ARTIGO – Semanas de rock, bebê! Por Marli Gonçalves

 

Todo dia era Dia de Índio. Agora todo dia é dia de rock, de ser chacoalhado, de assistir aos embates escalafobéticos entre aqueles que acham isso e os outros que acham aquilo; e todos os que agora estão ainda mais confusos do que estavam, uma vez que tudo se misturou igual a uma pasta disforme. A grande massa ignara ignora e só dança. Aumenta o som, que aí vem doideira pesada. Só os sons dos metais, pratos e panelas, continuam guardados por enquanto.

Pensa: por quem badalar os sinos? Para qual causa ensaiar a coreografia das bandeiras, o som das palavras de ordem, das palmas, do sapatear nas avenidas?

Outro dia um mágico amigo munido apenas de um baralho entreteve e encantou um grupo, incluindo crianças, durante um longo tempo. Fez mágicas, claro, incríveis, que é profissional dos bons, internacional. Mas a maestria com a qual manuseava e manipulava as cartas ao embaralhá-las foi show à parte, chamava a atenção. Perguntei a ele e fiquei sabendo, então, como numa aula, de histórias antigas sobre os trapaceiros, ilusionistas, como foram importantes em reinados e momentos históricos. Ele me contou (e mostrou) ainda sobre as diversas formas de embaralhar, a simples, a francesa, a cascata, a portuguesa, a hindu. São muitas.  Como se criavam sequências que deram poder aos trapaceiros. As representações dos naipes, o povo, o poder, as finanças, as guerras.

Tenho pensado sobre isso cada vez mais com o preocupante desenvolvimento do desmonte político a que temos assistido diariamente boquiabertos e aturdidos. Tal como as cartas do baralho que se fundem e se misturam ao ser embaralhadas, estão sendo descartados reis, rainhas, valetes. Os ases somem. De todos os naipes. Procuramos um coringa.

É carteado cheio de trucos. Dissimulados que sem querer querendo dão declarações bombásticas em entrevistas, como quem faz bolhas de sabão. Jornalistas e suas fontes das sombras que carregam mensagens de um lado a outro, sobre um lado e do outro, entre afirmações hipotéticas e hipóteses estapafúrdias que se desmentem em seguida. Deitam falação, como se possível fosse entender as entranhas desse jogo que há anos nos empurra para o buraco. Eles roubam montes, formam duplas, descartam o lixo, pedem mais cartas, formam canastras, somem com cartas entre as mangas e colarinhos brancos. Jogam sozinhos.

Entre os meus leitores há vários tipos que se manifestam comigo: os que gostam de política, falar disso; e os que gostam quando me refiro ao comportamento humano em outras dimensões (sim, elas existem! – mas cada dia é mais difícil nos concentrarmos nelas, nas nossas questões pessoais de viver bem, de emoções, de avanços civis). Tudo muito civilizado, agradeço muito.

Agradeço porque vejo audiências gigantescas indo, aplaudindo, para os que escrevem chutando, xingando, agredindo, belicosos, até desejando o mal para os outros, que sejam presos, morram, tenham seus direitos suprimidos. Suas áreas de comentários são como esgotos.  Independentes, se proclamam. Que vivem de ar, tanto quanto eu acredito em duendes puxando o dedão no pé da cama. Se papel já aceitava tudo, na internet, no descompromisso, no anonimato, isso virou fato.  Nas redes sociais, formas de polemizar, bater abaixo da linha da cintura, escarnecer bílis. Nas tevês são tantos analistas que devem se bater pelos corredores, fazer fila nos banheiros: reparem o quanto fazem como os locutores esportivos que podem estar esculhambando um time na narração, mas se esse time faz um gol… imediatamente a opinião vira outra.

Brincadeiras à parte, a melhor previsão que podemos fazer do futuro já abarca o passado: vamos trocar de presidente como se troca de roupa. Precisamos provar todas para ver como elas ficam em nosso corpo.

E eu que, vejam só, queria só falar sobre o Dia do Rock, agora, 13 de julho! Mas quem é mesmo que pode mudar de assunto? Tem de embaralhar.

20170708_143356Marli Gonçalves, jornalista –Aproveita que dia 20 de julho é Dia do Amigo. Faz as pazes com aquele com o qual brigou em bate boca nessa partida viciada.

Brasil, batendo cabeça

_____________________________

marligo@uol.com.br

marli@brickmann.com.br

www.brickmann.com.br

www.chumbogordo.com.br

ARTIGO – Cartas, bilhetes e recados. Por Marli Gonçalves

postmanVamos lá! Quantas vezes você já não pensou em escrever para alguém uns desaforos? Ou uma carta com tudo o que não teve coragem de dizer pessoalmente? Ou mesmo deixar um bilhetinho grudado na porta, da rua ou da geladeira, com algum galanteio?  

Não é exatamente, mas também não deixam de ser cartas esses artigos que escrevo, prezado leitor/a, com coisas que quero dizer mas como não sei exatamente onde encontrar todos vocês, expresso em textos nos quais acabo incluindo um monte de assuntos que falam da vida, do país, de mim e do que passamos, e que imagino você também. Não escrevo “De” ou “Para”, mas sou a remetente e você nem precisa decorar o CEP para me dizer.

mail_box_post_812ccAliás, elas, as cartas, perderam demais para o tal e-mail, correio eletrônico, SMS, torpedos, recados e outras formas de contato via redes sociais, diretas ou em 140 caracteres, alguns possibilitando até a própria voz. Mas não é igual à carta, que impõe uma distância maior a ser percorrida, uma certa ansiedade de ida e talvez, de volta, como resposta, ou ela mesma, amarfanhada e carimbada, quando não encontra o caminho indicado, o endereçado. Perdemos principalmente a oportunidade de conhecer melhor alguém pela letra; admirando-a ou tentando decifrá-la. Tinha também as cartas feitas na máquina de escrever, “aparelhinho” de batucar as pretinhas, e que muita gente hoje nem conhece mais. Essas também tinham personalidade especial: o papel usado, as teclas quebradas ou que imprimiam diferente, com os erros quase impossíveis de ser apagados com os “branquinhos” , aquela gosminha em pincel que pincelávamos e com a qual tentávamos encobrir os erros, escrever em cima deles. As cartas trazem em si um certo romantismo,com ou sem envelope.th_animatedpostmansmiley[1]

Mas é mais uma coisa que mudou e muito. Às vezes fico vendo os carteiros e penso que eles já foram mais felizes quando imaginavam transportar a tiracolo em suas sacolas muitas e lindas cartas de amor, ou de despedidas, muito além do pacote de contas a pagar ou cobranças das não pagas que entregam hoje, quando até convites já não são mais aqueles que espetávamos nos murais de cortiça. Na boa, nem cartões postais tenho visto muitos, ou melhor, cartões postais, inclusive com publicidade agregada, agora até estão em displays em vários lugares, em profusão. Mas quem os usa? Eu olho e pego só os bonitos que viram quadrinhos que ficam por perto até que eu enjoe deles e os troque. Mas aqueles, típicos, tipo Torre Eiffel, Estátua da Liberdade nem tenho visto – muito menos recebido.

papersEm tempos de Instagram acompanhamos as viagens quase que in loco – agora até com filminhos, e de gente que nem conhecemos pessoalmente. Instantâneos, como tudo agora parece precisar ser. Instantâneo. Só que volátil, constantemente substituído. Ninguém guarda, como fazemos com cartas, ou determinados recados ou bilhetes que, se de amor forem, então, ah, esses ganham até caixinhas, lacinhos, aromas. Lágrimas secas.

Tudo isso digo porque também andei detectando uma nova forma de expressão por aí, inclusive de jornalistas, e que têm feito algum sucesso porque reproduzem exatamente isso: alô você aí, senhor ou senhora importante, eu existo e estou escrevendo para você. Certo que é uma carta aberta, mas a forma é essa, prezados, estimados destinatários. Cartas abertas no caminho.varie_amore_35

Nas últimas semanas encontrei muitas cartas para a Dilma e para o Obama. A primeira com observações para a senhora presidente, tipo não tenta me enganar que eu não gosto, ou contendo alguns detalhes gerais sempre esquecidos no noticiário comum, como as velhas amizades dela, as péssimas escolhas de sua equipe, lembrando-a de fatos e pessoas que certamente ela adoraria poder apagar das nossas memórias. Para o Obama, o que vi foram mensagens até mais bem humoradas, sobre quais seriam as grandes descobertas feitas pela espionagem da agência americana em cima da vida e feitos tanto da nossa presidente como daquele outro que continua como sombra, fazendo com que sejamos o único país do mundo governado por um sistema de governo de dois presidentes, como parece ser, dia e noite. Vi também muita gente brincando de consolá-lo pela ausência e enorme vazio que sentirá, dormindo na pia, com o cancelamento da visita oficial de outubro.

christmas_animated_gifs_38Mas tem outras cartas, a Magna inclusive, a Carta. E esta é uma que vai estar no topo da onda por esses dias quando comemoraremos os 25 anos da Constituinte promulgada em 1988. Uma carta importante, detalhada até demais em alguns pontos, mas que vem sendo rasurada, cortada, rasgada, pisada em alguns momentos sem que muitas vezes a gente se dê conta.

Será que precisaremos reescrevê-la qualquer dia desses?

São Paulo, 2013

Marli Gonçalves é jornalista Também lembro o horror que tinha de receber telegramas que, em geral, não traziam boas notícias. E eram caros. Além do que as frases eram marcadas por duas letras: p e t. Ponto.

********************************************************************
E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br

Tenho um blog, Marli Gonçalves, divertido e informante ao mesmo tempo, no https://marligo.wordpress.com. Estou no Facebook. E no Twitter @Marligo

cartero-echando-carta