ARTIGO – Sexo com todas as letras. Por Marli Gonçalves

É um mundo todo colorido, chega a ser extravagante. Tem linguagem própria e até uma entonação especial, em som de vozes às vezes fanhosas que podemos reconhecer rapidamente, embora ultimamente algumas moças fitness também estejam falando no mesmo tom, sei lá se por hormônios ou anabolizantes. É um mundo que sempre existiu, mas estava escondido, e agora quer se mostrar com todas as suas letras, dúvidas, anseios.

Não sei se percebeu, mas os simpatizantes andaram sendo atirados para fora do trem das letrinhas que compõem o movimento pela diversidade sexual. O S sumiu da forma que ainda é a mais conhecida, LGBT. Mas agora tem mais completa, decore: LGBTQIA+.

É tanta variação de identidade sexual possível de existir que andaram decidindo que pode ser tudo isso, mais um asterisco, ou um sinal de +. Senão ficariam discutindo mais e aí não teriam nem tempo para o prazer. Até acabar de falar as letras, a outra pessoa dormiria.

Esse + representa qualquer outra forma que ainda possa, sei lá, surgir dia desses, e não qualificada em LGBTQIA. Tentando traduzir: lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transgêneros, queers, intersexuais e os assexuados. Mas você pode encontrar referências com todas essas, e ainda com mais letras T, dois Ts; pode encontrar também com o P de poliamor, ou C, de curioso. Pode até encontrar um vagão duplo: LGBTTQQIAAP (lésbicas, gays, bissexuais, transgêneros, transexuais, queers, questionadores, intersexuais, assexuais ou aliados – simpatizantes – e pansexuais). Qualquer maneira de amor valerá. Amor que agora ousa falar seu nome, com todas as letras.

O importante é que a diversidade sexual realmente tem agora presença e visibilidade proporcional ao aumento da população mundial, à globalização e às inúmeras formas de comunicação e informação que se espalham. A questão está sendo politizada, e a luta por liberdade e direitos civis se ampliou ao se juntar todas essas letras de todas as formas de se viver o próprio corpo e o amor.

Mas ninguém está inventando a roda. Nem o fogo. Apenas aparecendo – mais maquiado, operado, assistido, modificado, aceito, mais abertamente fora de armários, seja qual for o seu tamanho. Abriram-se as portas. Há muita gente inclusive tirando uma boa lasquinha nessa assimilação. Comercialmente está uma festa: é cerveja, aplicativo de transporte, propaganda de cosméticos. Pena que não dão dinheiro para a causa geral, apenas para as estrelas contratadas. Daniela Mercury é uma que fatura muito bem com a sua opção. As outras cantoras da MPB me parecem mais verdadeiras. Enfim…

Para vocês terem ideia do tamanho que a coisa tomou, a Parada Gay de São Paulo é um dos maiores eventos turísticos do país. Calcula-se em 45 milhões de reais o valor que injeta na cidade, e com seus turistas gastando, em média, cada um, R$ 1.500,00. É dinheiro!

Mas o investimento que oficialmente chegou aos realizadores não passou de um milhão e meio. Sei disso porque o organizador cultural este ano foi um grande e querido amigo, Heitor Werneck. Há meses o estou acompanhando; ele se consumindo para trazer coisas boas para a festa, representativas e com caráter social. Por exemplo, o grupo de 50 travestis que tirou da Cracolândia, dando casa e comida e um bom papel para elas ensaiarem um show para a Avenida Paulista. Isso poucos veem e dão valor.

Ainda esses dias assisti, e me emocionei muito, à pré-estreia de Divinas Divas, o documentário dirigido pela atriz Leandra Leal, que revive os áureos tempos do Teatro Rival no Rio de Janeiro e a primeira geração de artistas travestis do Brasil.

Rogéria, Valéria, Jane Di Castro, Camille K, Fujica de Holliday, Eloína, Marquesa e Brigitte de Búzios formaram, na década de 1970, o grupo que testemunhou o auge da Cinelândia e brilhou nos palcos internacionais, especialmente de Paris. Hoje, todas com mais, bem mais de 70, contaram muito do que foram obrigadas a passar, no país em plena ditadura. Ficou claro que para sobreviverem àquela época tiveram de passar a quilômetros da política e da realidade que abatia o país. Recomendo o filme a todos, que talvez dessa lista só conheçam a Rogéria. Cada uma delas tem uma história, trilhou um caminho, nos fazem pensar, e muito, no quão bobagem e perda de tempo é e sempre será o preconceito.

Eu sempre as adorei, desde menina. Sempre fui fascinada por artistas travestis e vedetes que, inclusive, têm tudo a ver entre si. Sempre fiquei maravilhada com o brilho de suas roupas e acessórios, por seu apego às divas, às grandes estrelas de cinema; sempre me encantei pelo seu despojamento, pela nudez tranquila, pelo sucesso que faziam nos palcos com seu talento. Pelos amores que conquistaram mundo afora, algumas até a condessas chegaram, seus amantes milionários. E por tudo que as vi ultrapassarem: agressões, prisões, porradas, mortes.

Foram pioneiros. Era tempo de mais glamour no melhor sentido da palavra. Meio perdido hoje, com todo mundo se enfeitando para participar da Parada com os repetitivos produtos chineses da Rua 25 de Março reproduzindo o arco-íris, a grande imagem que se sobrepõe a todas as letrinhas.

Não tem mais volta, os armários se abriram. É hora de todos aceitarem, dizerem não à homofobia, ajudarem a garantir a todos os direitos de todos. Entender que muitas são suas formas, seus desejos, a conformidade de seus corpos. O que querem mostrar com orgulho, na Parada e em todos os dias de todos os anos, com seus trejeitos e expressões, com saúde, longe da violência que nos tem a todos como alvos.

BANDEIRA

___________________________

20170607_194808Marli Gonçalves, jornalista – Uma das coisas que viveu para ver acontecer. Abriram-se as cortinas. Pela janela entrou ar fresco.

São Paulo, semana da Parada de todas as letras, 2017

 

____________________________

marligo@uol.com.br – marli@brickmann.com.br

@MarliGo

Anúncios

Festa! Festa! Heitor Werneck faz a festa e começa a escrever sobre fetiches para o iG. NÃO PERCA, AMANHÃ!

SÁBADO, 13 DE MAIO,

NA RUA AURORA, 710! CENTRO, SP

NÃO PERCA, SENÃO…

aqui você vai saber mais do que pela televisão, ainda bem água com açúcar no que diz respeito a sexo:

http://delas.ig.com.br/amoresexo/2017-05-09/heitor-werneck.html

HEITOR WERNECK
– UM CRIADOR

E DEPOIS, A FESTA:

 

Alô, você que está procurando ser muito, mais muito, muito melhor do que o tal 50 tons. Vá ver como funciona de verdade. Mas têm regras! Pergunta para o meu querido Heitor Werneck, o rei da festa!

Heitor Werneck: o meu amigo maluquinho mINHA HOMENAGEM AO HEITOR, BETTY PAGE!

Vem aí o Portal Luxúria. Claro que vou estar lá, no Portal, de alguma forma; ah, vou sim. Escrevendo com caneta de vinil.

kiss27CONVITE FEITO PELO AMIGO HEITOR WERNECK. CONVITE ACEITO. SÓ NÃO SEI BEM AINDA COMO, NEM O QUÊ.

MAS, AGUARDEM! MULHERES! HOMENS! MISTOS!

Fetiche é um substantivo masculino com origem no termo fétiche, do idioma francês e pode significar um objeto enfeitiçado ou um comportamento, parte do corpo ou objeto que desperta excitação sexual.

Podendo ser um sinônimo de feitiço, um fetiche pode estar relacionado com o misticismo, representando um amuleto ou um ídolo, com origem obscura e com poderes mágicos ou sobrenaturais. Algumas tribos africanas possuem certos objetos desse gênero, que são adorados pelo povo. No episódio bíblico em que Moisés subiu ao Monte Sinai para se encontrar com Deus, o povo juntou o ouro para criar a estátua de um bezerro, para depois adorá-lo. Neste caso, o bezerro de ouro pode ser classificado como um objeto de fetiche.( fonte: significados)betcircle

Lançamento do Portal Luxúria no evento fetichista mais conhecido de São Paulo

Antecedendo o Halloween com o tema Anjos e Demônios, a festa fetichista mais conhecida de São Paulo o “Projeto Luxúria” acontecerá dia 11 de outubro, só que desta vez retorna ao Constantine Club. Além da fantasia que condiz com a temática, o dress code utilizado pelos frequentadores é baseado em looks sadomasoquistas, militares, circenses, couro e látex.
HEITOR WERNECK

Heitor Werneck estilista e produtor de eventos, lançará nesta edição o “Portal Luxúria”, onde será abordado diversos temas da atualidade, música e arte, como: obras de colagens de Rodrigo Rivera, Pintoficação do artista Shoker, dicas de músicas com a DJ Luiza Cardoso e ensaio de moda fetichista dos fotógrafos Ivan Shupikov e Nina Skulluxo.
O Portal contará com a TV Luxúria, onde assuntos sobre sexologia será apresentado pela sexóloga e psicanalista Lelah Monteiro, leis e sexo pela advogada, empresária e travesti Márcia Rocha, gastronomia erótica pela chef de cozinha mascarada e entrevistas por Heitor Werneck e a garota de programa Lola Benvenutti.
Para saber mais sobre o Projeto Luxúria, acesse: www.projetoluxuria.com.br
SERVIÇO
Local: Constantine Club

Endereço: Av. dos Carinás, 110 – Moema
Horário: a partir das 23h45
Censura: 18 anos
Entrada:
– Com nome na lista (www.projetoluxuria.com.br/lista)
Dresscode (tema): R$ 20,00 ou R$ 50,00 (consumação).
Fetichista (látex/couro/vinil/fantasia): R$40,00 ou R$ 70,00 (consumação).
Nu: R$ 50,00 ou R$ 80,00 (consumação).
Roupa preta ou íntima: R$ 60,00 ou R$ 100,00 (consumação).
Casual (jeans/camiseta): R$ 200,00 ou R$ 250,00 (consumação).
– Sem nome na lista
Dresscode(tema) – R$ 40,00 ou R$ 70,00 (consumação).
Fetichista (látex/couro/vinil/fantasia) – R$60,00 ou R$ 90,00 (consumação).
Nu – R$ 70,00 ou R$ 100,00 (consumação).

“Pintoficação”. Suspensão. Burlesco. Shibari. Contorcionismo. Danças. É a Festa Especial Luxúria, neste sábado, 9. Conheça as regras, e tudo certo. Por Heitor Werneck

ESTRELA DA FESTA
ESTRELA DA FESTA

Edição especial de aniversário do Projeto Luxúria com direito a “pintoficação”

No próximo sábado (09), acontecerá a edição especial de aniversário do Projeto Luxúria idealizado pelo estilista e produtor de eventos, Heitor Werneck.  Com o tema “Fardas e Uniformes”, os fetichistas poderão ousar no dress code e quanto melhor o look, menor o valor da entrada.

olhão2Em comemoração aos 08 anos de Projeto, Heitor irá suspender o corpo usando ganchos passados através de perfurações na pele (suspensão corporal). A pista será comanda pelos Djs Nagash Sagan, Maxw Stacy, Nick Angel e Yuki Fujita .

Também outras atrações farão parte da noite, como: dança egípcia (Giselle Kenj), pole dance (Alessandra Valença), burlesco (Mayriska Krasni), contorcionismo (Katia), Shibari (Toshi San), exposição de fotos e filmes (Alexandre Medeiros). Já quem se interessa por “pintoficação” poderá conferir diversos modelos de esculturas do artista Shoker.

Os valores de entrada variam de acordo com o traje, ou seja, dress code com o tema da festa de R$ 40,00 à R$ 60,00, fetichista (látex, couro, vinil ou fantasia) R$70,00, roupa preta R$ 120,00, roupa íntima R$ 150,00 e casual (jeans, camiseta, entre outros) R$ 220,00.

O Projeto Luxúria acontece no Templo Club, localizado na rua Treze de Maio, 830 – Bela Vista. Para saber mais, acesse: www.facebook.com/projetoluxuria.

Informações:
Local: Templo Club.
Endereço: Rua Treze de Maio 830 – Bela Vista.
Horário: A partir das 00h.
Telefone: 11 2592 4474.
Aceita todos os cartões de débito de crédito.
Aceita cheques.
Possui ar condicionado

(FONTE ASSESSORIA DE IMPRENSA DO PROJETO LUXÚRIA)

HEITOR WERNECK – IMAGEM DA SUSPENSÃO (PROJETO LUXÚRIA)

Meu amigo Heitor e suas incansáveis criações e trabalhos geniais

heitor werneckCabaré Negro é criado por Heitor Werneck em comemoração aos 30 anos do CPDCN do Governo de São Paulo
(fonte: assessoria de imprensa)

Para comemorar os 30 anos do Conselho de Participação e Desenvolvimento da Comunidade Negra do Estado de São Paulo, o estilista e produtor de eventos Heitor Werneck, será o responsável pelo figurino e apresentações artísticas que acontecerão no dia 30 de junho na Academia Paulista de Letras.

O tema criado por Heitor em combate ao racismo é “Cabaré Negro”, onde todos poderão apreciar a beleza negra através da música e dança. Haverá a participação das cantoras Izzy Gordon e Célia Nascimento, também uma demonstração de capoeira acrobática, dança burlesca e africana.

WorkmanO evento gratuito terá inicio às 19h com uma roda de conversa com os responsáveis pelo Conselho e em seguida, as atrações entram em cena para abrilhantar ainda mais a noite.

Informações:
Local: Academia Paulista de Letras.
Endereço: Largo do Arouche, 324 – República.
Horário: a partir das 19h.
Entrada: Gratuita.
Tel.: 11 3291.2622

Sobre Heitor Werneck
Heitor Werneck, estilista, produtor de eventos e proprietário da grife Escola de Divinos surpreende todos com sua criatividade peculiar. Sempre priorizou o “exclusivo”, tanto na criação de looks para famosos, como também, figurino para peças teatrais e novelas.
Conhecido na noite de São Paulo por realizar diversas performances, suspensão corporal (body art) e participar da organização de festas em conhecidos espaços, como: Madame Satã, Clube Massivo, Club Senhora Krawitz, Mercado Mundo Mix e Projeto Luxúria no qual é o idealizador. Além disso, é o responsável há anos pelo casting de dançarinas do Palco Cabaré na Virada Cultural de São Paulo.