#ADEHOJE – SÓ UM MINUTO – CEARÁ EM CHAMAS E O MEDO NAS RUAS E NAS CASAS

#ADEHOJE – SÓ UM MINUTO – CEARÁ EM CHAMAS E O MEDO NAS RUAS E NAS CASAS

Quem passou por aqui ou estava em São Paulo em maio de 2006, quando os ataques do PCC fizeram mais de cem vítimas sabe o que o Ceará está passando nesses últimos dias. É um terror indescritível. Você não sabe o que pode acontecer a cada passo. Se vai conseguir chegar ou sair, trabalhar, buscar filhos, viver. Hoje, lá, com a chegada da Força Nacional, os ataques estão ocorrendo no interior do Estado. Aqui em São Paulo, o bate-cabeça da segurança pública continua. Ontem, plena tarde de domingo, uma perseguição policial de mais de 12 quilômetros acabou com um bandido morto, mas dois pedestres que estavam passando em frente a um shopping foram baleados. Houve ainda mais um caso na Zona Leste, e uma grávida acabou atingida. Mas também dentro de casa as mulheres que deveriam estar sob leis de proteção continuam sendo mortas.

OLHEM SÓ! 17 de maio é o Dia internacional de Combate à Homofobia! Podemos aproveitar e nos manifestar já que estaremos juntos novamente nas ruas, não?

csamento gay

Olhem só. Até o governo tem programação. Veja todas as cidades participantes:

( FONTE- COMUNICAÇÃO DA Coordenação Estadual de Políticas para a Diversidade Sexual)

COORDENAÇÃO DE POLÍTICAS PARA A DIVERSIDADE SEXUAL APÓIA NA COMEMORAÇÃO DO DIA INTERNACIONAL E ESTADUAL CONTRA A HOMOFOBIA csamento gay

Anualmente, é celebrado no dia 17 de maio o Dia Internacional de Combate à Homofobia, como alusão à data em que, em 1990, a Assembleia Geral da Organização Mundial da Saúde aprovou a retirada do código 302.0 (“homossexualismo”) da Classificação Internacional de Doenças, declarando que “a homossexualidade não constitui doença, nem distúrbio e nem perversão”. Nesta data também é celebrado o Dia Nacional de Combate a Homofobia e o Dia de Luta Contra a Homofobia no Estado de São Paulo, instituído pela Lei Estadual nº 14.462/2011.

Tendo como objetivo ampliar e interiorizar as ações alusivas a esta data, a Coordenação Estadual de Políticas para a Diversidade Sexual (CPDS), órgão ligado a Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania apoiará diversos municípios do Estado de São Paulo que realizarão atividades de mobilização no combate à homofobia e transfobia, com a disponibilização de materiais da campanha “São Paulo Contra a Homofobia”. A ação tem como foco informar a toda população sobre a Lei Estadual nº 10.948/01, que protege lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais e pune administrativamente a prática de discriminação em razão de orientação sexual e identidade de gênero, visibilizando assim um dos grandes problemas ainda vivenciados em nossa sociedade, além de lembrar as vítimas da homofobia, lesbofobia e transfobia.

Confira abaixo os municípios com atividades confirmadas que promoverão ações para marcar tal data:
Andradina Araraquara Barretos
Barueri Cubatão Embu das Artes
Itaquaquecetuba Jaboticabal Lençóis Paulista
Lins Mauá Mogi Mirim
Mogi das Cruzes Monte Alto Pontal
Santo André São João da Boa Vista Sertãozinho
Taboão da Serra Taubaté Ribeirão Pires
São José do Rio Preto São José dos Campos

Além do apoio aos municípios, a Coordenação Estadual de Políticas para a Diversidade Sexual, juntamente com a Secretaria Estadual da Cultura, por meio de sua Assessoria de Gênero e Etnias e a Comissão da Diversidade e Combate a Homofobia da OAB/SP, realizará no dia 9 de junho nas Fábricas de Cultura do Capão Redondo e do Jaçanã, atividades com as populações locais.
HELOISA GAMA ALVES
Coordenadora de Políticas para a Diversidade Sexual
Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania
Governo do Estado de São Paulo

ARTIGO – O povo vai para a rua. Por Marli Gonçalves

PASSEATASpasseataO povo vai para a rua? O povo vai para a rua! O povo vai para a rua. (O povo vai para a rua). “O povo vai para a rua”. As mesmas palavras podem ter sentidos tão diferentes dependendo da pontuação, do lado que se fala, de quem, onde se fala, quantos falam, do tamanho da exclamação e da dúvida. Mas precisamos pagar para ver?Pagar para ver. Ver quem é que recebe para bombardear ou para apoiar, ou quem não recebe, mas também não pensa e sai por aí esquecendo a argumentação sólida em casa. Quem é maria-vai-com-as-outras. Quem vai até o fim. E – o que anda preocupando muito – quem sabe exatamente o que está pedindo e o que significa. Pelo que ando observando, se fosse um quesito para liberar a entrada na manifestação, seria vetado.

O povo vai para a rua. Já está havendo demissões em massa. “Rua!” – é o que milhares de trabalhadores de alguma forma ligados às empreiteiras e à Petrobras estão ouvindo, em muitos cantos do país. Igual castelo de cartas. Para achar pré-sal precisa fazer isso, isso e aquilo, que não está sendo feito e então não precisa construir plataformas, nem navios, nem estaleiros, nem canos de transporte, nem engenheiros, nem secretárias, nem office-boys, nem seguranças, nem ninguém nesta linha de produção. Todo esse mundo também não vai mais comer, comprar roupas, investir, viajar, se hospedar, e la nave va… A cidadezinha ou região que ia ser o centro do crescimento-desenvolvimento-captação-recursos ficou a ver navios, os que não serão construídos, fantasmas. Os que ouviram Rua! e já estão nela, por sua vez dirão “Rua!” para seus próprios funcionários e vão deixar de comprar mais coisas que deixarão de ser produzidas na escala porque apertem os cintos: o consumidor sumiu! Tá ouvindo o barulho? É muita gente, talvez você ainda não tenha se dado conta. Olha só. Uma das empresas, só uma, tem 120 mil empregados. O povo vai para a rua!

COMO A GENTE SE SENTE...O povo vai para a rua! Pelo menos é o que vemos um monte de gente combinando por aí, principalmente no Banco Imobiliário, ops!, quis dizer na internet e redes sociais.

Não queria, mas não estou pondo fé. Primeiro, talvez porque para mim é claro que estamos mais divididos que bandas de laranjas a ser chupadas por boquinhas ávidas. Depois, marcaram para um…domingo! Domingo lá é dia de protestar contra o governo? A gente nunca vai aprender? Nunca mais vamos ter uma oposição organizada e esperta como a que conseguimos quando pusemos abaixo a muralha da ditadura? Ou, outro dia mesmo, em 2013, qual foi o dia mais legal das manifestações? Uma segunda-feira, ora pois pois.

Mas o pior é que o samba pode atravessar – e feio – na avenida. Aqui em São Paulo, na Avenida Paulista, para onde está marcada, o prefeito que adora dar tintas, mui sutilmente trancou a avenida com sua obra de faixas para bicicletas, uma espécie de fixação que ele tem, parecida com a que o Suplicy tem com o seu renda mínima. Mas Suplicy é louco manso, só perturba a vida das pessoas para lá e para cá cantando Bob Dylan com seu livrinho debaixo do braço. Esse prefeito aqui, de esgueira, na maciota, tornou a Avenida Paulista inóspita para manifestações, com suas pedras e blocos, buracos e máquinas. Ah, os ambulantes que estão tornando inviável andar por ela – esses ele deixou porque ajudam bastante a atrapalhar, uns hippies sem noção com o relógio parado há cinco décadas, a grande maioria. Nossa, é mesmo! As maiores manifestações têm sido contra o partido dele! Que coincidência. Como não tínhamos pensado nisso antes?

Mas, mais do que esses problemas físicos ou de dia da semana, o que mais torna nebuloso o que vai acontecer nos próximos dias é o que podemos chamar de sujeito difuso, no caso, confuso também. Impeachment? Intervenção? Oi? Tão lókis? Não beba antes de tentar se manifestar. Formem outro bloco, pelo amor de Deus! Deixa o bloco de agora – e eu garanto que se assim for vai bombar – só formado por gente que quer protestar contra o governo por motivos que todo mundo quer protestar contra o governo, até quem nele votou, e, se bobear, até quem dele faz parte, por vergonha. Não tem unzinho ser contente!

Se for assim, beleza, juntará quem estiver protestando contra a falta de água, as incertezas da energia elétrica, o preço acachapante das coisas no mercado, nas feiras, o preço da carne, a falta de escolas, creches, falta de poda de árvores, de limpeza nas ruas, saúde em pandarecos, os aumentos das contas de luz, telefone, gás, água, ipeteús, ipeveás, ierres, sem qualquer compensação, muito ao contrário – cada dia uma “Elza” nova é revelada, um passou a mão em algo de algum.

Ok, quer “falar mal da Dilma”? Pode. Mas não precisa pedir impeachment, a cabeça dela na bandeja, e uma inevitável instabilidade política que adviria disso, sem dúvida alguma. Vai lá, chama de gorda, feia, descompetenta, descompensada, mas pensando sempre em melhorar o país. Que ela se ligue e melhore, e que o partido a que ela pertence tire essa venda que insiste em usar para cobrir os olhos diante da crise aqui já na ponta do nosso nariz, tipo espinha dolorida. Crise de consciência, de vergonha diante do mundo, de tantas pechas que pregam na Nação, desses modelos ultrapassados de esquerda X direita, de teses econômicas amarguradas.

Leitores queridos, por favor, leiam bem o que estou querendo dizer antes de querer me esganar, esteja você de que lado for dessa pendenga. Eu mesma acho estranho meu esforço e o de muitas pessoas tentando incutir um certo bom senso, chegando até em algumas horas a defender alguns que formam o governo. Tipo essa agora do Ministro que recebeu os advogados, e que alguém tem de ir lá beliscar ele, falando no ouvido “Quem muito explica, cada vez se enrola mais. Fica quieto” . Não gosto nem um pouco dele, que sempre tratou mal e acusou todo mundo com o dedão apontado e que agora bebe uns goles do veneno que plantou. Só es-que-çam: a muié não vai demitir o galã por causa disso.arg-woman-with-wrench-url

O povo já está nas ruas? O povo já está nas ruas! (O povo já está nas ruas). “O povo já está nas ruas”. Vejam o que foi esse Carnaval! Cordas caíram nos trios elétricos da Bahia, democratizando o périplo ladeira acima e abaixo. Em todo lugar, blocos espontâneos, blocos históricos, blocos, bloquinhos (até aqui na porta de casa, numa região que não tem nada a ver com, digamos assim, isso, passou um!), blocões. O Carnaval das ruas, voltando glorioso como deve ser.

As escolas de samba, bem, estas – especialmente a tal Beija-Flor, seu ditador e sua Guiné, suas contravenções e seu Neguinho particular, aquela coisa toda muito chata que ganhou – conseguiram o inimaginável. Só gostou do resultado quem é Beija-Flor. Há muito eu não via petistas, tralhas, tucanos, verdes, apáticos, ecologistas, esquerda, direita, centro, chuchus, reacionários e revolucionários, mulheres, homens, Ets, LGTSSABCs e etcs criticarem a mesma coisa.

São Paulo, 2015, adentrando março sorrateiramente work3Marli Gonçalves é jornalista Confesso, acusado 1,2,3. Este ano lembrei muito da minha maior alegria de infância durante o Carnaval. Ficava nas esquinas com pistolinhas…de espirrar água. Como era bom quando passava um carro com os vidros abertos! Agora, o ano inteiro, nas esquinas, alguns jovens também ficam esperando os carros, mas com uma pistolona, e de verdade. Hoje brincar disso ia ser um tédio, né? Seco. E todo mundo com medo, em carros blindados.

********************************************************************
E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br

POR FAVOR, SE REPUBLICAR, NÃO ESQUEÇA A FONTE ORIGINAL E OS CONTATOS

Super Lua no domingo. 18 horas, o melhor horário.

Fonte: site da Veja

chat32Superlua vai iluminar o céu no domingo

No Brasil, o melhor horário para observar o fenômeno será assim que a Lua nascer no dia 10 de agosto, por volta das 18 horas

Cristo Redentor durante o fenômeno superlua, no Rio de Janeiro

Cristo Redentor durante o fenômeno superlua, no Rio de Janeiro – AFP/VEJA

Uma superlua, nome dado a um fenômeno em que a Lua aparece maior e mais brilhante no céu, poderá ser vista neste domingo. No Brasil, o melhor horário para observá-la será assim que o satélite nascer no dia 10 de agosto, por volta das 18 horas, na direção leste.

A superlua acontece quando o perigeu lunar, ponto da órbita no qual o satélite está o mais próximo possível da Terra, coincide com o ápice da Lua cheia. O fenômeno deste domingo é considerado especial porque a diferença de tempo entre esses dois pontos (o de menor distância em relação à Terra e o máximo da fase cheia) será de menos de 30 minutos, o que significa que vão ocorrer de forma quase simultânea. “Essa diferença de meia hora vai se repetir apenas em 25 de novembro de 2034”, afirma Gustavo Amaral Lanfranchi, coordenador do curso de Mestrado em Astrofísica da Universidade Cruzeiro do Sul. Nas outras duas superluas deste ano, uma em julho e outra em setembro, a período foi de, respectivamente, 21 e 22 horas. 

Maior e mais brilhante — No domingo, a Lua ficará a 356.896 quilômetros da Terra, enquanto a distância média é de aproximadamente de 380.000 quilômetros. A expectativa é que o satélite aparente estar 14% maior e 30% mais brilhante que em uma lua cheia convencional. O ápice da superlua vai ser às 15h09 (em Brasília), quanto a Lua ainda não pode ser vista no Brasil, mas o efeito permanecerá durante a noite.

A recomendação é observar o satélite no início da noite, para aproveitar uma “ilusão de ótica” que a faz parecer maior. “Quando observamos a Lua na linha do horizonte ela costuma parecer maior, porque temos pontos de referência, como árvores e prédios, que criam uma escala de comparação”, explica Rundsthen Vasques de Nader, professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro e astrônomo do Observatório do Valongo, na UFRJ. Para a próxima superlua, em 9 de setembro, o ponto máximo está previsto para as 22h38, no horário de Brasília.

Previsão do tempo — As condições climáticas para a observação do fenômeno estarão favoráveis no domingo para a maior parte do Brasil. De acordo com César Soares, meteorologista da Climatempo, o tempo estará aberto na região Centro-Oeste e na maior parte do Norte. No Sul, no Rio Grande do Sul e na região serrana de Santa Catarina pode haver dificuldade, em virtude de uma frente fria que deve causar a aparição de nuvens no céu. Na região Sudeste, a frente fria prejudica a faixa entre o sul do Espírito Santo e o norte do Rio de Janeiro e, no Nordeste, do litoral de Alagoas até o leste de Pernambuco o vento úmido vindo do mar pode provocar chuvas durante a noite do domingo. 

SP: ampla chamada na internet para passeata contra violência, dia 30. Olha aí. Se der, esteja lá.

chroniqueur003

DIA DE POR A BOCA NO TROMBONE, CONTRA A VIOLÊNCIA!

( E O MODELÃO É TODO PRETO)black_dress2

DIA D (COMEÇAR A SE MEXER PELO FIM DA VIOLÊNCIA NA CIDADE DE SÃO PAULO)

No vocabulário militar, o Dia D (do inglês D-Day) é um termo usado frequentemente para denotar o dia em que um ataque ou uma operação
do combate devem ser iniciados.


30 de Junho

DOMINGO. PASSEATA CONTRA A VIOLÊNCIA NA CIDADE DE SÃO PAULO! dame035

TODO MUNDO VESTIDO DE PRETO!!!

 

Light Sun-day: um pouco do que vi hoje por aí na cidade de São Paulo.

Papai Noel engaiolado da Tânia Bulhões
Elefante Noel na Avenida Paulista. Agora “entendi” os bichos na avenida. PROPAGANDA! Do Banco do Brasil…URFFF
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Vi o pessoal ensaiando a bateria da Vai-Vai debaixo da Praça 14-Bis;
vi Papai Noel esperando ser libertado;
uma morada de rua com o chapéu do Chapeleiro Maluco, linda;
Vi mais de vinte pessoas, ao redor de uma mesinha que não tinha mais de um metro, na calçada…Divertindo-se, cerveja na cabeça. No Bexiga.
Vi o chabu da iluminação da “luxuosa” Oscar Freire, uma arvorezinha horrorosa. Apagadas, mais feias ainda, a maioria.
Tomei um belo café com figo coberto de chocolate na Kopenhagen.
Passei bem longe de shoppings!
E, claro, nem tudo dá para fotografar, né
BOA SEMANA!
Admitamos: o "beijaço doce contra a homofobia", na Ofner, alameda Campinas...Meio pouca gente...