colecionando fatos demonstrativos de sua total incapacidade para um cargo importante como esse – já terá sido demitido. (E que depois disso alguém conte a ele que em boca calada não entra mosquito, e que dizer que vai querer erradicar a maconha no Brasil é coisa de quem tomou droga bem ruim). Adoraria saber. o Governador do Amazonas já tenha sido, digamos, transferido e internado no hospício: coitado, este anda procurando santos por aí, e até na cadeia!simpson-rodando

Espero ainda que o Temer já tenha posto um bom dicionário em cima da mesa dele para conhecer o valor das palavras na realidade brasileira. Acidente pavoroso, presidente? O senhor teve três dias – enquanto ficou caladinho depois das mortes em Manaus – para treinar na frente do espelho, falar em voz alta o discurso que faria. Se o seu ouvido for suprapartidário ele logo o teria alertado. Acidente pavoroso, presidente?

Mas, infelizmente, creio que nada disso terá sido feito; não teremos essa sorte. Passaremos mais alguns dias ouvindo patacoadas, contradições, vendo suas caras atônitas como se essas pedras já não viessem vindo e sendo cantadas a plena voz. Essa, a do barril estourando nas grandes prisões, é só uma. Grande. Vergonhosa. Com suas dezenas de cabeças decapitadas, membros decepados, requintes de crueldade e insanidade como olhos e corações arrancados – cenas gravadas e enviadas às redes sociais numa produção cinematográfica macabra.

Grande a ponto de sobrepujar e mandar para o rodapé uma grande explosão ocorrida em Cubatão, na Vale Fertilizantes, que liberou o altamente tóxico nitrato de amônio. Que pode ter contaminado gente, bichos, plantas, água, terras. Uma enorme nuvem vermelha. Aguardamos mais informações.

Grande a ponto de nem ligarmos tanto para o ataque no aeroporto americano, que ainda se discute se foi terrorismo ou não. Desculpem, para mim, é terrorismo sim, pode até ser sem causa, solitário, mas é terrorismo. É terrorismo a situação que deixaram o Rio de Janeiro. Teve terrorismo em Manaus, Boa Vista, Campinas, onde um doido entrou o ano matando toda a sua família e quem mais estivesse perto dela. É terrorismo o que fazem as facções criminosas de letrinhas e nomes exóticos. É terrorismo o que estão fazendo com nosso país.

É a barbárie sim. É primitivo. Barbárie também é além da selvageria, erro crasso de linguagem ou de escrita. Acidente pavoroso, presidente?

É barbeiragem. Param em local proibido. Ultrapassam pela direita. Não sabem como dirigir sem fazer zigue-zagues.

Resultado de imagem para barberia animated gifs____________________

20160813_143252Marli Gonçalves, jornalistaHorrorizada como ainda tem quem não perceba a gravidade dos fatos, e ainda aplauda, com a boca cheia de asneiras para suas ignorâncias.

2017, o ano que já começou.

____________________________________________

E-MAILS:

MARLI@BRICKMANN.COM.BR
  MARLIGO@UOL.COM.BR

ARTIGO – Aonde a vaca vai, o boi…Por Marli Gonçalves

sample_pruttko Nunca expressões populares foram tão importantes para resumir manchetes, caras, fatos e fotos que estão se passando à nossa frente de forma e velocidade vertiginosa. As “bovinas” são ótimas. A vaca foi para o brejo (afogada na enchente com uma árvore caída em cima, sem luz nem telefone). Nem que a vaca tussa (e ela parece que está com coqueluche). Conversa pra boi dormir, e nos dar pesadelos. Vaquinhas de presépio fazendo muuu.

Se for ir pelo “ele sabia”, vai ter gente aqui no Brasil se contorcendo toda de medo de ter 12 homens apontando uma arma para eles, e você sabem de quem estou tratando. De quems.

Me lembrei muito daqueles programas de auditório onde um grupo de pessoas escolhe uma das respostas e todos juntos se aglomeram debaixo dela. Aí o apresentador dá outra pista e esse mesmo grupo muda de ideia e corre para a outra alternativa. Ou também me lembra cabeças chacoalhadas. Lulu Santos comporia novamente “como uma onda”.

Amo que as coisas não sejam estáticas, esclareço logo. Mas há questões – e as morais estão entre elas – que ou se é, e isso significa aguentar os trancos, ou não se é, e as redes sociais misturam ambas. A argumentação lógica e minimamente racional é tratada a sopapos e a beligerância empesteia o ar. Esses dias os Charlies enlouqueceram a ponto de muitos deles tentarem justificar a barbárie do fuzilamento na Indonésia, que matou um, matará outro, outros, sob o bovino olhar de beneplácito da humanidade.

Justificativas parecidas com a de uma certa Sheherazade quando o menino ladrão quase foi linchado. Esse esquadrão da morte de anjos celestiais acha sempre que os caras fizeram por merecer, e parecem se colocar a si próprios vestes de juízes, como mais puros, honestos, limpos e legalistas do que os outros. Até o Papa andou falando em distribuir umas bolachas caso alguém falasse de sua mãe! Estou esperando agora o Dalai Lama aparecer com a faca nos dentes.flycow

Essa castidade de quinta categoria acaba justificando também o que de mais pavoroso pode haver, que vai desde a menina estuprada porque “provocou” à mulher assassinada porque “traiu”.

Protestos agora são envelopados – nunca tinha visto isso, coisa que chamam de liberdade para protestar, cercada de policiais armados com escudos e gases até os dentes, desafiadores. A beligerância sempre acaba mal, e os mascarados, baderneiros, sejam o que forem, que estragam a festa, estarão sempre lá, já que uns justificam os outros. E gastamos gente, bombas, balas, queimamos gasolina para viaturas e helicópteros, cansamos (e irritamos) os soldados. Os senhores da guerra são sempre os que sairão lucrando. Impressionante.

A ignorância atrasa a Humanidade. Espalha o medo. Vi gente se comprazendo com o fim de um compatriota, até vangloriando-se como se isso significasse o fim de todos os traficantes do mundo, o fim das drogas, a sanção divina. O exemplo supremo.
E o número de vezes (algumas centenas) que me deparei com pessoas se perguntando por que é que ninguém estava tão chateado com morte de dois mil nigerianos tanto como com a morte dos cartunistas da revista? Ninguém? Você é o quê? Porque se espera sempre dos outros ações e reações, me pergunto? Porque sempre se espera que alguém siga na frente para ser fuzilado antes? Daí virarem heróis ou heroínas, esquecidos minutos depois? A opinião própria não tem mais sentido? Não há mais personalidade?

Também vi gente que anda tão com a cabeça virada pelo petismo que está achando até que a pesquisa internacional que constatou que 2014 foi o ano mais quente de todos foi desencavada pelos jornais por interesse em amenizar a situação da água e a vida dos tucanos em São Paulo. O calor por aqui está mesmo infernal, mas também ouvi uma senhora dizendo que usaria um leque só porque alguém disse na televisão que era a boa – antes ela tinha vergonha.

Lembrei muito de minha mãe, quando falávamos que tal amigo tinha feito tal coisa e não entendíamos por que nós não podíamos fazer o mesmo e ela dizia: ah, se ele for se atirar da ponte, você também se atira?

São Paulo, derretendo, 2015. cowfaxMarli Gonçalves é jornalistaSe o ano continuar nessa balada será bem difícil ficar em casa parado, só vendo pela tevê os “outros” protestarem, pelo menos aqui nas ruas desta quatrocentona capital, e nas avenidas e praças glamorosas deste mundo afora.

********************************************************************
E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br

POR FAVOR, SE REPUBLICAR, NÃO ESQUEÇA A FONTE ORIGINAL E OS CONTATOS

ARTIGO – 50 anos da maldita e o resto de nossas vidas. Por Marli Gonçalves

brazilW_animadoQuem sabe, sabe. Quem não sabe, tem más intenções ou é burro mesmo, é que se sacode. Não estou gostando nadica de ver esse montinho de gente tentando reviver, mesmo que em pesadelo, um período tão pavoroso de nossa história. Pior, tentando botar Deus na roda. Aceite esse depoimento pelos olhos de uma criançabrazilB_animado

Nasci em 1958. Faz as contas aí. Então, em 1964 eu tinha só seis anos e nessa época de março daquele ano era apenas uma menininha pentelha, de Maria Chiquinha, indo para a escola pela primeira vez, abrindo berreiro (é, antes a gente não ia para a escola assim que saia da maternidade como agora).

agirlieDito isso, recorrerei necessariamente a uma forma muito pessoal para relatar o resultado, o clima e o tanto de mal que causou esse estrupício do golpe de Estado que o Brasil tomou na cabeça há 50 anos; esse buraco em que fomos jogados e que se reflete até hoje nesse nosso infeliz subdesenvolvimento, não só social, como político e econômico. Ainda hoje, 50 anos depois, minha memória de criança e, depois, de adolescente, se reativa com pequenos relances que certamente também marcaram você e o resto de nossas vidas. Se é jovem, nem me venha com muxoxos de “eu ainda não tinha nascido” – saiba que nada mais foi como antes e essa sombra da barbárie tão imortal como os vampiros nos aterroriza e suga até hoje. 50 tons de cinza, sem prazer de sexo; só o sadismo, que foi se infiltrando quando pintou de verde oliva o espaço político, dizendo-se em prol do nosso “bem”. Aqui, ó!

Da minha memória, ali na Rua Augusta, por onde minha mãe me arrastava para eu ir à escola, lembro do ambiente pesado, que só foi piorando à medida que eu fazia o primário. Antes era mais ou menos assim: pré-primário, um ano. Primário, 4 anos. Ginásio, 4 anos. E aí vinha o “Clássico” ou o “Científico”, já que o “Normal”, que formava as professorinhas, já começava a entrar em decadência. Em 1969 quando o caldo entornou de vez me preparava para minha adolescência. Não esqueçam que foram praticamente 20 anos de sofrimento, quase 20 anos totalmente de censura, maldade, mortes, torturas, exílios, desinteligências.

peace_rain_b_animadoAcredite: é daí que se acentua essa cultura que ainda temos, de corrupção, desmandos policiais, esquerda X direita – coisas que foram jogadas como sujeira para debaixo de um tapete que ainda teimam em levantar de vez em quando. Uma sujeira indelével.

Outro dia mesmo, revirando alfarrábios, achei os livros de Educação Moral e Cívica que éramos obrigados a decorar, capítulos inteiros de “organização política e social”, como era descrito. Enormes. Carregávamos para lá e para cá. Normas, ordens, ditames. E toma Hino Nacional entoado com a mãozinha pra trás todos os dias no pátio. Ai de quem saísse desse círculo de soldadinhos.

Quanta coisa não li, não aprendi, não pude conhecer, saber, viver. Nunca chegou aqui. E como tudo tem seu tempo, muito disso o pessoal de minha geração não conseguiu recuperar.JaneHunter-peace-can-you-dig-it

Relembro ainda que em casa, todas, tudo era meio sussurrado, e nossos pais, creio, temiam que se ouvíssemos algo, comentaríamos na escola, alguém ouviria, e a coisa poderia ser vista como conspiração. Vivíamos assustados. Até o nome de nossos bichos papões eram diferentes: era General isso e aquilo, um tal de Fleury. Qualquer batida na porta podia ser polícia. Se eu vivi isso, e meus pais não tinham nada de ativistas, imagino o que passaram outras famílias.

(A música era a Jovem Guarda, a Bossa Nova, o Fino da Bossa, os festivais da canção, protestos em forma de vaias).

A coisa só foi piorando e aos 11 anos, já em outra escola e morando em outra rua, as tais sombras nos envolveram de forma ainda mais tenebrosa. Vi amigos mortos pela Rota 66. Em uma semana matavam o Marighella que ainda fui ver, caído e baleado em um Fusca, na esquina de cima, cercado por homens que, para mim, em minha memória, usavam xadrez, paletó xadrez. Já devia até ter um pouco de jornalista no sangue, coisa que puxei de minha mãe, sempre curiosa. Tanto que dias depois, da janela ela assistia sem querer ao tiroteio, na esquina de baixo, em um dia de feira. Era o “justiçamento” (a esquerda chamava assim) de Henning Albert Boilesen, do Grupo Ultra, financiador da repressão que comia o couro de quem enfrentasse a ditadura.

Bombas explodiam. Deixadas em esquinas, enviadas pelos Correios. Ameaças eram comuns, alcaguetes se criavam como ervas daninhas. Primeiro prendiam, depois arrebentavam, depois perguntavam. A tirania, o desrespeito.

PEACRDLW_animadoFoi esse ambiente que, porque nasci em um ano de glórias, 1958, enfrentei. Não é de admirar que com pouco mais de 17 anos eu também já estivesse na luta, pelos direitos das mulheres, pela anistia ampla geral e irrestrita, pelas eleições diretas, pela volta dos que foram, com o movimento estudantil, nessa que foi a segunda fase antes do fim da ditadura. Menos cruel, e até mais vitoriosa porque levou, enfim, à abertura.

31 de março de 1964 não é data que se comemore. É data para que nunca mais, nem em pensamento, nada daquilo retorne, aconteça o que acontecer. Nosso país já nunca mais será o mesmo, nem que se retorne à gloria de uma seleção campeã, que possa se sobressair.

Perdemos 20 anos de nossas vidas, que não voltam jamais. Nem para quem ainda nem nasceu.

São Paulo, 2014 ARROW_animado

Marli Gonçalves é jornalista Escreveu esse texto com um terrível aperto no coração.

********************************************************************
E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br

ARTIGO – O Horror bem diante de nós. E do nosso lado. Por Marli Gonçalves

0006Chega! Vamos parar com isso logo, que o tema não é brincadeira, nem para se falar, nem para se divertir com os amiguinhos da internet, tão mauzinhos que são, tanto quanto uns e outros gostam de gargantear, tão mascarados quanto os que estão nas ruas. Dá nojo. É o que dá. Sinceramente falando. Não somos animais para matar, torturar, esquartejar, muito menos para amarrar em postes. japanflag

Então, tudo era mesmo mentira? Nascida bons anos depois do pós-guerra cresci ouvindo uma promessa só, na qual até acreditava, mas está ficando cada dia mais difícil. Nunca mais o mundo permitiria novamente o horror, os genocídios, sempre haveria prevenção mundial; nunca mais o horror do holocausto, nunca mais o horror das matanças por diferenças sejam de nacionalidade, costumes, religião ou etnias. Nunca mais, nunca mais, nunca mais.

Onde é que ficaram essas promessas? Nos discursos dos líderes que nos dias seguintes costumam fechar a cara, ameaçar, lançar notas de solidariedade, e – invariável – marcar reuniões para discutir sanções? Pompas e circunstâncias, com ar condicionado, limusines, segurança extraordinária. Pose para a foto. Clic.

Do lado de fora, no entanto, bang, bang.

0001De quando nasci até hoje – literalmente, até hoje – são milhões de mortos por violências e violações em todos os continentes. Em guerras de poder, religião, territoriais. Aqui também matamos e morremos. Na Argentina, matamos e morremos. No Chile, também morremos mais que matamos. Na Colômbia, no México. E ainda nos chamamos humanos?

Todos os dias contamos baldes de mortos, na Síria, Egito, lá para os lados do Afeganistão, e agora na Ucrânia e, chegando perto, pertinho, da incongruência ditatorial, corre sangue nas ruas da Venezuela. A Rússia segrega. Cuba cala e esconde. A China censura. As Coreias se encarniçam. A África deixa morrer.smw63

Lição? Aprendizado? Qualquer imbecil que fale qualquer abobrinha pró-violência, inclusive contra pés-rapados que são, sim, problemas, mas da polícia, agora ganha até abaixo assinado de orgulhoso apoio. Os casos se repetem, pipocam, com requintes de crueldade que essa semana chegaram até a alimentar um formigueiro. O nome disso é barbárie. Justiça é outra coisa.tf2__soldier_is_living_in_a_box_by_zzandrazz-d4s7xnr

Problema é que não vivemos na mitologia, e esses relatos são reais. Prometeu roubou o fogo celeste para ofertá-lo aos homens. Foi condenado por Zeus a ficar acorrentado no alto de um rochedo, e aonde todos os dias um pássaro vinha comer-lhe um pedaço do fígado. Mas, vejam que até esta história teve um fim feliz: Prometeu foi salvo por Hércules que pelo que se nota tinha muita força, e bom coração.

Onde andará o nosso Hércules? Aquele que virá para inocular bom senso? Aquele que desamarrará as cordas das ditaduras, dos exércitos perfilados, das ordens aceitas sem questionamento? Esperam que venha de onde? Um Papa é pouco, falando do púlpito, do balcão da Praça. Sua pomba branca da paz foi esmigalhada pelos gaviões numa simbólica imagem que vimos este mês. Prenúncio e afirmação desses tempos negros.

imagesRealmente perplexa com o que leio e ouço praticamente obrigada, mas ouço, porque os meus ouvidos e os olhos estarão atentos enquanto tiver vida, me surpreendo com as reações insípidas ao noticiário do dia-a-dia. Amanhã tem mais, e mais depois de amanhã. Parece sempre piorando esse mundo, desgovernado ou distraído. Pior: sempre dividido. Nunca teremos consenso?

Busco nas belezas dos esportes das Olimpíadas de Inverno a imagem mais simples do que estamos fazendo: patinando. Patinamos na política internacional. Patinamos nas reais mudanças de comportamento. Escorregamos feio ao propor violência, medo e ameaças para acabar com a violência, o medo e as ameaças. Patinamos. Patinamos tanto que todos os dias ainda sabemos de mortes e surras em mulheres que dentro de suas casas são agredidas e obrigadas a calar, por exemplo, quando pensávamos que nunca mais.

Patinamos. E escorregamos feio.

São Paulo, 2014. E isso não é Carnaval.

Marli Gonçalves é jornalista Justamente para poder bater nessa tecla todos os dias.

Beta439

********************************************************************
E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br