ARTIGO – As agulhas de março. Marli Gonçalves

É tanta vontade de ser vacinada que até já sinto a penetração daquela agulha fina e enooorme – que diuturnamente vemos furando especialmente braços de velhinhos, mostrada nos noticiários – em meu braço esquerdo. Já até pensei em desenhar com caneta um alvo ali. Mas, março chegando e a confusão instalada me deixa apenas tamborilando os dedos à espera da vez, e essa vez toda hora muda.

Pois bem, março chegando, e já um ano dessa pandemia que desorganizou mundialmente nossas vidas, planos, instalando o medo da loteria macabra que atingiu – e isso só contando oficialmente, veja bem – mais de dez milhões de brasileiros, e se aproximando de 250 mil vidas perdidas. O estranho é que ainda fica a sensação de que, para quem é dado agir o mais rapidamente possível, parece que quem morreu não importa em nada; e que quem morrerá até que se consiga algum controle, e são milhares, não importará. “Eles” vão continuar com as suas brigas, turras, negações, politicagem, ignorância, apostas vis, desrespeito e ações criminosas.

Querem mais sacanagem do que as criminosas vacinas de vento, quando as agulhas furam e nada inoculam? Que obriga a que as simpáticas fotos e filmagens que estavam sendo feitas dos idosos felizes agora sejam mais atentas e foquem especificamente as seringas, documentando se nelas há o líquido tão aguardado? Querem mais sacanagem do que deixar velhinhos ao Sol em longas filas durante horas para lhes dizerem na porta dos postos que a vacinação foi paralisada porque acabaram?  Querem mais sacanagem do que ainda aturarmos um ministério e um ministro incompetente, as mentiras, a falta de organização, as mudanças no plano de imunização, e as filas de prioridades sendo diariamente furadas, com várias pessoas e “categorias” entrando na frente, vindas pelo acostamento? Calendários divulgados em um dia e jogados fora em outros.

As agulhas de março nos trazem águas de muitas lágrimas. À esta altura, pouco mais de 3% da população imunizada,  com a primeira dose, e ainda apenas com duas opções, a CoronaVac, do Butantan e a vacina AstraZeneca,  da Fiocruz, que reeditam a velha guerra entre São Paulo e Rio de Janeiro, e que nos fazem esperar chegar nos aeroportos aviões vindos de muito longe trazendo seus pedaços para que sejam aqui fabricadas, além de alguns pacotes com poucas doses prontas. Ainda por cima convivendo com as dúvidas que vem sendo interpostas sobre suas capacidades de conter as violentas novas cepas, e sobre suas eficácias em determinados grupos.

Nossos passos estão sendo, não sobre agulhas, mas sobre alfinetes pontiagudos, porque é cada vez maior a sensação de impotência, de tomar tapas no rosto, sem ter nem mais para que outro lado virar, fatos sobrepujando outros fatos. E ter de ver os rostos dos culpados, os mesmos, acrescidos ainda de outros piores, que ainda ameaçam nosso maior bem, a liberdade, como se a eles fosse dado esse direito, e tirados todos os deveres que um dia juraram cumprir.

Nas ruas, a miséria, o poço das classes sociais sendo cavado mais rápido e fortemente do que as covas rasas onde atônitos enterramos nossos amigos, parentes, sonhos, amores e esperanças. As espetadas atingem nossos sentimentos.

Agulhas são usadas para costurar, unir, penetrar nos tecidos para a criação de novas coisas, remendos de coisas mais antigas, costurar buracos.

As agulhas das vacinas perfuram nossos corpos com a esperança de volta de alguma normalidade. Mas esta volta – assim como o surgimento de um líder de verdade – está sendo como procurar agulhas no palheiro.

___________________________________________________

MARLI GONÇALVES – Jornalista, consultora de comunicação, editora do Chumbo Gordo, autora de Feminismo no Cotidiano – Bom para mulheres. E para homens também, pela Editora Contexto.  (Na Editora e na Amazon). marligo@uol.com.br / marli@brickmann.com.br

___________________________________________

 (se republicar, por favor, se possível, mantenha esses links):
Instagram: https://www.instagram.com/marligo/
Blog Marli Gonçalves: www.marligo.wordpress.com
No Facebook: https://www.facebook.com/marli.goncalves
No Twitter: https://twitter.com/MarliGo

ARTIGO – Que mané Carnaval? Por Marli Gonçalves

Atrás do trio elétrico só vai quem quer morrer. Inacreditável ter de ficar imaginando onde é que foi parar um mínimo de bom senso nesse país completamente desorientado, dolorido, ameaçado, mortal. E ridículo. Carnaval virtual? Lives de carnaval? Festinhas, bloquinhos? Coleção de desfiles de escolas de samba na madrugada da tevê? Jornalistas fantasiados?

sem carnaval

Alegria, alegria, você está no Brasil, onde se é praticamente obrigado a achar tudo normal, legal, engraçado. Onde o Carnaval precisa ser festejado de qualquer forma, nem que seja dançando em cima de túmulos de mais de mil pessoas morrendo diariamente, sambando em cima de leitos onde as pessoas usam sim máscaras, mas de oxigênio. Quando o oxigênio existe para lhes dar ar, e o leito puder estar disponível.  Onde o está atrasado. O país que bate palminhas e acha legal ficar vendo aviões trazendo conta-gotas para que possamos produzir punhadinhos de vacinas. Que tem um presidente que mente, um ministro da Saúde que nos deixa é doentes cada vez que o vemos tentar disfarçar sua incontrolável incapacidade.

Skindô, skindô, onde estão as vacinas que acabam – acabam, não tem, não existem, não estão prontas nem distribuídas – bem no meio de uma campanha que não alcançou ainda nem os 3% da população, de autoridades e autoritários cheios de moral, mas onde não houve preocupação em comprar de mais variadas fontes para garantir o fornecimento básico.

A vacina CoronaVac, do Butantan – que até virou samba, funk, rap, dancinha! – a única que começou e acelera um pouco o fim dessa angustiante espera. A que vemos ser comemorada aplicada em nossos idosos sorridentes estampados nas redes sociais, e que parece surtir efeito pelo menos para reforçar a importância da imunização.

A espera numa fila que todo dia, toda hora, vemos ser furada, com um plano de vacinação nacional sem pé nem cabeça, muito menos fiscalização. Ainda manipulado politicamente para aplacar iras de grupos corporativos que se apresentam como se suas vidas valessem mais do que outras.

Temos de fazer um carnaval sim. Mas no sentido de não parar de gritar, denunciar, expor esses absurdos. Uma festa pagã na qual estranhamente teremos é de passar esses dias rezando, e muito, para sobreviver a eles, para continuar esperando a ressurreição. Conclamar que as pessoas tenham um mínimo de discernimento e não nos façam sofrer ainda mais nos próximos dias, e de novo, e de novo, isso depois de vermos os resultados catastróficos das festas de fim de ano, das festas clandestinas, das praias lotadas. Do resultado do negacionismo, das notícias falsas, da ignorância cega e desmascarada. Essa montanha russa diária de médias móveis de contaminados e mortes que parece que ninguém percebe o quão alto estão os seus riscos.

Parece, e é, loucura, a “preocupação” com o Carnaval, se será feriado, ponto facultativo, e aí se descobre que já não era, a gente é que enforcava esses dias nessa festa que nos últimos anos já se dava durante quase todo o mês, nas ruas, antes até das avenidas e suas datas.

Claro que teremos saudades dos carnavais que passaram, que passamos. Mas lembrem-se  que o do ano passado, 2020, já foi bem esquisito, a névoa daquela doença que  se espalhava pelo mundo pairava sobre as multidões, e poucos dias depois dele já assistíamos, perplexos, a realidade chegando, as ruas vazias, o que jamais imaginamos viver, pandemia declarada,  a peste, um século depois.

Qual a dificuldade de entender que sem vida não há a tal economia? Muito menos a tal alegria. Como podemos ver esfregadas em nossas fuças as tais festas clandestinas, jovens sem noção, ingressos a preços exorbitantes, sem que conheçamos exatamente quem são esses bandidos organizadores, sem que eles sejam penalizados duramente? Muito triste ver, inclusive, comunidades respeitadas, como as LGBTs, também promovendo essas cirandas da morte.

Nessa toada o que veremos é uma Quarta-feira de Cinzas sendo estendida por muito mais tempo. O cheiro de queimado da luta contra a corrupção já pode ser sentido, e as máscaras continuam caindo, das caras, narizes e queixos.

Sentadinha aqui, batendo o pé, esperando o Carnaval chegar, passar. Esperando a vez na fila da vacina, essa fila que não anda, porque sempre tem alguém entrando lá na frente, e acabando com o sentimento que cada vez mais escasso fica: a esperança de que teríamos aprendido e que sairíamos melhores disso tudo.

__________________________

MARLI GONÇALVES – Jornalista, consultora de comunicação, editora do Chumbo Gordo, autora de Feminismo no Cotidiano – Bom para mulheres. E para homens também, pela Editora Contexto.  (Na Editora e na Amazon). marligo@uol.com.br / marli@brickmann.com.br

_________________________________________________

* Aproveito, especialmente para agradecer aqui a onda de solidariedade recebida de muitos que leram meu artigo “Love. Love. Love”. Minha gatinha de alguma forma virou um serzinho imortal.

______________________________________________

 (se republicar, por favor, se possível, mantenha esses links):
Instagram: https://www.instagram.com/marligo/
Blog Marli Gonçalves: www.marligo.wordpress.com
No Facebook: https://www.facebook.com/marli.goncalves
No Twitter: https://twitter.com/MarliGo

________________________________

https://www.youtube.com/embed/yQ8xJHuW7TY