Alôôô! Não é hora de repensar ( direito ) essas leis? Homem é prso por beijar menino no cinema. Claro, com consentimento do próprio.

PAPO SÉRIO, NA LINHA “CHEGA DE HIPOCRISIA!”

Não me levem a mal, mas…

Vi a chamada e corri lá, apavorada, sobre que história era essa de um cara agarrar um garoto no cinema. Qual não foi minha surpresa ao achar mais um caso de !”amor”, de relacionamento homossexual.

Agora prá ser homossexual tem que ter idade, se de maior? Igual a história da professora que está sendo despedaçada no Rio de Janeiro e as entidades de defesa dos direitos caladas, mudas, bocas costuradas.

Gente, pedofilia é uma coisa. Essa aqui é outra. Parem para pensar. Mas, por favor, sem preconceitos, apenas vendo a realidade. Com 12, 13, 14 pode ser modelo internacional, né? Campeãos esportivos! Fazer e acontecer, desde que sem sexo? Garoto com garoto e garota com garota pode?

do G1 – www.g1.com.br

Jovem de 18 anos é preso por beijar garoto de 13 em cinema de shopping

Beijo consentido por menor durou 5 minutos, diz gerente em SP.
Maior responderá por estupro de menor de 14 anos, segundo a lei.

Kleber Tomaz Do G1 SP

Um estudante de 18 anos foi preso em flagrante pela Polícia Militar, na noite de quarta-feira (10), por beijar um garoto de 13 anos dentro do cinema de um shopping no bairro de Lauzane Paulista, na Zona Norte de São Paulo. O beijo durou mais de cinco minutos, segundo testemunhas, sempre com o maior abraçando o menor pelas costas. A denúncia foi feita por funcionários do centro de compras.

Apesar de o garoto ter consentido o beijo, a lei determina que menores de 14 anos ainda não respondem por seus atos. Por isso, o maior foi levado ao 13º Distrito Policial, na Casa Verde, também na Zona Norte da capital, onde foi indiciado por estupro de vulnerável. Segundo o boletim de ocorrência obtido pelo G1, o maior irá responder por crime contra a dignidade sexual e, caso condenado, poderá pegar até 14 anos de prisão.

A reportagem não conseguiu localizar o maior preso para comentar o assunto. Também não encontrou os pais do menor para falar do caso ou o shopping.

A assessoria de imprensa da Secretaria da Segurança Pública do Estado de São Paulo informou que o suspeito continuava detido no 13º DP no fim da manhã desta quinta-feira (11). Durante a tarde, ele será transferido para a carceragem do 72º DP, na Vila Penteado. Depois disso, o caso será investigado pelo 38º DP, na Vila Amália.

Abraçados
Ainda segundo a ocorrência, a gerente do cinema relatou que por volta das 20h os dois compraram o ingresso na bilheteria e entraram no cinema para assistir à sessão. Depois, saíram da sala e foram para a bomboniere do cinema, onde a mulher contou ter visto o maior e menor abraçados. Ela suspeitou que o jovem de 18 estivesse acariciando o de 13. Ao se aproximar, conta que os dois se beijaram. Ela então pediu para o segurança levá-los ao setor de atendimento e chamou os pais do adolescente e a PM.

À Polícia Civil, o maior contou que tem “por hábito fazer amizades através da internet, visando marcar encontros e sair com outros jovens e que já fez isso por três outras vezes”. Mas durante o interrogatório, ele não respondeu as perguntas feitas pela autoridade policial e preferiu se manter em silêncio.

O menor contou que conheceu o maior pela internet e que “marcaram um encontro no shopping para irem ao cinema e se conhecerem”. Ele negou ter sido forçado a beijar o jovem de 18 anos. “O fez por vontade própria”, relatou o garoto de 13 anos.

Procurado para comentar o assunto, o desembargador Antonio Carlos Malheiros, coordenador da Infância e Juventude do Tribunal de Justiça de São Paulo, afirmou que a prisão do maior por ter beijado o menor foi correta.

“Tecnicamente é correto porque é menino menor de 14 anos de idade que está sofrendo, foi atingido por um maior de idade que está praticando com ele algum ato libidinoso. Se ele  tivesse 14 e houvesse consentimento poderia entrar em alguma indicação delituosa, como por exemplo, corrupção de menor, algo nesse sentido. Mas com menos de 14 anos, tudo agora é estupro. Agora é estupro de vulnerável para menor de 14 anos. Não é considerado pedofilia porque pedofilia é no âmbito infantil. A vítima teria de ter 12 anos de idade“, disse o desembargador por telefone ao G1.

“A legislação é nova e realmente pune com severidade esse tipo de conduta. Cabe apurar se esse fato acontecia sempre e ouvir de testemunhas“, afirmou o advogado Ricardo Cavezon,  presidente da comissão da criança e adolescente Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).