Este blog também é cultura. Já ouviu falar da “Maçã Dourada” do Zé Dirceu? ( ou Nós também temos espiãs ). O da Inglaterra gostava de saladas, de verdes

O post sobre o espião que gostava de saladas que publiquei ontem aqui fez muito sucesso.

E, como tenho muitos amigos gaiatos, com boa memória e um irresistível senso de humor, hoje pela manhã me contaram essa história, da “Maça Dourada” , de Zé Dirceu.

Fui procurar e peguei um texto de uma Veja que contava um pedaço da história da espiã que Zé Dirceu, o “Ronnie Von da esquerda”, garfava. Olha que interessante esse “registro” histórico…

DA VEJA:http://veja.abril.com.br/250902/p_046.html

 “O fraco de José Dirceu pelas mulheres era folclórico. Uma noite, enquanto tirava a roupa para dormir com uma estonteante morena de 19 anos chamada Heloísa, colocou o revólver prateado calibre 22 que sempre carregava consigo na cabeceira da cama. Heloísa o pegou e, como que examinando uma peça interessante, desarmou-o. José Dirceu desconfiou e comentou o fato com amigos, que foram investigar a vida da moça. Ela era funcionária da Secretaria de Segurança, de onde deduziram que se tratava de uma espiã do Dops. Apelidada de “Maçã Dourada” pelos companheiros de José Dirceu, por ter sido uma tentação colocada no caminho do líder estudantil, Heloísa sempre negou que tivesse qualquer segunda intenção – além, é claro, de namorar o jovem radical que atravessara seu caminho”…