ARTIGO – Comunicação do além, para além de nós. Por Marli Gonçalves

Entre as coisas que vêm mudando com rapidez assustadora está a comunicação. Total. Entre as pessoas, entre elas, para elas, e até com os astrais superiores. As autoridades também andam inovando, mas pensa: eliminam intermediários muito mais apenas para não serem contrariados.

Começou com aquela tal vela automática, eletrônica, nas igrejas, aquela da luzinha que acende quando você põe a moeda na máquina. Sempre achei esquisito. Ainda não descobri como andam pagando promessas nas igrejas, aquelas promessas que usavam velas do tamanho das pessoas a serem protegidas. Mas também tem – e aí nem precisa sair de casa ou do celular – dezenas de apps, aplicativos, de promessas, de palavras confortantes, todas as religiões entrando na era digital. Você também pode acender velas pelos sites, fazer pedidos e até rezar o terço. Imagina a capacidade instalada do servidor de Deus! Será que Ele também sofre com a lentidão, com downloads, muito tempo diante da tela? Que equipamentos usará? Será que visualiza as nossas mensagens? Bloqueia, responde correntes? Certeza é que não atende aquelas ordens de “REPASSE SEM DÓ”, geralmente mentiras cabeludas que toda hora querem que a gente passe para a frente, e também deve odiar receber vídeos e áudios sem noção.

Mas não parou aí essa mudança. Logo viveremos só com as nossas telas. O mundo digital causa uma revolução no nosso dia a dia, atinge o relacionamento humano interpessoal. A eleição demonstrou de forma cabal coisas que há pouco nem imaginaríamos ser possíveis.

marvel-s-hawkeye-doing-crazy-superheroine-poses-in-comics-82aba282-b953-4c87-88a5-1f33fafaeb2c

Por exemplo, brigamos com “amigos” que nem conhecemos, nem chegaremos nunca a ser na vida real. Ou nos juntamos a grupos enormes que pensavam como nós, acreditando piamente que fazíamos a diferença, como em um protesto monumental. Concordamos, seguimos, conversamos ou batemos boca com robôs. Aliás, não há como esquecer que agora compramos roupas e várias outras coisas de vendedores virtuais; podem até ter nome, mas não existem. Isso porque não faz muitos anos a gente só reclamava de “não ter gente” que nos atendesse quando telefonávamos para reclamar de alguma empresa. Disque 1 para isso, 2 para aquilo, 440 para nos xingar, e … 9! – Se quiser falar com algum de nossos atendentes, que poderão, claro, deixar a linha cair e você precisar fazer tudo de novo, essa sim uma verdadeira via crucis.

Não por menos agora a moda seja a comunicação de tudo, vai, me diz se não é verdade, de tudo, sendo feita via redes sociais. O Twitter é o predileto dos políticos que anunciam o que bem querem, o que pensam e muitas vezes nem pensam para escrever, o que fazem muitas vezes em alterados estados na madruga…e depois do rolo, correm para apagar. Outra coisa que também é digna de nota: escreveu, não leu, o pau comeu, ou seja, não dá mais para apagar. Em algum canto do planeta alguém copiou, printou, fotografou, guardou, salvou, arquivou e vai esfregar na cara de quem disse que não disse, na primeira hora que for possível. Por enquanto a única saída é alegar que foi hackeado, que teve o computador invadido e as contas usadas.

O novo governo já é especialista nisso, começando pelo presidente eleito e seus replicantes. Jair Bolsonaro anunciou os componentes do governo, debateu, critica quem quer, opina até sobre o que não perguntaram. Ainda. Manipula a informação. Ele é quem pauta, e só, claro, o que lhe interessa. Qualquer hora publicará uma foto pondo a língua para fora ou dando “uma banana” aos jornalistas, a quem vem sobrando apenas correr atrás dos caracteres já publicados, das migalhas. Tudo muito igual o Trump, nos Estados Unidos, que parece mesmo ser o ídolo máximo do nosso novo governante.

Incentivamos com nossa curiosidade. Porque por isso ganham a cada linha, cada foto, cada #hashtag publicada, por livre e espontânea vontade acompanhamos tudo de celebridades e subcelebridades. Sabrina Sato nos fez sentir até a dor do parto de sua primeira filha, Zoe. Novidade mesmo foi essa do João de Deus que, para satisfazer seus desejos e, obviamente, seus problemas de ejaculação precoce, alegava que seu pênis era uma espécie de antena com o além. Só se concentrava, sem precisar de equipamento.

_____________________________________

Marli Gonçalves, jornalista – Desejando tudo de bom a todos e que o ano que vem essa nossa comunicação virtual alcance todos os sinais e que continuemos unidos, na realidade, pelo que melhor e mais nos faça feliz.

Brasil, quase… 2019.

marligo@uol.com.br / marli@brickmann.com.br

ME ENCONTRE (se republicar, por favor, mantenha esses links):
https://www.youtube.com/c/MarliGon%C3%A7alvesjornalista
(marligoncalvesjornalista – o ç deixa o link assim)
https://www.facebook.com/BlogMarliGoncalves/
https://www.instagram.com/marligo/?hl=pt-br
www.chumbogordo.com.br
https://marligo.wordpress.com

 

noel

 

ARTIGO – Não é refresco essa pimenta.

Por Marli Gonçalves

Incrível como qualquer mudança de ângulo é capaz de mudar uma história. São os contrapontos de nosso cotidiano. Vou começar de forma radical, do jeito que o diabo gosta, mas deixando claro que isso não quer dizer nenhuma tomada de posição ou de lado. Apenas só mais uma irreal e insana tentativa de entender a realidade.

O terrível magrelo traficante Nem e muitos daqueles seus horrorosos comparsas foram presos. A polícia ocupou a Rocinha. Mas eu vi, ouvi e li vários relatos da população local questionando, preocupada, quem os ajudaria agora. O poder do tráfico é mantido em geral pelas benesses e concessões de favores aos moradores das regiões que ocupam. O pagamento do aluguel atrasado de um, a compra de remédio para outro, a proteção contra um inimigo, o carro para levar um idoso ao hospital.

E como anda bem difícil achar quem ainda acredite em governos e instituições, tanto aqui como na Conchochonha ou Conchichina …Mais fácil acreditar no malaco que se vê todo dia no bar, ou no baile. Isso não é bom.

É um novo populismo, rígido e centralizador, o que se instala, no sentido mais tradicional de assistencialismo e paternalismo, dá-lá-toma-cá, esse tipo de coisa se alimentando sorrateiramente nos morros, favelas, igrejas e prisões, apenas para citar algumas estruturas. Um novo escambo comportamental movido a interesses pessoais; legítimos, mas pessoais.

Hoje eles são mais raros, mais ainda existem no imaginário popular: os agiotas. Porque muitas vezes as pessoas preferem procurá-los do que aos bancos? Provavelmente pela possibilidade de diálogo direto, mesmo que isso possa ser ameaçador e arriscado. É um negócio entre pessoas. Pessoas que não vão pesquisar a vida SPC. Emprestam. Se o cara não pagar, vai se haver feio, na “mano”, muitas vezes até sob violência; mas não com papéis e processos. Uma escolha. Juros por juros, escorchantes, excessivos, parece mais fácil que os bancos. Espero que não me linchem, mas ficha limpa por ficha limpa, alva, quantos são os que têm? Quem não tem uma pendenguinha pendurada aqui ou ali, mesmo que involuntariamente?

Há vidas e possibilidades paralelas ao longo de todo o nosso percurso. A ideia dos espelhos, igual à da abertura da novela. Nossos pequenos crimes, talvez?

Não sou muito chegada a hipocrisias, embora até às vezes as reconheça como necessárias. Lá vem um outro exemplo da tese de como o é realmente difícil que algo seja bom para gregos (quase ruços, agora na crise braba) e troianos: as cadeias e a tal “facção criminosa que domina os presídios”, como dizem as tevês que agora não ousam mais falar o nome PCC. Antes havia várias; agora, o PCC domina todas as prisões, com alguns sócios no Rio de Janeiro. E digo dominar mesmo, inclusive a moral vigente no interior delas. Percebeu como diminuiu o número de rebeliões? (E percebeu que aumentaram os grandes assaltos, de equipes, até com turnos de ação?)

Igrejas. Igrejinhas. Igrejões. Seitas, seitinhas. Associações, ONGs, agremiações. Todas as denominações possíveis de agrupamentos que, movido por líderes, ou espertos, ou ambos, viram um lar, uma entidade social de apoio, um telhado. Entende por que eles, grupos em torno de uma crença, – todas as religiões – crescem para os lados e para cima com seguidores? Antes eram assim os pequenos e aconchegantes centros espíritas e terreiros de umbanda, mas impossíveis para os bilhões que hoje viramos. Era o “painho”, a “mainha”; hoje é o Padre Marcelo Rossi. Os bispos e pastores das evangélicas que se diferenciam porque estão sempre com as portas abertas, láááá. Sabe ? É uma quebrada que você nem imagina, onde-você-nunca-foi-nem-irá, obrigado, mas onde as pessoas vivem e morrem.

Elas precisam de tudo e de apoio. E essas organizações cada vez maiores e mais poderosas, atuando volumosamente no paralelo, estão sempre por perto, como um “paragoverno”.

Não dá para substituir algumas coisas. Assim como não será a prisão do Nem e seus metralhas que acabará com o crime e o tráfico, fazendo nascer um jardim florido, muito menos naquela favela comunidade castelo da Rocinha. Tão grande que daqui a pouco proclamará independência, solicitando suas credenciais de município fluminense.

Logo, mesmo com a ocupação militar, surgirá um novo líder; não é preciso ser vidente. Só precisamos é rogar para que seja bem mais próximo do Bem do que do Nem.

São Paulo, atenção, em 2011, eles estão vindo para cá, e se instalando onde quase ninguém nunca vai.(*) Marli Gonçalves é jornalista.De vez em quando mira o mundo, atrás das respostas sobre algumas coisas. Coisas de repórter.

************************************************************
E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br
ATENÇÃO: Por favor, ao reproduzir esse texto, não deixe de citar os e-mails de contato, e os sites onde são publicados originalmente http:// http://www.brickmann.com.br e no https://marligo.wordpress.com// Aqui você encontra todos os artigos anteriores:www.brickmann.com.br
Estou no Twitter, @MarliGo, Facebook, e no blog : Clica aqui, para ir lá no blog! Visite o site MARLI GONÇALVES – Onde você encontra de tudo e muito mais
No Twitter, esperando você: “www.twitter.com/MarliGo