ARTIGO – Quente ou frio? Por Marli Gonçalves

tumblr_o2tf6vpDpe1rjatglo1_r1_500Quando eu era menina, mas se bobear ainda gosto, jogava muito “quente ou frio? “- para qualquer coisa. Você tentava adivinhar algo, ou encontrar um objeto escondido, e se fosse chegando perto, a coisa ia esquentando, pegando fogo… Se distanciasse, ia ficando frio, gelado, glacial! E caíamos na risada. Como é bom cairmos na risada, coisa que há tempos não conseguimos fazer sem culpa. E você, o que acha? Está quente ou frio? Sempre dependerá da pergunta. Do momento. Do que estaremos falando.

Frio! Obviamente me lembrei disso por causa do frio congelante que nesses dias anda batendo aqui pelo Sudeste, Sul, intenso e deslocado de sua estação que ainda aterrissará em breve em nossos ossos, e que se isso tudo já for ela mandando recado antes de chegar vai ser mesmo de doer. Há décadas não aparecia assim, tão real.

Quente! Pleno inverno, mas os próximos três meses serão é ainda bem quentes por aqui com tantas informações surgindo, fatos se sucedendo, artimanhas sendo tecidas em gabinetes e pequenas conspirações orquestradas aqui e ali entre instâncias. Quem consegue dizer o que será, será? Frio!

Quente! Se a gente se afasta do panorama todo, tenta uma visão mais global, vê que parece que estão sacudindo fortemente a bolinha Terra. Se alguma coisa já estava fora da ordem, agora elas estão é totalmente bagunçadas. O clima é só detalhe. Imigrantes gelando nos campos e mares, a candidata norte-americana apelando até para ETs. E a loucura, a ignomínia, o preconceito, o fascismo e seus extremos, outras margens que ainda insistimos em não ver por distantes estarem e alegando outras culturas.

A política e a religião andando juntas estão pondo (de novo) as manguinhas de fora. A política a religião e o comportamento, então, se misturam e espirra sangue fresco, jovem, em todos nós. Malucos solitários exercitando seus poderes e forças, senhores das armas. O terror deixando o suspense no ar, seu cheiro de enxofre e morte como possibilidade de explodir a cada segundo, em qualquer lugar, trazendo dor e a imolação de inocentes. Tudo muito intenso, tanto quando o quente e o frio. Não pode ser banal; nosso coração não pode achar que é isso e acabou – o ódio se alastra, ultrapassa fronteiras. Cada vez mais rapidamente.

Fria. Quando a política é a própria religião, vai virando adoração de ídolos, catequização. Se apega a um dos lados com crença fervorosa, desconhecendo evidências e fatos num fanatismo cego, embandeirado com centrais e camisetas uniformizadas, massinhas. Vozinhas discordantes berrando aqui, ali, abaixando as calças, gritando palavras de ordem sobre resistência, e ainda totalmente alheias à realidade ao redor, o que realmente mais surpreende é que parece que ainda não entenderam o que houve, onde bateram a cabeça. De outro, os símbolos do atraso da mesma forma tentando se adiantar com suas ideias sempre burras e grosseiras. Precisamos sair dessa fria.

A temperatura nos faz lembrar que nunca estamos contentes se é quente ou frio, se é pouco ou muito, ou porque não queremos nada em demasia, ou porque estaremos sempre reclamando e pondo defeitos. É da nossa natureza. Deixar ventando constante um calorzinho soprando na nuca de quem está com a caneta na mão.

Isso é bom. Mas está quente ou frio? Frio. É a tal friaca, a palavra da semana.

“Seja quente ou seja frio. Não seja morno, que eu te vomito”.(Apocalipse 3:15-16)

torcida brasielria frio

Marli Gonçalves, jornalista – Parece distante encontrar o quente que procuramos.

São, São Paulo, 2016

____________________________________________
E-MAILS:
MARLI@BRICKMANN.COM.BR
MARLIGO@UOL.COM.BR

POR FAVOR, SE REPUBLICAR, NÃO ESQUEÇA A FONTE ORIGINAL E OS CONTATOS
AMIZADE? ESTOU NO FACEBOOK.
SIGA-ME: @MARLIGO

ARTIGO – Me abana? Por Marli Gonçalves

graphics-fan-964637Esta semana arrasei. Cada dia da semana postei no Facebook uma foto “selfie”, posando com um dos leques de minha modestinha coleção. Tão modesta que já mostrei toda ela, em poucos dias. Foi um sucesso, com um monte de “curti”, fiufiu, elogios. Já estou até pensando o que vou aprontar agora, mas o problema é que não gosto muito de usar roupa; sangue de índio. Uma parte do corpo por dia? Posso mostrar? E se me censuram? O negócio está preto, não pode facilitargraphics-fan-122807

Está tudo muito seco, opressivo, quente, e a gente precisa de um ventinho. Então eu me abano com os meus leques mesmo, que ventilador e ar condicionado gastam energia e energia é dinheiro. O calor de um verão não aproveitado, no entanto, frita os miolos, tira forças e até pensar fica difícil, imaginem escrever. Mas estou apenas disfarçando para entrar no assunto que quero expor, sério, uma vez que não sei receita de bolo: a censura que nos ronda, sopra um hálito quente aqui, ali. Na nossa nuca. Como diz um amigo, um dia censuraram X e eu não fiz nada; no outro, Y e eu não fiz nada; depois fui eu e eu não tinha a quem recorrer, parafraseando Martin Niemöller.

Todo santo dia ficamos sabendo de alguém punido e banido pelos controladores das redes sociais. Essa semana foi o genial fotógrafo Gal Oppido a vítima. A conta dele no Instagram, com milhares de seguidores e onde ele diariamente posta verdadeiras obras de arte, fez puff! Sumiu, sem explicações. Provavelmente, desconfio, por causa de “alguém” (covardes nunca se apresentam) não gostou de algum pedaço de pele negra que viu de um dançarino maravilhoso que ele coincidentemente fotografava para um trabalho especial dele. A gritaria foi geral e a conta voltou.

graphics-fan-141829Só que não é só na rede que a tesourinha anda cortando, editando. Não é que o Ministério alterou a classificação do pueril Confissões de Adolescente de 12 para 14 anos? Não é que esses pastores políticos de quinta categoria toda hora vociferam contra alguma charge, piada, filme, cena de tevê, e ameaçando jogar hordas moralistas babando em cima de nossas canelas?

Sou do tempo da ditadura. Cresci sob sua égide, sem poder ler o que queria nem falar tudo o que pensava, nem fazer o que queria. Cresci aprendendo a olhar para os lados, sabendo que tudo estava sendo registrado, mesmo que mal e porcamente, tanto que hoje os arquivos desapareceram, por aqueles homens que nos cercavam, sempre em seus ternos baratos, listrados, óculos escuros, e que mais pareciam bandidos que tiras. Com 15 anos um dia vi um ônibus chegando e levando embora quase uma centena de amigos roqueiros presos. Lembro apenas de ter agradecido a Deus esses minutos que me atrasei – eles ainda teriam de me explicar, menor de idade que era. E já bastava o corre-corre: um deles estava com uns 50 ácidos e não teve dúvida: jogou na boca dos amigos o mais rápido que pode. O resultado foi certamente uma das prisões mais engraçadas daqueles tempos negros, já que todos começaram a “viajar” ao mesmo tempo. Apenas um jornal fez esse registro – a foto desse bando de malucos – imagem que guardo na memória – esse lugar ainda indevassável, nosso mais valioso cofre.graphics-fan-886453

“Eles”, os inimigos, também tentavam outros disfarces: casais namorando no muro, mendigos, sempre perto das janelas para gravar as conversas. Mas, enfim, ainda disfarçavam.

Agora não. O tiro é direto. Cortam – às vezes a gente nem fica sabendo, porque o que os olhos não veem o coração não sente. O que pretendem?

Teimam em nos ensinar. Querem voltar as nossas cabeças para que vejamos apenas um lado, que ainda explicam, como se fôssemos todos uns imbecis de marca maior como se falava antigamente. Lembram aquelas cenas de filmes “eróticos” que o cara falta arrancar a cabeça da mulher, empurrando, para obrigá-la ao sexo oral.Creature_on_fan

O jornalismo, pobre jornalismo, editorializado. Para um lado, para outro. As cenas do cinema nacional, o que um crítico apontou outro dia, são chatas porque são expressas- ele andou até ali, viu? Pegou o copo. Bebeu. Caiu. Era veneno (e faltam mostrar aquele caveirinha com os ossos cruzados para terem certeza se você entendeu). Criam assim gerações de autômatos, preguiçosos, jovens de olhar vazio, como alguns que tenho encontrado. Como os que estão nas ruas sem saber para o quê.

Deixem-nos em paz. Deixem-nos pensar, formar opinião. Sem cabresto. Estamos em outros tempos e devíamos estar construindo uma moral, sim, mas mais aberta e condizente.

Deixem os pensamentos serem ventilados. Com eles não dá para usar leques.

São Paulo, fevereiro 2014, e peitos e bundas aflorarão logo mais de todos os cantos. Fan-03-june

Marli Gonçalves é jornalista Vou posar só de leque. Acho chique demais. Já aprendi a abri-los como o fazem as espanholas, com aquele barulhinho. E vou torcer para que as tevês contratem moças para cameraman. Aí talvez a gente possa ver que nas escolas de samba também passam corpos masculinos dignos de escultura. Isto é: se elas não forem censuradas, claro! graphics-fan-915599

********************************************************************
E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br

Tenho um blog, Marli Gonçalves, divertido e informante ao mesmo tempo, no https://marligo.wordpress.com. Estou no Facebook. E no Twitter @Marligo

VAI ENCARAR? MULHER DESTRÓI UM CARRO SÓ COM UM MARTELINHO. TAVA BEM BRABA!

arg-woman-with-wrench-urlFONTE:YOUTUBE E REVISTA AUTOESPORTE

Um dia de fúria causou um verdadeiro estrago na tarde desta quinta-feira (6), em São Paulo. E sobrou para um Honda Accord da década de 90. Uma mulher não identificada aparece em imagens do YouTube destruindo o sedã com golpes de martelo no bairro da Vila Olímpia, zona sul da capital paulista. Ainda não se sabe qual o real motivo do ataque, mas o certo é que o sedã ficou destruído na frente e na traseira.

Segundo relatos dos usuários que postaram o vídeo na internet, o fato aconteceu por volta das 13 horas desta quinta. Os golpes de martelo foram proferidos sobre o capô, a tampa do porta-malas, além dos vidros traseiro e dianteira. Dezenas de pessoas acompanharam o fato e filmaram com celular, o que já rendeu ao menos três vídeos postados na internet. Resta saber qual o motivo de tanta fúria. Sobrou para o velho sedã.

ARTIGO – Os dias que viramos cebolas. Por Marli Gonçalves

Chihh, começou! Tira. Põe. A roupa, claro! Mistura tudo o que tem. Espirra. Tosse. Ponta do nariz vermelha. Ranho. Coriza. Rouquidão. Não sabe se vai ou se fica. Caetano deve ter visto a deselegância discreta de nossas meninas numa época dessas.

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Já me deixei espetar. Todo ano espero ansiosa a vacina contra a gripe. Ela previne só contra o espetacular “tipo do ano”, que até gripe muda de modelo igual aos carros. Mas ajuda. Assim, já estou imunizada contra a gripe 2012, e acho um absurdo o saco de besteiras que ouço contra a maravilhosa vacina que, antes de mais nada, protege os idosos, diminui internações, e tudo o mais. Soube que há pastores de igrejas evangélicas “proibindo” fiéis de se proteger, e acho que esses caras irresponsáveis deveriam ser presos, inclusive pelo conjunto da obra. Também ouço — ouvidos e penicos — gente dizendo que pegou gripe porque tomou a vacina. Claro! O que é pior é que, como a ignorância grassa, essas bobagens se espalham e se cristalizam como verdades atrapalhando até a saúde pública. Enfim… cada um decide.

Mas começou o frio-quente, quente-frio-gelado-fresquinho, pelo menos aqui no Sudeste. De manhã, gelado; vai esquentando e você vai tirando a roupa, num strip-tease meio acanhado, peça por peça, menos o minhocão que a esta altura está por baixo de tudo, e para não derreter na sauna móvel, úmida e seca, que viramos nesta época. Aí quando acabou de se refrescar, atchim, olha o vento! E toca botar tudo de novo. Parecemos mesmo umas cebolinhas andantes, e nessa hora a gente vê que é bom manter-se magro, porque roupas de inverno engordam o visual que é uma tristeza.

Além do quente-frio, tem o seco-úmido. Sem chuva, seca até a nossa cabeça; com chuva, a gente fica úmido e inquieto, mas nada sexual. Os dias azuis são lindos e a gente sonha com instantes ao Sol. Mas quando sai de perto dele sente frio em dobro. Realmente, nós, os “tropicanos”, não estamos preparados para o inverno, e ano após ano repetimos isso.
São ceroulas, por baixo das calças dos homens. E acerolas nos sucos. Camu-camu também é bom, aliás, a maior fonte que há da tal vitamina C, mas sei não onde compra. E mel, limão, xarope, analgésicos, antitérmicos, chás, escalda-pés, sopas, que todos viramos um pouco hipocondríacos nestes tempos.

Não esquecer os indefectíveis lenços de papel, nem as receitas das vovós. Álcool em gel para desinfetar mãos. Luvas, cachecol, chapéu de abas, que vento na orelha é ruim. Duas meias, a camiseta por baixo, ou blusa de gola. Não há elegância que resista, e só resta, pelo menos a nós, mulheres, louvar e muito a moda das sobreposições. Muita meia-calça, meia grossa. Botas, botinhas, botões. Fica difícil arrumar cobertor de orelha desse jeito!

E o medo da friagem? Você está lá no bem-bom e tem que, sei lá, por acaso, tirar a roupa, vamos dizer assim. Homens costumam se intimidar nessa hora, se é que me entendem. Brincam que enruga.

Sair à noite passa a ser aventura, quase radical, principalmente se você já está quentinho. Para tomar banho, tem que praticamente vedar todos os buracos da casa, e que toda casa tem pelo menos um que não tem jeito – o ventinho entra zunindo por ali. Atchim!

Lareiras são para poucos, bem poucos. Pobre usa espiriteira e acaba pondo fogo em si e na casa. Aquecedores que não secam o ar, raros. Se puser o casacão não consegue se mexer, muito menos guiar. Isso sem dizer do cheiro de mofo que invariavelmente os armários deixam nos coitados que ficam guardados boa parte do tempo, casinha para as traças. Costumo achar bárbaras aquelas cenas e imagens internacionais das mulheres com vestidos leves flanando em salões aquecidos. Na saída, envolvidas por belos casacos, como se nada estivesse acontecendo. Vai tentar fazer isso aqui? Vai ter que aturar olhar torto, mesmo que as peles sejam as mais fajutas, pegar corrente de ar, e se for esperar pela delicadeza dos cavalheiros ajudando-a a se vestir, como nos filmes, capaz até de pegar pneumonia.

Como também tem gente que, no frio, abole da vida o hábito de banho diário, parece que o negócio fica mesmo feio de manhã, dentro dos ônibus, nos trens e no metrô, porque aquilo tudo se mistura, o mofo, o odor, os vários perfumes, poucos bons, os cheiros de cabelos sujos. E, de praxe, o povo espirrando,tossindo, e as janelas fechadas, embaçadas, dá até para escrever.

No frio a gente tem mais sono, mais vontade de ficar dormindo. De manhã. De tarde e, de noite. E quando vai deitar parece que alguém jogou água no lençol, sente isso também? Tem mais fome e vontade de comer chocolate. Quem bebe, pensa em entornar o caldo. Mais vontade de fazer xixi e preguiça porque tá frio e até lavar as mãos pode fazer você entrar em choque térmico.

Como notaram, não sou mesmo nem um pouco chegada nessa época, que me dá vontade de chorar mesmo sem descascar cebolas. Cumpro o manual de sobrevivência. Já baixei um aplicativo de meteorologia e temperatura para tentar acertar melhor como sair. No carro o porta-malas traz reforços possíveis para todas as situações, de veranicos eventuais à neve, se cair, caso um dia isso ocorra em São Paulo.

Agora ando procurando por um bom pijama com pezinhos.

São Paulo, outonão de 2012

Marli Gonçalves é jornalistaSó esqueceu de dizer que também toma
vacina contra pneumonia, de cinco em cinco anos. Nóia é nóia.

************************************************************
E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br
ATENÇÃO: Por favor, ao reproduzir esse texto, não deixe de citar os e-mails de contato, e os sites onde são publicados originalmente http:// http://www.brickmann.com.br e no https://marligo.wordpress.com
Navegar é preciso. Estou no Twitter, @MarliGo, Facebook, e no blog : Clica aqui, para ir lá no blog! Visite o site MARLI GONÇALVES – Onde você encontra tudo e muito mais
No Twitter, siga-me! “www.twitter.com/MarliGo
Aqui você encontra todos os artigos anteriores:www.brickmann.com.br