A TURMA DO GOVERNADOR CABRAL, SEUS SECRETÁRIOS E ETC., A TURMA DOS GUARDANAPOS NA CABEÇA, FEZ MUITAS FESTAS. APARECERAM FOTOS DE MAIS UMA, COM MAIS UM EMPRESÁRIO PRÓXIMO. DESTA VEZ NO PARADISÍACO CARIBE.

FONTE: COLUNA RADAR – LAURO JARDIM – VEJA ONLINE

No Caribe

Sergio Dias, Sadalla e suas respectivas mulheres

Depois de aparecer em fotos com guardanapo na cabeça ao lado de Fernando Cavendish em Paris, os mesmos secretários de Eduardo Paes e Sérgio Cabral têm mais uma viagem internacional com um empreiteiro para explicar.

O empresário da vez chama-se Saulo Wanderley Filho, da Cowan, que tem contratos com a prefeitura e o governo do Rio de Janeiro, como a Linha 4 do metrô.

Em abril de 2011, Saulo levou Wilson Carlos, secretário estadual de Governo, e Sérgio Dias, secretário municipal de Urbanismo, com as suas mulheres, para uma viagem à paradisíaca Ilha de Saint Barths, no Caribe. Um jatinho Gulfstream, da Cowan, foi usado no trajeto e uma casa alugada para a estadia.

Do passeio também participou George Sadalla, empresário responsável pelo Rio Poupa Tempo.

Procurado, Wilson Carlos afirmou que “as relações pessoais não interferem em seu trabalho no governo”.

Sergio Dias disse que “tem relações de amizade com os casais citados” e que a sua pasta “não licita, licencia e fiscaliza obras públicas”.

Já Saulo informa que a relação é “fruto de uma amizade familiar de alguns anos”.

A casa onde os secretários ficaram no Caribe

Por Lauro Jardim

 

 

 

Sumiu. Difícil de encontrar. Acabou de sair. Anda difícil achar o Cavendish, sem o guardanapo na cabeça. Nota de Lauro Jardim.

Sem guardanapo

Alvaro Dias subiu à tribuna do Senado, há pouco, para reclamar da demora da Justiça Federal do Rio de Janeiro em localizar Fernando Cavendish para notificá-lo. Dias cobra na Justiça que o dono da Delta revele qual senador ele pode comprar ou comprou por 6 milhões de reais (naquela famosa conversa revelada por VEJA).

O tucano acha que os oficiais de Justiça do Rio estão fazendo corpo mole para encontrar Cavendish (afinal, até o baleiro da esquina do Congresso sabia que Cavendish estaria na CPI ontem). Diante da demora da justiça, Dias mandou a pérola na tribuna:

– Diante dessa demora da Justiça Federal do Rio, ouvi a explicação de que o oficial de justiça não está identificando o senhor Cavendish porque ele não está mais usando aquele guardanapo na cabeça.

Por Lauro Jardim – Coluna Radar – veja online