Bolívia, Bolívia. Veja esse filme antes que o país vizinho vire um Haiti. Amanhã, última sessão

 

Roger Molina: senador ficou asilado, exilado, preso na nossa embaixada até fugir par ao Brasil. Líder oposicionista participa da sessão de cinema que denuncia os demandos de Morales
Roger Molina: senador ficou asilado, exilado, preso na nossa embaixada até fugir par ao Brasil. Líder oposicionista participa da sessão de cinema que denuncia os desmandos de Morales

MOSTRA SP: última exibição do polêmico UM MINUTO DE SILÊNCIO acontece nesta terça-feira

 

UM MINUTO DE SILÊNCIO, o polêmico documentário sobre a situação política da Bolívia, terá sua última exibição na 37ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo nesta terça-feira, dia 22 de outubro, às 15h30 no Espaço Itaú de Cinema/Frei Caneca.

 

Dirigido pelo italiano Ferdinando Vicentini Orgnani, o filme ganhou três sessões dentro do Panorama Internacional da Mostra e arrancou reações bastante diversas do público presente nas duas primeiras exibições, sendo aplaudido de pé por alguns e veementemente criticado por outros espectadores.

 

O documentário, que começou a ser rodado em 2008, aborda a situação da Bolívia nos últimos cinco anos, durante o governo de Evo Morales, o primeiro presidente indígena eleito após a queda do presidente Sánchez de Lozada no auge da revolução socialista.


Durante os anos de filmagem, Orgnani esteve diversas vezes no país e narra a mudança que sentiu no governo “entre junho de 2008 e dezembro de 2011, percebi uma transformação gradual: no começo havia grande entusiasmo em relação à revolução que ajudou a eleger o presidente indígena, mas hoje há sinais de que a Bolívia está caminhando para um regime que usará de todos os meios, lícitos e ilícitos, para manter-se no poder”.

 

Para conseguir finalizar a produção, o diretor, que veio ao Brasil para o lançamento mundial da obra, precisou contar com o apoio de ONGs e da imprensa local, devido às constantes ameaças de represália. O filme também aborda o recente e dramático protesto indígena contra a construção da rodovia que cruzará o parque nacional do TIPNIS, com o objetivo de escoar a produção de coca.

 Sobre o diretor:

Ferdinando Vicentini Orgnani nasceu em Milão, em 23 de setembro de 1963. Após concluir o Ensino Médio, mudou-se pra os EUA onde estudou música. De volta à Itália, começou a estudar roteiro em Roma com Ugo Pirro. Em 2002 graduou-se em Direção pelo Centro Sperimentale di Cinematografia de Roma, uma das instituições mais importantes da Itália. Desde então, ele tem trabalhado como roteirista, diretor e produtor.

Curiosamente, Ferdinando Vicentini Orgnani personifica “Marcello Mastroiani” no filme Ucraniano PARADJANOV, de Olena Fetisova e Serge Avedikian, que também está em exibição na Mostra.

 

Serviço:

UM MINUTO DE SILÊNCIO (UN MINUTO DE SILENCIO), de Ferdinando Vicentini Orgnani (88 min./ Bolívia, Itália). Falado em espanhol. Legendas eletrônicas em português. Classificação: Livre.

ÚLTIMA EXIBIÇÃO: 22/10/201315:30 – ESPAÇO ITAÚ DE CINEMA – FREI CANECA 4

Boato em Brasília:Edward Snowden entre nós?

OSTRICHO MISTERIOSO VOO DE EVO MORALES E

O ESPIÃO QUE TERIA SAÍDO DO FRIO

 

Na manhã de hoje, em Brasília, o que se comentava era a possibilidade do espião americano que estava escondido na Rússia estar agora no Brasil.
O avião de Evo Morales que foi abordado em Viena na volta da Rússia não foi revistado por dentro como alguns publicaram.
Evo não permitiu e isto seria considerado um ato de invasão de guerra por ser o avião território boliviano.
E ao adentrar o Brasil o avião de Evo fez escala em Fortaleza ao invés de Recife que é a primeira parada depois do mar.
A movimentação de Fortaleza e algumas mudanças de agenda no Planalto e Itamaraty causaram este boato em Brasília na manhã de hoje.
Se isto fosse verdade e Dilma tivesse aceito esconder o espião americano a situação política de Dilma seria pior que enfrentar as manifestações.
Obama ficaria zangado assim igual os americanos ficaram com Jango.

fonte: coluna JAMES AKEL – http://jamesakel.zip.net/

Lembram dele? Faz um ano que esse senador está com a gente, lá na Bolívia. E muitos meses que 12 nossos continuam presos lá na Bolívia. Uns pelo outro, em revanchinha. Esse cartaz está circulando na internet

Habeas Corpus

Fuerza: cerveja de folhas de coca. Claro, made in Bolivia

0003 0002Na lata

É da Bolívia a primeira cerveja de folhas de coca, a “Fuerza”, diz a Associated Press. Por US$3, “ajuda a suportar o desconforto da altura”.

fonte: coluna Claudio Humberto

Um perigo esse material radioativo largado nas ruas – da Bolívia, ainda por cima!

Duas toneladas de urânio são encontradas perto da embaixada do Brasil em La Paz
AFP Em La Paz
  • O governo da Bolívia informou ter encontrado nesta terça-feira (28) “cerca de duas toneladas de urânio” em um prédio no coração de La Paz, a poucos metros das embaixadas de Brasil e Estados Unidos, e ordenou uma investigação imediata.

“São cerca de duas toneladas de material que se usa para a construção de armamento nuclear”, disse em entrevista coletiva o vice-ministro do Interior, Jorge Pérez, que dirigiu a operação policial para remover o material “radioativo”.

“A informação preliminar aponta para um alto nível de radioatividade, o que vamos determinar com a perícia que se realizará imediatamente”, disse Pérez, revelando que o suposto dono do material “foi detido”.

O vice-ministro não detalhou como o material foi localizado e para onde a polícia o levou, e se a operação ocorreu com as devidas medidas de segurança radioativa. Também não informou se os vizinhos do local precisarão realizar exames médicos.

O material estava em uma garagem do primeiro andar de um prédio no coração de La Paz, a poucos metros das embaixadas de Brasil e Estados Unidos.

“Nos chama a atenção o manejo de um material deste tipo, prejudicial à saúde, em tal quantidade e no centro da cidade de La Paz”, disse Pérez.

As duas toneladas de urânio estavam “em bolsas (plásticas) expostas ao tempo, um material radioativo manipulado de maneira direta e de forma irresponsável, arriscando a vida de pessoas”, prosseguiu o funcionário.

Segundo Pérez, o urânio “pode proceder do Brasil ou de outro país vizinho, e provavelmente seguiria para o Chile”.