ARTIGO – Eu quero uma pra viver. Por Marli Gonçalves

paraquedas.gif3Andando por ai, tentando me livrar de uma tristezelda que rondava e queria pegar meu calcanhar, encontrei uma passeata. No meio do caminho tinha uma passeata, tinha uma passeata no meio do caminho. Isso agora é comum por aqui, e com as mais variadas reivindicações. A que vi era de jovens felizes pedindo de um tudo, cantando e dançando, sem tanta polícia, na santa paz. Me lembraram Cazuza.

Avenida Paulista. Era feriado e São Paulo entregue a uma tarde modorrenta, tipo sabe como? Tipo – esse tipo aqui é tipo assim imitando a linguagem desses meninos que estão sentindo a ave piar, mas não sabem onde – tudo corria bem normal, até na ciclovia improvisada destes dias. De repente eles apareceram à minha frente – um bloquinho de umas 400 pessoas meio que organizadas e divididas em quatro ou cinco colunas, alas, duas à frente do carro de som, outras seguindo atrás, onde ao fim traziam uma imensa bandeira, daquelas que precisa de um monte de gente pra carregar. Me lembraram o Brasil.mz_4699144_bodyshot_175x233

Parei para ver a banda passar já que estava à toa na vida. Todos muito jovens, muito cabeludos, as meninas e os meninos; de todos os jeitos, lembro de muito xadrez, muita tatuagem, muito jeans, muito vermelho, algum amarfanhado, inclusive nas bandeiras. Alguns cobriam o rosto, mas mais por charme do amarrado de um lenço de marca: “Levante Popular”. Havia bandeiras de todas as cores, verde e amarelas, lilázes, faixas pintadas. Coloriram rapidamente o asfalto, fechando a avenida. Me lembraram os Doces Bárbaros.

Animated_jesus_sermon_hg_whtTodos me pareceram do bem. Podiam até estar equivocados, mas eram do bem. Pediam liberdade, mas usavam camisetas do Che, carregavam fotos do Chávez e do Maduro da Venezuela. Falavam em Constituinte, em socialismo, em libertar a América do Sul, e me fizeram lembrar de Belchior. Entendi que para eles importava o mover, o Levante, levante popular, o nome do grupo, como me pareceu, sob o comando de um líder ao megafone. Importava o pedir, e eles usavam novas rimas. Paravam, dançavam, pulavam. Me lembraram as marchas evangélicas.

Inclusive, chamou minha atenção o número de bandeiras do Movimento dos Sem Terra e sem Teto, sem alguma coisa. Haverá uma lojinha onde se compram adereços de protesto? Porque os que as carregavam não o eram, não me pareceram nem sem teto, nem sem terra. Me lembraram da amargura de Gonzaguinha.

Sei que pediam de um tudo, porque os vi passar, cada qual também com sua palavra de ordem particular. Sob o som da bateria, me lembraram de uma escola, de samba, mas também da Educação, um dos seus temas.

Me emocionaram e, de verdade, umas teimosas correram pelo rosto. Também quero. Queria achar, mais do que uma turma para fechar a Avenida Paulista, uma ideologia para chamar de minha, porque as que eu tinha minguaram. Senti essa falta. Fui pra política, estive na fundação do PT, deu no que deu, pensei na guerrilha, deu no que deu, larguei, voltei-me para o rock, para o feminismo, para a libertação sexual. Deu no que deu. Depois, para a ecologia. Deu no que deu. Hoje milito num campo perigosamente minado, de jornalismo, mas minado porque preciso andar em ziguezague – ora rezo com a esquerda, outras, me alinho ao centro; e os opositores, pobres de espírito, acusam como direita.005381223_jesus_animated

Nada está completo para uma devoção, para uma entrega, para uma torcida. Nem de lá nem de cá. É solitário e desolador ver o nível de desentendimento das coisas, mesmo as mínimas, aquelas que deveriam juntar todos nós.

Quero uma ideologia particular, e acabarei qualquer hora criando uma, se já não estou há muito tempo tentando. Porque ideologia só cresce na argumentação, que arregimenta e fortalece até virar mais comum e aceita. Escrevo e te conto o que penso – quem sabe você também está por perto esperando uma passeata.

Mas ela, a ideologia, precisa, antes, nascer. Para que a gente possa por ela se apaixonar e criá-la para que fique forte. Já comprei binóculo, procuro lunetas e até agora ainda não as vi no horizonte. Com lupa, nas letras que leio, também não.

E eu quero uma para viver. Adoraria poder cantar e dançar por ela.

São Paulo, 2014gifjornaleiroMarli Gonçalves é jornalista Entrando no inferno astral, pensando em trocar de pele, tipo a de cobra pela do jacaré. Porque a gente vai precisar de ter a casca dura.

Filmei alguns minutos. Procura no YouTube. Meu canal chama jornalista.marligo.

ou AQUI

********************************************************************
E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br

Tenho um blog, Marli Gonçalves, divertido e informante ao mesmo tempo, no https://marligo.wordpress.com. Estou no Facebook. E no Twitter
@Marligo

ARTIGO – Siga-me e eu te darei …Por Marli Gonçalves

aegypten80…tudo, a luz, as estrelas, viagens, dinheiro…Acreditou? Do jeito que todo mundo anda atrás de algo ou de alguém a se apegar, nem duvido que tenha até chegado a imaginar as benesses que, infelizmente, não estão nem ao meu próprio alcance. A procura por líderes e ídolos para nos guiar, proteger, defender e ajudar continua a pleno vapor. Se antes de mim você encontrar algum ou alguém que valha a pena promete me avisar? ch3

Vivemos procurando a tal luz no fim do túnel. A estrelinha Vésper no firmamento. A última garrafinha de água no deserto. O Mestre Supremo e o Senhor de todas as coisas. O Grande Orientador. Pior, também passamos a vida achando que os encontramos, até que um tranco qualquer, em geral alguma verdade, apareça e nos leve as ilusões, deixando-nos mais para baixo que bico de gaivota quando mergulha para pescar. E lá vamos nós em busca de novo, e de novo, acreditando nas promessas.

logo 1A necessidade de adorar e idolatrar, sei lá, imagino, não deve ser só da gente que é gente, pessoa. Conheço gatos e, especialmente, cachorros, que idolatram verdadeiramente seus donos, o que é visível em cada um de seus atos. Acho que a diferença é que nos animais esse amor é incondicional, e sobrevive até aos trancos de mau humor que possamos ter com eles, que sempre estarão lá, babando, abanando o rabo, se esfregando em nossas pernas. Será questão de memória? Temo que não, porque também conheço casos de animais que guardam a raiva de alguém até poder descontar, ou com uma bela mordida, ou com um bom arranhão.

Obviamente que esta semana andei rassudocando muito sobre tudo isso. Rassudocar? Quer dizer pensar, imaginar. Não sei se já é termo aceito, se é gíria, mas não tem palavra melhor para aquele pensamento que a gente fica remoendo, que vai e que volta, que praticamente dissecamos e cercamos até resolvê-lo por inteiro, ou mesmo esquecê-lo, o que também pode ser de repente, quando a cabeça é invadida por outro tema. Para escrever a gente rassudoca muito – creio que isso acontece com todos os escritores e cronistas.

egyptinEnfim, rassudoquei sobre a loucura que circundou a visita do Papa Francisco, definitiva e rapidamente eleito pelo Brasil como uma das pessoas mais legais, simples, simpáticas, corajosas e carismáticas de todo o mundo, de todo o Universo, quiçá. O que para um argentino, venhamos e convenhamos, também beira um milagre. Ele veio pronto a inspirar e colher essas paixões, ao falar e discursar, praticamente dizendo tudo o que queríamos ouvir, à exceção de “Fora Cabral”. Esperávamos por um líder, qualquer ser, que viesse nos ajudar com nossos perrengues nacionais e particulares.

Daí fiz uma listinha do que é necessário para ser ídolo nestes tempos atuais: dizer que compreende tudo, que está ouvindo as voz das ruas, dos jovens, dos protestos, coisa que não sei se vocês repararam virou mania nacional, mas já engolfada pela propaganda, a comercial e a política. Tem uma, de refrigerante (!), que fala até em “batedores de carteira honestos”, seja lá o que isso quis dizer. Até os partidos mais reacionários estão vindo com essa conversa fiada, mostrando imagens e sons dos protestos, e fazendo promessas com a cara candura de sempre. Sem mudar nada.

figure8icontut67Não me admira que tantos ídolos fiquem pelo caminho, demonstrando ser feitos de barro, de ar, de vidro ou qualquer outro material de quinta, inclusive moral e eticamente falando. Não me admira que haja tanto desânimo e descrença, e aí reside o grande perigo de sempre: não existe o vazio; ele pode ser preenchido por qualquer coisa que tampe o buraco. Temos necessidade de ter ou ídolos, ou mestres, ou quem vá na frente segurando uma vela. Isso não tem jeito.

Vejo quem sofre porque o Lula, “Noço guia supremo”, os “traiu”. E também vejo quem fica até úmido quando o vê, e tampa os olhos, o nariz e os ouvidos de forma impressionante quando se apontam fatos irrefutáveis sobre seus desfeitos. Acontece. Tem quem se atarraque numa coisa e não largue dela nem para se jogar junto, do precipício.

Perdi tantos ídolos nos caminhos da vida que hoje os evito; talvez por isso perceba tão bem essa tendência a se enrabichar atrás de qualquer coisa. A diferença é que o povo também não tem nenhuma fidelidade e troca de amor sem nem trocar a camisa.

Estamos vendo isso na política. Sonhadores, por exemplo, pensando que Joaquim Barbosa é mesmo o Batman. Que a Marina chega lá. Ou que Luan Santana canta bem, e que tudo o que está acontecendo seria resolvido com a volta dos que já foram, mas ameaçam afiar unhas, ameaçando os que deixaram de venerá-lo, vendo sua verdadeira face.

Só que para combinar com o momento que atravessamos é bom lembrar que para muitos a idolatria é considerado um terrível pecado. Principalmente quando não há santo, nem para fazer milagres, nem para fazer promessas, muito menos para a gente ajoelhar.r1328

São Paulo, onde só falta nevar, 201315

Marli Gonçalves é jornalista Estou aqui a cismar sobre qual será o próximo Mestre de todos os mares, quem será a Diva de todas as divas que aparecerá por aqui, embora pense que tão cedo poucos se aventurarão por essas plagas – de medo de ficar preso no trânsito, debaixo de chuva e com um monte de criancinhas para abraçar e beijar.

********************************************************************
E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br

Tenho um blog, Marli Gonçalves, divertido e informante ao mesmo tempo, no https://marligo.wordpress.com. Estou no Facebook. E no Twitter @Marligo

ARTIGO – Tapa na cara, por Marli Gonçalves

agmisc7Que semana, que dias horrorosos, quanta tristeza, lamento, dor, vergonha. Ainda olhamos no espelho as nossas faces rubras de tantos os tapas na cara que levamos, tantas as bordoadas. Nem sendo religioso e virando o outro lado do rosto. Já viraram por nós e o espancaram também

Corrupção, pouco caso, impunidade, leis não cumpridas, falta de ordem, de fiscalização, distribuição de propinas, cegueira generalizada, bandidos elegendo bandidos, fortes esmagando vozes, volta triunfante dos enxotados. Aqueles corpos estendidos no chão, queimados sem vela, envenenados em meio à alegria, e a simples menção da cena das centenas de celulares tocando em seus bolsos, procurados que eram naquela madrugada por quem pressentia que não mais os veria ou ouviria, não são coisa para se esquecer. E , assim como os sobreviventes e os feridos que ainda conseguirem escapar, lembrarão da terrível noite de Santa Maria para sempre, o resto de seus dias – inclusive porque certamente ainda sofrerão suas consequências – nós também não devíamos esquecer.

Mas esquecemos sempre, e sempre, como se nunca aprendêssemos nem com os nossos erros nem com os erros dos outros. Chega o Carnaval no país do próprio. Salões inseguros novamente estarão cheios de palhaços e colombinas com dedinhos para cima jogando álcool para dentro de si próprios, insanos, dormentes, banalizados e totalmente bananizados.

A serpentina, o confete, a música das bandas e trios elétricos, as piadas sem graça das musiquinhas axé-quentes-sensualizantes já transborda no país que esquece. Esquece de si. De seu papel, de suas possibilidades grandiosas de futuro. Tudo para viver um momento, um papel reles, pequenino, momentâneo, que acreditam histórico e infindável, com parceiros mal escolhidos, mal ajambrados. Com as névoas da propaganda maciça.

Não, não queremos luto eterno. Nem somos oposição por prazer. Queremos apenas que sirva para algo a alegria apagada daqueles cérebros que jamais veremos frutificar; assim como queremos, tinhosos que somos, que os feitos e a luta das milhares de pessoas perseguidas ou mortas lutando pela liberdade e democracia tenham valido.

agmisc4Mas na mesma semana recebemos mais outros muitos tapas na cara. Murros. Descobrimos estupefatos que sempre pisamos todos em solos inseguros quando o pó da estrada baixa, após os cavaleiros passarem em garbo buscando culpados, tomando providências, batendo os cascos. Descobrimos, ainda, todos, que o idealismo morreu – vigoram agora os interesses, a divisão, a discórdia, as mentiras, e a desgraça de uma classe média que ainda ousa pensar, tentar reagir, se organizar, mas que dispõe de canetas apenas para abaixo-assinados ou para mostrar a boa marca em eventos sociais. Corajosa, mas apenas atrás da tela de um computador, de um pseudônimo; preguiçosa e egoísta demais para ir às ruas bater bumbo.

graphics-fighting-756075Isso é para a gente deixar de ser bobo, inocente, acreditar em pasteis de vento, que comemos ainda lambendo o leite derramado. Se festejamos alguma vitória, percebemos logo como elas eram apenas miragens no deserto ético. Ainda por cima, todos os dias ouvimos quietos que tripudiem em cima do pouco que achávamos ter conquistado, e eles o fazem de forma bruta, deselegante, terrivelmente avassaladora inclusive em nossas relações sociais – se não pensa como eles inimigo é. Criam exércitos de zumbis, usam robôs eletrônicos, amealham a ignorância, semeiam a discórdia, implodem ou manipulam os fatos, e quanto mais velhos vão ficando mais distantes estarão do que chamo de atingir o bom senso, como diria Tim Maia em seu Universo Racional. São guerrilhas desinteligentes e obtusas.

Não consigo ver passar esse rio em nossas vidas sem me chatear. Não tenho mais preferência de margem para pescar – nem direita, nem esquerda. Até porque não há nada mais antigo e burro do que definir o mundo assim de forma tão maniqueísta. Prefiro apenas navegar com meu barquinho.

agstickfigures2Já pensei diferente, não esqueço não – e a margem esquerda sempre foi a minha predileta, porque tudo o que eu queria e almejava para mim e para o meu país estava lá.

Agora não está mais, quase nada de bom está ali – até ao contrário, infelizmente.

Do meu morrinho de observação vejo reunidas ali só umas pessoas muito chatas e transformadas, além de um monte de piranhas famintas pelo poder, dinheiro e alguma carne nova para triturar.agstickfigures1

São Paulo, 2013, o ano que começou com o ferro e o fogoMarli Gonçalves é jornalista– Anda difícil escrever, ser voz ou dar voz à razão. Agora, ainda por cima, andam querendo destruir e desacreditar a imprensa. Não conseguirão. A gente sempre vai usar o jornal para embrulhar o peixe, incluindo essas piranhas que ora ocupam a margem esquerda. Nossos cães ainda ladrarão muito e farão xixi em cima das fotos deles, sempre flagrados em suas falcatruas.

********************************************************************E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br

Olha só:
Toda semana escrevo artigos, que também são crônicas, que também são nossos desabafos, e que vêm sendo publicados em todo o país, de Norte a Sul. Isso muito me envaidece, porque é uma atividade voluntária que exerço pelo prazer de escrever e, quem sabe, um dia, possa interessar alguém que a financie. No momento, não é o caso – não consigo viver disso sem vocês, leitores. Se você recebe por e-mail é porque está inscrito em nosso mailing, ou porque é jornalista e a gente já teve algum contato. Ou, ainda, está recebendo de outra pessoa – são milhares de repasses, que agradeço muito – que gostou e achou que você deveria ler também.
Tenho um blog, Marli Gonçalves, divertido e informante ao mesmo tempo, no https://marligo.wordpress.com. Estou no Facebook. E no Twitter @Marligo

ATENÇÃO: Por favor, ao reproduzir esse texto, não deixe de citar os e-mails de contato, e os sites onde são publicados originalmente http://www.brickmann.com.br e no https://marligo.wordpress.com