Especial: Flashs e fatos do maravilhoso show “Incoerente” de Marília Gabriela cantando. E muito bem. Festa de estrelas. No palco. E na platéia.

Ontem, quarta, 17 de novembro, tive a honra de também estar na platéia do Show Incoerente, que Marília Gabriela fez no Bourbon Street, em São Paulo, capital.

Demais. Arrasou! A palavra mais correta para definir Marília, um pessoa mais do que muito querida e admirada por mim é só uma:

OUSADIA

Ela ousou no show, nas músicas, no repertório dificílimo, no texto, na apresentação. Um passeio. Linda,  simples. Primeiro de camisa branca e calça preta de alfaiataria, a elegância. No fim, a troca: uma camisa preta e uma calça de couro preta. Simples, a elegância quando é nata é assim mesmo.

As mãos floreiam o texto; as caras exprimem a interpretação diferente de cada música escolhida, todas gloriosas, sob a regência e direção de Ruriá Duprat, o maestro, e com um quinteto fantástico acompanhando, numa cozinha de jazz, bossa nova, MPB,  blues, e uma pitada de rock. Músicas que Gil e Caetano lhe deram nos Anos 80 apresentadas com a leveza de quem é. Dane-se quem fala, o que falam e porque falam.

Marília recebe cumprimentos após o show. O perfil à direita é do Cesar Giobbi

Na platéia, uma miríade, que vou tentar listar: Ronaldo e esposa, além de vários armários de segurança, Boni, o homem de tevê que Marília diz que foi quem a convenceu a fazer o show; o rei Pelé e uma turma; Antonio Fagundes e namorada; Jô Soares; jornalistas Monica Waldvogel, Mona Dorf, Augusto Nunes, Paulo Moreira Leite, Cesar Giobbi, Carlos Brickmann, eu..; o genial fotógrafo Miro, Vanessa e marido Buaiz, Alicinha Cavalcanti com um gatinho digno de nota a tiracolo; minha lindinha Mary Nigri, José Victor Oliva, o psicanalista Contardo Calligaris. Da família dela: a irmã, Marisa, o filho Cristiano, com a esposa grávida, a deliciosa e divertida Daniela Valente, o meu xodó Teodoro…

Esses o que eu vi. E devo estar esquecendo de muita gente…

Trouxe uns flashs e umas imagens que fiz durante o show, com o celular. Desculpem a qualidade, que a luz era baixa e não dava para, digamos, usar flashes… As fotos também foram feitas meio assim, após o show, no empurra-empurra. Mas dá para ter uma idéia legal.

Antonio Fagundes, simpático (!!!!) com o CQC, na saída...