ARTIGO – Aiaiai, se eu soubesse antes, aiaiai. Por Marli Gonçalves

tumblr_minkfdvKDO1s3rws8o1_1280Pela internet, como de costume, acompanhava o noticiário geral e, meio de esgueira, via pelo tablet o depoimento, a oitiva, como gostam de falar para ficar mais importante, da contadora do doleiro lá no Congresso Nacional. Reparava até o quanto a moça era articulada, segura e bem menos feia do que apareceu na capa da revista que a lançou ao estrelato político. De repente o avião que duas horas antes tinha caído em Santos pousou na fala de um congressista, lá em Brasília. Parece que era o jatinho que servia ao candidato Eduardo Campos…t_019191aa1eb0446b91c9848a64d2db7b

Foi o suficiente para que os pelos do meu braço se eriçassem de uma forma que conheço bem, quando bate alguma intuição meio esquisita, e essa tinha sido quase óbvia. Os minutos seguintes foram de confusão absoluta na imprensa e na cabeça até a confirmação fatal. Claro que se ele não estivesse ali já teria aparecido para dar um tchauzinho, não?

Foi também o marco de uma situação bem esquisita, que sei que muita gente tem pensado mas poucos a expressam. Que candidato maravilhoso perdemos! Não é que de repente todo mundo ia votar nele? As pesquisas anteriores deviam estar erradas porque – nossa! – como é que eu não soube antes o quanto ele era fantástico, líder, popular, cheio de ideias, seguidores, eleitores, simpático, além de impecável chefe de família, etcs, muitos etceteras?

Santa hipocrisia. Porque não falavam todas essas coisas maravilhosas sobre ele quando estava por aí piscando seus olhos de cristal, pedindo votos, sendo obrigado até a viajar mais do que os demais candidatos. Não dá para contar quantos textos tenho lido, e escritos por jornalistas, que o colocaram imediatamente no sétimo céu, depositário de nossas esperanças, redentor de Pernambuco, com ideias que mudariam o nosso modo de ver a política nacional, essa massa disforme na qual essa política se transformou nos últimos doze anos, três reinados petistas. Se fossem textos de familiares, amigos, correligionários seriam sim, naturais, depois de uma grande perda. Mas não: tentativas de tirar a casquinha, ter a sua lasquinha do muro de Berlim.

Especialistas apareceram de todos os cantos. Hipóteses e suposições pulularam igual aos peixes na piracema. Notas oficiais despencavam por minuto na nossa caixa postal. Tudo quanto é poste, associação de qualquer coisa lamentou, sentiu muito, sendo que a maioria não tinha nem a menor ligação, nem com a política quanto mais com o candidato. A imprensa toda pirou a ponto de ter posto no ar coisas que até agora aparecem inacreditáveis, como a história do socorrista que declarou ter ido lá nos escombros, visto o corpo, aberto os olhos e constatado que eram os “olhos azuis do meu candidato”, como exprimiu aos prantos diante das câmeras.

Para tudo! Li, ouvi e ainda ouço, aiaiai, de um lado, tudo quanto é tipo de explicação, de teoria conspiratória, de acusações, e pior, lamentos com listas de “quem é que deveria estar lá no avião aquele dia e não morreu, fica por aí “. Até em abdução falaram, sim, Eduardo teria sido levado por ETs. E a história do helicóptero contra o qual o avião teria se chocado? Helicóptero esse que, claro, virou pó, se desmaterializou, junto com seu piloto, se é que havia um, porque também correu a história do drone assassino, perdido ali entre as nuvens de chuva.

De outro lado, pipocaram imediatas desconstruções da possível nova adversária, Marina Silva, O horror. A completa falta de noção, mas ao mesmo tempo uma amostra viva, muito viva, do que, e no que se transformou o Brasil, a ignorância, a falta mínima de raciocínio, os bonecos animados pagos para inflamar uns contra os outros, formando uma corrente muito desagradável de informação, contrainformação e invasão nas redes sociais.

Lembrei-me de Chico Buarque, não pela razão que sempre tentaram associá-lo a Eduardo Campos, mas por uma música, “Se eu Soubesse”, do trabalho Bastidores, de 2011. Procure ouvir. Lembrei-me de Maísa cantando sofrida a bela e “Castigo”, de Dolores Duran (“Se eu soubesse/Naquele dia o que sei agora/Eu não seria esta mulher que chora/Eu não teria perdido você”). Lembrei até do Michel Teló, “Ai se eu te pego”, mas esse porque tive vontade de esganar uns e outros nesse dia que embora seja para ser esquecido nunca o será.

Escrevo antes dos funerais. Imagino bem o quanto mais se irá falar, escrever, especular sobre o acidente, sobre as vítimas, sobre avião e caixas pretas, e especialmente sobre o candidato – aquele que era tão bom, tão maravilhoso, tão especial que todo mundo ia votar nele, embora as pesquisas o mostrassem patinando; se virando em mil para defender a própria mãe na entrevista, tendo que explicar muito bem por que demorou tanto para pular do barco governista. Fora explicar Marina, acalmar Marina, e carregar Marina para baixo e para cima, o que agora será precioso.

martinAchei duas frases perfeitas para a ocasião. A primeira, dada como um provérbio português – “O se eu soubesse é santo que nunca valeu para ninguém” – e a segunda, quase premonitória, creditada a Martin Luther King: “Mesmo se eu soubesse que amanhã o mundo se partiria em pedaços, eu ainda plantaria a minha macieira” .

Pelo que vejo, Eduardo chegou a semear, e se Deus quiser, muitas maçãs brotarão e esperamos que seja logo, agora.

São Paulo, 2014, no sempre horrível agosto que traz sempre algum desgostoMarli Gonçalves é jornalista – Prometo que, sempre que achar alguém bem legal, conto logo para vocês. Como já disse, não gosto nada dessa história de ter de morrer para viver sempre. E só assim ser tão bom que não devia ter morrido…

end9

********************************************************************E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br

ARTIGO – O jogo começou divertido. Lance os dados que é sua vez. Por Marli Gonçalves

Game-Board-Ludo-200p-2types-animatedO jogo começou. Façam suas apostas. Cada vez mais pessoas, principalmente jovens, se desinteressam pela política, que anda mesmo “trabalhada na chatura”. Assim, num momento de colaboração, porque sou boazinha, resolvi jogar os dados para você ver como tudo anda parecendo um gigantesco Ludo, ou um misto com Banco Imobiliário versão luxo. Dá para se divertir acompanhando, mas alguém tem de ganhar, e aí é que está o xisGame-Board-Ludo-200p-2types-animated

Estava no meu canto prestando atenção às coisas e, como diria aquele juiz de futebol, a imagem foi clara. A política nacional virou um joguinho que você vai lembrar porque certamente já o jogou, o Ludo, aquele que você vai andando as casinhas, para, recua, anda, com misto de Banco Imobiliário, Minha Casa Minha Vida, Minha Mansão.

Vê se não tenho razão para brincar: de dois a quatro jogadores, um vermelho, um azul, um verde e outro amarelo, cores partidárias. O objetivo do jogo é ser o primeiro que, partindo de uma casa de origem chega à casa final. Para isso, deve-se dar a volta inteira no tabuleiro e chegar antes dos adversários. Na minha cabeça misturei com o Banco Imobiliário justamente para dar mais emoção: o jogador ganha bolsa, perde bolsa, pode ser preso, inventa que está construindo, dando desconto. A casa cai. Tem um valor no morro e na cidade. Enfrenta protestos e balas perdidas. Enfrenta o Batman. Pode construir de mentirinha: laboratórios. Investe em ações: Eike no jogo. É espionado. Faz compras nos Estados Unidos e paga mais…Ou pode ser expulso, pagando é o mico da vez, com guardanapo na cabeça.

0091Preparado? Trouxe uns jogadores para brincar com a gente.

Alexandre Padilha, candidato do PT ao Governo do Estado de São Paulo. Recuou quatro casas quando encontrou com o doleiro, com o deputado do bracinho levantado, e depois de ter assinado a compra do Labogen. Vai virar poste, mas para ficar parado um tempo até ser resgatado, se possível.Ainda tem de ficar ouvindo piadinhas tipo “Volta para casa, Padilha!”

Lula, ex-presidente que fez que ia, mas não foi. Botou todas as cartas em jogo. Parou no hospital, desencalacrou, tenta trocar jogadas com qualquer um. Elegeu um poste e uma posta. Fixou um em Brasília. Outro, em São Paulo. Ambos perderam jogadas. Mudou de tática. Agora quer de novo dar as cartas, ou tem quem queira trucar com ele. Andou duas casas esta semana com o movimento Volta, Lula, mas disfarça as cartas que tem na mão. Resolveu virar messiânico e acha que o povo vai comprar o que diz.0008

Dilma, a posta. Primeira mulher a governar o Brasil, mas continuou com o passo duro e irritada, gritando com todo o mundo. Fez uma jogada grande, conseguiu chegar no Palácio do Planalto, mas não abriu as portas, não conseguiu abaixar nada do que disse, nem entregar o que prometeu. Como gerentona se acabou quando assinou – e disse que não sabia de tudo nem de nada – a compra da Refinaria nos Estados Unidos. Obama sabia, mas também fez birra. Vai andar várias casas para trás nas próximas jogadas. Ou acabar só com o Jogo da Velha.0099

Fernando Haddad, poste e prefeito de São Paulo. Pediu para sair do jogo. Prefere Buracos. A cidade está repleta. Já faz planos de voltar a estudar, defender alguma tese, já que na política não deve se aventurar mais.

Aécio, candidato da oposição, como tucano, à Presidência da República. Apareceu no jogo. Andou umas dez casas nos últimos dias. Empurrou para lá o senador Álvaro Dias e agora é ele quem dá opinião sobre tudo e todos, ziguezagueia no tabuleiro, sobe e desce do muro. Aproveita fama das jogadas do avô.

0100Eduardo Campos, outro candidato de oposição à Presidência. Tenta hipnotizar os ex-amigos, agora inimigos, com seus olhos coloridos. Avança no tabuleiro muito lentamente porque ainda não definiu sua estratégia. Encavalou sua partida quando entrou junto com o peão verde, Marina Silva, e está um tal de empurra para lá, empurra para cá, para ver quem se equilibra no quadradinho. Quem fica em cima ou embaixo. Ainda tem muita coisa para resolver quando passar pelos pontos Igreja, Economia, Ecologia, quando deverá ainda enfrentar os perigosos soldados dos ruralistas.

Geraldo Alckmin, governador de São Paulo e candidato à reeleição. Secou. Atolou. Está de castigo, parado há várias jogadas, até que chova. Ou que algo melhor caia do céu.Adoraria ficar transparente, literalmente.

Paulo Skaf, presidente da FIESP e candidato ao Governo do Estado de São Paulo, pelo PMDB. Pulou umas oito casas na frente quando o Padilha regrediu. Comprou indústrias, casas, jogou tudo o que podia, se reune até com o diabo. Deixou crescer cabelo na cabeça e vitaminou os “Ss”(esses), e com eles serpenteia por todo o Estado. Espera desistências para continuar no tabuleiro. Que não é o da bahiana, literalmente.Door_01_Reactions

Olha, que pena que a gente não pode colocar um número indefinido de jogadores, porque ainda tem uns bem legais esperando a vez, e que de vez em quando jogam para a plateia. Mas estes preferem, creio, o dominó, ficam encaixando as peças para ver se acabam as pedras. Fernando Henrique Cardoso, Gilberto Kassab, bons exemplos. Mas eles também sabem jogar com outras pedras, peças e cartas; sabem jogar damas, xadrez, War.

São Paulo, sua vez, 2014

  • Marli Gonçalves é jornalista Como esse jogo ainda leva meses, os esquecidos aqui ainda terão algum tempo de se movimentar.

magicMan

********************************************************************
E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br

O ex-prefeito Cesar Maia é bom analista. Ele fez um resumão da pesquisa publicada ontem, festejada pelos caras…Mas entenda melhor e o mundo gira…

 

CURIOSIDADES SOBRE A PESQUISA NACIONAL CNT-MDA  FEV/2014!earth_l

1. Em quem para Presidente não votaria de jeito nenhum: Dilma 37,3% / Aécio 36% / Eduardo Campos 33,9%.

2. Avaliação de Dilma: Ótimo+Bom 36,4% (2013 em novembro 39%) / Ruim+Péssimo 24,8% (2013 em novembro 23%).

3. Fernando Henrique em julho de 1998: Ótimo+Bom 31%, Ruim+Péssimo 23%.

4. Os investimentos na Copa foram desnecessários para 75,8%. Haverá manifestações nas ruas na Copa para 85,4%.

5. Custo de vida nos últimos meses aumentou para 77,2% / Em 2014 deve continuar aumentando para 71,8%.

6. 62,1% não se interessam pelas eleições presidenciais. 37,4% se interessam.

7. Quer que o próximo presidente mude totalmente a forma atual de governar: 37,2%. Mude a maioria das coisas 22,9%. Total dos que querem mudanças substantivas: 62,2%.

8. A Violência aumentou nos últimos meses para 46,5%.  Para 22,9% não.

 

fonte: Ex-blog de Cesar Maia

O ex-prefeito Cesar Maia é excelente analista político. Veja o que acha da união Marina-Campos e os desdobramentos

 

FONTE: EX-BLOG DE CESAR MAIA

agriculteur001EFEITO DA SAÍDA DE MARINA NAS PESQUISAS!

1. É verdade que só o tempo e o efeito progressivo da informação irão produzir novas avaliações de pesquisas. São duas situações polares: Marina não leva seus eleitores pela heterodoxia da opção. Marina leva seus eleitores pois Campos dirá que ela definirá os Ministérios de Meio Ambiente, Agricultura, Reforma Agrária e Direitos Humanos.

2. Mas até que se conheça os efeitos e compromissos, pode-se usar as pesquisas atuais comparando primeiro turno –Dilma, Marina, Aécio e Campos- e segundo turno Dilma/Aécio e Dilma/Campos.

3. Para isso, usamos as duas pesquisas MDA e IBOPE de setembro. Pelo MDA, Dilma passa de 36,4% para 44% com Aécio e para 46,7% com Campos. Estes passam (Aécio) de 15,2% para 24,5% e (Campos) de 5,2% para 16,8%. Pelo Ibope  -Dilma, Marina, Aécio e Campos- Dilma vai de 38% para 45% e 46%. Aécio vai de 11% para 21% e Campos de 4% para 14%.

4. Elas por elas. Tanto Dilma como Aécio e Campos crescem praticamente os mesmos 10 pontos em valores absolutos retirando Marina. Ou seja, de partida, a saída de Marina do jogo presidencial é neutra. Será a pré-campanha que informará ao eleitor que Marina apoia Campos: a conservadora nos valores, ou a ambientalista-humanista. Só com esta informação as pesquisas poderão projetar o novo cenário. E Dilma e Aécio farão o seu jogo entre valores liberais e demandas ruralistas.

                                                    * * *

MARINA E CAMPOS:  O TEMPO E A POLÍTICA!

1. São inúmeras as assertivas tratando do fator tempo na política. Mais uma vez os que imaginavam que as pedras estavam jogadas a partir da certeza que o partido de Marina não seria registrado após os votos dos ministros no registro do Solidariedade se enganaram. Até alguns daqueles que participaram da reunião madrugada afora com Marina –políticos experimentados- erraram. Um exemplo foi Marina não cumprimentar Sirkis no ato da assinatura com Campos, certamente pelas entrevistas que ele deu para os jornais de sábado. E Miro Teixeira que se filiou açodadamente ao PROS.

2. Errou Aécio que, depois de pentear-se mutuamente com Eduardo Campos nos últimos meses, no dia D estava em NY fazendo palestra para empresários, como se fosse ele a única alternativa. Erraram os irmãos Gomes imaginando que não havia caminho para Campos, pois estavam esvaziando o PSB.

3. Nos dois longos discursos -de Marina e Campos, fora os lugares comuns e as declarações de princípio tão comuns aos políticos nos grandes momentos,- ficou claro que o candidato é Eduardo Campos, dito de forma clara por Marina. E ficou ainda mais claro que tal decisão pretende isolar o PSDB quando Campos sublinhou que ali estavam quebrando a falsa polarização (PT x PSDB).

4. Os novos partidos estão sentindo o golpe. O PROS, que passa a ser um depósito de políticos de apoio a Dilma. O Solidariedade que deixou de ser uma novidade ou um voto de Minerva para um lado ou outro. E o PSD que terá que decidir entre ser um acessório fantasia de Dilma ou aderir rapidamente a Aécio. Deixou de ser a noiva disputada.Caulifower

5. A decisão de Marina –segundo ela no discurso- foi solitária, no velho estilo dos caudilhos. Quando falava, e citou líder carismático, ela apontou ostensivamente para ela mesma. Mostrou, na decisão, uma habilidade que não se conhecia e que Campos realçou: uma rasteira nos politicões.

6. Muda o quadro eleitoral? Depende. Campos está nas mãos de Marina. Se amanhã, por uma razão qualquer (menor ou maior), ela se retira da candidatura Campos, essa desinflará com mais força que inflou. Paradoxalmente, a candidatura Dilma se fortalece, pois aumenta sua força de atratividade por falta de alternativas para os partidos que formam a base aliada.

7. O quadro eleitoral se afunila em três candidaturas. Melhor teria sido estimular Serra ser candidato pelo PPS. Se ele pudesse prever isso, provavelmente estaria no PPS. Agora a soma das intenções de votos de Aécio e Campos tem que subir para 40% de forma a ficar claro que o segundo turno continua de pé. Isso significa intensificar a pré-campanha.

8. Apesar da boa vontade de Campos, a REDE não tem capilaridade, é apenas o símbolo Marina com sua inegável atratividade. Mesmo que aceite ser vice –e ela vai ganhar tempo para tomar essa decisão-, vice é vice e em eleições de personalidades sequer conseguirá trazer seu potencial de votos. E as críticas do PT sobre os novos aliados dela poderão ter força.

9. Agora é avaliar como ficará o campo eleitoral nos Estados. O grid de largada nacional está finalmente constituído e num sábado, como na Fórmula 1. Mas o campo efetivo da disputa dependerá de como serão desenhadas as candidaturas majoritárias em cada Estado e com que sinergia com as presidenciais.