Observação interessante. Da Coluna Radar, Veja online. Sobre o aborto e a opinião que pode mostrar a realidade

Como o aborto pode se tornar legal

Lady Justice

Um ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) não esconde dos colegas que se lhe cair nas mãos um processo qualquer  contra uma mulher acusada do crime de aborto, ele vai se recusar a a puni-la, mesmo que não se trate de caso terapêutico ou resultante de estupro.

Uma decisão dessas, tomada por um ministro do STF, tem força para abrir uma discussão definitiva na corte constitucional, que pode vir redundar na legalização do aborto.

O ministro não acredita que, em caso de legalização, os pronto-socorros do SUS vão ficar mais sobrecarregados do que já estão. Diz ele: “As complicações médicas advindas do aborto ilegal levam muitas mulheres a procurar o SUS, mas isso não aparece nas estatísticas”.

Da redação

Dança das cadeiras no STF: como funciona

Dança das cadeiras

Novo lugar no STF

Com a aposentadoria de Cezar Peluso, uma dança das cadeiras foi feita no STF.

Marco Aurélio Mello, que não é dos maiores fãs de Joaquim Barbosa (sendo a recíproca verdadeira), senta-se, agora, ao lado do colega, na bancada que fica à esquerda de Ayres Britto.

Ricardo Lewandowski e Dias Toffoli, únicos a absolver João Paulo Cunha, mudam de bancada, vão para a que fica à direita de Britto, mas seguem juntos, sentados lado a lado.

No STF, a antiguidade do ministro determina em que cadeira ele vai sentar. O decano Celso de Mello, por exemplo, fica na primeira cadeira à direita do presidente. O segundo mais antigo, Marco Aurélio de Mello, fica na primeira à direita, e assim consecutivamente.

FONTE – Por Lauro Jardim – COLUNA RADAR