#ADEHOJE – AGRESSÕES A TODOS NÓS, A TODAS NÓS

#ADEHOJE – AGRESSÕES A TODOS NÓS, A TODAS NÓS

SÓ UM MINUTO – Brasil registra uma agressão a mulher a cada 4 minutos, mostra levantamento. No ano passado, foram registrados mais de 145 mil casos de violência —física, sexual, psicológica e de outros tipos— contra mulheres e nas quais as vítimas conseguiram sobreviver. Segundo o Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), em 2017 houve 4.396 assassinatos de mulheres no país.

Mas enquanto isso eles estão preocupados em censurar histórias em quadrinhos, em falas absurdas e agressivas, arrumar encrenca com nossos maiores parceiros comerciais internacionais.

Feitiço contra o feiticeiro. Nunca houve uma Bienal tão boa, tão falada quanto esta do Rio de Janeiro. Principalmente depois do ato imbecil de Crivella de querer proibir uma história em quadrinhos da Marvel, de 2010! No final foram vendidos 4 milhões de livros- um crescimento de 60% ante a edição anterior, em 2017. Só o youtuber Felipe Neto comprou e distribuiu gratuitamente 14 mil livros sobre o tema LGBT. Ao menos 70 autores assinaram um manifesto contra a censura.

SETEMBRO COMEÇOU COM QUASE 5 MIL FOCOS DE QUEIMADAS NA AMAZÔNIA.

 

#ADEHOJE – O NOME DISSO É CENSURA, SIM!

#ADEHOJE – O NOME DISSO É CENSURA, SIM!

 

SÓ UM MINUTO – É censura o nome disso. É homofobia o nome disso. É preconceito o nome disso. É invasão de religião o nome disso. É abuso o nome disso. É perigo demais o nome disso. Qual é o problema desses caras? E a burrice? Porque agora que a imagem se espalhou, a revista esgotou em minutos…

Que história é essa de um prefeito mequetrefe mandar fiscais na Bienal do Livro do Rio de Janeiro para apreender uma MERA publicação de história em quadrinhos? A HQ “Vingadores – A Cruzada das Crianças”, da Marvel. Uma imagem de beijo entre homens? Onde estamos? Ora, saia na rua, vá ver a vida, a realidade, a atualidade.

Aproveitem e vão plantar batatas que farão melhor do que se meter na cultura nacional e internacional.

Aliás, que história é essa de agora, prefeitos, governadores e um presidente desse naipe quererem dizer o que leremos, o que assistiremos? O que as crianças vão aprender sobre sexo aprenderão na vida.

Cada dia está ficando mais terrível a situação. Por favor, conversem com quem puderem, alertem, expliquem. Isso não pode continuar.

Nós nos vingaremos, e todos de preto, amanhã, nas ruas.

 

Resultado de imagem para HQ "Vingadores -

ARTIGO – As surpresas dos segundos fatais. Por Marli Gonçalves

 

Você pensa nisso? Sobre os átimos da vida das pessoas, nossos? O que separa a existência e o arrebatamento? A imprevisibilidade da vida? Tenho refletido sobre isso. Muito mais forte agora, pela maturidade e, óbvio, influenciada também pela terrível e literal avalanche de acontecimentos que assistimos nos últimos tempos. É a visão do descontrole que temos sobre a vida e a morte, sobre todas as coisas e seus inversos. Sobre as patéticas declarações dos que propiciam que segundos terríveis assim ocorram.

Imagem relacionada

Como você lida com isso? Resolvi perguntar. Cada vez mais, não no sentido religioso, mas filosófico, parece que temos de diariamente sorver tudo o que nos acontece de bom com sofreguidão, como se esses momentos sejam o combustível que necessitamos, uma reserva pessoal de energia, para seguir pulando nesse tabuleiro, nesse quadrado que corremos até sermos imprensados pela realidade de alguma força contrária.

Essa semana foi mais uma, pródiga em notícias de segundos. Aliás, esse ano está se avolumando com elas, como Brumadinho, a lama que escorreu e varreu centenas de vidas, as crianças baleadas por outras na escola de Suzano. Tivemos agora a chuva torrencial que caiu no Rio de Janeiro, os prédios que desabaram. A família que teve o carro fuzilado pelo Exército.

Acompanhamos pelo noticiário. Mas você se imagina em alguma daquelas situações? Não vamos nem pensar em quem vive em áreas de risco, que estas pessoas não têm outro rumo e parecem apenas esperar seus destinos se agarrando ao pouco que conseguem obter desta vida, ligadas em um automático desalento. Pensa naquela avó toda feliz com sua neta, passeando em um shopping, distraindo a criança que os pais haviam deixado com ela para viajar. Eu a imaginei comprando um brinquedo, passando na praça da alimentação. Na saída, fim de tarde, a chuva forte. Melhor pegar um táxi, pensou. Pouco tempo depois, ela, a neta e o motorista do táxi saíam de circulação, esmagados por um morro que derreteu, de uma via que deveria ter sido interditada.

O jovem que faria aniversário no dia seguinte, e que comemoraria com um churrasco, pegou carona na garupa da moto de um amigo. Pensava no quê? Se compraria linguiças, picanha, talvez coraçõezinhos de frango, algumas garrafas de cerveja, carvão? A água que descia das ladeiras de onde morava não teve pena. Aproveitando-se talvez até dessa sua distração diletante, o arrancou da moto, levando-o com ela. Em segundos, sem aniversário, sem carne, sem nada. Afogado. Não no mar, não em nenhum lago ou represa, mas na rua, na viela, preso debaixo das rodas de um carro estacionado.

Voltando um pouco, no domingo, a família – pai, mãe, filha, sogro, a amiga do casal de carona – sai de uma festa infantil. No caminho natural de todos os dias, o carro popular, branco, passa próximo a um quartel. Não corria, ninguém pediu que parasse. Passava. Passou. Diante de mais de uma dezena de soldados do Exército, talvez postados ali, chateados, porque em trabalho debaixo do Sol naquele dia de forte calor que prenunciava inclusive a chuva torrencial dos dias seguintes. Parece que aguardavam avistar um outro carro branco, também popular, do mesmo modelo popular, repito, daquele da família feliz, e que havia sido roubado pouco antes. Não perguntaram. Dispararam. 80 tiros. Um fuzilamento. Sem paredão. Os soldados não ouviram – há relatos de que até debocharam – os gritos desesperados, o choro da criança, das mulheres, da mãe e esposa. O motorista, o marido, morreu na hora; o sogro, atingido, tenta sair do carro. Do lado de fora, um morador de rua corre para tentar ajudar – ele entendeu os gritos – mas logo cai atingido gravemente. Está em coma, estado gravíssimo. Quantos segundos se passaram?

Por outro lado, para amenizar, surge nas redes sociais um vídeo que viraliza. Ele mostra uma cena incomum. No mesmo Rio de Janeiro, um homem negro, alto, munido de duas caixas plásticas, com elas construindo uma ponte para que uma senhora atravessasse em segurança a rua inundada. A cada passo, a gentileza, a mão auxiliando que a senhora fosse pulando de uma a outra até chegar segura ao outro lado. Também foram segundos; mas estes mudaram para melhor a vida do guardador de carros, viúvo, com um filho pequeno. Sua generosidade ganhou o mundo e ele ganhou uma vida nova, uma casa, vinda de uma vaquinha organizada pela internet, e por alguém que em outro segundo pensou como poderia ajudar.

Em segundos, tudo realmente pode mudar. Mas o que não muda, nem em segundos, nem em minutos, dias, horas, meses, anos, décadas, é o descaso das autoridades, nem as suas patéticas declarações depois que os fatos acontecem sob as suas barbas.

Não foram chuvas corriqueiras, senhor prefeito Crivella. O Exército matou sim, senhor Presidente. Fuzilou. Não foram “incidentes lamentáveis”, Ministro Moro, e outros tantos, que nós é que lamentamos que depois de tantos dias depois vocês abram a boca só para dizer isso.

Foram segundos em que morreram ou tiveram suas vidas modificadas muitas pessoas. São vocês que comandam muitas dessas diferenças entre a vida e a morte, entre a alegria e a tristeza, entre o futuro e o fim.

———————————-reloginho animado

Marli Gonçalves, jornalista –

marligo@uol.com.br / marli@brickmann.com.br

Brasil, lamentável 2019


ME ENCONTRE (se republicar, por favor, se possível, mantenha esses links):

https://www.youtube.com/c/MarliGon%C3%A7alvesjornalista

(marligoncalvesjornalista – o ç deixa o link assim)

https://www.facebook.com/BlogMarliGoncalves/

https://www.instagram.com/marligo/

#ADEHOJE – CHUVAS E TROVOADAS, ALÉM DOS 80 TIROS

#ADEHOJE – CHUVAS E TROVOADAS, ALÉM DOS 80 TIROS

 

SÓ UM MINUTO – Enquanto os 80 tiros dados pelo Exército num carro de família ainda precisam ser muito bem explicados… O Rio de Janeiro debaixo da água desde ontem e o prefeito Marcelo Crivella falando platitudes… entre outras do inesperado da chuva. Mais um pedaço da ciclovia Tim Maia desmorona e ele tem a coragem de mais uma vez culpar a onda, desta vez acusada de ter vindo na vertical. São centenas de carros que foram abandonados nas ruas, as pessoas desesperadas, principalmente no Jardim Botânico e Gávea. Três mortos. Na política, bem, vocês sabem, aguardar o que o novo ministro da Educação fará. Porque o que ele pensa já sabemos que é um horror. Mas se não misturar…

Crivella diz que protestos são porque Dilma é mulher, por machismo.Socorro! Emque mundo esses caras estão vivendo, pelo amor de Deus!

feliz dia, chefeEvangélico, ministro Crivella atribui onda de protestos a machismo

CATIA SEABRA
VALDO CRUZ
DE BRASÍLIA

Evangélico, o ministro da Pesca, Marcelo Crivella, surpreendeu colegas de Esplanada ao apontar o machismo como origem dos protestos de rua pelo país.

Na segunda-feira, durante reunião ministerial na Granja do Torto, Crivella expôs sua opinião diante da presidente Dilma Rousseff: os manifestantes, avalia, foram às ruas porque ela é mulher.

Ainda segundo relato de participantes, a presidente não reagiu à avaliação. Ela foi bem dura, porém, ao responder aos comentários do ministro Moreira Franco (Aviação Civil) sobre o impacto da inflação no ânimo do brasileiro. Segundo participantes, Dilma disse que Moreira não tinha entendido a exposição feita minutos antes pelo presidente do Banco Central, Alexandre Tombini.

Ministros de Dilma Rousseff criticaram, diante dela, as previsões “otimistas” da equipe econômica e a falta de medidas concretas para responder à onda de protestos.

A presidente foi enfática também em defesa da ministra Helena Chagas (Comunicação). Foram feitas críticas à comunicação do governo, que teria falhado, na avaliação de ministros, na divulgação de ações positivas do Palácio do Planalto.

“A gente não resolve problema só no gogó”, disse a presidente, segundo participantes, pedindo para que os ministros cumprissem seu papel.

Após ouvir avaliações negativas de seus próprios ministros, Dilma cobrou maior efetividade de sua equipe, afirmando que têm de dar começo e fim a suas tarefas.

“É preciso entregar” ações à população, reagiu, rebatendo as críticas à comunicação de seu governo.

Durante a reunião, Moreira Franco (Aviação Civil) queixou-se das avaliações de Mantega e Tombini indicando que a inflação estava em queda. Ele afirmou que a percepção das pessoas é que, ao irem ao supermercado, o dinheiro já não compra o mesmo do que no ano passado.

Moreira reagiu ainda ao pedido de Tombini para que explicassem bem a trajetória da inflação, que no acumulado de doze meses ficará acima da meta (6,5%) em junho, mas terá uma tendência de queda.

O ministro afirmou que esse “é um problema político, não de comunicação”.

Dilma alegou, em resposta, que a inflação está caindo mensalmente. “O povo não faz compras vendo um gráfico. Mas sente no bolso”, argumentou Moreira, segundo relato de participantes.
A reunião foi marcada por dissonância entre equipe econômica e demais ministros. Remanescente da equipe do ex-presidente Lula, Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral da Presidência) foi o primeiro a lançar dúvidas sobre as previsões feitas por Miriam Belchior (Planejamento) e pela chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann.

Segundo presentes, Carvalho argumentou que não haveria manifestações se tudo estivesse “cor-de-rosa”. O ministro Paulo Bernardo (Comunicação) disse, segundo participantes, que o momento exigia um autocrítica, enquanto José Eduardo Cardozo (Justiça) sugeriu uma análise da origem do movimento.

Ainda segundo participantes, Dilma cobrou objetivamente os ministros César Borges (Transportes) e Fernando Bezerra (Integração), avisando que será mais dura na cobrança no acompanhamento do trabalho dos ministros.

Horas antes, num momento de ausência da presidente, Cesar Borges usou uma música ao comentar a exposição de Belchior.

“De que me vale tudo isso se você não está aqui?”, afirmou, numa referência à música de Roberto Carlos.

Procurado pela Folha, Borges disse, por intermédio da assessoria, que não se lembrava dessa intervenção, descrita por quatro ministros que participaram da reunião.

 

FONTE: FOLHA SP/UOL