Chorei. Médico de cuidados paliativos agradece a Bowie. Na hora da morte, fleuma. ( Da Folha SP)

graphics-medical-medicine-204552Médico de cuidados paliativos agradece a David Bowie em carta comovente

DE SÃO PAULO

Em um blog da prestigiosa revista médica inglesa “BMJ”, um médico de cuidados paliativos do NHS (Serviço Nacional de Saúde britânico) publicou uma comovente carta a David Bowie, morto na semana passada.

“No início daquela semana conversei com uma paciente do hospital que estava chegando ao fim da vida. Falamos de sua morte e sua música, David, e isso nos levou a conversar sobre várias questões profundas que nem sempre são fáceis de se discutir com alguém que encara sua própria morte próxima. Na realidade, sua história virou para nós um gancho para falar muito abertamente da morte”, escreveu Mark Taubert.

No texto, Taubert agradece ao artista pelos anos 80 (e os momentos de alegria proporcionados pelas músicas de Bowie) e também pelo último álbum, “Black Star”. “Sou médico de cuidados paliativos, e o que você fez no período que antecedeu sua morte teve um efeito profundo sobre mim e muitas das pessoas com quem eu trabalho. “Blackstar” está cheio de referências, pistas e alusões”, escreveu. “O vídeo de “Lazarus” é muito profundo, e muitas das cenas terão significados diferentes para cada um de nós; para mim, o vídeo fala em lidar com o passado quando você se vê diante da morte inevitável.”

Taubert também comenta as últimas imagens de Bowie que foram divulgadas. “Foi dito que as fotos suas que emergiram alguns dias após sua morte teriam sido de suas últimas semanas de vida. Não sei se é correto, mas tenho certeza que muitos de nós adoraríamos ficar tão bem em um terno elegante quanto você estava naquelas fotos. Você estava lindo, como sempre, contestando diretamente a imagem assustadora com a qual as últimas semanas de vida muitas vezes são associadas.”

Leia a carta abaixo.

Jimmy King/Divulgação
David Bowie
David Bowie

*

Oh, não, não diga que é verdade!

Querido David,

Naqueles dias frios e cinzentos de janeiro de 2016, enquanto íamos pouco a pouco absorvendo a notícia de sua morte, muitos de nós continuamos a trabalhar como sempre. No início daquela semana conversei com uma paciente do hospital que estava chegando ao fim da vida. Falamos de sua morte e sua música, David, e isso nos levou a conversar sobre várias questões profundas que nem sempre são fáceis de se discutir com alguém que encara sua própria morte próxima. Na realidade, sua história virou para nós um gancho para falar muito abertamente da morte, algo que muitos médicos e enfermeiros têm dificuldade em introduzir numa conversa. Mas, antes de ir mais fundo no bate-papo com a paciente, quero lhe dizer algumas coisas. Espero que você não ache isso um tédio.

Obrigado pelos anos 80, quando seu álbum “ChangesOneBowie” nos proporcionou horas de alegria, especialmente durante uma viagem de ida e volta de Darmstadt a Colônia. Acho que meus amigos e eu sempre vamos associar “Diamond Dogs”, “Rebel Rebel”, “China Girl” e “Golden Years” àquele momento particular de nossas vidas. É desnecessário dizer que nos divertimos demais em Colônia.

Obrigado por Berlim, especialmente no começo, quando suas canções nos mostraram um pouco do pano de fundo musical do que estava acontecendo na Alemanha Oriental e Ocidental. Ainda tenho “Helden” em vinil e o ouvi novamente quando ouvi a notícia de sua morte (e você vai gostar de saber que “Helden” também fará parte do nosso próximo evento Analogue Music Club, no pub Pilot, em Penarth, este mês). Algumas pessoas podem associar David Hasselhoff à queda do Muro de Berlim e à reunificação da Alemanha, mas muitos alemães provavelmente gostariam que o tempo tivesse pegado um cigarro e o enfiado na boca de Hasselhoff naquela época, em vez de ouvir “I’ve been looking for freedom” interminavelmente no rádio. Para mim, a trilha sonora daquele momento na nossa história é “Heroes”.

Obrigado também em nome do meu amigo Ifan, que foi a um de seus shows em Cardiff. A irmã dele, Haf, estava na porta naquela noite, recebendo os ingressos, e ouvi um boato de que Ifan conseguiu entrar de graça (ele pede desculpas!). Você acenou para ele e o amigo dele do palco. Isso ficou na memória de Ifan para sempre.

Obrigado por “Lazarus” e “Blackstar”. Sou médico de cuidados paliativos, e o que você fez no período que antecedeu sua morte teve um efeito profundo sobre mim e muitas das pessoas com quem eu trabalho. “Blackstar” está cheio de referências, pistas e alusões. Como sempre, você não facilitou muito a interpretação, mas isso talvez não seja o principal. Sempre ouvi falar de como você foi meticuloso em vida. Para mim, o fato de sua morte tranquila em casa ter coincidido tão estreitamente com o lançamento do álbum, com sua mensagem de despedida, não deve ter sido coincidência. Tudo isso foi planejado cuidadosamente para ser uma obra de arte tendo a morte como tema. O vídeo de “Lazarus” é muito profundo, e muitas das cenas terão significados diferentes para cada um de nós; para mim, o vídeo fala em lidar com o passado quando você se vê diante da morte inevitável.

Sua morte em casa. Muitas pessoas com quem falo na minha vida profissional pensam que a morte acontece sobretudo em hospitais, em ambientes muito clínicos, mas eu suponho que você tenha optado por morrer em casa e tenha planejado isso detalhadamente. Esse é um dos objetivos nossos na medicina paliativa, e o fato de você tê-lo realizado talvez leve outras pessoas a enxergarem isso como uma opção que gostariam de realizar. Foi dito que as fotos suas que emergiram alguns dias após sua morte teriam sido de suas últimas semanas de vida. Não sei se é correto, mas tenho certeza que muitos de nós adoraríamos ficar tão bem em um terno elegante quanto você estava naquelas fotos. Você estava lindo, como sempre, contestando diretamente a imagem assustadora com a qual as últimas semanas de vida muitas vezes são associadas.

Para controlar seus sintomas, imagino que você tenha tido profissionais de cuidados paliativos dando-lhe assistência com a dor, náusea, vômitos e falta de ar, e imagino que eles o tenham feito bem. Penso que eles também devem ter conversado com você sobre qualquer angústia emocional que você possa ter sentido.

Para seu planejamento prévio de cuidados paliativos (ou seja, planejamento das decisões relativas à sua saúde e cuidados médicos, antes de sua situação se agravar e você ficar incapaz de expressar o que queria), com certeza você teve muitas ideias, expectativas, decisões e estipulações prévias. Estas devem ter sido apresentadas com clareza por escrito, perto de sua cama, em sua casa, para que todos que o encontrassem estivessem claramente informados do que você desejava, independentemente de sua capacidade de se comunicar com as pessoas. Essa é uma área que não apenas os profissionais de cuidados paliativos, mas todos os profissionais de saúde querem que seja observada e aprimorada, para reduzir as chances de incidentes repentinos de saúde automaticamente levarem as pessoas a serem carregadas ao pronto-socorro de ambulância. Especialmente quando as pessoas não estão mais em condições de expressar-se bem sozinhas.

E duvido que alguém lhe tenha feito reanimação cardiopulmonar (RCP) nos últimos dias ou horas de sua vida ou tenha sequer cogitado em fazê-lo. Lamentavelmente, esse tratamento ainda é dado de modo padrão a alguns pacientes que não deixaram claro que não o querem. A RCP envolve a compressão física do peito, que às vezes quebra ossos, choques elétricos, injeções e inserção de tubos nas vias aéreas -e só tem êxito em 1%-2% dos pacientes cujo câncer já se espalhou para outros órgãos do corpo. É muito provável que você tenha pedido à sua equipe médica uma ordem de Não Empreender a Reanimação Cardiopulmonar. Só posso imaginar como deve ter sido falar abertamente disso, mas você foi um herói, ou um “Held”, mesmo nesse momento mais difícil de sua vida. E os profissionais que o atenderam devem ter tido bons conhecimentos e habilidades de atendimento paliativo e de final da vida. Lamentavelmente, essa parte essencial da formação médica nem sempre é dada aos profissionais de saúde juniores, incluindo médicos e enfermeiros, e às vezes é passada por cima ou não vista como prioritária por aqueles que planejam o ensino deles. Acho que se você algum dia voltar à vida (como Lázaro), vai defender a criação de bons cursos de cuidados paliativos abertos a todos os profissionais de saúde em toda parte.

Então voltamos à conversa que tive com a senhora que tinha recebido pouco antes a notícia de que tinha câncer metastático em estado avançado e provavelmente não teria mais que um ano de vida pela frente. Ela falou de você e adorava sua música, mas, por alguma razão, não apreciava seu figurino de Ziggy Stardust (não tinha certeza se você era menino ou menina). Também ela tinha lembranças de lugares e acontecimentos nos quais sua música foi a trilha sonora idiossincrática. Então conversamos sobre uma morte boa, os momentos finais da vida e como eles geralmente são. Falamos sobre cuidados paliativos e como podem ajudar. Ela me falou de como seu pai e sua mãe morreram. Disse que queria morrer em casa, não em um hospital ou sala de emergência, mas que concordaria em ser transferida para uma Unidade de Cuidados Paliativos se seus sintomas ficassem graves demais para permitir o cuidado em casa.

Ela e eu tentamos imaginar quem estava ao seu lado quando você deu seu último suspiro e se alguém estava segurando sua mão. Acho que esse era um aspecto da visão que ela tinha de sua própria morte que tinha importância máxima para ela, e você, David, lhe proporcionou um jeito de expressar esse anseio profundamente pessoal a mim, um relativo desconhecido.

Obrigado.

Dr. Mark Taubert, especialista em Cuidados Paliativos do NHS (Serviço Nacional de Saúde britânico) em Cardiff, Reino Unido. @DrMarkTaubert”

ARTIGO – Ai, que bondade! Ai, que energia! Ai, que desafio! Por Marli Gonçalves

A gente quase desiste. Pensa que não existe. Até o santo desconfia quando ela é muita, quando é demais. Mas ela existe, sim, e se espalha por aí nas ações reservadas junto a quem precisa, se alimentando da sua própria alegria e dedicação. Eu vi a bondade humana despojada e feliz em poder dar uma mão, doar alguma coisa; nem que apenas um carinho seja, um bordado no pano de prato

Tomei um verdadeiro banho de bondade essa semana ao conhecer grupos de voluntários que atuam em apoio aos pacientes com câncer de todo o país que vêm se tratar no Hospital Amaral Carvalho, em Jaú, São Paulo, centro de referência no tratamento, pesquisa e tecnologia no combate a esse que é um dos mais terríveis batepinos que atacam o corpo humano, interno, violento, solapante. Aquele mal que a gente já ousa dizer o nome, câncer, até porque esse monstro vem sofrendo grandes e visíveis derrotas e a esperança é a última que morre.

Por força do meu trabalho, foram dois dias na região. No primeiro, de cara, na pequena Pederneiras, vi formada diante de mim uma roda de mulheres e homens voluntários, mais mulheres que homens, que me contavam de suas vidas. E suas vidas se confundiam com as vidas dos que eles ajudam sorrindo, alguns dentro de suas próprias casas, suas famílias. Até a prefeita da cidade, Ilana, uma verdinha, é voluntária, ela própria vítima da doença.

O tabefe inicial foi constatar que, ao contrário do que se possa imaginar, esse voluntariado não passa pela ideia de simples benesses das senhoras da sociedade local lutando contra suas vidas entediantes, e que sai pedindo coisas por aí. Não mesmo. O que vi foram mulheres maravilhosamente simples, trabalhadoras, capazes de dividir o próprio pão, como dividem as horas de dedicação que doam dia após dia. O que fazem? Tudo o que for preciso para que o doente acredite e queira viver, o que ajuda sobremaneira – e de forma comprovada – em seu tratamento e recuperação. E também ajudam a família desse humano, amparando-a no que dá, e o que se torna menos uma preocupação estressante para o paciente.

Um círculo do bem. Para quem é mais sensível acreditar no ser humano pode fazer efeitos milagrosos, me desculpem os secos inveterados. Se puderem comer direito, tomar os remédios, ter onde dormir, e a quem recorrer, todos estaremos melhor.
Voluntários. Esse tema tem me chamado a atenção. Tem um número meio chutado correndo por aí dizendo que são 42 milhões de pessoas no país, fazendo algo. O que daria quase um terço da população brasileira, e uma certa dúvida de que, se fosse verdade mesmo, haveria tanta miséria. Mas, depois do que vi essa semana, não duvido é de mais nada. Será por saber disso que a presidente Dilma assina seus discursos públicos mandando um “beijo no coração”?

Nessa viagem não encontrei com igrejas, partidos, governos, associações sociais, embora todos os cidadãos voluntários seguramente os integre. Encontrei foi com experiências individuais que doam sangue, medula, conhecimento, dedicação, carinho, bolinhos, biscoitos, bordados, e a capacidade criativa e inventiva de fazer pedidos e encontrar doações de valores e coisas, para rifá-las e leiloá-las. Encontrei também com gente que desenvolveu técnicas de convivência admiráveis com o sofrimento, com a perda, com a morte. Pensei se talvez possam explicar essa força da forma que vivem, para o próximo, literalmente. Morre um, e vem o próximo que precisa. O movimento da vida.

Um movimento mais difícil quando vemos as crianças atingidas, as formas que o câncer toma, as almas femininas que sofrem com a perda de auto-estima que se esvai com os cabelos que caem na quimioterapia, com os bombardeios, com a arma letal que combate o pior, às vezes atingindo mais do que os alvos.

Daqui desse ângulo a gente percebe como tudo é tão relativo, e pouco pode ser muito. Como um dia pode valer uma vida. Entendi até porque a loucura da Narcisa Tamborindeguy é mais aceita do que as das outras mulheres ricas do tal programa. Outro dia mostraram um orfanato do qual ela cuida, o que pareceu verdadeiro dentro daquele mundo de fantasia.

Quem faz o bem, dizem, recebe o bem. Junto até de um olhar mais carinhoso de alguns. Eu olho com respeito e até uma ponta de inveja dessa admirável boa vontade de ser voluntário, como já foi dito: “A bondade é o único investimento que sempre compensa”. Vou levando fazendo as minhas voluntariosas formas de agir, ser, pensar, ajudar, com a minha gota de água nesse oceano.

Ai, que loucura! Ai, que desafio!

São Paulo, 2012, dia após dia aprendendo.(*) Marli Gonçalves é jornalista. Nunca mais esquecerei os olhos que vi brilhando. Alguns, por ajudar. Outros, por ter encontrado ajuda.

************************************************************
E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br
ATENÇÃO: Por favor, ao reproduzir esse texto, não deixe de citar os e-mails de contato, e os sites onde são publicados originalmente http:// http://www.brickmann.com.br e no https://marligo.wordpress.com
Navegar é preciso. Estou no Twitter, @MarliGo, Facebook, e no blog : Clica aqui, para ir lá no blog! Visite o site MARLI GONÇALVES – Onde você encontra tudo e muito mais
No Twitter, siga-me! “www.twitter.com/MarliGo
Aqui você encontra todos os artigos anteriores:www.brickmann.com.br