ARTIGO – Na Urbe: desorientados, desnorteados e largados. Por Marli Gonçalves

Não há batatinha amarrada na fronte que resolva. Calmante que acalme. Protetor de ouvido que dê conta. Se a pessoa anda armada é um perigo sair dando tiros. Se achar uma granada o perigo será destravar a rolha e mandar bem no alvo, virando um terrorista urbano. Morar em São Paulo está ficando a cada dia mais impraticável. E não é só o barulho.

Você vai ficando louco, começa a pensar em tomar as medidas mais drásticas, tem os pensamentos mais subversivos, terríveis, punks. Os instintos mais primitivos. O barulho vai corroendo as entranhas, tomando conta. Os obstáculos e situações estressantes se acumulam. Os problemas da cidade e a falta de controle e fiscalização chegaram a um nível insuportável e que afeta gravemente a nossa saúde. Que será preciso para que providências reais sejam tomadas para melhorar nossa qualidade de vida?

No momento, me perdoem, tenho dúvidas, inclusive, se a cidade está sendo habitada apenas por bananas; se ao meu redor só existem pessoas bananas, medrosas, já tão acostumadas a ser massacradas que ficam sem reação, não se defendem mais de nada, inertes, palermas.  Não reclamam, esperam que alguém o faça. A vida real está passando ao largo nesses tempos digitais.

Escrevo nesse momento com uma dor de cabeça daquelas, daquelas que irradiam, sabe? Se fosse uma sessão de tortura creio que entregaria até a minha mãe, confessaria coisas inconfessáveis, os segredos mais recônditos, desde que me prometessem o que venho considerando uma dádiva: o silêncio.

Estou, e claro não sou só eu, mas um monte de gente que mora aqui por perto, submetida a – escutem, por favor, tenham pena de mim – horas a fio, diárias, de uma britadeira em uma construção próxima. No meu prédio, mais próximo ainda, soma-se uma obra que já dura quase um ano e que alterna serra elétrica, bate-estacas e outros sons que vão se infiltrando na mente. Isso junto às sirenes de ambulâncias, buzinadas frenéticas, rota de helicópteros e aviões, latidos e ganidos de pobres cachorrinhos deixados sós o dia inteiro, criancinhas birrentas, funkeiros motorizados, entre outros sons, até como os vindos de revoadas de periquitos verdes chalreando.

Aí você sai de casa. Fora a vontade de usar colete à prova de bala, carregar arco e flecha, gás de pimenta e/ou outros apetrechos básicos para se defender, encontra a buraqueira nas ruas e calçadas. É tibum na certa. A falta de educação das pessoas que avançam como se você não existisse. Os motoqueiros que inventaram uma via imaginária entre os carros e querem que você encolha seu veículo como o daquela cena famosa do Gordo e o Magro. O carro fininho passando no cruzamento.

(Confesso: outro dia pensei seriamente em comprar uma máquina de choque elétrico para usar nesses casos. A ideia seria colocar a mão pra fora rapidinho no momento que um desses estivesse te apertando com aquela buzininha infernal. Bzzz, Bzzzz, fritado igual faz aquela raquete de pegar mosquito.)

Mas quero ainda focar em mais um detalhe: notaram como está (ou melhor, não está) a sinalização das vias? Quando há placas estão sujas, tortas, viradas, ilegíveis, cobertas, erradas. Tenta procurar um endereço. Um número na rua. Uma faixa pintada direito no chão. Não há Waze que resolva. Ao contrário, como aconteceu comigo esses dias, essezinho aí me fez andar inacreditáveis 35 quilômetros errados até um endereço que só achei quando o desliguei – um dos maiores alívios que senti nos últimos tempos. Até porque quem disse que ele funciona direito direto? Você está lá, seguindo, por exemplo, na frente de um viaduto que não sabe se é para pegar. E o que acontece? Zona morta, apagada, cinzenta, sem GPS, sem sinal, sumiu aquela vozinha para te orientar. Já era.

Ah, vá! Já aconteceu com você também, tudo isso, não é?

______________________________________________

 Marli Gonçalves, jornalista – Para que me entendam melhor, pelo menos uma parte do problema, gravei. Ouça. Quem sobrevive a isso, durante dias, o dia inteiro? https://soundcloud.com/marli-gon-alves/sets/barulhos-infernais

  SP, insuportável, especialmente em fim de um ano como este aqui.

____________________________

marligo@uol.com.br
marli@brickmann.com.br
www.brickmann.com.br
www.chumbogordo.com.br
____________________________      

Recebi esse “SOS BIXIGA!”. De um cidadão que não aguenta mais o barulho e a inação da Prefeitura. Como sei o que é isso, atendo ao pedido de espalhar. Patrulhinha urbana em ação.

 

boxe06 SOS BIXIGA!

Adoniran, meu camaradinha, esse clima cordial nessa briga que você relata no “Samba no Bixiga” não existe mais! Veja como está seu bairro querido:

Desde dezembro de 2013, venho sendo enlouquecido diariamente por um arremedo de bar, localizado na Rua Santo Antonio nº 1005 (quando este para, seu   vizinho no nº 1009,, denominado ironicamente como “Bar dos Amigos”) recomeça.  Assim que acordam – 9 horas, 10 horas da manhã -, seus proprietários ligam o som no último volume, com aquele repertório que nem o capeta mais pecaminoso agüenta. E isso prossegue até a final da tarde, porque à noite eles tem quem assume o som: os bares da Rua 13 de Maio nºs 37, 57 e por aí vai, porque é um ao lado do outro até a Rua Manoel Dutra, cada um com um repertório e disputando o som mais alto.

É DE ENLOUQUECER QUALQUER JÓ!  Agora entendo e concordo quando alguém tem seu dia de fúria!

sample_gong

E o que é mais estranho é, apesar de ser tão explicito que eles não têm alvará para funcionar nem como porta aberta, e a Prefeitura não faz absolutamente nada! Quando reclamei isso nas reuniões da Conseg Bela Vista, da qual participo mensalmente, a justificativa do represente da administração municipal é que não há fiscais suficientes. NA MAIOR CIDADE DA AMÉRICA DO SUL! Mas no domingo passado, um estabelecimento comercial na Av. São Luis estava emparedado. Para isso há fiscal suficiente?! Provavelmente porque há maior visibilidade.

parler_beaucoupMoro desde 1970 na Av. Nove de Julho, mas meu apartamento, no fundos, dá de cara com o ângulo formado pela 13 de Maio com Santo Antonio, que eu chamo de Baixo Bixiga (da Rua Manoel Dutra para baixo, até Rua Santo Antonio). Quando digo baixo, não me refiro ao significado glamouroso que este termo deu à Rua Augusta. Mas é baixo pela falta de decência, pela sujeira, indigência, violência, que não havia até há pouco tempo atrás.

Numa recente edição da Vejinha, o cronista Ivan Ângelo comentou o prazer de passear pelo seu bairro, cumprimentar os vizinhos, apreciar o entorno. Meus Deus! Isso ficou completamente impossível nessa Bela Vista, onde a gente cumprimentava a nona na sua janela, que conversava animadamente com  aquele crioulo. funcionário de alguma cantina. Onde a origem italiana se mesclou harmoniosamente com o negro. Onde pontua a Vai-Vai, uma das mais tradicionais Escolas de Samba de São Paulo.

Mas o problema não é apenas a oferta infernal do sons disparando infernais decibéis de sub-música ininterruptamente. A sujeira assusta ao mais indigno submundo. Outro dia ouvi o ótimo âncora Haisem Abaki expor no excelente jornalismo radiofônico “Estadão no Ar” sua indignação com a sujeira que observou no trajeto de sua casa, de Mogi das Cruzes até a Marginal Pinheiros. Me desculpe, Haisem, mas não pude deixar de escapar um sorriso amargo. Pois essa sujeira faz parte desse meu habitat! Ah, se por acaso você enviar um jornalista para verificar, avise para ele se precaver, pois aqui as pessoas não levam seu lixo até a calçada, mas atiram do fundo de seus cortiços.

Meu SOS é porque que não sei mais a quem recorrer. Para se ter uma idéia, na R. Santo Antonio, em torno do nº 1000, havia uma ‘agência de viagens’  camuflada por um bar. Além de vender passagens, no final da tarde de sábado e na manhã de domingo, os ônibus atravancavam a via para estacionar e recolher passageiros. Em 2006, depois de reclamar para várias entidades, passei um e-mail para a ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres). Quando me responderam que deveria solicitar ao ‘agente de viagens” seu RG e ICMS, perguntei se era uma pegadinha. A ‘agência de viagens’ não existe mais, mas os ônibus continuam conturbando o trânsito da Rua Santo Antonio, sob os olhos cegos da CET, que é tão vigilante para multar.

 ESPALHE ESSE SOS, POIS NÃO TENHO MAIS A QUEM RECORRER!

Zedu Lima

José Eduardo Pereira Lima

R.G. 2.974.927-2

Tel. (11) 9 96859854fatiguer

Contra as espeluncas do barulho e seus proprietários de quinta, que querem enganar até a imprensa, porque o governo já enganam

CLIQUE AQUI, PARA ASSISTIR UMA MATÉRIA DO SBT QUE FOI AO AR ONTEM, 2 SET.

CITA O BAGATELLE E A TAL NUMERO, DE SP

Carimbo especial para o Bar Numero se tocar que os vizinhos não aguentam mais os abusos deles e seus frequentadores. E não fui eu, hein! Mas apoio total!

carimbo

mao apontando direitaNão custa avisar mais uma vez  que o local – BAR NÚMERO, NA RUA DA CONSOLAÇÃO, ENTRE AS OSCAR FREIRE E A RUA ESTADOS UNIDOS – não tem alvará do Corpo de Bombeiros para ser  boate, inclusive com uma porta só para entrar e para sair, custa?mao apontando esquerda

Depois não digam que não foram  alertados!

A vida tem valor. Não entre nessa roubada.

QUER SABER MAIS? AQUI, AQUI…

CASO BAR NUMERO: DESCASO TOTAL COM A VIZINHANÇA VAI PARAR NO MINISTÉRIO PÚBLICO. INQUÉRITO TEM O NÚMERO QUE ELES MERECEM: 171

VEJA ( CLIQUE), ALGUNS POSTS SOBRE O ASSUNTO, AQUI, AQUI, E AQUI. AQUI

ÁRVORE NÃO É LIXEIRA
ÁRVORE NÃO É LIXEIRA: UMEXEMPLO DO DESCASO DO BAR NÚMERO COM A VIZINHANÇA, FORA O BARULHO, ETC, ETC, ETC…

BAR NÚMERO – INQUÉRITO CIVIL Nº 171/2011

reunião para o dia 16 de abril de 2013, às 15h30min, na Promotoria de Justiça do Meio Ambiente – Rua Riachuelo, nº 115, Sé – 3º andar, sala 335 – com o Dr. José Eduardo Ismael Lutti – IC 171/11.

ALIÁS, VEJA QUANTO TEMPO DEMORA PARA A GENTE SER OUVIDO NUM INQUÉRITO SOLICITADO EM 2011!

Bolsonaro, engraçadinho.

torch01Fogueteiro

O polêmico deputado federal Jair Bolsonaro (PPRJ), que mora num condomínio colado ao Sheraton,
na Barra da Tijuca, endoidou de vez. Para se vingar do barulho da máquina de ar-condicionado instalada
nos fundos do hotel, voltou a lançar fogos de artifício em direção ao vizinho, incomodando não
apenas os hóspedes, mas toda a redondeza.

NOTA DE  AMANHÃ,NA COLUNA DE AZIZ AHMED, O POVO/RIO DE JANEIRO