ARTIGO – Prepare seu coração. Por Marli Gonçalves

boygirl3Dtoons_onRollerCoaster_169x169_anigraphics-rollercoaster-600814Sim. Calma. Respira. De novo. Vamos. Não adianta se desesperar. Ainda teremos emoções bem fortes pela frente nos próximos seis meses. Sim, já se passaram seis meses, a metade, deste ano. Incrível, não pode ser só eu que acha que o tempo está voando sob nossos pés. Feliz segundo semestre de 2016!

Aos trancos e barrancos, descendo e subindo ladeiras, tropeçando, prendendo a respiração, arregalando o olho, prestando atenção, pulando poças, se desviando das flechas. Vai mesmo parecer corrida de obstáculos, labirinto. Ou trem fantasma. O que já está seguro: temos de enfrentar os dias de cabeça erguida. Me dá sua mão. Eu preciso de uma mão.

Já se deu conta? Vamos indo juntos, pensando. Primeiro, algo suave, as estações. Meses de inverno com frio. Frio, que até a gente tinha se desacostumado. Previsão de tempo seco, nada de ficar se esquentando debaixo do chuveiro. Vai passar também toda uma primavera, daquelas, para que a gente sempre acredite que ela traz coisas boas, novas, coloridas, amorosas, perfumadas, belas.

Lá pro finzinho do ano, que a coisa vai ficando quente (ou fria, depende; mas me refiro à coisa), chegará o verão e suas modas. Engatilhado, o Natal, o Ano Novo, a vontade de pensar só coisas boas e otimistas, roupinhas brancas, e todas aquelas palavras e gestos de todos os anos, com hohoho e tudo.

Mas antes vai ter muito protesto, muita manifestação, muito barulho por tudo e por nada, que agora a gente gostou de ir para a rua, de vermelho ou de verde e amarelo, carregando plaquinhas. Tem a votação do impeachment no Senado, os julgamentos pendentes nos tribunais superiores. As ruas vão fazer pressão, queda de braço, ver quem grita mais alto. Os jovens estão sedentos por causas, e só não temos mais tantas greves porque para ter greve precisa ter trabalho e isso anda bem escasso. 14 milhões de desempregados em todas as faixas podem ocupar um país, acabar de pará-lo, puxar o freio de vez, deixando a marca no asfalto.

Tá bom, vou maneirar, refrescar um pouco, e lembrar que teremos quatro feriados nos próximos seis meses: 7 de setembro, 12 de outubro, 2 e 15 de novembro. Sim, verifiquei; caem em dias da semana, para serem enforcados. Esquece o Natal que esse vai cair no domingo.

Voltando à nossa conversa, todos os dias dos próximos seis meses ouviremos falar as mesmas palavras como uma cantiga: João que delatou Maria que delatou o Pedro, que contou que não sabia de nada. José preso; Francisco com tornozeleira. Antonio nega. Paulo condenado. Ao fundo só ouvimos contar os milhões, bilhões, desviados de algo que ao fim e ao cabo era nosso – fomos roubados.

No meio dessa cantação toda, ouviremos também obrigatoriamente a cantilena e os jingles de campanha para prefeitos e vereadores. 2 de outubro tem eleição. Não temos bons candidatos, mas temos eleição, e vamos ter que votar e uns serão eleitos. Obrigatório.

Está pensando que eu esqueci agosto? Como poderia? Deve ser votado o final da novela Dilma, e o fim do seriado Eduardo Cunha, para ver se enfim as peças se ajustarão melhor e algum futuro poderá ser previsto mais solidamente, que agora está no ar, como os devaneios e baboseiras. Spoiler: os dois serão varridos.091_snowjump_cat_gifs

E vamos todos estar com as mãos juntinhas rezando para que nada de muito grave ocorra durante as Olimpíadas, logo esse ano, por aqui, no Rio, na calamidade. De 5 a 21 de agosto, muita fé. Vale promessa, virar o sapo no telhado, subir no Cristo Redentor de joelhos, qualquer coisa. Só rezar para que não seja baixo astral coletivo. O mundo todo olhando para cá. Para lá.

Mal respiraremos saindo dessa e logo, de 7 a 18 de setembro, a agonia vai voltar durante as Paralimpíadas. Mais atletas, mais perigos, mais Rio de Janeiro.

O mundo todo, eu sei, estará bem ocupado. Vai ter dor de pescoço de tanto ter de se virar de lá para cá para assistir a tanta coisa acontecendo na Terra, quiçá no espaço, quiçá no subsolo, quiçá vinda do céu, ou invadido pelo mar que anda querendo se espreguiçar. Eleições doidas na nação mais poderosa do mundo, numa terça-feira, 8 de novembro, com competidores díspares e atitudes inusitadas em movimentos perigosos. O Reino Unido arrumando as malas para se mudar, morar sozinho. Bolsas sensíveis a qualquer movimento mais brusco. E o terrorismo à espreita com os delírios de suas virgens, suas proibições e dogmas em Estados e organizações paramilitares e religiosas.

Bem, então, como eu ia dizendo…. Prepare seu coração para as coisas que eu já contei.

Arca-De-Noe-En-La-Inundacion-59301

Marli Gonçalves, jornalista – A profissão que existe para contar as histórias dos dias que virão, tentando entendê-los. E ultrapassá-los, porque afinal falta pouco para virar o ano.

Réveillon do segundo semestre, mais uma metade, tim tim, 2016

____________________________________________
E-MAILS:
MARLI@BRICKMANN.COM.BR
MARLIGO@UOL.COM.BR

ARTIGO – Vem, Inverno, vem, inverno. Vai, Inverno. Por Marli Gonçalves

torcida brasielria frioNinguém verá uma linda moça rebolante carregando cerveja de mesa em mesa, indo e vindo. Muda a estação. Agora é ele, essa masculina estação. Ele está aí, praticamente chegou. Inverno é estação para sofrer mais, tempo de ficar mais carente querendo cobertor de orelha, meia para os pés, algo quente para esquentar a garganta, um lugar para pôr a mão. Por outro lado, com a situação como anda só nos resta desejar também que logo nos vejamos na primavera que há de brotar, fazer desabrochar algum país melhor do que esse que se nos apresentatorcida brasielria frio

Prepare seu coração. Às 13h38 do domingo, dia 21 de junho de 2015, Lua crescente, ele adentrará o gramado com todas as suas idiossincrasias, ele, o inverno que, se fosse gente, eu veria como um arrogante senhor esnobe vestido com um sobretudo de peles raras -a estação que mais a gente precisa e pensa em dinheiro. Mais até do que no verão, roupinha leve, quando com qualquer coisa vamos batendo chinelinho, chupando gelo, molhando a nuca. No inverno não – é preciso ter algum, para vestir, para comer, para gastar, para comer chocolate, derreter queijo, beber um bom vinho. Espertos são os ursos, que hibernam. Abrem um parêntese. Uma pausa. Uma ausência.

Prepare seu coração porque nessa época a coisa fica tão assim que aumenta de 30 a 40% o risco de complicações nesse amigo do nosso lado do peito que bombeia nossa vida. No inverno nosso vermelho gordinho e compassado sofre mais porque trabalha mais, como eu dizia, por amor para sentir e aquecer, bombeia mais para nos botar ativos forçando-nos a sair do quentinho para ganhar a vida. Talvez esse índice também se deva em grande parte à preocupação – afinal já se passaram alguns meses daquele dia em que boa parte da população se vestiu de branco, acreditou que tudo seria diferente, pulou ondinhas. Aqui e ali as decepções, alguma coisa que até piorou e a perspectiva do fim de ano já chega, assim que o primeiro semestre apita na curva e se vai.

Ainda tem uma tal constrição, essa palavra que lembra fé, mas desta vez no inverno é a constrição dos vasos sanguíneos, aquela sensação gelada das extremidades. Ponta de nariz sem esquimó para beijar esfregando; os pés, os pés de orelha e os próprios com todos os seus dedos, e ainda os dedos das mãos.

O corpo humano é um mecanismo sofisticado, complicado, mas frágil. No inverno a gente vai tampando aqui, ali, até virar mesmo uma cebola. Uma cebola que se monta e se descasca durante o dia, para dar a deselegância discreta de nossas meninas, como diria o Caetano, em Sampa, beleza composta certamente em um passeio de inverno em São Paulo.

Os conservadores que andam eriçados, de plantão, praguejando, vão dar pulinhos porque ouvirão falar muito dos invertidos, com os quais invocam muito. Mas estes invertidos serão os dias com poluição e inversão térmica, aqueles dias maravilhosos, azuis, e ao mesmo tempo, secos, sufocantes, laranjas, desérticos. Dias que nos tornam a todos meio invertidos também. Enviesados, até!

Inverno é bom para algumas coisas, além da sopa, do banho quente, das pantufas, do sono debaixo das cobertas, da pipoca pulando na panela. Fora as mais safadas, serve bem para quem quer fazer tratamento estético, cortar aqui e ali puxar um pouco, de pele que fica mais coberta, protegida. Não mostra. Não mancha.

E aí, vamos falar sério? O que nós vamos fazer nesse inverno? Continuar reclamando? Sentar e esperar que alguma luz radiante ilumine nossas cabeças, que bata algum vento que nos faça espirrar soluções? Ou vamos continuar tossindo, aos soquinhos, como os carros velhos em manhãs geladas, vendo o filme de terror das sessões especiais? O tempo que temos são os próximos três meses, até 23 de setembro, embora essa precisão estanque entre estações – até isso – aqui seja meio bagunçado.

Tem mais um detalhe de inverno que preciso alertar – é época de aumentar o número de ratos querendo entrar, invadir as casas e empresas à procura de locais quentes e com alimentos, onde possam se obrigar e procriar. Entende a metáfora?

Sinceramente, acho mesmo que devemos é nos agasalhar e sair de novo por aí, para esquentar certas orelhas gritando umas coisas, organizando a primavera, vendo se desta vez a gente consegue fazer brotar a nação, semeando direito na época certa.

São Paulo, cuidado com friagem, 2015

3d_animasi_woman_bikini_animat

Marli Gonçalves é jornalista – – Mão quente, coração frio: amor vadio – diz um provérbio português. Mãos quentes, amores ausentes – diz um outro.
********************************************************************
E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br
POR FAVOR, SE REPUBLICAR, NÃO ESQUEÇA A FONTE ORIGINAL E OS CONTATOS

Amizade? Estou no Facebook.
Siga-me: @MarliGo

ARTIGO – Tristes, irritados e sem ter o que cantar. Por Marli Gonçalves

5c05f960blacksnTriste é diferente de irritado. Uma coisa é uma coisa; outra coisa é outra coisa. Contudo, estar uma coisa pode vir junto com estar com a outra. Por aqui, andamos meio tristes e irritados, um pouco envergonhados, o que vem causando essa sensação de mau humor geral e irrestrito. Segue a bola, gritamos GOL, acenamos as bandeirinhas, mas a terrível sensação de estarmos falando com a parede permanece. Ela, “enquanto parede” muda, mudinha, não responde a nenhum de nossos questionamentos

Quantas perguntas e tão poucas respostas. Não são questões simples, e não há meditação nem transcendental que aquiete bem corações e mentes quando estes borbulham. Somos muito complexos. Esperamos que venham coisas de onde não vem nada, nem vento a favor, só encanado. Tristeza. Nos prometem mundos e fundos e lá se vão os fundos, fecham-se as portas. Tristeza.

Resfria. O inverno chega com cara de quem vem embalado e ainda por cima ganharemos narizes e gargantas irritadas, além das extremidades geladas, pés, mãos, orelhas. Nos encolhemos mais, saímos menos, queremos dormir mais, comer mais, beber mais. Queremos o famoso cobertor de orelha, mas nem sempre ele chega, ou você o acha, o que entristece sobremaneira.

Conheço quem é Eu não sou nem um pouco chegada nessa estação. Há várias referências à tristeza de inverno como doença que pode ser grave, o transtorno afetivo sazonal, um tipo de depressão comum que ocorre nessa época. Pode ser uma fadiga com dificuldade de concentração, uma falta de energia. Dormir mais cedo, acordar mais cedo para aproveitar o dia e a luz do sol dizem que melhora.

animated-gif-animals-crying-emperors-new-groove-disney-1360315833Por enquanto a gente vai levando, pulando fogueiras, tomando quentão; e pulando. Pulando mais que pipocas em panelas em dias de jogo. Pipoca de gente só lá na Bahia onde parece que não há nem frio, nem tristeza, nem irritação.

Mas cadê o trio elétrico para a gente ir atrás? Mostrar que não morreu?

Cadê o Chico, cadê o Caetano, cadê Milton, cadê todo mundo? Cadê os compositores e artistas que registravam nossos momentos como ninguém? O que será? Apesar de você. Canção da América. Cio da terra. O que será que será? Eu sou neguinha? Soy loco por ti, America. Cadê Carcará, Divino Maravilhoso? Cadê vocês, Rita, Ney, Ivan , Gil, Paulinho, Marina, Marisa, tantos outros? Onde se escondem que não vêm logo nos tirar cantando e dançando dessa tristeza, desse frio, dessas irritações? Ou nos emocionar com bem feitas canções de amor? Cansaram de representar as nossas gerações? Antes vocês definiam problemas e até cantavam soluções, enfrentavam, até driblavam. Cansaram? Tanta coisa para vocês verem e musicarem.

olhos06bi2Sinto como se cada um, famoso ou não, esteja tentando se salvar por aí, em algum canto. Mas há “brancos” que deixam buracos que vêm sendo ocupados – e em todas as áreas do conhecimento, da sociedade, da política, da filosofia, por qualquer coisa. Coisa de quinta, fugaz. A cada dia o que surge é pouco importante, quase nada material, físico. Sobrevivem algumas horas fora de uma bolha, no máximo uns dias nos ambientes virtuais. Até os quinze minutos de fama se esvaem. Falam tanto de nossa arte no futebol! Cadê a nossa arte?

Rompantes como esses verde e amarelo que colorem agora as nossas ruas junto com as outras tantas cores de outros países são bons demais, mas efêmeros, não deixam legado. Efêmero. Acabando, ficam as questões que nos entristecem e dão raiva.

Até a tal primavera chegar, continuaremos batendo cabeça sem entender um monte de porquês, cadês e sem enxergar onde andam os salvadores da Pátria, o porquê desse silêncio. Acumularemos mais um pouco de desfeitos, somando com esperanças. Aguardaremos pedidos de desculpas que não chegam, atropelados por outras faltas que serão cometidas, ou percebidas, sentidas.

Ficaremos irritados com o que vemos, ouvimos, sabemos e saberemos, porque de debaixo desse tapete tudo pode surgir. Muito tristes pelo que não vemos, ouvimos ou nem saberemos. Aguardaremos algum despertar no horizonte, algo que traga o lindo pendão da esperança.kick

Queríamos pelo menos uma música para acompanhar. Que continuássemos a querer cantar à capela, para nos levar às lágrimas.

Ou para a nossa alegria, alegria.

angry-man-16198121São Paulo, 2014, quase chegando ao segundo tempo.

Marli Gonçalves é jornalista Talvez seja esse o problema. Devia ser mais cigarra e menos formiga.

********************************************************************E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br

ARTIGO – Nada está normal, por Marli Gonçalves

AVIÕESme012Nada. Nadica. Absolutamente nada. Não é só aqui, não. É como se estivéssemos, terráqueos, em suspensão, pendurados pelos mamilos em ganchos, ou inertes, flutuando em gravidade zero. Parece que está todo o mundo esperando uma decisão, todos cheios de incertezas, e de toda ordem. Parece quando esperávamos que alguém ligasse no fixo e íamos toda hora ver se o telefone estava funcionando, se dava linha, se estava no gancho.

O inverno nem bem chegou e já há verdadeira queima de estoque de coisas do próprio. Nunca vi assim, todo mundo ao mesmo tempo fazendo liquidação, sale, oferta, off, desconto progressivo, ou até preço único, tudo por tal, por tanto, o que me cheira a um grande mistério. Se tudo podia ser vendido a esse preço, por que não o foi antes? Ou, quem chegar primeiro, com dinheiro, e entender melhor de negócios, rapa os produtos que realmente estarão mais baratos? Mas, enfim, tudo na bacia das almas, e se nem o tal Eike tem mais dinheiro, imagina a situação. Economia em frangalhos e a maldita voltando, infiltrada, remarcando com aquele barulho de maquininha de supermercado.scrub

É risco de rico. Coisas, pessoas e fortunas derretendo mais do que a calota polar em tempos de aquecimento global. Reputações que eram já eram, e as que já eram ruins pioram ainda mais. Se havia índice de confiança o ponteiro está no vermelho, junto com as contas a pagar. Na verdade verdadeira daqui a pouco vai estar todo mundo fazendo workshop com os índios para aprender como – quando ainda índios – eles vivem com tão poucos itens, parece que 80, ouvi certa vez. Vou gostar muito de ver mais gente de tanga.

deskNada está normal e não me venha dizer que exagero. Estar normal seria tão tranquilo como quando as mocinhas casadoiras completavam esse curso, o Normal, no Brasil. Antes, dava para ser freira. Ou normalista. Fora disso a mulher já era vista como revolucionária ou coisa pior. Estar normal é não ter muitos abalos, aquela vidinha pacata seguindo seu curso, uma certa rotina, monotonia. Qual o quê! Faz tempo que isso não rola. Montanha russa. Bicho da seda. Trem fantasma.

De um mês para cá, especialmente, quem pode se dizer “normal”? Vai pegar uma estrada? E se ela estiver bloqueada? Ah, marcou um compromisso ali naquela avenida famosa de sua cidade? Já consultou a agenda de manifestações do dia? Só essa semana, aqui em São Paulo, onde as coisas até que estão, digamos, mais tranquilas, teve um dia em que a Avenida Paulista registrou três passeatas, protestos ou assemelhados de uma vez só. No dia seguinte, do que contei daqui, foi fechada cinco vezes, dos dois lados da pista, por tudo quanto é motivo, juntando um, dois, ou 50 gatos-pingados, que agora cada grupinho quer carregar seu cartaz objetivamente. A coisa está até engraçada. “Foi a passeata que menos barulho fez!” – ouvi de um brincalhão quando este soube que um dos protestos era dos deficientes auditivos. Abafa o caso.1spy

Negócios? Todo mundo com medo. Futuro, planejamento, previsão? Tudo no espaço. Se for falar modernês, nas nuvens.

Noticiário? Bomba, bomba,bomba. Em algum lugar elas pipocam, letais e não-letais, com gases ou sem gases. Em Campinas, no país da piada pronta, querem pintar os manifestantes de rosa para identificá-los. Quando você pensa que está entendendo uma coisa, ela já é outra. Nem dá mais para se indignar direito: matam friamente uma criança atrás da outra; sacaneiam animais; nos golpeiam e debocham de nós. Insistem em nos jogar uns contra os outros.

work3Socorro! O piloto sumiu! Baratas tontas, parece que inalaram spray de pimenta jalapeno ou só o inseticida, puro. Anuncia uma coisa, fazem outra, depois dizem que não anunciaram não. Você que estava “viajando”; era só uma “alternativa”. Vai ser isso. Não! Vai ser aquilo! E se tentássemos isso? Vamos nos reunir para discutir, mas não vai dar tempo de fazer agora porque ficamos muito tempo reunidos. Meu sábio pai, que já viveu quase um século e viu vários momentos desses, acompanha o noticiário político como se fosse um jogo, e xinga o juiz, os bandeirinhas e os jogadores em campo. Aquilo até parece que lhe dá mais vigor. Pelo menos ele vem atualizando de forma impressionante os xingamentos que resmunga. Piiiiiiiiiii!

18Estamos apreensivos, com palpitações. Os mais jovens palpitam e são apreendidos. Se tem revolução lá fora, lá longe, acompanhamos como se fosse aqui, porque rebate na área. Nada mais é muito natural, e isso além de silicones e outras mágicas. A onda é alta e estamos surfando na crista dela, com um mar revolto.

Puxa, como gostaria de escrever sobre a poesia, a beleza do voo dos pássaros, mas quando olho e vejo aviões eles acabam é me lembrando que quem hoje voa por nossa conta já tentou cortar as nossas asas. Muito triste tudo isso. Muito triste.

O Estado está estarrecido, de mão dada com a Nação. O estado é de atenção.

São Paulo, diariamente, 2013 p55Marli Gonçalves é jornalista– Não me admira que eu tenha ido parar no hospital com um tilt que até hoje não entendi de onde veio, e achando que estava mesmo morrendo. Nada está normal. Mas, enfim, estou aqui ainda, o que deve estar querendo dizer alguma coisa. Ou não. ********************************************************************
E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br

Tenho um blog, Marli Gonçalves, divertido e informante ao mesmo tempo, no https://marligo.wordpress.com. Estou no Facebook. E no Twitter @Marligo

ARTIGO – Inverno, Inferno e calafrios.

 Marli Gonçalves

Crescemos com muita gente e toda sorte de pregadores nos ensinando que o Inferno é quentinho, com labaredas, cheio de devassos e fica nas profundezas, nos “lugares baixos” que originaram a palavra. A sensação era – pelo menos até agora- de um lugar bem distante, de desterro, de exílio final total para os maus, masmorra. Mas, então, por que é que toda hora aparece tanta gente vinda de lá só para nos atazanar?

O frio intenso gela os pés, as mãos, e mantém outras pontinhas e extremidades nossas permanentemente eriçadas. Tem dias que não adianta calçar meias, atarracar um gorro na cabeça, usar lã grossa ou tricô. Alguns desses frios a gente sente por causa do inverno; outros porque a gente fica com o coração frio, decepado, por sentir e pressentir tanta maldade entre os homens e por perto. São os calafrios.

Depende da sensibilidade de cada um, e do grau de “treinamento de identificação”. Já passei por tantas e tantas roubadas , mas ainda estou aprendendo a identificar um pouco mais rápido a aproximação de seres sem luz. Mesmo assim preferia já ter terminado esse aprendizado, e com a aula de “como mantê-los lá embaixo com a cabeça apertada” e “como evitar”. Então, nessas, esses seres a que me refiro ainda chegam perto, perto demais. Sinto os calafrios. São finos e arretados, pegam a base da coluna, sobem aqui na nuca e a gente treme, como quem leva um susto.

Assinalo que há diferença marcante entre pessoas-vampiro, encontráveis às dúzias e todos os dias em todos os lugares, e que sugam sua energia, e essas outras , mais cruéis, que vêm do inferno diretamente. Vivendo, posso agora perceber isso mais claramente. As “vampiro”, coitadas, muitas vezes não conhecem nem essa sua própria condição; arrancam energia por onde passam para continuar vivendo – numa espécie de sobrevivência desesperada. Você passa por elas e as encontra nas ruas. Também estão em reuniões de trabalho e em festas. Têm umas que são até famosas nos meios sociais porque vampirizaram suas presas (algumas também bem famosas e conhecidas) até secá-las, em geral com “amor”, em relações estáveis. Há muitos desses vampiros também no mundo empresarial – onde chegam secam flores, ficam as ervas daninhas, estabelece-se a discórdia. Costumam dominar o mercado de alguns setores, agindo com maledicência e dinheiro. Alguns outros, vampiros mais simplórios, conseguem até que os consideremos como amigos, que a gente tenha até vontade de ajudar, em certos casos.

Não é preciso acreditar muito “nessas coisas”, nem ver filmes, seriados de tevê ou livros de ficção para saber que existem sobrenaturais passeando por aí, se alimentando da luz alheia. Todo mundo tem uma história para contar. Do tropeção que levou ao trocar simples olhar, ou do cansaço extremo que acontece após o encontro. Outro dia mesmo me aconteceu, de forma banal. Fui descer do carro e, do outro lado da rua, uma desconhecida parada me passou um olhar tão ruim que senti um baque. Afastei a sensação, mas em seguida fechei a porta do carro no dedão – e não estava distraída, não, senhor. Ao contrário.

Mas descobri uma diferença entre os vampiros e os demônios do inferno quente. Na vida há momentos que essas biscas infernais emergem das trevas, de uma hora para outra. E elas têm planos e objetivos definidos – todos tendo você como vítima – tirar seu sossego, atazanar seus pensamentos, fechar seu sorriso, estancar sua alegria. Não chegam por acaso; premeditam. Pisam bem macio para chegar. E quando você vira, zás, o punhal traiçoeiro atinge suas costas.

Só podem vir desse inferno que digo que existe, reconhecido seja qual for a religião (ou sem uma) – nem que seja em tese ou lenda. Até para nos lembrar e nos ajudar a separar as ações de nosso dia-a-dia, queiramos ou não, e de forma maniqueísta. É essa visão do inferno o que nos dá um tom do que pode e do que não pode. Por isso (ainda) não nos matamos nas ruas, e vinganças nem sempre são levadas a contento, nem quando frias. Há limites.

Lá fora, nesse Hemisfério que habito, está frio.

Mas sinto minha cabeça quente e meu estômago arde, sofrendo com um baque de constatação que o calafrio que senti era real e mais poderoso, com capacidade de me desalojar. Que não era bobeira ou fantasia minha, e que eu tinha visto, sim, esses lampejos do mal em um olhar invejoso, frio. A diferença é que desta vez não foi por uma distração que o ser chegou tão perto. Esse encontro eu não pude evitar.

Escrevo sobre isso por vários motivos. Primeiro, para exorcizar. Xô! Segundo, porque acredito piamente que quando a gente toma consciência cria forças para enfrentar, como São Jorge e o dragão, como Davi e Golias. Já estou com a lança na mão.
Mas especialmente escrevo por obrigação assumida com você, de falar sobre o que encontro e me faz pensar, e que ficou ainda mais clara depois de ler essa frase de Dante Alighieri: “No inferno os lugares mais quentes são reservados àqueles que escolheram a neutralidade em tempo de crise”.

Eu não sou neutra. Toco a sirene para passar. E ultrapassar. Quero o céu.

Julho, de São Paulo, brrrrr.

(*) Marli Gonçalves é jornalista. Parece que não podemos mais hibernar em paz nem debaixo de nossas cobertas..

************************************************************

E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br
ATENÇÃO: Por favor, ao reproduzir esse texto, não deixe de citar os e-mails de contato, e os sites onde são publicados originalmente http:// http://www.brickmann.com.br e no https://marligo.wordpress.com// Aqui você encontra todos os artigos anteriores:www.brickmann.com.br
Estou no Twitter, @MarliGo, Facebook, e no blog : Clica aqui, para ir lá no blog! Visite o site MARLI GONÇALVES – Onde você encontra de tudo e muito mais
No Twitter, querendo seguir e ser seguida: “www.twitter.com/MarliGo

Crescemos com muita gente e toda sorte de pregadores nos ensinando que o Inferno é quentinho, com labaredas, cheio de devassos e fica nas profundezas, nos “lugares baixos” que originaram a palavra. A sensação era – pelo menos até agora- de um lugar bem distante, de desterro, de exílio final total para os maus, masmorra. Mas, então, por que é que toda hora aparece tanta gente vinda de lá só para nos atazanar?

O frio intenso gela os pés, as mãos, e mantém outras pontinhas e extremidades nossas permanentemente eriçadas. Tem dias que não adianta calçar meias, atarracar um gorro na cabeça, usar lã grossa ou tricô. Alguns desses frios a gente sente por causa do inverno; outros porque a gente fica com o coração frio, decepado, por sentir e pressentir tanta maldade entre os homens e por perto. São os calafrios.

Depende da sensibilidade de cada um, e do grau de “treinamento de identificação”. Já passei por tantas e tantas roubadas , mas ainda estou aprendendo a identificar um pouco mais rápido a aproximação de seres sem luz. Mesmo assim preferia já ter terminado esse aprendizado, e com a aula de “como mantê-los lá embaixo com a cabeça apertada” e “como evitar”. Então, nessas, esses seres a que me refiro ainda chegam perto, perto demais. Sinto os calafrios. São finos e arretados, pegam a base da coluna, sobem aqui na nuca e a gente treme, como quem leva um susto.

Assinalo que há diferença marcante entre pessoas-vampiro, encontráveis às dúzias e todos os dias em todos os lugares, e que sugam sua energia, e essas outras , mais cruéis, que vêm do inferno diretamente. Vivendo, posso agora perceber isso mais claramente. As “vampiro”, coitadas, muitas vezes não conhecem nem essa sua própria condição; arrancam energia por onde passam para continuar vivendo – numa espécie de sobrevivência desesperada. Você passa por elas e as encontra nas ruas. Também estão em reuniões de trabalho e em festas. Têm umas que são até famosas nos meios sociais porque vampirizaram suas presas (algumas também bem famosas e conhecidas) até secá-las, em geral com “amor”, em relações estáveis. Há muitos desses vampiros também no mundo empresarial – onde chegam secam flores, ficam as ervas daninhas, estabelece-se a discórdia. Costumam dominar o mercado de alguns setores, agindo com maledicência e dinheiro. Alguns outros, vampiros mais simplórios, conseguem até que os consideremos como amigos, que a gente tenha até vontade de ajudar, em certos casos.

Não é preciso acreditar muito “nessas coisas”, nem ver filmes, seriados de tevê ou livros de ficção para saber que existem sobrenaturais passeando por aí, se alimentando da luz alheia. Todo mundo tem uma história para contar. Do tropeção que levou ao trocar simples olhar, ou do cansaço extremo que acontece após o encontro. Outro dia mesmo me aconteceu, de forma banal. Fui descer do carro e, do outro lado da rua, uma desconhecida parada me passou um olhar tão ruim que senti um baque. Afastei a sensação, mas em seguida fechei a porta do carro no dedão – e não estava distraída, não, senhor. Ao contrário.

Mas descobri uma diferença entre os vampiros e os demônios do inferno quente. Na vida há momentos que essas biscas infernais emergem das trevas, de uma hora para outra. E elas têm planos e objetivos definidos – todos tendo você como vítima – tirar seu sossego, atazanar seus pensamentos, fechar seu sorriso, estancar sua alegria. Não chegam por acaso; premeditam. Pisam bem macio para chegar. E quando você vira, zás, o punhal traiçoeiro atinge suas costas.

Só podem vir desse inferno que digo que existe, reconhecido seja qual for a religião (ou sem uma) – nem que seja em tese ou lenda. Até para nos lembrar e nos ajudar a separar as ações de nosso dia-a-dia, queiramos ou não, e de forma maniqueísta. É essa visão do inferno o que nos dá um tom do que pode e do que não pode. Por isso (ainda) não nos matamos nas ruas, e vinganças nem sempre são levadas a contento, nem quando frias. Há limites.

Lá fora, nesse Hemisfério que habito, está frio.

Mas sinto minha cabeça quente e meu estômago arde, sofrendo com um baque de constatação que o calafrio que senti era real e mais poderoso, com capacidade de me desalojar. Que não era bobeira ou fantasia minha, e que eu tinha visto, sim, esses lampejos do mal em um olhar invejoso, frio. A diferença é que desta vez não foi por uma distração que o ser chegou tão perto. Esse encontro eu não pude evitar.

Escrevo sobre isso por vários motivos. Primeiro, para exorcizar. Xô! Segundo, porque acredito piamente que quando a gente toma consciência cria forças para enfrentar, como São Jorge e o dragão, como Davi e Golias. Já estou com a lança na mão.

Mas especialmente escrevo por obrigação assumida com você, de falar sobre o que encontro e me faz pensar, e que ficou ainda mais clara depois de ler essa frase de Dante Alighieri: “No inferno os lugares mais quentes são reservados àqueles que escolheram a neutralidade em tempo de crise”.

Eu não sou neutra. Toco a sirene para passar. E ultrapassar. Quero o céu.

Julho, de São Paulo, brrrrr.(*) Marli Gonçalves é jornalista. Parece que não podemos mais hibernar em paz nem debaixo de nossas cobertas..

************************************************************
E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br
ATENÇÃO: Por favor, ao reproduzir esse texto, não deixe de citar os e-mails de contato, e os sites onde são publicados originalmente http:// http://www.brickmann.com.br e no https://marligo.wordpress.com// Aqui você encontra todos os artigos anteriores:www.brickmann.com.br
Estou no Twitter, @MarliGo, Facebook, e no blog : Clica aqui, para ir lá no blog! Visite o site MARLI GONÇALVES – Onde você encontra de tudo e muito mais
No Twitter, querendo seguir e ser seguida: “www.twitter.com/MarliGo