Zé Eduardo, carta fora do baralho no STF. Bye,bye…

O presidente do Senado, Renan Calheiros, fez chegar a Dilma que dificilmente o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, seria aprovado para a vaga de Joaquim Barbosa no Supremo Tribunal Federal.
( nota da Coluna de Claudio Humberto – Diário do Poder)
Nós não poderíamos deixar de prestar uma homenagem:

COM FOTOS. Ministro da Justiça estaciona na faixa do prefeito. Zé Eduardo, Zé Eduardo, respeita pelo menos o Malddad

MINISTRO DA JUSTIÇA deve ter ido na loja da Rua Augusta comprar uns brinquedinhos para seus filhinhos espalhados. Aí chega e na boa não só estaciona no lugar proibido, como devo informar a todos: é uma das novas faixas de ônibus do Malddad Suvinil que espremeu uma rua  que  não tem como, desafiando as leis da física.
PT atropela PT não seria um belo título?

Governo e adjacências: Fica esperto que nessa região aqui a gente patrulha o que pode.

—————-Nas ruas————————–

fonte: UCHO.INFO

Ministro da Justiça ignora a legislação de trânsito e estaciona o próprio carro em local proibido

jose_eduardo_27Fora da lei – Destaca a Constituição Federal, com a devida e merecida ênfase, em seu artigo 5º que “todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza” (caput). Acontece que nessa barafunda chamada Brasil alguns são mais iguais que os outros. Ou seja, a lei não vale para determinadas pessoas que acreditam ser possível afrontar a democracia e a legislação vigente. A situação torna-se ainda mais crítica e perigosa quando a lei é escandalosamente desrespeitada pelo ministro da Justiça, no caso o petista José Eduardo Martins Cardozo.

No dia 26 de dezembro, Cardozo decidiu fazer algumas compras atrasadas de Natal e para tanto ignorou as leis de trânsito em uma das mais movimentadas vias da cidade de São Paulo, a famosa Rua Augusta. Sem se preocupar com uma vistosa placa que informa ser proibido estacionar veículos na rua que um dia serviu de inspiração para Hervé Cordovil, que compôs a música “Rua Augusta”, o ministro da Justiça pegou carona na certeza da impunidade, até porque assim pensam os petistas que tomaram o País de assalto. Às 19h50, José Eduardo Cardozo estacionou o Toyota modelo Camry – de cor preta e placas EEH-7586 – em local proibido e adentrou à uma conhecida loja de brinquedos, não dando atenção à placa que informa ser proibido estacionar de segunda à sexta-feira, das 7 horas às 22 horas.

jose_eduardo_34

Se todos os brasileiros têm a obrigação de respeitar as leis de forma incondicional, afinal é assim que uma nação existe, no caso de José Eduardo Cardozo esse dever é ainda maior, pois trata-se de uma autoridade que, em tese, serve de exemplo aos demais. Para a sorte das próximas gerações, mais da metade da população não optou pela continuidade da bandalheira política instalada pelo PT em todos os quadrantes verde-louros.

Fosse o Brasil um país minimamente sério e com autoridades igualmente responsáveis, José Eduardo jamais teria chegado ao comando de uma dos mais destacados ministérios, o da Justiça, uma vez que seu conhecimento jurídico sofre de nanismo se comparado à importância do cargo. De igual modo, fosse o prefeito Fernando Haddad cumpridor dos seus deveres, as fotos desta matéria seriam suficientes para que o departamento de trânsito da capital paulista lavrasse a devida multa, uma vez que os brasileiros não mais conseguem conviver com a corrupção e a impunidade.

jose_eduardo_35

Para quem sonha em chegar ao Supremo Tribunal Federal na condição de ministro, o petista José Eduardo Cardozo deveria ser mais cuidadoso, mesmo que a Corte tenha se transformado em palco de bizarrices jurídicas das mais variadas, apenas porque o PT, responsável pela maioria das indicações, já deu mostras de sua inconteste vocação para o banditismo político.

Por certo José Eduardo deve considerar normal desrespeitar as leis de trânsito, mas um país sério se faz com pessoas responsáveis e cumpridoras de suas obrigações cidadãs. Ao ministro isso pouco importa, porque os petistas aderiram ao enfadonho bordão “você sabe com que está falando?”. Sendo assim, resta-nos ressaltar que José Eduardo Cardozo deve cantarolar, debaixo do chuveiro, uma fase do refrão que Hervé Cordovil escreveu para a música “Rua Augusta”: “Quem é da nossa gangue não tem medo”. E que ninguém duvide dessa porção do PT!

jose_eduardo_36

Acreditam? Nosso Ministro (?), OPS, Desministro da Justiça tirando férias num momento desses? Nós estamos fú mesmo… Mas como diria um amigo, talvez até seja melhor sem ele…

Fui!

bateau003Cardozo emenda recesso a férias e tira mais 8 dias de folga

Enquanto isso, ministro deixa na gaveta temas incômodos e até explosivos

Agência Brasil - ABr - Empresa Brasil de Comunicação - EBC

Ministro José Eduardo Cardozo

O O ministro José Eduardo Cardozo (Justiça), que já havia emendado o recesso de fim de ano a breves férias, entre os dias 2 e 6 deste mês, resolveu tirar mais oito dias de folga a partir desta sexta-feira. Somandos aos dias de fim de se mana, Cardozo, enfastiado, somente voltará ao batente dentro de dez dias.

Com isso, Cardozo passará ao largo de assuntos urgentes, como o crescimento da criminalidade em todo o País, a retomada de manifestações como “rolezinhos” e principalmente a situação dos presídios no Maranhão. Como chefe do Departamento Penitenciário Nacional (Depen), subordinado ao seu ministério, Cardozo continua devendo explicações sobre a omissão do governo federal nesse episódio, inclusive quanto à liberação de verbas para reforma e construção de presídios.

Outro tema que não vai incomodar Cardozo, em mais esse descanso, é a segurança na Copa do Mundo de 2014. O ministro ficará até 24 de janeiro de férias, mas será uma sexta-feira e, como ninguém é de ferro, voltará ao trabalho no dia 26, segunda-feira.

FONTE: DIÁRIO DO PODER

@DiariodoPoder: Ministério da Justiça pensa que está na “Suiça”. É o Cardozão no comando…

Mundo da fantasia: Derrotado pelo crime organizado, Ministério da Justiça faz balanço contando lorotas

scaleNota oficial faz parecer que o Ministério da Justiça é da Suíça e não do Brasil tomado pelo crime

Apesar do crescimento imparável do crime organizado no Brasil, o Ministério da Justiça ainda encontra razões para o lançamento, nesta quinta (25), às 10h, da publicação “10 Anos de Organização do Estado Brasileiro Contra o Crime Organizado”. A “edição comemorativa” faz parte da Estratégia Nacional de Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro.

De acordo com nota que divulgou, o Ministério da Justiça parece se referir à realidade de países como a Suíça, garantindo que a tal Estratégia gerou um modelo “bem sucedido” de enfrentamento a esses crimes. E ainda sustenta a lorota de que esse conjunto de medidas possibilitou uma “articulação estatal e constituição de um espaço permanente de integração para o Brasil formular políticas afastando as atuações isoladas”.

O secretário Nacional de Justiça, Paulo Abrão, vai participar de um debate durante para sustentar que o combate ao crime organizado e à corrupção “passa pelo estrangulamento dos ativos ilícitos que os financiam”. Espera-se que ele explique o que fez nesse sentido. Além de Abrão, o chefe da Controladoria-Geral da União, Jorge Hage, o ex-ministro da Justiça Marcio Thomaz Bastos e o ministro Gilson Dipp, do Superior Tribunal de Justiça, também irão participar da discussão no Salão Negro do Palácio da Justiça.

Fonte: DIÁRIO DO PODERworker11

Enquanto isso…Ministério da Justiça distribui chamado para a 71ª Caravana da Anistia, amanhã, desta vez em Ibiúna, onde em 68 uma série de trapalhadas fez com que todo mundo caísse. Inclusive comprar algumas centenas de pães na padaria…

 

Será nesta ocasião o coroamento de José Dirceu?

Esse Ministro da Justiça, metidão José Eduardo Cardozo,  é o Ò, mesmo…

Balancing_act_2

Material distribuído hoje, agora,  pela assessoria de imprensa do Ministério da Justiça.

graphics-photographer-67735871ª Caravana da Anistia – Ibiúna-SP

Em praça pública, Caravana da Anistia realiza reparação coletiva de perseguidos políticos de Ibiúna-SP

A Praça da Resistência, no centro de Ibiúna-SP, vai sediar a 71ª Caravana da Anistia. No próximo dia 15, sábado, serão realizados o ato de reparação coletiva e a homenagem aos setecentos estudantes presos durante o 30º Congresso da UNE, interrompido por forças policiais da ditadura militar em 1968. A Caravana também julgará os processos de anistia de Etelvino José Bechara e Gonzalo Pastor Barreda, que estiveram entre os estudantes detidos à época.

O evento compõe a programação do 11º Congresso da União Estadual de Estudantes/SP. Ainda no dia 14, sexta-feira, haverá exibição do documentário “A Batalha da Maria Antônia”, do cineasta Renato Tapajós, e a inauguração de um monumento em homenagem às lutas estudantis.

O presidente da Comissão de Anistia e secretário Nacional de Justiça, Paulo Abrão, ressalta que o Movimento Estudantil foi fundamental na resistência à ditadura militar. “Os jovens que se engajaram na luta política contra o regime fizeram a opção de deixar suas vidas pessoas em segundo plano no momento em que a país precisava deles para se libertar. Essa é uma escolha difícil que nos permite contextualizar quão valorosos foram estes jovens. Muitos deles viriam a ser barbaramente torturados e mortos, apenas por defender um Brasil mais livre e justo”, afirma.

Processos de anistia que serão julgados

Etelvino José Henriques Bechara

Foi preso e levado para o Presídio Tiradentes quando participava como representante do Curso de Química da Universidade de São Paulo no 30º Congresso da UNE, em Ibiúna-S. Foi indiciado por um Inquérito Policial Militar. Na manhã do dia 19 de outubro de 1970, durante o trabalho como professor de Química Orgânica do Equipe Vestibulares, Bechara foi preso,retirado à força da sala de aula e levado para o 2º Exército no Ibirapuera. Foi monitorado até o ano 1984. Atualmente é Professor Titular do Instituto de Química da USP.

Gonzalo Pastor Castro Barreda

Militava na política estudantil da Universidade de São Paulo, participando de reuniões e manifestações. Colaborava com a edição, principalmente com fotografias, do jornal AURK – publicação dos estudantes residentes do Conjunto Residencial da USP (Crusp). Em 1968, auxiliou na organização do 30º Congresso da UNE, em Ibiúna-SP, ocasião em que foi detido e transferido para o Presídio Tiradentes. Ficou preso por um mês. No dia 12 de dezembro do mesmo ano, com a invasão do Crusp pela polícia, foi preso novamente. Ao ser libertado, foi compelido a abandonar o curso de engenharia da Escola Politécnica da USP.

Memória e reparação

Desde o início de seus trabalhos, a Comissão de Anistia já julgou cerca de 180 processos de estudantes presos durante o congresso de Ibiúna. As Caravanas da Anistia tem por objetivo resgatar a memória e a verdade sobre o autoritarismo, ampliar a transparência dos trabalhos da Comissão de Anistia e disseminar o tema da luta pelas liberdades democráticas. Em Ibiúna a atividade começa às 10h.

As Caravanas da Anistia são realizadas por meio de sessões públicas itinerantes de apreciação dos pedidos de reparação por perseguição política. Todas as caravanas começam com sessões de memória e homenagens públicas às pessoas que terão seus processos apreciados logo em seguida.

O tempo não para

Há 45 anos cerca de 700 estudantes foram presos pela forças policiais nas redondezas do sítio Munduru, município de Ibiúna-SP. Ao desmantelar o 30º Congresso da União dos Estudantes (UNE) no dia 12 de outubro de 1968, os Integrantes do Departamento Estadual de Ordem e Política Social (DOPS) e da Força Pública, leia-se militares, deram início ao período mais repressivo da ditadura militar.

Logo após o Congresso de Ibiúna, quem nem fora iniciado, o presidente Arthur da Costa e Silva editava o Ato Institucional nº 5. A ditadura militar fechava o cerco da democracia no país. O AI-5 implicava não só no recrudescimento da repressão aos movimentos estudantil e sindical, como também determinava o fechamento do Congresso Nacional, a suspensão de direitos políticos dos cidadãos e dos direitos de habeas corpus para crimes políticos.

A partir daquele evento a prisão indiscriminada de militantes políticos tornou-se uma das principais medidas do governo militar contra os opositores do regime. A realização da 71ª Caravana da Anistia dentro da programação do 11º Congresso da União Estadual dos Estudantes de São Paulo, em Ibiúna no próximo final de semana, simboliza a importância histórica de resistência e defesa da democracia.

informações: Ministério da Justiça/ Assessoria de Comunicação

ARTIGO – Desgovernados, por Marli Gonçalves

Se contar ninguém acredita. Não tem dia que você tem vontade de esfregar muito o olho para acreditar no que vê? Ou pensa em enfiar bem forte um cotonete no ouvido para ter certeza que não está entupido, e que você não está louco, não? E me diga se essa semana não bateu recorde, e se o número de sandices ditas pelas autoridades não ultrapassou os limites. Mais do que isso já poderemos decretar calamidade pública! Enchente de saco! Salvem-nos desses governantes!

Eu gosto. Gostaria de poder escrever com mais frequência sobre coisas leves e divertidas, ligadas a comportamento, costumes, mas quem disse que dá? Não dá para escrever sobre flores. Sobre crianças, só se for para recomendar que tampem seus ouvidinhos e não aprendam nada com esses tipos que declaram as coisas nas nossas caras e a gente tem de enguli-las. Tipo fala que eu engulo.

Por onde eu começo? Pelo governador atarantado ou pelo ministro desmedido com cara de sério?

Você, claro, ouviu, viu, leu – foi notícia internacional, para nossa vergonha – que o ministro da Justiça do país chamado Brasil declarou, em alto e bom som, tipo declaração bombástica, que preferiria morrer a ficar preso em uma de nossas cadeias? Pois foi! Ele fez isso. Sendo que, primeiro, as cadeias – realmente péssimas, entupidas, horrorosas – estão sob sua alçada há pelo menos dois anos, e, depois, há dez anos estão nas mãos da sua turma, e ele esse tempo todo ali, firme, sem dar um pio sobre o assunto, que a cada dia só se agrava. Inclusive gerando a onda de violência a que estamos assistindo, e que agora se espalha de São Paulo para outros Estados e até acontecendo em pequenas cidades. O horror dos horrores, tocado por um poder paralelo. E de dentro dos presídios.

Portanto, se eu fosse ele, o ministro, o próprio, com tudo que ele já botou de dedo na cara de outras pessoas, tipo justiceiro padrão, destratou interrogados em CPIs, e pelo conjunto da obra, também não ia querer ir para o presídio, não. Os caras iam realizar a parte que diz que ele preferiria morrer.

Há muitos anos vem se formando nas barbas do governo federal – e há quem acuse até de um certo conluio partidário, mas isso eu não acredito – uma ideologia de justiça paralela, com uma constituição própria, leis duras e que se fazem ser cumpridas a ferro e fogo, organograma de trabalho e agilidade em comunicação. Os caras têm até um vocabulário próprio, com personalidade e sangue tão naturais que gera sem parar palavras e expressões que estão nos raps, nos hips e nos hops da música que já invade nossas casas. Ou alardeada por alto-falantes potentes dentro de carros que apavoram nas ruas das cidades, fazendo até tremer a janela. Uma das palavras mais temidas é o “Salve”. E o “Salve geral”.

“Salve” é a ordem. De todos os tipos. Inclusive para matar, como confessou um integrante essa semana. Simples assim: ele devia 10 mil reais. Trocou a dívida pelo cumprimento de um assassinato de policial. Ainda declarou que ligou antes para saber se servia se ele matasse um policial civil que achou, ou se tinha que ser militar. Salve geral é ordem para todos os comandados, e não dá para sobreviver dentro do presídio se não o for. Vira uma legião de anencéfalos, zumbis, sem o que ganhar. Sem o que perder mais.

Isso não lembra a vocês certos partidos e movimentos da Europa no século passado, que acabaram por dizimar muitos milhares? Não lembra certo bigodinho? Na imprensa já se fala abertamente no Exército do crime, embora ainda se refiram ao PCC, como aquela “organização criminosa que controla os presídios”. Para não fazer marketing.

Aí, como íamos dizendo, com tudo isso, o ministro vai e dá o caldo da canja, tentando sensibilizar o povo em favor dos amigos coitadinhos, aqueles do Mensalão, que já deu o que tinha que dar.

Ah, se fôssemos um país organizado e com vergonha na cara! Ouvi por aí que caberia agora legalmente um monte de ações possíveis, começando uma por improbidade administrativa. Até os criminosos poderiam tentar alguma coisa alegando falta de direitos humanos – já que os mandam para lugares tão infernais assim, como reafirma e admite o ministro.

Mas até agora não ouvi nem vi nada, a não ser tiros, e aqui na esquina de casa. A oposição está dormindo profundamente no seu bercinho cheiroso e seguro. Mamãe só olha e faz cara feia.

Haha! Pensaram que eu esqueci do governador tucano e atarantado de São Paulo que em dois dias poderia vencer o prêmio “Sem Noção” do ano, ou dividi-lo com o ministro? Não! Esse merece o Oscar do desconsolo e falta do que dizer para justificar que o secretário da Segurança ainda esteja lá sentado na cadeira falando em es-tra-té-gi-as, como se a situação não estivesse pegando fogo agora, periclitante! Fora isso, para o governador, o número de mortes, de chacinados e policiais, está dentro do padrão porque somos, segundo ele, em São Paulo, maiores que a Argentina. (?). Os telefones celulares pelos quais são dadas as ordens de dentro das cadeias não podem ser bloqueados – não conseguem. (?). E, inclusive – juro que ele falou isso, pode procurar -, esses celulares são importantes porque servem às investigações, quando são grampeados. (?).

Quer dizer: eles até sabem os números, a quem pertencem, e solicitam – não é chique? – que sejam grampeados, para ouvirem a conversa. Cortar a conversa, a comunicação, o que seria correto, dizem que não dá. Vou contar: sabem que chega a 20 mil reais o preço de um celular que entra no pedaço, dependendo do “lugar” e “prestígio” dos meliantes? Quem será que leva? Por que será que não dá para bloquear?

Hein?Hein? Governo, para que governo? Se hay Gobierno, soy contra! Mas busquei umas frases definitivas. Olha só:

– “Para mim, governo ético não é não roubar e não deixar roubar, isso é obrigação, é ridículo. Para mim, governo ético é eficiente.” (Geraldo Alckmin)

– “Se o governo vai bem, todos vão bem. Se vai mal, afundamos juntos.” (Luiz Inácio Lula da Silva)

– “O governo da demagogia não passa disso: o governo do medo.” (Ruy Barbosa)

São Paulo, cidade tensa, 2012

Marli Gonçalves é jornalista Fora as bobagens do pessoal da economia do governo. Eles deviam ir fazer umas compras no mercado.

************************************************************
E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br

ATENÇÃO: Por favor, ao reproduzir esse texto, não deixe de citar os e-mails de contato, e os sites onde são publicados originalmente http://www.brickmann.com.br e no https://marligo.wordpress.com

Não! Deus, nos proteja desses nomes serem indicados para o STF

Greve que desgasta

Citados para substituir o ministro Cezar Peluso no Supremo Tribunal Federal, José Eduardo Cardozo sofre desgaste com a greve na PF.
 

Também quero

O ministro Luís Adams, chefe da Advocacia Geral da União, também trabalha pretende a vaga de Cezar Peluso, como ministro do STF

fonte: coluna Claudio Humberto – www.claudiohumberto.com.br