ARTIGO – Salve-se quem puder!Por Marli Gonçalves

98x98_63fms_raio_190v8kDeseducação, deselegância, pouco caso, grosserias e mentiras ditas e repetidas como mantras, acompanhadas de imagens publicitárias, incentivos ao confronto como turbas enfurecidas. Será a água que bebemos, o ar que respiramos? Ou é apenas o chão que pisamos, território nacional?bateau003

Corre na internet uma velha piada, a de que as grávidas e os velhos devem dar sono porque basta que se aproximem para que todas as pessoas apareçam dormindo nos ônibus e transportes coletivos. Todos os dias surgem nas redes sociais postagens muito reais e verdadeiras, várias documentadas com fotos, com exemplos espantados de enfrentamentos ou de situações verdadeiramente primitivas, e totalmente deselegantes, como diria a Annenberg. Problema é que elas estão se avolumando de forma assustadora, em todos os níveis, e nós não podemos continuar considerando normal essa situação, porque já seria uma derrota geral.

Surgem imagens de carros parados em vagas exclusivas e seus donos jovens e fagueiros ou pomposas senhoras ligando os seus foderaizers particulares, dando de ombro, vários até bem ameaçadores. Surgem murmúrios, reclamações e constatações sobre pequenos encontros e esbarrões, e de tanto ouvi-los, chego à conclusão que infelizmente houve uma morte terrível e não anunciada: as desculpas, o pedido de desculpas. E sinto ainda informar que se encontram em estado grave as expressões “com licença”, “obrigado”, “por favor”.

dfjc24adComo ninguém – eu disse ninguém – pode me chamar de careta, reacionária ou outros adjetivinhos em voga na boca da turba louca, me divirto muito, porque escrevo mesmo: estamos andando para trás, estamos regredindo, perdendo o sentido do social, que não é só o que os tais últimos dez anos de poder político apregoam. Social é convivência, cidadania, solidariedade, e não é bem o que a gente vê sendo incentivado, muito menos naquele Brasil engraçado ( que desconheço, assim como várias pessoas que consultei) que mostraram na tevê no horário político do PT essa semana. Como tão bem descreveu um amigo, ao ver a imagem do mapa do Brasil subindo, em relevo, da Terra, saindo para a órbita celestial, decolando, conforme diz o narrador: “Decolou mesmo. Está indo para o espaço!”

trem fantasmaPensando no assunto, do ponto de vista social, não político, percebi que apareceu uma nova e devastadora cultura, à qual chamarei provisoriamente de cultura BBB, reality show. Aquele bando de brucutus e brucutuas sem cérebro, querendo vencer a qualquer custo e ganhar uns trocados e alguns segundos de fama, moralistas, muitos homofóbicos, fazendo fofocas e intrigas, estabelecendo padrões angustiantes, tanto estéticos como morais. Nem a nudez mais é pura como devia ser. Nos vestiários femininos e masculinos de academias assistimos às mais novas acrobacias, de dar inveja aos contorcionistas! Outro dia me contaram rindo muito uma cena de um cara que, de tanto medo de ser, digamos, “comido com os olhos”, se entortou todo para botar uma cueca mais rápido que a luz, depois de tirar aquela bermuda justinha que os lutadores usam nos treinos. E olha que estou falando de jovens, ok? Não há mais flor da pele, apenas nervos aparentes.

Falo de uma guerra urbana na qual vemos todos os dias nos noticiários os resultados e eles são a cada dia mais cruéis. Bicicletas esmagadas, bebês esmagados, mulheres esmagadas, animais esmagados. Não tem dia não tem noite não tem calmaria. Não tem lugar. Aumentam assassinatos, estupros, professores espancando alunos e vice-versa. Não tem idade, só brutalidade.

Tente sair com o espírito leve, solto, tralalá,tralálá. Só com sangue de barata conseguirá voltar para casa sem ter se irritado, sem ter sido maltratado, ou literalmente pisado pelos transeuntes que agora andam só de cabeça baixa teclando alucinados seus celulares e dando encontrões por aí.

Tente passar sozinho por um grupinho de celerados iguais, com seus risinhos irônicos e comentários entre dentes. Tente esperar que lhe deem passagem voluntariamente.

Pior, quando o caso requer, tente procurar autoridades para ajudar.

Viraremos todos mosqueteiros ao contrário. Ou empunhando espadas por aí.

São Paulo, SOS, 2013 MEDITATIONMarli Gonçalves é jornalista– Tem horas que busca a calma lá nos fundinhos. Da alma.

********************************************************************E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br

Tenho um blog, Marli Gonçalves, divertido e informante ao mesmo tempo, no https://marligo.wordpress.com. Estou no Facebook. E no Twitter @Marligo