ARTIGO – Se acabar, que seja em pudim. Por Marli Gonçalves

Nossa! Foi indo, indo… já passou. Quando a gente vê já entrou. Estamos no segundo semestre do ano em que o mundo pode até acabar de acordo com uns malucos que só saberemos se tinham razão no dia seguinte. Mas, pior, pensando bem: ainda não acabou, não? Vocês têm certeza?

Não há binóculo, lupa, periscópio, luneta ou bola de cristal que nos ajude a tirar o cabelo da cara e enxergar o que é exatamente que vem por aí; o que vai acontecer, o que será o que será? Não me refiro a nada em especial, mas ao tudo globalizado e embolado que virou a nossa vida e existência. Não há mais nem pums isolados, disfarçados, escondidos ou espremidos. Eles podem ter sido filmados, fotografados, hackeados, grampeados, crocodilados, feicebucados e tuitados.

Por conta disso, tudo passa muito rápido e não temos mais tempo nem de concluir – uma espécie de ejaculação precoce de vida – os pensamentos, chegar às conclusões, aos “finalmente”. Um fato atropela outro – lá está um corpo estendido no chão e em vez de reza, uma praga de alguém que tropeçou nele porque estava andando e teclando, tudo ao mesmo tempo agora.

Senão, vejamos um balanção das coisas: as primaveras árabes já passaram por várias estações, os gregos estão quase se unindo aos troianos, e a China continua crescendo, mas com arreios nos dentes e os olhos bem abertos. Aqui, vamos ter Copa. E Olimpíadas. Já fizemos uma Rio + 20 que foi menos do que um Rio que passou em nossas vidas, mostrando ser mesmo uma papagaiada tantas reuniões para dar com os burros nágua, inclusive do pequeno ser do Irã que já veio e já foi. Ninguém nem curtiu uma prainha, teve tempo de dar aquela sambada com as cabrochas. As presenças foram menos badaladas que as ausências. O melhor foi ver o povo protestando peladão e os índios parando o trânsito com arco e flecha.

Também porque, vamos e venhamos. que o governador do Rio estava com o fiofó bem recolhido depois de ser mostrado com guardanapo na cabeça dançando o tcham na boquinha da garrafa de vinho lá em Paris. O cabra, de repente, desapareceu do cenário político para ver, inclusive, se ninguém lembrará dele e de convidá-lo a ir até Brasília conversar um pouco sobre uma certa letra grega.

Qualquer retrospectiva dos últimos seis meses desaba – igual aos três prédios que inauguraram as desgraças do ano – em números menores de previsões otimistas e apenas eleitorais. Gritam previsões. Sussurram fracassos. Listam medidas e fazem mais leis do que os coelhos se reproduzem, só que sem explicar como farão para que sejam cumpridas.

No primeiro semestre de 2012, de forma heterodoxa, entre outras, e para quem crê em percentuais, o STJ julgou 20% a mais, o STF decidiu um monte de coisas sobre comportamento, baixando ordem com toga, a moagem de cana recuou 28 %, as queimadas aumentaram 56%. O número de latrocínios em São Paulo aumentou 14%. Eu também achei algo sobre os ovinos no Mato Grosso, mas não sei se interessa, já que de ovelhas bastamos nós.

Nestes seis meses a água correu cachoeira abaixo, lavando e revelando muita cara de pau por aí. Por outro lado, uma parte do Nordeste secou, quase rachando. No Norte, o Rio Negro se rebelou contra seu curso e quase foi assistir à ópera no chique Teatro Amazonas, de Manaus.

Passaram-se 20 anos desde que vestimos amarelo de novo e nossos jovens pintaram a cara para arrancar o Collor de lá. Mas ele voltou e está com cartas e cartaz.

Que mais foi notícia nessa nossa retrospectiva particular? As fotos vazadas da Carolina, duas Barbies de carne e osso que apareceram na Rússia, o dia a dia de assassinatos na Síria, o BBB que já foi, a moça que picotou o marido. Um monte de gente casou, teve filhos; outro tantinho se separa justamente porque os filhos nascerão, e não é de um com o outro.

Lula voltou a falar e a atropelar a língua e a nossa paciência, com suas jogadas de fígado. Depois de fazer de um tratamento um show resolveu brincar de eleger poste. Ficou tão afixado na imagem que até ameaçou sair mordendo canelas, sendo que nem se tocou que para isso vai precisar estar perto do chão. Temo que esse instinto foi liberado depois que abanou o rabo para o Maluf que deitou e rolou, se fingindo é de vivo. Erundina foi, voltou e agora me faz pensar que a Marta, mal ou bem, se manteve mais digna.

Enfim, tudo o que mudou não mudou exatamente, mais parece jogo de espelhos. A arte da política virou truco e troco – você me dá aqui que eu entrego lá, junto com a cabeça de alguém em uma bandeja.

Realmente os dias se passaram muito rápido. E se continuarem assim podemos até querer que acabe em pudim. Mas pode acabar mesmo é no barranco.

São Paulo, onde o impossível se junta com o improvável, 2012Marli Gonçalves é jornalistaComo diz um amigo que faz piadas com tudo e vê longe, com as fusões políticas do jeito que vão indo – Maluf, Haddad, Chalita, Temer – não será mais chapa eleitoral. Será um turco-circuito. Cuidado para não enfiar o dedo na tomada, turma!

************************************************************
E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br
ATENÇÃO: Por favor, ao reproduzir esse texto, não deixe de citar os e-mails de contato, e os sites onde são publicados originalmente http:// http://www.brickmann.com.br e no https://marligo.wordpress.com
Navegar é preciso. Estou no Twitter, @MarliGo, Facebook, e no blog : Clica aqui, para ir lá no blog! Visite o site MARLI GONÇALVES – Onde você encontra tudo e muito mais
No Twitter, siga-me! “www.twitter.com/MarliGo
Aqui você encontra todos os artigos anteriores:www.brickmann.com.br