ARTIGO – Temer, por favor, sai daí! Por Marli Gonçalves

Sai daííí! Estamos muito arranhados. A verdade é que só uma coisa é certa: o país não resistirá a percorrer mais um processo de impeachment. Por favor, presidente, já que disse que não tem apego, deixa a gente seguir em frente enquanto o senhor se defende. Por favor, por você, por nós todos.

Se pudesse pedir algo ao papai do céu, ao anjo da guarda, a Todos os Santos, fazer mandinga, seria para que algo iluminasse a sua cabeça, presidente Temer, para que decida pela forma menos traumática, e por conta própria: renuncie. Não, calma, não estou fazendo juízo de valor, nem o condenando antecipadamente, embora seja bem difícil inocentar – acho que deve se defender com unhas e dentes já que garante que pode, e está – garanto – com um dos melhores advogados do país, Dr. Mariz, que pessoalmente tenho na maior conta, respeito e admiração.

Mas não governando; não pode obstruir a estrada como a terra de um muro desbarrancado pelo tremor, pela avalanche. Se não sair nada mais andará para frente; ao contrário, vai ter marcha-a-ré.

Como vê, em poucos dias já foram buscar e estão começando a passar com trator em cima do senhor. Várias vezes. Vai piorar, vão passar com uma locomotiva carregada, que – veja – apita e aparece logo ali depois da curva. Avalie: como vai continuar governando sem paz? Sem base? Com um monte de flechas apontadas, com manifestações dia sim, dia sim? Se já estava difícil sem tudo isso, imagine agora.

Sei que nesse caso o foro privilegiado que dispõe é de suma importância e o senhor se sentiria mais protegido. Mas, ao mesmo tempo, pense. Os foguetes atingiram sua tenda, furaram o teto, e até o STF já pediu sua investigação enumerando motivos horrorosos. Como ser presidente com esse fardo?

O senhor caiu no centro de uma teia maquiavélica, uma cama-de-gato, uma arapuca engendrada de forma orquestrada, premeditada. Admita. Se tentar se debater dentro dela, se enroscará mais e mais, e talvez não tenha chance de sair dessa com um mínimo de dignidade, que tenho certeza, gostaria de resguardar. Caiu o senhor, caíram até aqueles que já estavam caídos, e quanto mais todos se mexem mais o país para. Esse caso une a verdade aparecendo, sim, mas contada por manipuladores, regados a inveja, disputas internas, frutos de disputas insanas entre poderes. Vamos combinar: dessa vez com uma jogada záz-tráz, mortal.

Por favor. Considere isso. Seria uma decisão nobre, mesmo no meio de toda essa lama. Não espere que o tirem aos pontapés, como vai acontecer, seja no TSE, seja no tal impeachment, palavra que me dá até alergia em imaginar tudo de novo. Não dê chance a mais esta acusação – de ter falido um país. A História registra. O jornalismo é o dia a dia.

Mais uma vez, presidente, acredite, dou graças por não ter filhos – não saberia como explicar a eles esse momento que vivemos. Ficaria muito mais perturbada ainda se os visse assistir às cenas que todos estamos vendo. A começar pelos diálogos dos poderosos empresários delatores. Agora piorou, presidente! Os açougueiros foram mais longe ainda. Para se salvarem, aos seus luxos, se prestaram a papéis que não dá nem para dimensionar o nível de canalhice. Agora estão lá fora rindo muito de nossa cara, falando em português primário, enquanto o senhor ainda busca e usa rebuscadas palavras para se defender.

É com essa gente que está lidando agora. Não é mais só com os políticos submissos às suas ordens, os chucros. Não é só com os petistas e afins. Sinta como do dia para a noite foi sendo abandonado. Veja como o bombardeio foi muito bem sucedido, tramado.

Salve sua história, pelo menos a até aqui. Leu o jornalista Jorge Moreno? Mais ou menos: “Prof. Michel Temer chame à razão o presidente Michel Temer”. Acrescento: vamos nos agarrar ao livrinho da Constituição.

Se quer noticias aqui de fora, conto que está todo mundo muito, mas muito mesmo, muito p…, chateado, cansado, e isso é muito, mas muito mesmo, ruim. Ainda tem alguns resignados e à sua volta deve estar cheio de falsos amigos mais preocupados em se manter a salvo do que com o apoio que precisa. Aquelas deprimentes e tímidas palmas que recebeu durante seu primeiro pronunciamento dizem tudo sobre a solidão que enfrentará dentro dos gigantescos palácios.

Por favor, Temer, sai daí. Deixe que nos apeguemos ao pouco que ainda temos, permita que as coisas não piorem, gerando ainda mais miseráveis. Não nos use como escudo, vingue-se depois, mas deixe-nos passar por outros caminhos.

A pinguela ruiu. Salve a República!

___________________________________

please3Marli Gonçalves, jornalista – Abismada. Preocupada. Impressionada. Envergonhada. Enojada.

Brasil, mostra a tua cara!

_________________________________

marligo@uol.com.br

marli@brickmann.com.br

@MarliGo

ARTIGO – Procura-se. Por Marli Gonçalves

 

Prepare-se. Há uma missão a ser cumprida pessoalmente nas ruas. Não dá para botar anúncio. As cidades ficariam entulhadas de cartazes se pudéssemos neles expressar tudo o que andamos perdendo ou só procurando; aliás, precisando desesperadamente procurar. E achar, mais urgente ainda. Sem recompensa.

Procura-se. Um presidente. Não é para agora, já, assim tipo tão imediatamente. Ainda temos alguns meses, mas são poucos – calcula – dá pouco mais de 500 dias. E vamos precisar procurar em tudo quanto é buraco para ver se surge alguém que preste, novo, um quadro político sério que surja depois desse expurgo geral a que assistiremos esquentar a brasa nos próximos dias com a revelação do conteúdo das delações.

Surgirão detalhes, cenas dantescas, certamente degustaremos algumas muito saborosas quando envolverem nossos desafetos, aqueles que a gente sempre achou que tinham culpa no cartório porque já enxergamos escrito Culpado na testa deles, como uma estranha tatuagem invisível que aparece só quando se joga a luz.

Ouviremos falar de valores inimagináveis até para quem habitualmente os tem, mas que não saberiam usá-los de forma tão irresponsável e imatura quanto alguns dos corruptos, esbanjando, se melecando vergonhosamente. Saberemos detalhes de suas compras, suas viagens, e especialmente saberemos para o que foram pagos, o que foi que venderam, o que fizeram para nos prejudicar para ganhar tanto. Qual foi o preço todo.

Não vai sobrar pedra sobre pedra. Só temo que seja tanta e tão volumosa a informação que virá que pode se perder despedaçada por domesticados e vorazes lobos da informação. Já vi acontecer. Pior é que também não dá mais tempo dessa saga ser lançada em capítulos, porque não temos mais esse tempo mantendo a cabeça fora da água para respirar com ondas tão agitadas.

Assim, voltando ao megafone: procura-se! Povo perplexo procura. País saqueado procura. Gatos escaldados procuram.

Procura-se também, aliás, um povo mais atento em quem elege. Daí o apelo para ligarmos todos os radares em busca de novos quadros que ainda possam vir a ser burilados nesses poucos dias que nos restam até as próximas eleições de 2018. Não podemos deixar que só vivaldinos, figuras execráveis como essas se apresentem com seus discursos de ilusões, vingança, grosseria, lero-lero. Eles já estão pondo as manguinhas de fora, mesmo ainda com a roupa cheia de lama respingada. Não queremos mais olhos esbugalhados, moralistas, reacionários, militaristas, bocudos, aventureiros, moscas mortas, sem vergonhas.

Temos de ter alguma chance de encontrar alguém. Pelo menos um rumo.

Aí você me pergunta por que eu não disse primeiramente “fora homi”. Porque creio que isso não vai acontecer; se acontecesse já iria ser a substituição do ruim que ficou no lugar da péssima, sendo trocado pelo pior ainda, dada essa atual linha de sucessão que se impõe no momento.

Para o tratamento de emergência, no entanto, depois de colecionar as sandices ditas ultimamente pelo atual e empertigado presidente, sobre todos os assuntos importantes e fatos que necessitariam de sua atuação e compreensão, culminando nessa da mulher no supermercado e no lar, proponho uma solução. Esparadrapo. Ampla distribuição e orientação para que preguem em suas bocas, em X.

Em boca fechada não entra mosquito. É melhor prevenir do que remediar. Ladrão de tostão, ladrão de milhão. Sucintos e sábios ditos populares.prcura se

20170227_154333Marli Gonçalves, jornalista – Por onde começamos?

São Paulo, 2017

__________________________

marligo@uol.com.br

marli@brickmann.com.br

@MarliGo

Não sabia dessa grosseria de Dilma.

Desde domingo Dilma não cumprimentou pela vitóriao novo presidente português Marcelo Rebelo de Sousa (PSD), como manda a tradição na relação luso-brasileira. Nem Dilma, nem o Itamaraty se manifestaram. A falta de telefonema, carta, nota, sinal de fumaça ou demonstração de apreço comprova a antipatia do governo brasileiro pelo novo presidente português: é que o PSD é “social democrata” em Portugal, quase equivalente ao PSDB, no Brasil. E Dilma torcia pela esqueda, que sofreu uma derrota humilhante.

 

A assessoria do Planalto informou que “não é praxe” cumprimentar autoridades estrangeiras e que caberia ao Itamaraty publicar nota. Não é verdade. No caso de Portal, a praxe é cumprimentar os vitoriosos. mundo clock

O Itamaraty diz que “não é praxe” publicar nota oficial “a cada eleição que acontece nas 193 nações que compõem as Nações Unidas”. O Itamaraty mente.

Segundo a assessoria do Itamaraty, só cabe se manifestar em casos de eleições em países geograficamente mais próximos. É mentira.

mandamos pro mundo a guerra?

Vamos lá, Sul, Sudeste! Norte!Nordeste!Centro-Oeste! Vejam mais análise de pesquisas, mas lembre-se: elas não põem mesa

blueAS DIFERENÇAS, PELAS REGIÕES BRASILEIRAS, NA DISPUTA PRESIDENCIAL! TRÊS PONTOS A MAIS PARA AÉCIO NO SUDESTE EMPATAM A ELEIÇÃO PELO DATAFOLHA!bluean

(fonte: ex-blog de cesar maia)

1. Pelo Datafolha, a diferença a favor de Aécio no SUDESTE lhe dá, nacionalmente (ponderando pela participação de 44% dessa região), 5,28 pontos à frente. A diferença a favor de Aécio no SUL lhe dá, nacionalmente (pela participação de 15% dessa região), 3,3 pontos. A diferença a favor de Aécio no CENTRO-OESTE lhe dá, nacionalmente (pela participação de 7% dessa região), 0,84 pontos. No total, Aécio soma uma vantagem, nessas regiões, de 9,42 pontos de vantagem em nível nacional.

2. Pelo Datafolha, a diferença a favor de Dilma no NORDESTE lhe dá, nacionalmente (pela participação de 27% dessa região), 10,8 pontos. A diferença a favor de Dilma no NORTE lhe dá, nacionalmente (pela participação de 8% dessa região), 1,28 pontos. No Total, Dilma soma uma vantagem, nessas regiões, de 12,08 pontos.

3. A diferença nacional ponderada pelas regiões era a favor de Dilma de 2,66 pontos. Se Aécio ampliar a diferença em apenas 5 pontos no Sudeste e no Sul a eleição estará empatada.

4. Se no Sudeste Aécio crescer apenas 3 pontos trocando com Dilma, que desceria 3 pontos, pelos números do Datafolha a eleição estará rigorosamente empatada.

* * *

blueeyesTENDÊNCIA REGIONALIZADA DO VOTO NO ESTADO DO RIO!

1. PEZÃO x CRIVELLA. Capital: Pezão 11 pontos na frente. Na Baixada, Crivella 3 pontos na frente. Em Niterói/São Gonçalo/Itaboraí Pezão 11 pontos na frente. No Interior 1 (Serrana e Sul), Pezão 35 pontos na frente. Seu município Piraí, fica no Sul. No Interior 2 (Noroeste-Norte-Lagos), Pezão 12 pontos na frente. É região onde Garotinho é forte.

2. Sub-Regiões da Capital. Nos bairros que vão do Centro à Barra da Tijuca, passando pela Tijuca e Vila Isabel, Pezão tem 28 pontos na frente. Na região de Ramos/Olaria/Bonsucesso, Maré/Ilha do Governador, onde é maior a concentração de favelas, Pezão vence por 17 pontos. Na região de Meier/Madureira/Marechal Crivella está 3 pontos na frente. Jacarepaguá: Pezão 16 pontos na frente. Grande Bangu Pezão 10 pontos na frente. Grande Campo Grande/Santa Cruz Crivella 4 pontos na frente.

3. DILMA X AÉCIO. Capital: Dilma 8 pontos de vantagem. Baixada: Dilma 24 pontos de vantagem. Niterói/São Gonçalo/Itaboraí: Dilma 30 pontos na frente. Interior 1 (Serrana+Sul): Aécio 4 pontos na frente. Interior 2 (Noroeste, Norte e Lagos): Aécio 10 pontos na frente.

4. Sub-regiões da Capital. Nos bairros que vão do Centro à Barra, Aécio tem 25 pontos à frente. Em toda a zona norte agregada, bairros da Central e Leopoldina, Dilma tem 13 pontos à frente. Grande Bangu, Dilma 14 pontos na frente. Grande Campo Grande e Santa Cruz, Dilma 30 pontos na frente.

BlueEye5. No geral, Pezão vinha com 11 pontos à frente e Dilma com 10.

Análises da política: Para R. Jefferson está aberta temporada de traições

omeleteEfeito furacão Marina

A observação é de quem entende dessas coisas. Em seu blog, analisando as últimas pesquisas de intenções de votos para presidente, o ex-deputado Roberto Jefferson recomenda que apertem os cintos, porque está aberta a temporada de traições.

fonte: NOTA DA  COLUNA AZIZ AHMED – O POVO – RJ

ARTIGO – Nossa sociedade trans. Por Marli Gonçalves

pwave02Tudo é trans.Transtornado. Uma coisa que é uma coisa e se transmuta em outra sem nem piscar os olhos. Transformações nem sempre transparentes, muito menos translúcidas.pwave02

Em geral, transado, mas também pode não ser sexo, apenas transpassá-lo. Assim, nada é exatamente trançado ou transado, mas transita nos deixando é muito confusos. A gordura trans, a renegada, abolida, desprezada. Os transexuais que agora estão se dividindo em ainda mais outras novas definições que acabarão por usar o alfabeto inteiro para se definirem, além do LGBTS. Já descobri que há definições como mulher transexual, trans, ou transmulher. Me fazem lembrar de experimentos biológicos que fazíamos em laboratórios de escola, quando vivíamos seccionando coisas para ver se viravam outras. Não dá só para ser? Tem de definir?

Nunca entendi qual o problema de simplificar, ao invés de complicar, o que parece feito apenas para parecer mais importante. Tudo surge como politicamente correto, mas serve também para excluir. Transferimos às palavras toda sorte de definições. Elas, as palavras, coitadinhas, andam por aí atônitas transitando entre um ou outro significado.

Circular.Polarization.Circularly.Polarized.Light_Right.Handed.Animation.305x190.255ColorsTem muita coisa atravessada em nossas gargantas, só que nessa época de eleições elas afloram nas mais diferentes ideologias, se é que podemos chamar assim, porque pelo que acompanho daqui não chegam a ser exatamente um conjunto de ideias, pensamentos, doutrinas ou de visões. Ou são de alguma ideologia diferente, Frankenstein, que ainda desconhecemos. São xingamentos, opiniões não embasadas, ouvi dizer por aí, mas tudo cheio de sentimentos, racionais ou não, mas sentimentos. Fora as mais tresloucadas, isso sim, teorias conspiratórias, lendas urbanas.

O problema é que muitas vezes – e estamos assistindo agora – o momento ultrapassa qualquer possibilidade de se instituir bom senso, debater com propriedade, já que se depende de poder transitar na sociedade e com um mínimo de racionalidade.transversos

Vínhamos até vindo muito bem com uma tal polarização, de nós contra “eles”. Mas caiu um avião e surgiu mais um elemento que ultrapassou a realidade e sem transgredir qualquer mínima capacidade de previsão. Como uma onda que leva todos do navio para um lado só, quase virando-o, esse transatlântico chamado Brasil. O marinheiro de olhos azuis que era subordinado a uma caboquinha na busca por uma promoção saiu de cena e o timão foi parar nas mãos de quem até ali – muito louco – segurava – e todo mundo via – o marinheiro na cabine, dizendo isso pode isso não pode.

Ela é lenta, devagar, quase parando, tem ideias pessoais que se levadas a sério chegam a ser ridículas, mas promete com aquele olhar devotado e voltado ao céu que transcenderá. A nós resta o quê? Um país alquebrado, em crise recessiva – que ainda teimam em negar, não sei como podem querer transparecer tranquilidade – e com tanta coisa a ser construída, especialmente na área de comportamento. Santa temeridade.

As principais opções: a do grupo que não fez, mas bate no peito; a do grupo que já fez, mas parou e agora nem toca em assuntos que nos são tão sensíveis; e a tal novidade que, em si, vem carregada de messianismo, dogmas e que, se continuar crescendo, devemos nós apelar aos Deuses. Para que ao menos se cerque de gente moderna. Que consigam fazer com que ela não seja apenas uma espinha entalada transversalmente. Senão nossa juventude vai ficar ainda mais transviada, tocando flauta transversal, transpondo seus próprios limites muito antes do Rio São Francisco.emwaveanim

Não podemos transigir disso nesse momento de transição. Sob o risco de não conseguir transpor, sim, mas as nossas próprias barreiras. Senão teremos todos de sair por aí novamente propondo transgressões.

São Paulo, com possibilidades transamazônicas à frente, 2014Twave

Marli Gonçalves é jornalista – Transpira otimismo. Vive nessa sociedade que fica batendo cabeça, buscando algum viés para se escorar.

********************************************************************
E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br