Você não pode deixar de ler o Ruy Castro da Folha deste sábado. Perfeito. Preciso. De mestre que é.

Inventa-línguas

Ruy Castro

RIO DE JANEIRO – Amanhã, fechada a última urna, a Justiça Eleitoral não somará os votos -“procederá à totalização”. Quem quer que tenha imposto essa forma pedante e engomada de dizer algo tão simples conta agora com a adesão da televisão, que se encarrega de fixar na língua os modismos mais bobos.

É assim também que, no futebol, ninguém mais entra em campo, mas “vem pro jogo”, e ninguém mais joga bem, mas “faz um bom jogo” -expressões que ficamos a dever ao jargão pretensioso e oco de alguns treinadores. E onde foram parar os antigos estádios e ginásios, substituídos pelas “arenas”, embora seus pisos de grama ou cimento ainda não tenham sido substituídos pelos de terra, próprios das touradas?

A explicação para tudo isso deve ficar “por conta” -não mais por causa- de alguém que, um dia, resolveu falar difícil e havia um pascácio escutando. Ou que julgou estar dando sua contribuição à língua, como na recente campanha de uma cerveja, louvada nos anúncios por ter “praiabilidade” e “churrascabilidade” -por que não “futebolidade”?

Guimarães Rosa vivia inventando palavras, necessárias ao que ele queria dizer. Muitas poderiam ter tido uma sobrevida na língua, como “ensimesmudo”, “infinilhões” ou “sussurruído”. Mas nem ele conseguiu que elas respirassem fora dos seus livros. Hoje, qualquer um pode ser um inventa-línguas -basta afixar à fachada de seu negócio uma placa anunciando sua “brinquedaria”, “chicletaria” ou, credo, “olfataria”.

Está bem, a língua não é imexível, como disse o outro. Mas, antes de submetê-la a um vale-tudo de gratuidade e exibicionismo, por que não recuperar palavras já existentes e com pouco uso? Nesta semana, por exemplo, uma delas, que vivia quieta no seu canto e só era usada em textos jurídicos, saiu às ruas com grande pompa e circunstância: “dosimetria”.