#ADEHOJE – OBVIEDADES DE BOLSONARO E O MINISTRO DESORIENTADO

#ADEHOJE – OBVIEDADES DE BOLSONARO E O MINISTRO DESORIENTADO

 

SÓ UM MINUTO – Bolsonaro declarou agora pela manhã que semana que vem enfrentará um tsunami, e ninguém sabe exatamente o que quis dizer com isso. Em um evento na Caixa, onde mais uma vez usou um termo – digamos, sexual – para falar sobre o “amor à primeira vista” com o presidente da instituição, o festival de obviedades ataca. Presidente afirmou que sua gestão enfrenta alguns problemas devido à forma como ele escolheu governar. Não nos diga!! Se é que há um governo que nos governa, e não uma loucura atrás da outra como a que estamos assistindo ainda inertes.

O Congresso já disse também que o decreto de armas é inconstitucional e deve ser derrubado, se é que ainda reta um mínimo de sanidade.

Semana que vem, quarta-feira, dia 15, tem manifestação grande do pessoal da educação, com greve. A situação da educação vai de mal a pior com esse ministro Weintraub maníaco que inventaram – caso claro de problemas com ele próprio, com a matemática e com a língua portuguesa. Quase 3500 bolsas de pesquisa canceladas! O Brasil em marcha-a-ré.

 

Impostos? NÃO. Está preparado para lutar com unhas e dentes contra isso?

FONTE: COLUNA CLAUDIO HUMBERTO

A reputação da presidente Dilma e do seu governo continua “pela bola sete”, com a rejeição de mais de 80% dos brasileiros, segundo as pesquisas, mas ela continua determinada a aumentar impostos como “única saída” para a crise. Em vez que promover reformas estruturais que os especialistas recomendam, ela quer mais é resolver o problema de caixa do governo, que continua gastando mais do que arrecada.

 Mais impostos

A líderes aliados, nesta terça (2), Dilma vai pedir o retorno da CPMF e mais aumento de impostos. Uma das medidas fere o Simples de morte.chamando

A presidente quer apoio à Medida Provisória 692/15, que eleva imposto sobre ganho de capital para pessoa física e para optantes do Simples.

“Gênio” que fez o PT desistir do tripé macroeconômico, desarranjando as contas públicas, Nelson Barbosa (Fazenda) é adorador de impostos.