#ADEHOJE – TODO DIA, NOSSOS SUSTOS. E A DIVISÃO SE ACENTUA.

#ADEHOJE – TODO DIA, NOSSOS SUSTOS. E A DIVISÃO SE ACENTUA.

 

SÓ UM MINUTO – Quando comecei esse programa há sete meses, logo após o resultado das eleições, mal ou bem, pela experiência, já sabia que todos os dias teríamos muitas coisas para comentar. Primeiro pensei em fazer com humor, mas com o tempo, infelizmente, as coisas foram se deteriorando tanto que até o humor fica prejudicado. Resta a ironia. São cinco meses de um governo confuso como biruta de aeroporto; que propõe retrocessos inaceitáveis e que cria casos em sequência.

Mas garanto que, por mais que soubesse que teríamos problemas, nunca poderia imaginar que seriam tantos! Ministros da Educação como esses dois, o de agora é mais perigoso que o colombiano! – a troca de cargos feitas à faca, relações externas feitas a navalha, ministra da Mulher que não vê os fatos, o da Justiça engolindo sapos seguidamente. O do Meio Ambiente mais um sem noção. E um presidente que, junto com os filhos e uma turma, parecem apenas querer uma divisão ainda maior do que a que vivemos tão apreensivos.

ARTIGO – Padecer no Paraíso. Por Marli Gonçalves

 

O que isso quer dizer exatamente, se é bom ou ruim demais, só o sabem as cinco letras que choram, e provavelmente de raiva quando elas pensam em dar boas chineladas, com vontade de falar umas verdades

Lá vêm, aliás já estão em todos os locais e em todas as formas com os apelos de compre aqui, dê isso, ela vai adorar aquilo, ofertas que nada têm de ofertas. Referências à bondade, beleza, candura, entrega, amor incondicional, quanta alegria e felicidade! Só padece quem não tem? Só padece quem já perdeu a sua? É para quem não quis ser mãe cortar os pulsos?

Ano após ano, essas datas estabelecidas para render homenagens e que viraram grandes momentos comerciais servem muito para a gente ter ideia de como anda a nossa sociedade. Algumas dessas datas avançam pouco, ano a ano tão iguais, tão integradas e indiscutíveis que é o caso de alertar para que paremos um pouco para pensar que raio de paraíso é esse, além da adocicada palavra.

As mães estão felizes? Cada vez que ouço, por exemplo, a quantas desanda a educação no país, ou  mesmo fico sabendo quanto está custando a mensalidade de uma escola privada, de uma universidade, ou mesmo o preço de um livro, eu, que não tenho filhos, me solidarizo com as mães do mundo real. Sempre acho que aí tem o mundo real, verdadeiro, dia a dia brabo e complexo, inseguro; e o outro, da fantasia, da propaganda enganosa, das crianças embonecadas, das celebridades que tornam seus partos e filhos bem tratados em filtros de luz nas fotos e patrocínios, e que ninguém mais nem fala que é para a poupança, pro futurinho.

O que todos eles vão ser quando crescerem? Nada saberão sobre o pensamento, sobre a filosofia, a história, o pensamento? Saberão fazer as contas, ler e entender sobre o que tanto falamos? Voarão em foguetes? Passearão por outros planetas? Descobrirão curas para doenças hoje letais? Saberão a importância da liberdade? Terão aprendido a respeitar as mulheres, a igualdade? Ou terão sido engolidos pelos dispositivos digitais com os quais convivem desde tão cedo? Terão de passar pelo que estamos passando? Conseguirão usar a roupa que estamos usando?

As coisas em volta vêm mudando com extraordinária rapidez. Mas o ser humano ainda é frágil e ao mesmo tempo insano. Em um país que não respeita o mínimo da dignidade e de suas próprias leis, os fundamentais direitos sociais e reprodutivos que deveriam dar condições de decisão às mulheres sobre o que querem mesmo e, se querem, se terão condições de ter e criar seus filhos é cruel mostrar a elas só o lado paraíso – é clamar pelo seu padecimento.

Não para de crescer o número de adolescentes grávidas principalmente nas classes mais baixas e que talvez vejam nisso apenas a beleza de poder afinal ter uma boneca, de carne e osso, e ainda a possibilidade de criar uma família, saindo da sua, desistindo da sua. Como falar em controle da natalidade no país do Bolsa Família, que renega a educação sexual, que fecha os olhos para a realidade do monumental número de abortos ainda clandestinos, que não oferece qualquer salvaguarda a essas pessoas invisíveis? Que não sente os nove meses, nem enxerga o inferno da depressão pós-parto?

Como as mães lidarão com a visível revolução de costumes, de gêneros, as novas e variadas formas de amor? Dizem que seus corações aceitam tudo, perdoam tudo, que defendem seus filhos como as leoas, mas lembro que estas contam com o apoio de outras leoas, e ainda não é muito clara a solidariedade entre as mulheres.

Dia das Mães deveria ser momento de ampla reflexão sobre a condição da mulher, mas não se vê nessa época serem feitas pesquisas sobre o que realmente acontece, como se sentem, suas angústias, a visão do mundo que vislumbram. Esse seria o grande presente: uma radiografia do que é ser mãe hoje no Brasil, no Sudeste, Sul, Centro-Oeste, Norte e Nordeste. Perceber que a Mamma África vive entre nós.

——————————gravida anda

Marli Gonçalves – jornalista

marligo@uol.com.br / marli@brickmann.com.br

Maio de 2019

————————————————————————-

ME ENCONTRE (se republicar, por favor, se possível, mantenha esses links):

https://www.youtube.com/c/MarliGon%C3%A7alvesjornalista

(marligoncalvesjornalista – o ç deixa o link assim)

https://www.facebook.com/BlogMarliGoncalves/

https://www.instagram.com/marligo/

ARTIGO – Os desmaios de maio. Por Marli Gonçalves

Lá vem ele. Já chegou. Daqui a pouco já foi. 31 dias nos quais continuaremos – porque virou uma praga – ouvindo muita gente viajando na maionese, achando-se os maiorais, e que só eles têm a maior moral.

mae faz aviao para bebeAdorei saber que há uma lenda urbana que conta que certa vez uma turma de cariocas foi “premiada” (ou presenteada, dependendo de qual lado você está vendo) com um lote de maionese contaminado com alucinógenos. Daí teria nascido a popular expressão viajar na maionese. Teriam ficado bem doidos, falando besteiras e fazendo coisas bem sideradas, rindo à toa, vendo belezas. Não, não sei onde compra um pote desses, e lembre-se de que comecei dizendo que era uma lenda urbana!

Pois bem, pelo que entendi, a verdade – veja só – é que parece que a expressão foi cunhada em cadeias, como código de comunicação entre os presos, quando algum deles pisava no tomate ou tinha alguma ideia mirabolante, ideias que devem brotar na cabeça de quem fica atrás de grades. Porque se tem uma coisa que ali não deve entrar, e se entrar não deve ser comida, é a tal maionese. Perigo até de viajar sim, para a cidade dos pés juntos, como se dizia antigamente. Babau.

Mas vamos falar de maio, que é a proposta. Especialmente este ano, especialmente este mês, estarei colada em datas e calendários porque vou virar a folhinha de uma fase daquelas que é igual virar o Cabo da Boa Esperança, se é que me entendem. Tenho ainda uns quarenta dias para me acostumar com a ideia. Ainda bem que em boa companhia, de estrelas como Madonna e Sharon Stone. Ou, se ainda estivessem vivos para comemorar, Michael Jackson e Prince. Tem muita coisa que nasceu nesse ano em que nasci, muita gente interessante, um marco na história política brasileira e de acontecimentos em outros países. Um ano bem simpático, eu diria. Podíamos até ganhar a Copa de novo, hein?

Talvez eu fale mais sobre isso, os dias passando, esse mês. Não que seja coisa que preocupe, mas por ser algo sobre o qual é necessário e obrigatório pensar, falar, discutir, especialmente sendo mulher. Aliás, as mulheres até nisso sofrem mais pressão a vida inteira. Puberdade, menstruação, menopausa, idosidade, palavra que não existe, mas tem sentido, ô se tem sentido. viajandona

Maio é mês bem feminino. Tem dia das mães. É mês das noivas. Mês de lembrar-se da Princesa Isabel e da abolição da escravatura. De Nossa Senhora de Fátima e sua aparição junto aos pastorinhos. Em maio ocorreram muitas revoluções (Revolução Cultural Chinesa), independências (Israel, por exemplo)..

Este aqui, maio agora, chega com dois feriados elásticos. É mês, pelo que vemos, de dar à luz novas ideias, movimentos, ações. Adoraria ter a bola de cristal, o dom da vidência, conhecer o caminho dos astros para poder prever mudanças aqui para a gente também. No mínimo adoraria dar a notícia de que estamos, enfim, andando para a frente.
Infelizmente ainda teremos que lidar com toda essa gente poderosa viajando na maionese. Mas uma maionese especial deles, com a qual devem estar lambuzando o pão.

Passando no cabelo, usando como hidratante, enchendo a cara. Essa fórmula, que vem em forma de malas, não de potes, provoca arroubos neles.

Nós continuaremos aqui tendo alucinações, sim, sonhando com o dia em que vão ser sérios e que parem de viajar na batatinha, que já está assando.

____________________________________

MARLI

Marli Gonçalves, jornalista – Agora vou me ocupar de saber os direitos que ganharei. E já aviso: nada de maiô. Gosto de biquíni.

Brasil, de 1958 a 2018

 

marligo@uol.com.br
marli@brickmann.com.br

ARTIGO – Estranhos dias. Por Marli Gonçalves

Novamente vou ter de me socorrer com você, perguntando se a sensação de que, de alguma forma, os dias andam meio estranhos, se é sensação só minha ou se você também definiria assim. Eu não sei nem ao menos descrever exatamente como ela é – está ali pinicando. Não é de todo negativo, nem chega a pressentimento, mas incomoda porque nos obriga a estar alertas, ligados. Inquietos. É isso? Só para eu saber.

Estranhos dias de um estranho país. Entenda por estranho todas as definições da palavra: atípico, fora do comum, diferente, misterioso, que não se conhece; que apresenta mistério, que tende a ser enigmático. Por fim, que causa um sentimento meio incômodo.

Por exemplo, vamos tomar a greve geral convocada para essa semana. Foram verdadeira, real e totalmente esquizofrênicos os dias anteriores – até o maior telejornal do país fez de conta de que não existia, que não tinha nada acontecendo – e, mais ainda, o dia da dita cuja.

Antes, o mundo se dividiu em: pessoas que não têm a menor ideia do que é uma greve geral; os que esqueceram que uma dessas da boa deve contar com uma soma de reivindicações que sejam da ampla maioria para funcionar, expressiva; até aos que associaram tudo apenas aos petistas ou aos preguiçosos ou aos que apenas queriam emendar o feriado. Era besteira de tudo quanto é lado. E até agora, horas depois, eu ainda não descobri exatamente a pauta política além dos sindicatos. Só sei que vivi para saber que quando centrais inimigas se unem é porque tem muito caroço no angu. E não é para o prato do trabalhador.

Os de sempre que apoiam os que foram e hoje estão em grandes apuros comemoraram vitória como se não houvesse amanhã e que alguma coisa vá mesmo mudar, além da queima de estoque de pneus, o prejuízo do comércio, os feridos, os ônibus-tocha, o festival de bombinhas de efeito moral e o sapecante gás pimenta (curiosidade: quanto custa cada lata dessas?). Ôpa-ôpa. Realmente conseguiram parar o país. Isso não dá para discutir, mas eles não podem acreditar que milhões de pessoas aderiram e os apoiam. Não tirem o pé do chão, por favor, não viajem nesse orgulho que os farão perder ainda mais o foco. E é preciso que haja oposição. Sempre. Mesmo que desordenada. Igual placa no metrô: deixe a esquerda livre.

Sim, parou tudo. Aqui em São Paulo não vi um ônibus na rua. Enfim, se pararam os transportes, ônibus, metrô, trem, muitas pessoas que não sabem nem onde estão parados mas que têm de bater ponto para comer, não puderam ir aos seus trabalhos e viraram …grevistas! Ninguém perguntou a eles, como na igreja, no casamento: “É de sua livre e espontânea vontade a decisão de não comparecer ao trabalho hoje, em protesto contra… contra” …

Contra o que mesmo que era?

Não me agridam, nem quem achou que não houve nada (houve sim), nem quem achou que foi o maior sucesso. Não foi. Está tudo muito estranho!

No mesmo dia era divulgado que 14 milhões e 200 mil pessoas estão desempregadas, e procurando trabalho, que é o que as coloca dentro dessas estimativas. Imaginem – e vocês conhecem, estão vendo, sentem na própria pele, os milhões que desistiram e estão se virando por conta própria, inventando novas formas de sobrevivência.

No mesmo dia também ficamos sabendo que o Brasil tem 17 mil sindicatos, garantidos por um dia de trabalho suado que até agora era tirado compulsoriamente do salário. Será por não quererem que acabe essa baixa fresca que as centrais se uniram? Será?

Já fomos mais legais que isso tudo, que estas picuinhas. Tudo agora racha. Num sei o que racha opiniões; num sei o que lá divide as pessoas. Tudo racha. Racha para lá. Racha para cá.

Maio chega sem graça, e com perspectivas de notícias tenebrosas vindas do Oriente que sacudiriam toda a humanidade. Mais dias estranhos e tumultuados vão sendo agendados, e cresce o desconforto com tudo. E a falta de opções para nada disso.

___________________

portrait perfilMarli Gonçalves, jornalistaPare do lado de grupos de pessoas conversando. Como quem não quer nada escute só sobre o que elas estão conversando. É muito estranho. Fiz isso lá no dia da greve. Voltei para casa correndo. E achando tudo muito mais estranho ainda.

Maio, 2017

________________________________

marligo@uol.com.br

marli@brickmann.com.br

@MarliGo

ARTIGO – Desse jeito, até maio desmaia. Por Marli Gonçalves

No meigo mês de maio vai ter tanta pipoca estourando que vai parecer até que junho chegou junto, acoplado igual nave e com todas as festas caipiras. Pode escrever. Rojão, buscapé, foguete, muitos traques e o cordãozinho cheiroso, barbante, fedegoso, aceso, queimando até as roscas do forno

Tapem os narizes que vai espalhar para tudo quanto é lado. Se der, aproveite e tape os olhos e os ouvidos. Melhor: se possível saia para o alto-mar, lá no super longe. Eu não posso, mas bem que tentei. Cheguei a me inscrever numa promoção para passar a primeira semana inteira do mês num navio lá no Rio Negro, no Amazonas, em um encontro literário que achei bem legal, só que inacessível à minha minguada carteira.

Mas não deu – não me escolheram. Eu já estava com a tanga na mão, caneta na malinha, mas não deu. Não tenho mesmo sorte nessas coisas de concurso, premiação, loteria, sorteio. Desisto. Devia ter pedido para meu irmão; esse sim, sempre consegue alguma coisa. Além de ingressos, CDs, já peguei de acompanhante até um fim de semana maravilhoso no Rio de Janeiro, com tudo pago, na esteira do amuleto do Paulinho da Viola, acreditam? De outra feita quase fomos parar na Austrália, mas ele acabou raspando só o segundo lugar e aí ganhamos só um robozinho-coelho que atualmente jazzzzz inerte. Era promoção de uma doceira!

Sendo assim, estaremos juntos por aqui, de mãos dadas, neste mês de maio, do meio do ano, meia boca, mas cheio de datas de comemoração bem bonitinhas, além das tradicionais. Tem Dia do Trabalho, dia 1º; Dia do Silêncio, psiu, no 7, mas que ninguém vai cumprir; e, ainda o Dia Internacional contra a Homofobia, no 17, para citar os bonitinhos, os dias. E os protegidos por ele. Poderemos ter boas ideias e sugestões para limpeza e varrição para comemorar no Dia do Gari, 16; ou para espalhar pelo infinito, no Mundial da Internet, 17 de maio. E eu não quero que você ria nem jogue a sua; mas dia 25 é o Dia da… Toalha!

(Alguém pode me dizer de onde saem essas datas todas? É isso que os políticos mais fazem mesmo, semana após semana, nas Câmaras e Assembleias? Datas e ruas?)

Só que esse maio vai ser ainda mais diferente, maior nos seus 31 dias. Vai ter mãe de joelhos rezando pelos filhos, ou levando marmitinha, ou melhor, “jumbo”, como é chamado o pacote de cadeia. Não sou Mãe Dinah, mas já dá pra ver que vai ter paradeira, vai sim senhor! Sabe por quê? Pensa comigo: são tantos bilhões de reais, por exemplo, só os dinheiros que são movimentados pela empreiteira encalacrada do alfabeto grego. E uma grandona que para, param as outras, para tudo, para trabalhadores, param salários, vem parando até chegar em você. Paraquedas! Para até a Copa das árvores. Já começou no Maracanã, cara-pálida!

Fora o resto do dinheiro que aproveita o ensejo e se esconde junto, fora o empurrão dos especuladores. Vai por mim.

E outra coisa: tanto interesse na CPI, mista, quente, não é exatamente para melhorar a situação do país. Nem para sanear, varrer, limpar, enxaguar nada. Vou dizer que desse alfabeto ainda pode sair muitas letrinhas esquisitas, alfa, beta, gama, delta, épsilon, zeta, eta, teta, iota, kapa, lâmbda, mi, ni, xi, ômicron, pi, rô, sigma, tau, úpsilon, fi, qui, psi, ômega. Não, não estou xingando ninguém. Repara que o conta-gotas continua a pingar, lentamente, todo o dia, dia a dia. Alguém ganha tempo. O bagulho é grego.

Desse jeito, até as noivas de maio já estão se arrepiando e pondo as manguinhas, os buquês, os véus e, especialmente, a cauda de molho. Cauda é importante e deve ser bem preservada, vocês também sabem.

Tem flor de maio que já está até nascendo antes do tempo para se adiantar. Tem onça bebendo água no lugar errado. Em maio até os maias e suas cassandrices serão lembrados, porque se esta CPI lá de Brasília não será A do Fim do Mundo que eles formaram, do começo é que também não vai ser.

Aliás, CPI não. CPMI. Com M. De Maio. De Mista. E?

São Paulo, cintos amarrados, fone de ouvido, 2012

Marli Gonçalves é jornalistaJá está até tomando extrato de folhas de amoreira. Para uma coisa. E só pode fazer bem para um outro monte: tem amor no nome.

************************************************************
E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br
ATENÇÃO: Por favor, ao reproduzir esse texto, não deixe de citar os e-mails de contato, e os sites onde são publicados originalmente http:// http://www.brickmann.com.br e no https://marligo.wordpress.com
Navegar é preciso. Estou no Twitter, @MarliGo, Facebook, e no blog : Clica aqui, para ir lá no blog! Visite o site MARLI GONÇALVES – Onde você encontra tudo e muito mais
No Twitter, siga-me! “www.twitter.com/MarliGo
Aqui você encontra todos os artigos anteriores:www.brickmann.com.br