ARTIGO – Insinceridades e sincericídios. Por Marli Gonçalves

mickey-mousePode ser o maior trubufu da história, caída ou caído. Ou um bebezinho todo enrugado recém nascido. Talvez um vira-lata estropiado. Postou uma foto no Facebook ou outro desses lugares e não dá dois segundos começa a enxurrada de interjeições iguais ou similares ou genéricas. Linda! Lindo! Lindésima! Lindão! Lindona! Que bonitinho! Tem variações como “cada dia melhor, hein?”, entre outras frases que, certamente, nem a pessoa-alvo está gostando de ler porque sabe mesmo que é mentira. E que, de verdade, está só descobrindo um puxa-saco

Impressionante. A cada dia fica mais claro que, se proibidas forem algumas expressões, a internet e as redes sociais acabam. Minguam. Desidratam. Ficarão sem assunto. Não precisa nem de marco civil, militar, controle não sei mais de quê. E se cobrassem, então, por essas palavras? Tem quem iria ficar na miséria. Se apitasse cada vez que alguém escreve algumas destas letrinhas ou expressões seria ensurdecedor. Acho que para parar essa mania só espalhando que, cada vez que uma mentira dessas for postada, uma criancinha morrerá lá na África, ou crescerá uma verruga, ou aumentará o aquecimento solar. Só ameaçando.

2“Linda (o)” e todas as suas variações – como bela, belíssima; kkkkkk e rsrsrsrsrs, para dizer que achou engraçada alguma coisa. E o “Bom Dia”, então? Deve ter gente que não é capaz de cumprimentar o porteiro ou o vizinho dentro do elevador – mas dá “Bom Dia” na internet. Tem também o “Boa Noite” – falta só pegar a moda de falar “vou mimir” – Graças a Deus que pelo menos entre meus amigos ainda não li nenhum. Fora o beijo no coração, beijo na alma, em um monte de lugares não eróticos.0014

Outra coisa é a mania de postar foto da comida que está comendo. Cada comida besta, bife e arroz com ovo, de vez em quando até aparecem iguarias, mas para que eu quero ver? Muitas vezes a imagem só está querendo dizer que a pessoa “pode” – está comendo num restaurante caro em alguma quebradinha “exclusiva” do mundo. Alguém conta para as pessoas que alimentos são uma das coisas mais difíceis de fotografar e de sair bem na foto? Precisa ser profissional e, em geral, inclusive, utilizar de técnicas e produtos falsos para a produção, como massinha, gelo, luz, ângulo, gotas, etc. – coisa de quem vive do que está postando, por isso o faz bem quando faz, não é para qualquer um. Essa semana, no Instagram, uma conhecida apresentadora de tevê que anda babando e poetando em cima do seu bebê postou uma foto de um copo cheio de um negócio que, sinceramente, parecia vômito, meio bege. O copo também era daqueles de bar, feioso, de geleia. “Suco do dia: polpa de morango, folha de brócolis, couve, blueberry, proteína de arroz, gengibre e capim-cidreira! A cor é feia mas o gosto é bom!” – dizia a legenda.

XRAYDRG_animadoBom apetite! – diria eu. Aproveite bem! Beba até o fim. Fosse fazer algum comentário, ainda diria: “Corajosa” ou “O que aconteceu com seu paladar? Foi a gravidez?”, ou ainda poderia também perguntar “Está fazendo alguma promessa?”

Se ver fotos de comida engordasse, estaríamos todos obesos. Na hora do almoço é pior, mas tem também a versão jantar, café da manhã e lanche da tarde. Sadismo explícito.

shark on a boardFico a cada dia mais surpresa com a criação e desenvolvimento desse ambiente virtual. Na tevê, propagandas, concursos e informações importantes mostram como única alternativa o endereço da internet “para maiores esclarecimentos”, “Saiba Mais”, como se todo o mundo desse nosso tão desenvolvido país tivesse acesso. Computador, ao menos. Sinal de Wi-Fi. Smartphone. Do jeito que as coisas vão, nem radinho de pilha!

KKKKK. Na sua cara se é um dos que acham que “todo mundo” tem carro, e que “todo mundo” tem internet. Se nós que temos acesso, e até trabalhamos com isso, de vez em quando ficamos completamente vendidos e isolados por essas operadoras/provedoras e outras, digamos, “orras”… Imagino nos rincões como anda a coisa!

Aqui na megalópole São Paulo, entre as cinco maiores cidades do mundo, toda rica, poderosa, industrial, estamos sendo enganados todos os dias por governos, sejam tucanos, estrelados, socialistas, comunistas, coronelistas, qualquer um. Anunciam em grande estilo que várias praças e avenidas passarão a ter Wi-Fi gratuito, acesso livre, que estão criando não sei quantos postos de atendimento, que vão passar talco cheiroso em nossos bumbuns. Vai procurar!

Um roteador funcionou mal e porcamente na Praça Dom José Gaspar – Biblioteca Mário de Andrade, a maior e mais importante do Estado, com placas. Pufff! Sumiu o sinal, sumiram as placas e ninguém viu, ninguém sabe, pergunta ali para aquele ali. E o tal ACESSA SP? Pufff também. Nem tchuns de satisfação. Ou Feedback, como os empolados falam, com tom quase britânico.

Tudo isso para dizer uma coisa só: não acredite em tudo que escuta; não acredite em tudo que lê ou vê. Não acredite no que esses caras prometem. Mentem deslavadamente, ou omitem, digamos assim, os detalhes e condições.

Vá se preparando para o ano que vem.

São Paulo, 2013
smoochingMarli Gonçalves é jornalista – De vez em quando pega um tempo só para checar a realidade e o funcionamento desse lindo mundo cor-de-rosa que tentam pintar

********************************************************************
E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br

Sabe quem chegou no Facebook? Ele, o inigualável, o genial: Sponholz. Pega o endereço aqui e corre lá para curtir

Roque Sponholz - Ponta GrossaO amigo, arquiteto e cartunista Sponholz inaugurou  uma fã page no Facebook

animated-gif-clock-black-backgroundCORRE LÁ.

Você que está sempre aqui no nosso blog já viu muitas das maravilhas diárias dele, que tem o site

www. sponholz.arq.br

O endereço no FACEBOOK:

 https://www.facebook.com/pages/Roque-Sponholz/199103910269287?fref=ts

Viram? Bela tatuagem. Bom exemplo. E o Facebook censura.

Banida do Facebook, imagem de mulher tatuada se torna viral

Imagem de mulher tatuada depois de superar câncer de mama é removida do Facebook constantementeFoto: Reprodução de internet
 mulher tatuada depois de superar câncer de mama

Reprodução de internet

O GLOBO – RIO – A tatuagem no colo de uma mulher desenha um belo top, e foi postada pelo estúdio canadense Custom Tatoo Design no Facebook. Por trás do desenho, está a história de uma mulher que fez mastectomia dupla (ou seja, retirou totalmente os dois seios) por conta de um câncer de mama. A foto, porém, foi banida da rede social por violar a política do site, que não autoriza nudez em suas páginas.

Mais, em O GLOBO
 

Viram isso, garotas? Especialmente, é claro. Serve para ambos os sexos. É um mendigo de Curitiba.

uma moça fotografou, botou no Facebook e daí par ao mund foi um passo.

vi isso no:http://blogs.estadao.com.br/rodrigo-martins/2012/10/17/mendigo-que-parece-modelo-causa-alvoroco-no-facebook/

 

Viu essa? Eduardo Paes se acha o máximo. Olha o que publicou no Facebook, e depois tirou. De O Globo. Olha a foto do “herói”

Eduardo Paes comete gafe em publicação do Facebook

Após enaltecer sua presença em desastre no Centro, página do candidato retira montagem
 

RIO – Uma frase infeliz e de interpretação dúbia fez a campanha à reeleição do prefeito Eduardo Paes retirar uma publicação do Facebook nesta terça-feira. Em uma montagem que pretendia enaltecer a presença de Paes no local do desabamento de três prédios no Centro do Rio, foi transcrita a seguinte frase do prefeito:

“Quando o prédio desmorona ou a encosta desliza é que as pessoas mais precisam de mim”. A fala é sobreposta à foto de uma caminhada de Paes em meio aos destroços. O desastre ocorreu no dia 25 de janeiro, próximo ao Theatro Municipal.

A publicação gerou repercussão negativa, e a imagem começou a ser compartilhada e criticada por usuários da rede social. Posteriormente, ela foi apagada.

“Lamentamos, sinceramente, a interpretação equivocada gerada pelo post com a imagem do desabamento no Centro do Rio. Por isso, estamos removendo o mesmo”, informou a página de Paes. Procurada pelo GLOBO, a assessoria da campanha ainda não se manifestou.

Na rede, o prefeito não foi perdoado:

“Como era ÓBVIO que ele ia apagar a imagem do perfil oficial, eu salvei aqui. É o famoso ‘está na internet, agora é para sempre’”, diz Renato Borges.

“Dudu, não precisamos de você quando tudo desaba. Precisamos QUE EVITE a desgraça”, disse outro usuário, o Anonymous Rio.

ARTIGO – Eu odeio essa tal linha do tempo. Por Marli Gonçalves

Detesto qualquer coisa que já chegue imposta, virtual ou real. Coisas que a gente tenha de reaprender a usar, sendo que antes estava tudo bom e ninguém pediu para mudar. Há coisas que precisam ser clássicas, tombadas, imutáveis, e respeitada a vontade de mudar ou não; outras, irrequietas e mutantes

Não dá risada, vai! Quem me conhece sabe que, se tem uma coisa da qual não posso ser acusada ou chamada nunquinha é de ser conservadora; ou clássica, ou careta, ou qualquer coisa relacionada à paradeira, estática. Sou longe de ser o que chamam de convencional. Aqui e ali, sempre – e de forma natural – estive à frente do meu próprio tempo, o que me levou a aventuras (e muitas desventuras) precoces. E conhecimentos e aprendizados precoces, também, mas dos quais muito me orgulho.

Sendo assim, com todas as letras, posso falar?: eu odeio essa tal linha do tempo. Entenda como quiser. Falo diretamente da virtual, do Facebook, que agora está sendo imposta em todos os perfis, um saco, cheia de anúncios, confusa; mas respingo também na linha do tempo real, a que prende, delimita você em limites do passado, do presente e no futuro, quanto te costura na mídia social.

Gosto de arejar, acho que tudo tem, precisa e deve ser arejado, por melhor que seja. Mas ar livre, não condicionado. O arejar vem com a suavidade, escorrega, e quando você percebe já aceitou, se adaptou. Ultimamente as coisas mudam como se estalam ovos; no máximo avisam que a partir do dia tal, tal coisa que era assim vai passar a ser assim. E ponto. Gostou, gostou. Não gostou, vá lamber sabão.

Vem de cima, como está virando moda aqui no país tropical e alhures. É MP, decreto, diário oficial para regrar, incluindo leis, capítulos e parágrafos e gêneros. Não é por menos que cada vez mais decisões que dizem respeito até ao comportamento humano estão caindo lá na caixinha dos superiores magistrados. Viraram uma espécie de conselho de sábios e anciões ungidos que leem seus votos por hooooras a fio, para explicar o que decidem, indicados que foram pelas canetas da política. Tudo bem. Pelo menos botam ordem na fuzarca. Mas que eu lembro daquele Conselho do filme original Planeta dos Macacos, ah, lembro!

Deve ser a idade chegando. Fico besta com o tempo. O tempo passando todos os dias. Como as pessoas usam o tempo. Como desperdiçam o seu tempo – o seu, e o deles. O tempo de novos que chegam sem querer nem saber como era, e achando que são novidadeiros porque usam arrobas, enquanto nós a carregávamos. Os tempos dos velhos que não conseguem sair lá de trás, não arredam o pé. Ou novos que tapam a frente, não ajudam a carregar as sacolas de ninguém, como se imortais já fossem.

A linha do tempo real são as nossas rugas, cicatrizes, vitórias e percalços, subidas e quedas. Nossos amores, encantos e desencantos, a genética e os tiques que herdamos de algum canto. Só nós podemos organizá-la, dar importância ou descartar cada ítem. Só nós podemos compartilhar alguns destes momentos. Seja com imagens, seja com conselhos. E só na hora que a gente entender.

Nada é obrigatório?, diria Camões em versos luminosos que às minhas mãos chegaram agora, vindos de uma fundamental cápsula do meu tempo. Escritos em épocas onde o pensamento básico era da imutabilidade, das verdades eternas.

“Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades, Muda-se o ser, muda-se a confiança; Todo o mundo é composto de mudança, Tomando sempre novas qualidades.

Continuamente vemos novidades, Diferentes em tudo da esperança; Do mal ficam as mágoas na lembrança, E do bem, se algum houve, as saudades”.

Para finalizar, lindamente:

…”E, afora este mudar-se cada dia, Outra mudança faz de mor espanto: Que não se muda já como soía”.

Nada de modernidades esquisitas – comer bem não é juntar espuma de chocolate com azeite. Mas Bossa Nova é Bossa Nova, mesmo que 50 anos depois.

São Paulo, onde o tempo e sua linha não param, 2012Marli Gonçalves é jornalistaVamos ficando mais velhos e perdemos muito da espontaneidade tão necessária à revolução, e à mudança. Por uma linha do tempo bem mais maleável.

************************************************************
E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br
ATENÇÃO: Por favor, ao reproduzir esse texto, não deixe de citar os e-mails de contato, e os sites onde são publicados originalmente http:// http://www.brickmann.com.br e no https://marligo.wordpress.com
Navegar é preciso. Estou no Twitter, @MarliGo, Facebook, e no blog : Clica aqui, para ir lá no blog! Visite o site MARLI GONÇALVES – Onde você encontra tudo e muito mais
No Twitter, siga-me! “www.twitter.com/MarliGo
Aqui você encontra todos os artigos anteriores:www.brickmann.com.br

Marchas: são tantas na Avenida Paulista que já se misturam…

Este slideshow necessita de JavaScript.


aos domingos, assuntos mais leves e divertidos…

Gosto de mostrar pequenas cenas que eregistro andando para lá e para cá. Ou eu registro, ou meus amigos registram.

Um deles é o Luiz Nusbaum, que nos forneceu várias fotos da loucura da marchas. Ontem, sábado, 2, houve tantas marchas na avenida paulista que elas se fundiram, ficando até engraçadas.

Esses registros são da junção da Marcha pela Ética com a dos hackers do Grupo Anonymous. Ficaram legais.

Depois ainda teve a Marcha da Maconha, em outros quarteirões…

 E neste domingo à noite, nem sei o que é – não deu para fotografar – vi umas vinte pessoas atrás de um boneco gigante daqueles de Olinda passeando e sambando lá na avenida.