ARTIGO – Uma loteria macabra. Por Marli Gonçalves

Estranho quem ainda não acredita no poder letal do Covid-19 como se fosse – como se alguém pudesse ser – totalmente imune a ele neste momento entre os mais terríveis da história recente da humanidade. Aposto que apostam em ficarem ricos nas loterias onde realmente a chance de ganhar é uma entre muitos milhares, milhões. Nela acreditam; até pagam por isso. A maior desgraça mundial hoje, além do vírus, é a ignorância, e que aqui no Brasil há anos contamina nossos dias

The National Lottery Draws - BBC

Tenho tido terríveis crises de ansiedade, que culminam com palpitações, dores de cabeça, pensamentos desencontrados e preocupados, medos e angústias, além de uma revolta especial com ignorantes, que antes até conseguia suportar com alguma paciência, mas que hoje atingem também a minha saúde.  Começo com essa afirmação porque creio firmemente que o momento é de sermos sinceros uns com os outros, trocarmos ideias, sensações.  Que a gente ponha para fora o que sentimos, em prol até de ao menos mantermos um mínimo de sanidade mental.  Estamos – e agora a expressão parece fazer sentido – dentro de caixas, nossas casas, isolados. E mesmo que não totalmente sós me parece que nunca vivemos de tal forma bruta essas sensações todas e elas são totalmente individuais. Difíceis de serem descritas, mas que atingem e por mais que queiramos nos fazer de fortes.

Como você está? – pergunto. Embora não possa ajudar muito e a cada dia esteja mais claro que não temos a menor noção do que realmente ocorrerá nem na hora seguinte, nem no dia seguinte, nem quanto tempo levará. Os inimigos se multiplicam, além do contágio: os boletos chegando, empregos partindo, notícias de um mundo todo em looping contando diariamente mortos às centenas, e especialmente aqui no Brasil a ameaça constante de um governante absolutamente alucinado atrapalhando o serviço de quem está na linha de frente: seus próprios ministros, autoridades em saúde, profissionais, cientistas, imprensa.

Aqui não se trata mais – incrível – de aversão, que é total, de política, direita, esquerda, vitória, derrota, mas chamar a atenção para o caminho que as coisas rapidamente tomarão se mantida essa perigosa toada.  Um presidente que dissemina notícias falsas, que atiça confrontos, que alimenta um gabinete de ódio formado por seus filhos e aconselhadores do mal, próximos. Um homem incapaz de movimentos de união, mas capaz de provocar e comandar atos e pronunciamentos que, se mantidos,  certamente ou levarão a uma insurgência jamais vista ou a uma desumana catástrofe social. Capaz, como o fez agora, de conclamar o país para um jejum (!) religioso quando dele se esperam determinações, sim, mas para acabar com a fome que já faz roncar barrigas entre os humildes, miseráveis, as primeiras vítimas da desorganização nacional empurrada anos a fio.

Não é normal, gente. Algo precisa ser feito, não sei se é possível interdição, camisa-de-força, forçar renúncia ou impeachment. Ou pedir, em uníssono, com panelas, gritos ou o que quer que seja, que se cale. Que deixe em paz quem está no campo da guerra.

Dele não se ouviu até agora uma só palavra de alento, apenas ironias desrespeitando as centenas de famílias já em luto, algumas com várias perdas ligadas entre si.

Dele não se ouviu até agora uma palavra contra os aproveitadores que cinicamente aumentam barbaramente os preços, somem com insumos. Nenhuma de suas ordens veio para acabar com os abusos, ou para proteger quem precisa. Vive apenas de suas próprias alucinações, rompantes, daquela meia dúzia que diariamente vai saudá-lo no cercadinho improvisado do Palácio, criando fatos que alimentam robôs, que por sua vez alimentam a ira dos ignorantes.

Dele não se ouviu até agora nada que preste.

O inimigo é um vírus que se respira, invisível. Ainda indomável e desconhecido, mutante. Nos Estados Unidos já há mais mortes do que no 11 de setembro. Aqui já há mais mortes do que em quedas de Boeings, barragens rompidas, desabamentos, enchentes. É mais do que uma guerra, necessitando armas diferentes, e guerras não escolhem idades. Todos atingidos – inclusive o bem maior, a liberdade.

A situação ainda está em andamento, advertem os especialistas de todo o mundo que buscam correr para conter, evitar o pior quadro que se aproxima, mais crítico ainda em vários locais onde líderes ousaram desafiar a realidade e que agora apenas correm para não serem julgados pela História como genocidas.

Precisamos continuar no jogo.  E para isso marcarmos e seguirmos os passos corretamente, para que não saia ainda mais cara essa loteria em que estamos metidos. Vamos ganhar esse jogo. Todos nós. Dividiremos o prêmio da vida.

_________________________________

MARLI GONÇALVES – Jornalista, consultora de comunicação, editora do Chumbo Gordo, autora de Feminismo no Cotidiano – Bom para mulheres. E para homens também, pela Editora Contexto. À venda nas livrarias e online, pela Editora e pela Amazon.

marligo@uol.com.br / marli@brickmann.com.br

 

________________________________________________________________

ME ENCONTRE, ME SIGA, JUNTOS SOMOS MAIS
 (se republicar, por favor, se possível, mantenha esses links):
YouTube: https://www.youtube.com/c/MarliGon%C3%A7alvesjornalista
(marligoncalvesjornalista – o ç deixa o link assim)
Instagram: https://www.instagram.com/marligo/
Blog Marli Gonçalves: www.marligo.wordpress.com
Chumbo Gordo (site): www.chumbogordo.com.br
No Facebook: https://www.facebook.com/marli.goncalves
No Twitter: https://twitter.com/MarliGo

#ADEHOJE – NAS RUAS DE SP, A MISÉRIA. ONYX, A CAMINHO DA RUA

#ADEHOJE – NAS RUAS DE SP, A MISÉRIA. ONYX, A CAMINHO DA RUA

SÓ UM MINUTO E MEIO – População de moradores de rua de São Paulo cresce 60% em quatro anos, de acordo com o censo feito agora, chegando a quase 25 mil pessoas. Garanto, parece mais ainda. Em todos os lugares. Em 2015 o último censo havia somado 15 mil pessoas.

No governo, o imbróglio total na Casa Civil. Bolsonaro chegou da Índia, demitiu Vicente Santini porque este pegou um avião da FAB que não devia. Pois não é que de tarde, o tal Santini foi recontratado por Fernando Moura, que ocupava o cargo do Onyx Lorenzoni? Esse, de férias está, e provavelmente ficará.

Bolsonaro ficou muito puto. Hoje, bateu na mesa. Demitiu o tal Santini e o Fernando Moura. Mais, tirou o PPI (Programa de Parceria de Investimentos) da Casa Civil, mudando para a Economia, gesto que esvazia e enfraquece ainda mais o Onyx. Onyx já virou enfeite do governo faz tempo. Essa confusão, claro, tem os dedinhos dos filhos do Capitão e do maluco lá dos Estados Unidos, Olavo de Carvalho.

E a Regina Duarte casou com o governo, assumiu a Secretaria de Cultura.

O coronavírus continua apavorando… 9 casos estão sob suspeita aqui no Brasil.

ALGUÉM MORA AQUI DEBAIXO

#ADEHOJE – CHUVAS DE ÁGUAS E DE BALAS

#ADEHOJE – CHUVAS DE ÁGUAS E DE BALAS

SÓ UM MINUTOAs imagens são apavorantes, ruas inteiras transformaram-se em crateras, casas se desmancharam, ruindo, carros nadando. Em cinco dias, 53 mortos, mas ainda há desaparecidos. O que fazer? Seria possível prever e se precaver? Como são utilizadas as verbas emergenciais, se é que o são? Não há como impedir, se adiantar a tantas desgraças?

Mas a chuva não é só em cima dos mineiros. Tem a chuva de balas perdidas em cima dos cariocas, que já feriu -só este ano – quatro crianças. Uma delas está lá agora lutando pela vida em estado grave, com uma bala alojada na cabeça. No ano passado, foram 168 casos de balas perdidas, em que 189 pessoas foram atingidas, das quais 53 morreram.

E, preocupados, continuamos acompanhando a evolução dos casos do coronavírus em todo o mundo. Aqui estamos em nível de alerta. Se houver qualquer caso confirmado, a coisa esquenta, e entramos em emergência.

EUA e Japão foram na China buscar seus cidadãos. Brasil não está autorizado a fazer isso. E pelo que entendi, também não pretende fazer isso. É torcer para que uma vacina surja.

#ADEHOJE – MILICINHAS DA FAMÍLIA BOLSONARO

#ADEHOJE – MILICINHAS DA FAMÍLIA BOLSONARO

 

SÓ UM MINUTO – Apavorantes as revelações que vêm sendo feitas pelas investigações do Ministério Público do Rio de Janeiro em cima do gabinete do hoje senador Flávio Bolsonaro, mas que era vereador na Capital carioca. Queiróz em ação, milicianos, da pesada, do mal, rachadinhas, que são digamos divisões salariais: te dão o emprego, você recebe e devolve…O presidente diz que não tem nada a ver com isso, mesmo até com a ex-mulher envolvida. É coisa de muito dinheiro sendo lavado, e vamos ver no que dá.

Tristeza: morreu o artista pernambucano Francisco Brennand, aos 92 anos. Festejado em todo o mundo, era bom polemista com sua sobras fálicas.

Sacudida: Trump teve seu impeachment voado ontem no Congresso. Agora segue pro Senado, mas lá os republicanos vão dar um jeito de sumir com o processo. De qualquer forma, já mostra pro mundo o caminho que gente como ele deve tomar: rua! Mas é capaz de voltara ser eleito, porque lá, como aqui, o mundo se divide ainda burramente em duas laranjas.

#ADEHOJE – O ÚLTIMO CAPÍTULO DE NOSSAS NOVELAS

#ADEHOJE – O ÚLTIMO CAPÍTULO DE NOSSAS NOVELAS

SÓ UM MINUTO – Se pudéssemos gravar um ou dois fins para o desfecho de nossas vidas, como o fazem os autores das novelas! Estou muito triste hoje, apreensiva e ansiosa para saber notícias reais do Gugu, de quem gosto muito. Fico sabendo da morte, em Miami, do Rabino Henry Sobel, vítima de câncer de pulmão. Um herói de nossa história recente, que, com coragem, denunciou a tortura nos bárbaros tempos de ditadura militar que vivemos. Nossos dias têm sido difíceis, de apreensão, com destaque nossa apreensão política e no visível retrocesso que vivemos em questões morais, de comportamento, de crise de liderança.

Tem coisa mais absurda do que um presidente como este aí, ser horrível com sua equipe horrível, falar em criar um partido “Aliança pelo Brasil”, dar a ele o número 38 fazendo alusão ao armamento? Tem coisa mais absurda do que a tal excludente de ilicitude? Uma espécie de libera geral da morte.

#ADEHOJE – PÉ DE PATO, MANGALÔ MIL VEZES

#ADEHOJE – PÉ DE PATO, MANGALÔ MIL VEZES

SÓ UM MINUTO – Nome de Carlos Bolsonaro parece no inquérito que investiga a morte da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes. Ele, que desde a semana passada tomou chá de sumiço das redes sociais onde nos infernizava, agora pediu licença na Câmara do Rio de Janeiro. Aí, Sergio Moro que até agora estava se fazendo de ausente no caso, apareceu num minutinho para defender o clã. Panos para manga. Desmatamento recorde: ministro fala fala fala e nada. Dados sigilosos: Toffoli fala até ficar rouco, julgamento vai ter que continuar ainda mais… E não disse nada que prestasse.

Deputadozinho da Assembleia queria homenagear– acreditem – o ditador Augusto Pinochet! -na Assembleia de São Paulo. Ufa, o presidente da Assembleia, Cauã Macris, proibiu. Ufa.

A laje que matou o estudante era uma coisa solta no ar. Ainda estão investigando… Até agora não saiu o laudo do que continha a garrafa de “pinga” que matou quatro. Menininha de três anos morre por espancamento na mão da mãe e padrasto porque a Justiça é incompetente até para salvar uma criança.

Galvão Bueno passa mal no Peru e é submetido a cateterismo. Gugu sofre acidente em sua casa nos EUA, sem maiores informações. Internado, sob observação.

Pé de pato, mangalô mil vezes!

Resultado de imagem para pé de pato mangalô três vezes significado

#ADEHOJE – IGUAL QUE NEM NO MUNDO TODO

#ADEHOJE – IGUAL QUE NEM NO MUNDO TODO

 

SÓ UM MINUTO – Trump encrencado com processo de impeachment por sua conversa muito esquisita com o presidente da Ucrânia. Augusto Aras toma posse na Procuradoria geral da República jurando independência de pés juntos. Governador petista do Ceará desesperado com os violentos ataques das facções, enquanto é preso o ex-governador do Tocantins, Marcelo Miranda. Morre o ex-presidente da França, Jacques Chirac.

Já está animada a sucessão de Jair Bolsonaro que ainda nem esquentou a cadeira – só a nossa paciência. João Doria, Luciano Huck… Quem dá mais, quem mais?

Violência se espalha no país, com golpes, crimes, assassinatos, e as mulheres continuam sendo massacradas.