Ninguém melhor do que a própria vítima da intolerância para falar sobre o caso do Colégio Rio Branco

englishlesson2Este comentário (sic) foi postado ontem aqui.

Destaco, por considerar que ninguém melhor do que essa pessoinha para dizer o que se passou e como ela se sente.

Não vou colocar meu nome, mas posso dizer, isso tudo, toda essa polemica aconteceu comigo. Fui sentar na sala de aula e vi os escritos, contei para minha mãe e isso assumiu grandes proporções, até que hoje dia 06/03 fui em uma reunião na escola com a minha mãe. A diretora falou que iriam trabalhar e conversar com os alunos tanto em sala como individualmente, mas de nada adiantou, ainda dia 06/03 as 21:38 recebi gravações de audio no gupo da sala do whatsapp com reclamações da atitude da escola e com reclamações contra a atitude da minha mãe de ter publicado. Mas é ridiculo, talvez se tivessem publicado isso em 1938 não teriam matado mais de 8 milhões de pessoas, entre elas 6 milhões de judeus.

Esperando poder ajudar para que casos como esse jamais voltem a ocorrer, agradeço a todos que nos prestigiaram e os convido para sempre aparecerem neste blog que tem a luta pela liberdade, paz, e respeito entre os povos,  como um de seus princípios fundamentais.

——————————————————————————–

Para saber mais sobre o caso:

1. CLIQUE AQUI

2. ou AQUI

Posição do Colégio Rio Branco sobre o ato de intolerância ocorrido em sala de aula contra uma adolescente. ( Que, aliás, não está querendo voltar para a escola)

O Colégio Rio Branco se posiciona sobre essa matéria( Horror entre jovens. Intolerância racial no Colégio Rio Branco, de São Paulo. Menina tem carteira pichada com suásticas. Veja as fotos. Info básica publicada em nota de Sonia Racy), que publicamos há uma semana –  27 de fevereiro.

Esse post têm tido enorme repercussão, especialmente porque tanto a escola quanto as instituições judaicas oficiais tiveram reações consideradas tímidas por vários leitores da comunidade judaica que me prestigiam aqui nesse blog.

Leia, na íntegra, a carta recebida hoje, 6 de março:

CARTA OFICIAL – COLÉGIO RIO BRANCO

 São Paulo, 06 de março de 2014.

 Ao longo de 68 anos de dedicação à educação de crianças e jovens, o tradicional Colégio Rio Branco, instituição mantida pela Fundação de Rotarianos de São Paulo, sempre teve imenso respeito e orgulho em ter em sua formação histórica, dentre outras, a presença da comunidade judaica.

A comunidade Riobranquina é constituída pela pluralidade cultural, social e religiosa, tanto entre seus alunos, como em seu corpo docente e equipe de colaboradores. O acolhimento à diversidade, em suas variadas dimensões, é um dos princípios norteadores da ação educativa, explicitados no Projeto Político Pedagógico (PPP) da instituição. 

O Colégio Rio Branco integra o programa de escolas associadas à UNESCO (PEA UNESCO), fazendo parte, portanto, de uma rede de instituições que tem em sua agenda, a promoção da paz e a valorização dos direitos humanos.  Nas suas vivências cotidianas, desenvolve, dentre outros, estudos e reflexões relacionados aos diversos períodos históricos, muitos, infelizmente, marcados por episódios em que a intolerância religiosa ou racial, assim como a outros grupos minoritários foram, e ainda são, focos de grandes tragédias.

Com relação ao episódio, noticiado na imprensa,  envolvendo a menção anônima de símbolos de intolerância, o Colégio vem por meio deste comunicado, esclarecer que se trata de um fato isolado e individual, tratado com máximo rigor e atenção, mas que em nada reproduz o posicionamento da instituição e sua comunidade, tradicionalmente reconhecida pela qualidade na formação de gerações de cidadãos de bem, ao longo de sua história. 

Dentre a vasta agenda de trabalhos aplicados a temas relacionados, destaca-se recentemente, no segundo semestre de 2013, a peça teatral Humana Mente, produzida pelo tradicional Grupo de Teatro Rio Branco em parceria com o Centro de Educação para Surdos Rio Branco (CES), professores de diferentes disciplinas e alunos do Ensino Médio, a qual resgatou fatos históricos e mostrou a dor e o sofrimento das pessoas que viveram entre os períodos das 1ª e 2ª Guerras Mundiais. Segue para conhecimento, link deste registro: http://zip.net/bkmDd9

Ainda durante o ano de 2013, dentro do projeto Cine Clube Rio Branco, no qual é realizada uma análise entre os alunos, com a ajuda de especialistas e docentes sobre aspectos de importantes obras cinematográficas, foi trabalhado o filme “O Grande Ditador”, com grande contextualização sobre o nazismo. Acesse: http://zip.net/bjmC4J

 

Na lista de obras literárias que integra o currículo escolar dos alunos, destaca-se: The Diary of a Young Girl, de Anne Frank; Cavalo de Guerra, de Michael Morpurgo; Vozes Roubadas – Diários de Guerra, editado por Melanie Challenger e Zlata Filipovic; Diário da Queda, de Michael Laub; O Muro – Crescendo atrás da Cortina de Ferro, de Peter Sís; Eu sou Malala, de Malala Yousafzai.

No que se refere ao calendário escolar, diante da grande população judaica que integra a instituição, o Colégio Rio Branco mantém o cuidado em adaptar sua agenda de provas e principais atividades escolares às principais datas comemorativas e simbólicas para os judeus, a fim de não prejudicar o desempenho escolar destes alunos e estimular o convívio harmônico e o respeito entre os demais colegas. 

Cabe ainda ressaltar, que o Colégio Rio Branco já dispôs em sua grade de cursos extracurriculares, programa no qual as crianças tiveram a oportunidade de conhecer, de forma lúdica, a cultura e valores judaicos.

Nesse sentido, reiteramos o nosso orgulho e honra em partilhar com as famílias, a formação de crianças e jovens cidadãos do mundo, munidos de rico repertório cultural, histórico, afetivo e ético, capazes de construir, com protagonismo, uma sociedade mais justa e solidária.

Cordialmente,

Colégio Rio Branco.
A direção.

———————————————————————————————

Nosso blog agradece a todos que lutam pelo fim da intolerância de toda a sorte que ainda enfrentamos nesse país

Horror entre jovens. Intolerância racial no Colégio Rio Branco, de São Paulo. Menina tem carteira pichada com suásticas. Veja as fotos. Info básica publicada em nota de Sonia Racy.

IMG_14662958232549 IMG_14623831613281

mao apontando direita

mao apontando direitaATUALIZAÇÃO DIA 7 DE MARÇO/2014

PARA LER BREVE RELATO DA VÍTIMA, CLIQUE AQUI

—————————————————————————

ATUALIZAÇÃO DIA 6 DE MARÇO/2014.

UMA SEMANA DEPOIS O COLÉGIO RIO BRANCO MANDOU CARTA PARA ESSE BLOG COM O POSICIONAMENTO OFICIAL, POUCO DIFERENTE DO JÁ VISTO AQUI.

LEIA AQUI A CARTA

————————————————————————————————
FONTE: ESTADÃO – COLUNA Sonia Racy 

 ( fotos: feitas pela família da vítima)IMG_14655264663052

Intolerância

Suásticas e dizeres nazistas foram desenhados, ontem, sobre uma carteira em sala do primeiro ano do ensino médio do Rio Branco.Indagado, o colégio informa já estar apurando o caso e que “repudia, veementemente, qualquer ato ou prática relacionada à intolerância, seja ela religiosa ou de qualquer outra ordem”.

Intolerância 2IMG_14623831613281 IMG_14662958232549 IMG_14655264663052IMG_14655264663052

Além do colégio, a mãe da aluna que se sentou à mesa pichada também acionou a Federação Israelita do Estado de São Paulo.

A ideia, segundo Ricardo Berkiensztat, da Fisesp, é propor iniciativa socioeducativa para explicar aos alunos o que foi o Holocausto.