Vamos dar um pau nessa graciosa do (In)Feliciano? Ou melhor: dar um pau para ele. Esse cara tem família? Sabe ler? Ignorante de quinta categoria.

DO ESTADÃO:

BANG-LINDA COM ARMAFeliciano quer vetar projeto de auxílio a vítima de estupro

Para ele, proposta amplia a possibilidade de qualquer mulher buscar a rede pública a fim de realizar um aborto; ‘A gravidez não pode ser tratada como uma patologia. Muito menos o bebê gerado pode ser comparado a uma doença ou algo nocivo’, diz
Rafael Moraes Moura / Brasília – O Estado de S.Paulo

A ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, recebeu ontem lideranças religiosas que pedem vetos ao projeto de lei que obriga hospitais ligados ao Sistema Único de Saúde (SUS) a atender mulheres vítimas de violência sexual. O deputado Pastor Marco Feliciano (PSC-SP), presidente da Comissão dos Direitos Humanos da Câmara, também enviou um ofício à presidente Dilma Rousseff para reforçar o pedido.

Feliciano recomendou, em ofício, veto parcial da lei - André Dusek/AE
André Dusek/AE
Feliciano recomendou, em ofício, veto parcial da lei

O Estado apurou que os religiosos se dividiram entre o veto integral ou parcial ao projeto, aprovado no Senado no dia 4. O trecho que mais encontrou resistência trata da obrigação dos hospitais de prestarem serviço de “profilaxia da gravidez”, o que, na visão de entidades, abriria brechas para o aborto. A profilaxia da gravidez, para o Ministério da Saúde, trata do uso da pílula do dia seguinte.

O governo deverá analisar a reivindicação das lideranças e encaminhá-las a Dilma, a quem caberá sancionar ou não a lei.

Participaram da audiência representantes da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), da Federação Espírita do Brasil, do Fórum Evangélico Nacional de Ação Social e Política, do Movimento Nacional da Cidadania pela Vida – Brasil Sem Aborto, da Associação Nacional da Cidadania pela Vida e da Confederação Nacional das Entidades de Família.

Ofício. Feliciano, por sua vez, recomendou, em ofício, veto parcial da lei. O deputado pede o veto dos incisos IV e VII do artigo 3.º do projeto: “O atendimento imediato, obrigatório em todos os hospitais integrantes da rede do SUS, compreende os seguintes serviços: IV – profilaxia da gravidez; VII – fornecimento de informações às vítimas sobre os direitos legais e sobre todos os serviços sanitários disponíveis”.

Feliciano entende que a proposta amplia a possibilidade de qualquer mulher buscar a rede pública a fim de realizar um aborto. “A gravidez não pode ser tratada como uma patologia. Muito menos o bebê gerado pode ser comparado a uma doença ou algo nocivo”, diz.

Tem mais escorpiões no Congresso do que nossa vã imaginação poderia pensar. Olha esse aprisionado na garrafa. (Não dianta achar legal: ele não é seletivo; não pica infelicianos & cia

scorpioEscorpião na chapelaria

O Congresso não abriga apenas ratos de toda sorte. Explica-se: para quem não lembra, um roedor morto foi encontrado nas dependências do Senado no mês passado.

Hoje, nada de ratos: a equipe responsável pela limpeza capturou um escorpião na chapelaria, em frente à principal porta de entrada do Senado, escondido num banco da área de fumantes.

Ninguém foi picado, por sorte. O local é frequentado, principalmente, por servidores e visitantes. Tirando Vanessa Grazziotin e Cásio Cunha Lima – ambos apenas de vez em quando – parlamentares não costumam aparecer por ali.

FONTE:

Por Lauro Jardim – RADAR – VEJA ONLINE

Não podemos deixar esse cara se mexer. Pode chamar de bicho escroto esse pastor Marco (IN)Feliciano? Ele depõe contra a sua própria religião

afrique-06Deputado quer deter casamento gay e aborto de anencéfalos

Feliciano tem projetos para reverter decisões do Supremo e diz que papel de deputado é ‘extensão’ da atividade como pastor

BRUNO BOGHOSSIAN – O Estado de S.Paulo

Em seus dois primeiros anos de mandato, o pastor Marco Feliciano (PSC-SP) apresentou projetos que tentam suspender a união civil de pessoas do mesmo sexo e a legalidade do aborto de anencéfalos – autorizados pelo Supremo Tribunal Federal.

Feliciano tentou barrar a aplicação das decisões da Corte sob a alegação de que o tema só poderia ser tratado pelo Congresso.

No texto em que questiona a união civil de homossexuais, o deputado afirma que a autorização dada pelo STF foi um “golpe”. Ele evita usar a expressão “casais” – usa a expressão “duplas homossexuais”.

“A menos que se reformasse a Constituição, os militantes homossexualistas jamais poderiam pretender o reconhecimento da união estável entre dois homossexuais. Isso é o que diz a lógica e o bom senso”, escreveu.

Feliciano costuma citar versículos da Bíblia nos projetos que apresenta. Sua ação legislativa é marcada por propostas de interesse da bancada evangélica.

Em discurso em plenário, em outubro do ano passado, pediu que os deputados religiosos lutassem contra projetos e decisões que autorizassem o aborto e o casamento gay.

“Como pastor evangélico, encaro o mandato político como extensão do meu ministério, cuja responsabilidade maior é dignificar o nome de Jesus Cristo”, disse. “A lei de Deus é só uma e vale para todos. Deus ama a todos, mas abomina o pecado.”

O deputado é autor de um projeto que obriga a Casa da Moeda a inscrever a expressão “Deus seja louvado” nas cédulas de real e de outro que cria o Programa Nacional Papai do Céu na Escola.

“Precisamos resgatar o ensino religioso em nosso País de maneira sábia, simples, coerente e contínua. Queremos ver os filhos desta Nação olhando para a imensidão do cosmos e dizendo: Há um papai do céu que cuida de nós!”, escreveu.

Feliciano também propõe a internação de “estupradores contumazes”, com possibilidade de castração química.