#ADEHOJE – VENEZUELA, CARNAVAL, LOUCURA

#ADEHOJE – VENEZUELA, CARNAVAL, LOUCURA

 

SÓ UM MINUTO – Não sei se vocês estão se sentindo assim- divididos. Ao mesmo tempo, o que podemos fazer, a não ser torcer muito para que as coisas derem certo? A situação nas fronteiras da Venezuela estão bem tensas, não se sabe ainda como chegará a ajuda humanitária. Já houve confrontos ontem, que deixaram mortos e feridos, e hoje já há manifestações violentas. Bem, as ruas de São Paulo estão tomadas pelos blocos e vou sair para ver os que passarem pelo centro, que são mais diversificados. Como diria aquele ditado, um olho no peixe; outro no gato. Uma na Venezuela; outro no Carnaval. Não sabemos mais nem se podemos ficar alegres.

ARTIGO – Os nossos inimigos de tocaia, por Marli Gonçalves

Não sei como conseguem se camuflar tão bem. Infelizmente, porque eu também as encontrei aos montes, e certamente encontrarei ainda. Existem pessoas que dissimulam o tempo inteiro, às vezes por anos e junto a nós, capazes de esconder seus reais sentimentos, planos e emoções. Capazes de apunhalar sem faca amigos e o que e quem estiver à frente. Uma hora se mostram. Penso se haverá uma Justiça andando por aí com sua balança e que se fará nesta ou em outra vida, se esta houver.

Maldade em cima da maldade. Crimes bárbaros, inexplicáveis, ganância, fome de poder, inveja, ciúmes, descontroles sem motivação. Todos os dias a realidade nos choca com casos inacreditáveis, verdadeiramente estúpidos, de crimes e acontecimentos capazes de fazer corar até o Marquês de Sade e toda a literatura de outros autores que também buscaram reconstituir a crueldade e maledicência humana. Sade dizia que escrevia seus horrores planejadamente; criava-os no papel, nas letras, para que ninguém precisasse fazê-las. Um ingênuo.

Mas nem tudo são crimes, e nem sempre são notícia. Às vezes são fatos que vão passando até que um dia tornam-se visíveis a olho nu. Pumba. De uma hora para outra. Igual ao horário de verão que acaba tal dia, tal hora; igual ao mês de fevereiro e ao carnaval que acaba até lá em Salvador; igual à ilusão. Já passei por essas “surpresas” em casamento, amores, trabalho e sei que o baque é pesado.

O que nos afeta mesmo é quando a cortina se abre e mostra que éramos um dos papéis principais do espetáculo que apenas pensávamos assistir. Difícil de superar.

Essa semana soube de um fato desses que, se alguém me contasse antes que ocorreria, não acreditaria nem por um “daqueles”, você sabe, “voador”. O pior é que o tal voador atingiu em cheio um amigo, de quem gosto muito. Até já faz alguns meses o fato, eu é que cheguei atrasada e só soube agora. Tenho a mania de jamais me meter na vida das pessoas porque não suporto que se metam na minha, e às vezes as informações demoram a chegar.

Tratou-se de uma história de convivência próxima, íntima, dentro de casa, com um traidor, e quando digo traidor vejam que não me refiro (apenas) à traição amorosa – quase comum, corriqueira, e que já nem abala mais. Essa traição que eu soube contra meu amigo foi profunda como há muito não via – tipo criador e criatura, mão que balança o berço, dormindo com o inimigo, entre outros títulos de filmes. No caso, também, não dá para usar aquelas justificativas adocicadas de foi o destino, paixão incontrolável, irrefreável, aconteceu, “não deu para evitar”. Pareceu-me apenas um caso de dissimulação galopante de um inimigo frio e calculista, usando armas podres como manipulação de pessoas, corações, e o gosto pelo dinheiro alheio.

Chego até a pensar se não é uma vingança, milimetricamente calculada e construída, envolvendo inclusive a política rasteira desses zinhos que estão aplicando neste país há alguns anos. E pior que, neste caso, posso até estar errada, mas minha intuição diz que no futuro esses elementos serão ainda mais desmascarados. E mais gente deve ficar largada pelo caminho quando o plano do mal se tornar completo. Ouço o chocalho da cascavel.

Falei com o amigo que, muito religioso, me garantiu estar bem, apesar de tudo, e jura acreditar que esta seria apenas mais uma prova divina posta em seu longo caminho. Como já o vi passar poucas e boas não duvido. Mas tudo isso me levou, mais uma vez, a pensar em como é possível que nos enganemos tanto – e por tanto tempo – sobre a real índole de alguém. O que nos deixa cegos? Que mecanismos podemos usar para evitar e, ao mesmo tempo, não nos tornarmos reféns de paranóias?

Só recorrendo ao além. Pedindo todos os dias a proteção divina e a intuição afiada. Ou até mesmo, como disse no início, acreditando firmemente em reencarnação, não a nossa, mas a dos tais inimigos, para que eles em outras vidas passem por maus bocados.

Acho linda essa tese. Mas será que a gente – em outras vidas – foi tão ruim assim que mereceu passar por dissabores como esses?

Vãs filosofias.

São Paulo, 2012, quem somos de verdade?
(*) Marli Gonçalves é jornalista. Ainda me parece mais fácil ser natural. …Quantas coisas não devo ter perdido nessa vida por buscar manter-me ao máximo, e no mínimo, fiel a mim mesma!

************************************************************
E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br
ATENÇÃO: Por favor, ao reproduzir esse texto, não deixe de citar os e-mails de contato, e os sites onde são publicados originalmente http:// http://www.brickmann.com.br e no https://marligo.wordpress.com
Navegar é preciso. Estou no Twitter, @MarliGo, Facebook, e no blog : Clica aqui, para ir lá no blog! Visite o site MARLI GONÇALVES – Onde você encontra tudo e muito mais
No Twitter, siga-me! “www.twitter.com/MarliGo
Aqui você encontra todos os artigos anteriores:www.brickmann.com.br