#PARADASOLIDARIEDADE PEDE AJUDA ESPECIAL PARA LGBTS+, ARTISTAS CIRCENSES, CIGANOS E ÍNDIOS

#paradasolidariedade

Heitor Werneck e Parada do Orgulho LGBT lideram movimento de apoio a grupos carentes

LGBTs em situação de risco, moradores de rua, artistas circenses, ciganos e indígenas são alguns dos grupos que estão sendo auxiliados com doações que podem ser em dinheiro, em alimentos, itens de higiene e limpeza. Ou mesmo com a sua ação de voluntariado. Entre em contato: (11) 9-7118-3635, de alguma forma poderá ajudar, temos certeza

@paradasolidariedade1Gay Pride em arco-íris

É terrível a situação pela qual vários grupos estão passando nesse período de pandemia do Covid-19, quarentena, toda essa situação de crise, insegurança e incertezas. Um momento difícil para todos, mas especialmente para esses grupos que já vivem normalmente com dificuldades.  Para buscar ao menos atenuar essa situação de emergência com algum alento, o produtor cultural Heitor Werneck está à frente da #PARADASOLIDARIEDADE na captação de recursos e produtos que são levados diretamente às ONGs cadastradas junto à ASSOCIACÃO DA PARADA DO ORGULHO LGBT, de São Paulo.

A Parada desse ano ainda está com a data indefinida, mas isso não impede que continue o trabalho que executam durante todo o ano, e que este ano está ainda mais crucial. O chamado é geral: pedem, também, se possível, urgente, apoio e solidariedade a artistas, autoridades, celebridades e influencers para repercutir o pedido em todas as mídias e redes sociais que tiverem acesso. Gravações de vídeo para serem divulgadas nas redes também são fundamentais (de 15 a 30 segundos)

Sugestão (postar com os 2 flyers explicativos e a hashtag #ParadaSolidariedade):

“Oi, aqui é ________________.EU APOIO A CAMPANHA PARADA SOLIDARIEDADE PARA ARRECADAÇÃO DE ALIMENTOS E ITENS DE HIGIENE PARA PESSOAS EM SITUAÇÕES VULNERÁVEIS “

(intervalo de 5 segundos)

“Durante esse período de suspensão das atividades, coletem em seus condomínios, ruas, trabalho;ou pessoalmente, doem principalmente alimentos, itens de higiene e limpeza Para colaborar: entre em contato pelo WhatsApp (11) 9-7118-3635.”

FORMAS DE COLABORAÇÃO

mao apontando direitaSe puder colaborar financeiramente, anote os dados para transferência bancária ou depósito: Divina Vitória Cine e Vídeo – CNPJ 19.398.150/0001-23 – Banco do Brasil – AG 3043-0 – CONTA CORRENTE. 23.638-1. Como pessoa física ou organização você também pode ajudar com captação de alimentos não perecíveis, itens de higiene e limpeza, doando cestas básicas, kits de higiene pessoal, escovas de dentes, máscaras de proteção, serviços de logística e transporte para entrega das doações, ou mesmo como voluntário para a coleta e distribuição junto às ONGs. O e-mail é: paradasolidariedade@gmail.com

 Projeto Rede Parada pela Solidariedade

A Rede Parada pela Solidariedade é uma iniciativa da Associação da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, em parceria com outras ONGs e Coletivos, com o objetivo de ajudar pessoas LGBT+ que se encontram em situação de vulnerabilidade diante da crise causada pela Covid-19 (coronavírus). A rede será composta pelas seguintes entidades: Associação da Parada do Orgulho GLBT de São Paulo, Casas Florescer 1 e 2, Coletivo Familia Stronger, Grupo Pela Vidda SP e Projetos Seforas, entidades que atuam na campanha de arrecadação e doação de alimentos, kits de higiene pessoal e mascaras de proteção.

Se você é uma pessoa física ou empresa e quer nos ajudar, favor entrar em contato: paradasolidariedade@gmail.com

@paradasolidariedade

Simbolo do orgulho gay

Os órgãos de Dona Mariza poderão ser doados? Uma amiga questiona. Veja as regras gerais

Antes de mais nada, meus profundos sentimentos. Não é a ex-primeira dama.

TRISTE

É uma mãe, avó, esposa que cuidou dedicadamente de seu marido quando este adoeceu e que comeu o pão que o diabo amassou para chegar onde chegou.

______________

Resultado de imagem para dONA mARISA

TRAGO AO DEBATE. MÉDICOS, COMO FUNCIONA?

 

Uma amiga conhecedora das lides médicas me chama a atenção para uns detalhes sobre a falada doação da família Lula dos órgãos de Dona Mariza, hoje em morte cerebral.
Segundo ela, esses ítens – Drogas que inibem o SNC/ 66 ANOS/ ex-fumante…E temperatura corporal abaixo de 35 – impediriam a doação.

Veja detalhamento constante no Ministério da Saúde:

______________

Informe-se sobre o processo de doação de órgãos e tecidos
Transplantes


Para ser doador, não é necessário deixar documento por escrito. Caberá aos familiares autorizar a retirada dos órgãos

 

O número de doadores de órgãos no Brasil cresce cada dia e, com ele, o índice de transplantes realizados no país. Atualmente, o programa público nacional de transplantes de órgãos e tecidos é um dos maiores do mundo. Para ser doador, não é necessário deixar documento por escrito. Cabe aos familiares autorizar a retirada, após a constatação da morte encefálica. Neste quadro, não há mais funções vitais e a parada cardíaca é inevitável.

Embora ainda haja batimentos cardíacos, a pessoa com morte cerebral não pode respirar sem ajuda de aparelhos. O processo de retirada dos órgãos pode ser acompanhado por um médico de confiança da família. É fundamental que os órgãos sejam aproveitados enquanto há circulação sanguínea para irrigá-los. Mas se o coração parar, somente as córneas poderão ser aproveitadas.

Quando um doador efetivo é reconhecido, as centrais de transplantes das secretarias estaduais de saúde são comunicadas. Apenas elas têm acesso aos cadastros técnicos de pessoas que estão na fila. Além da ordem da lista, a escolha do receptor será definida pelos exames de compatibilidade com o doador. Por isso, nem sempre o primeiro da fila é o próximo a ser beneficiado. As centrais controlam todo o processo, coibindo o comércio ilegal de órgãos.

A doação é regida pela Lei nº 9.434/97. É ela quem define, por exemplo, que a retirada de órgãos e tecidos de pessoas mortas só pode ser realizada se precedida de diagnóstico de morte cerebral constatada por dois médicos e sob autorização de cônjuge ou parente.

Para ser doador é preciso:

• Ter identificação e registro hospitalar;

• Ter a causa do coma estabelecida e conhecida;

• Não apresentar hipotermia (temperatura do corpo inferior a 35ºC), hipotensão arterial ou estar sob efeitos de drogas depressoras do Sistema Nervoso Central;

• Passar por dois exames neurológicos que avaliem o estado do tronco cerebral. Esses exames devem ser realizados por dois médicos não participantes das equipes de captação e de transplante;

• Submeter o paciente a exame complementar que demonstre morte encefálica, caracterizada pela ausência de fluxo sangüíneo em quantidade necessária no cérebro, além de inatividade elétrica e metabólica cerebral;

• Estar comprovada a morte encefálica. Situação bem diferente do coma, quando as células do cérebro estão vivas, respirando e se alimentando, mesmo que com dificuldade ou um pouco debilitadas.

Observação: Após diagnosticada a morte encefálica, o médico do paciente, da Unidade de Terapia Intensiva ou da equipe de captação de órgãos deve informar de forma clara e objetiva que a pessoa está morta e que, nesta situação, os órgãos podem ser doados para transplante.

Quais órgãos podem ser doados?

• Coração (retirado do doador antes da parada cardíaca e mantido fora do corpo por no máximo seis horas);

• Pulmões (retirados do doador antes da parada cardíaca e mantidos fora do corpo por no máximo seis horas);

• Rins (retirados do doador até 30 minutos após a parada cardíaca e mantidos fora do corpo até 48 horas);

• Fígado (retirado do doador antes da parada cardíaca e mantido fora do corpo por no máximo 24 horas);

• Pâncreas (retirado do doador antes da parada cardíaca e mantido fora do corpo por no máximo 24 horas);

• Valvas Cardíacas

Quais tecidos podem ser doados?

• Córneas (retiradas do doador até seis horas depois da parada cardíaca e mantidas fora do corpo por até sete dias);

• Medula óssea (se compatível, feita por meio de aspiração óssea ou coleta de sangue);

• Pele (retirada do doador até seis horas depois da parada cardíaca);

• Cartilagem (retirada do doador até seis horas depois da parada cardíaca);

• Ossos (retirados do doador até seis horas depois da parada cardíaca e mantidos fora do corpo por até cinco anos);

• Sangue

Doadores vivos

A doação de órgãos também pode ser feita em vida para algum membro da família ou amigo, após avaliação clínica da pessoa. Nesse caso, a compatibilidade sangüínea é primordial e não pode haver qualquer risco para o doador. Os órgãos e tecidos que podem ser retirados em vida são rim, pâncreas, parte do fígado, parte do pulmão, medula óssea e pele.

Para doar é necessário:

• Ser um cidadão juridicamente capaz (maior de 18 anos ou menor de idade antecipado, com condições de saúde que não comprometam a manifestação válida da sua vontade);

• Estar em condições de doar o órgão ou tecido sem comprometer a saúde e aptidões vitais;

• Apresentar condições adequadas de saúde, avaliadas por um médico que afaste a possibilidade de existir doenças que comprometam a saúde durante e após a doação;

• Querer doar um órgão ou tecido que seja duplo, como o rim, e não impeça o organismo do doador continuar funcionando;

• Ter um receptor com indicação terapêutica indispensável de transplante

• Ser parente de até quarto grau ou cônjuge. No caso de não parentes, a doação só poderá ser feita com autorização judicial.

Quem não pode doar?

• Pacientes portadores de doenças que comprometam o funcionamento dos órgãos e tecidos doados, como insuficiência renal, hepática, cardíaca, pulmonar, pancreática e medular;

• Portadores de doenças contagiosas transmissíveis por transplante, como soropositivos para HIV, doença de Chagas, hepatite B e C, além de todas as demais contra-indicações utilizadas para a doação de sangue e hemoderivados;

• Pacientes com infecção generalizada ou insuficiência de múltiplos órgãos e sistemas;

• Pessoas com tumores malignos – com exceção daqueles restritos ao sistema nervoso central, carcinoma basocelular e câncer de útero – e doenças degenerativas crônicas.

Fonte:
Ministério da Saúde

O INABALÁVEL DIREITO DE DEFESA. Advogados do meu Brasil/ Banânia! Carteira da OAB na mão e um quilo de alimento não perecível, nesta seta, vale ouro. Na República das Calcinhas. Teatro Maria Della Costa

Nesta sexta, 17 DE OUTUBRO, às 21h30, logo após o encerramento da sessão da peça República das Calcinhas, de James Akel, uma outra atração, esta gratuita:

Todos os advogados que comparecerem ao Teatro Maria Della Costa com a carteira da OAB poderão assistir, gratuitamente, a um debate sobre Direito de Defesa.

doação

Caso deseje, o advogado poderá doar um quilo de alimento não perecível.

JAMES AKEL, AUTOR E DIRETOR. ALÉM DE GRANDE JORNALISTA E AMIGO

REPÚBLICA DAS CALCINHAS
QUANDO sex., às 21h30, e sáb., às 19h30. Até 1º/11
ONDE Teatro Maria Della Costa, r. Paim, 72; tel. (11) 3256-9115
QUANTO R$ 60
CLASSIFICAÇÃO 16 anos