Nota de Lauro Jardim: caneta aterroriza Petrobras. (Isso porque ainda não viram que dá para por cameras até em botão de camisa…)

Paranoia soviética

Boca miúda

José Eduardo Dutra confidenciou a figuras próximas que, desde a descoberta do teatro em que se transformou a CPI da Petrobras, a companhia vive um clima semelhante ao do Kremlin na fase de derrocada soviética.

O alto escalão trabalha cotidianamente em alerta máximo. Entre os diretores, ninguém confia em ninguém.

Participantes de conversas sobre temas importantes cercam-se de cuidados, medindo palavras, com medo de serem gravados e atentos para não darem margem de que sabem mais do que deveriam.

Por Lauro Jardim