Bicicletas, convívio, acidentes. Leia essa análise de quem entende. Gabeira, sobre as bikes, sobre tudo, sobretudo.

pedala

As bicicletas do Rio, por Fernando Gabeira

 

Uso bicicleta há algumas décadas no Rio. Fiz duas campanhas políticas montadas nela.

Embora nunca tenha sofrido um acidente, reconheço que é hora de discutir a relação.

As bicicletas são uma realidade no Rio. De uma certa forma já o eram, antes da construção das ciclovias, na gestão de Alfredo Sirkis como secretário de urbanismo.

Milhares de trabalhadores da Zona Oeste sempre usaram as duas rodas para unir suas casas à estação de trem.

As ciclovias estimularam a classe média a ampliar o uso de bicicletas. O trânsito caótico e a chegada das elétricas produzidas na China contribuíram para completar o quadro.

Dois atletas foram atropelados esta semana. Um deles morreu.

No próprio Leblon uma talentosa produtora de tevê perdeu a vida de uma forma absurda.

A construção de ciclovias que as vezes nem são adequadamente mantidas, como a da Zona Oeste, não resolve o problema.

O uso de bicicletas vai crescer cada vez mais. De um lado, porque é um grande esporte pedalar por uma cidade como o Rio. De outro, porque, em certas áreas como a Zona Sul do Rio, é o meio de transporte mais racional.

Não adianta supor que ter uma rede de ciclovias resolve. Nem fazer como São Paulo, criando áreas de lazer protegidas, para se andar de bicicleta.

É preciso uma política que favoreça a coexistência pacífica entre motoristas e ciclistas. Ainda falta infraestrutura, sinais adequados e sobretudo educação no trânsito.

Não são apenas os motoristas que sentindo-se mais fortes desrespeitam os ciclistas. Estes sentem-se mais fortes que os pedestres e, em muitos casos, também os desrespeitam.

Aplicar o Código Nacional de Trânsito é um primeiro passo. Mas campanhas específicas são necessárias para que o número de desastres seja reduzido.

Nos últimos dias, os ônibus têm sido os vilões. Favorece a direção perigosa a prática das empresas de não darem o nome dos motoristas que cometem infrações.

Isso parece que vai ser combatido. Mas o trânsito continuará caótico tanto no Rio como nas principais cidades médias do estado.

Tentei realizar um rápido trabalho nas cidades serranas e constatei que os engarrafamentos parecem estar em toda parte.

A mobilidade e segurança no trânsito passaram a ser um problema de grande dimensão.

Vereadores e deputados não discutem muito o transporte coletivo no Rio. Parecem domesticados pelas empresas.

Chegou a hora de colocar o tema no topo da agenda. É uma questão de vida ou morte. E também de produtividade. Não se faz mais nas cidades brasileiras o mesmo que se fazia no passado.

Nosso tempo é perdido nos engarrafamentos e a vida caminha na corda bamba. É hora de levar a sério não só trânsito mas o avanço irreversível das bicicletas ao cotidiano da metrópole.

Artigo publicado no jornal Metro em 06/05/2013Benny-Mountain-Bikes

ARTIGO – A maldição do país sem foco, por Marli Gonçalves

Puxa, já passei de meio século vendo isso e nem preciso ser doutora para perceber que há algo errado com a gente, quando continuamos fazendo igual, errando e pisando em cima, sujando a sola do sapato. Já vimos coisas assim nos tempos escuros, quando eles precisavam encobrir mortes e atentados à liberdade. Agora os mesmos que deveriam lembrar disso também querem calar a massa, enevoar seus olhos, acenando com bondades que logo podem se voltar contra os feiticeiros e enfeitiçados

Qual será a de hoje? Todo dia de manhã, logo ao acordar, abro a porta sonolenta e pego o jornal para ver bem qual será – ou já foi – a bondade que o governo despejou no país que anda ao passo do Deus-dará. Anuncia-se medidas, mudam-se as regras, fazem troca-troca de letras, como quem assoa o nariz, tira piolho da cabeça, cospe no campo de futebol. O resultado, o planejamento, a criação de condições para o desenvolvimento e independência, o foco e compasso com o resto do mundo ficam para algum dia, talvez, quem sabe?

Esta semana vimos estarrecidos o anúncio da abertura de mais algumas porteiras para o caos das grandes cidades. À beira de uma importante conferência, a Rio + 20, onde poderíamos (deveríamos) tomar a dianteira com medidas interessantes e particulares de preservação, de vida, de melhores condições, o homem que cuida da Fazenda libera crédito para carros populares, propondo com cara de pão sem manteiga que assim o país fluirá.

Meu bem, meu bem! Supondo que eu seja uma pessoa boa, tanto quanto você que me lê: por acaso isso vai realmente, de verdade, ajudar alguém, claro, além da indústria automobilística? Pobres largarão tudo que estão fazendo e acorrerão em massa às concessionárias, com cartas de crédito dadas facilmente pelos bancos?

Mas a ideia que passa é a da palavra que já está me dando urticária: inclusão. Vou dizer logo que tipo de inclusão. Inclusão de mais malandros no mercado político; manutenção de outros tantos, pelo populismo; inclusão de mais gente devendo as calças nos sistemas, ou vendo onde vai dar para roubar mais, para se incluir também. Inclusão de mais possibilidades de criação de uma bolha grande, grande, pronta a estourar, e que somada a outras bolhas, como a de imóveis, crise de combustíveis, de vergonha na cara, pode acabar incluindo é todo o país numa barafunda.

Ora, se dava para baixar impostos incidentes, porque eles estavam tão altos até o presente momento? Porque já não podíamos produzir, incentivando a indústria, em níveis mais decentes? É mais ou menos assim, como diria minha mãe em sua popular e direta sabedoria mineira, aperta, aperta, aperta, que ele solta um pum.

Também não pensem que vai sobrar bronca só para o governo federal, que nada! Todo dia recebo mensagens, por exemplo, de como a segurança pública paulista está maravilhosa, como baixaram todos os índices – assaltos, roubos, seqüestros, latrocínios, teretetê – e ainda sobre quantos milhares de homens reforçarão o efetivo nas ruas. Só que no mesmo jornal que pego na soleira de minha porta, também todo dia leio sobre casos os mais escabrosos, assaltos mirabolantes, caixas eletrônicos explodindo, balas perdidas por aí. Agora, arrastão rola até em prédios de gente que tem menos, provavelmente, até do que quem assalta.
Tanto que os caras levam até o cachorro, como fizeram essa semana, deixando o dono inconsolável. Daqui a pouco vão levar o quê? As crianças? As empregadas, que são produto em falta? Comida da geladeira, produtos de limpeza?

Mas tudo será investigado rigorosamente, logo que der. Pegou a senha? Senta e espera.

Aí, não bastasse, chegam as ideias, algumas até internacionais (mas impraticáveis por aqui), de jerico. E toma leis para implantá-las! Que tal essa, do motorista que não respeitar a regra de manter o carro a pelo menos um metro e meio de distância dos ciclistas levar multa de mais de 500 reais? Vocês não estão vendo – desde já – os sabiás e bemtevis do trânsito com fita métrica por aí? Como temos grandes e largas avenidas, ruas, estradas, com espaço de sobra, organização social, educação e nada para fazer, podíamos também implantar leis que proibissem os malditos pombos de voar na nossa frente, ou atravessar a rua a pé como fazem, que proibissem as moscas de bater no parabrisa. Poderiam aproveitar e proibir também, enfim, que os motociclistas barbeiros continuem fazendo ultrapassagens pela direita, e que eles se mantenham, obrigatoriamente, a mais de 5 metros dos carros, poupando assim nossos retrovisores.

Se é para dar ideia estapafúrdia, podem contar comigo. Tenho um rol delas. A de incentivar o uso de bicicletas nas ladeiras de São Paulo, alugando-as por uma puta grana, sinto muito, já roubaram e implantaram dia desses.

São Paulo, campo fértil, 2012Marli Gonçalves é jornalistaQueria muito saber por que ninguém planeja mais nada. E também vai tocando o barco como pode, tentando seguir a procissão, carregando o andor.

************************************************************
E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br
ATENÇÃO: Por favor, ao reproduzir esse texto, não deixe de citar os e-mails de contato, e os sites onde são publicados originalmente http:// http://www.brickmann.com.br e no https://marligo.wordpress.com
Navegar é preciso. Estou no Twitter, @MarliGo, Facebook, e no blog : Clica aqui, para ir lá no blog! Visite o site MARLI GONÇALVES – Onde você encontra tudo e muito mais
No Twitter, siga-me! “www.twitter.com/MarliGo
Aqui você encontra todos os artigos anteriores:www.brickmann.com.br