Não é que o povo está aderindo à foto na privada? É o WC planking

Já não bastando os que morreram, caindo de varandas, e nos lugares mais inusitados, agora a onda é fazer planking na privada! Peguei alguns exemplos.

 

Planking de privada
ganha adeptos e vira
hit na internet

ARTIGO – Deve ser moda. Deve ser. Só pode ser.

MARLI GONÇALVES

Lembro sempre do coelho da Alice, aquele que comemora desaniversários todos os dias. Mas no caso falaremos é de deselegâncias, que o povo anda fazendo a torto e direito todos os dias. Tem também umas manias…

Encontros marcados e desmarcados em cima da hora, como se não fizéssemos mais nada a não ser sempre estar à disposição, com um tapete vermelho, pronto a ser estendido. Respostas prometidas que nunca chegam. Projetos solicitados para “ontem” que se desintegram no ar junto com quem pediu. Ando notando e anotando que – digamos – a “etiqueta”, a mínima, a básica, a da educação, virou mesmo uma coisa fora de moda.

Se isso ocorre habitualmente no mundo empresarial, onde sempre há algum dinheiro envolvido, deve andar muito pior ainda no convívio social. Nem é mais o caso do tal telefonema do dia seguinte que as mulheres (como se não acontecesse com os homens) tanto esperam. Esse já virou mito. Lembro que chegava a ficar tirando o telefone do gancho toda hora para ver se ele estava funcionando mesmo, queria ouvir o barulho da linha, e era capaz de brigar feio se alguém ousasse “ocupar” o aparelho. Sempre achava que exatamente naquela hora a pessoa ia ligar, ia dar ocupado, e baubau. Quando não havia tanta tecnologia nos sujeitávamos a cada uma! E nem vem: você também já fez isso. Apenas admita.

Agora não, já estamos na sala da Casa da Mãe Joana, e com os pés em cima da mesa. Se nego diz que vai ligar, bah! ninguém mais nem acredita mesmo, tal é a esbórnia. E logo agora que não há mais tantos álibis de dificuldades com o advento do celular, SMS, caixa postal, orelhões, telefone sem fio, fora redes sociais, etc. Outro dia me toquei de uma morte horrível – que não chegou a ser registrada e lamentada – e de uma coisa que, pelo menos para mim, era parte da “família”: a coitada da secretária eletrônica, que sempre levava culpa por alguma coisa, ou por pegar o recado e não transmitir, assim como falhar justamente quando não podia, às vezes por mera falta de luz. Eu amava minha recadeira. Hoje, a aposentei. Ela, que ficava em casa quando eu ia trabalhar; e o telefone fixo, aliás, aposentado junto.

Agora também todo mundo mente, na cara dura. O que é pior, contando com a ajuda da péssima qualidade dos serviços públicos que realmente estão inacreditáveis – e eu sei por que me obrigo a usar pelo menos duas operadoras para me garantir. Mesmo assim, toda hora tem um esperto (a) tentando! Você pode ter passado o dia atendendo o celular, de um monte de gente, parado em um mesmo lugar, sem nem passar em túneis. E quando pergunta por que AQUELA pessoa não ligou, a resposta, invariável. “Eu liguei, mas não dava sinal”. Ou, pior: “Liguei, mas caiu na caixa postal”. Carambas, Caracas, caracolas: para o que serve a “!%#@+*” da tal caixa postal? Não foi criada exatamente para pegar a mensagem?

Ou as pessoas são tão tímidas que não conseguem falar com a boca no microfone? O que custa?…hum hum

Enfim, deve ser moda. Outra: você dá passagem para o sujeito atravessar na rua, e ele vai lento, balançando a bunda, olhando pra sua cara com certo ar bovino; isso quando não atravessa a rua de costas, na diagonal e ainda te xinga se bobear. Tem essa, outra, o de se fazer de bobo para viver, de desentendido: você pergunta uma coisa, ou observa algo, vê claramente que a pessoa ouviu muito bem, mas esta, talvez por hábito, “ganha tempo” e devolve: “Hein? Hein? Como? O que disse?”

Só pode ser moda. Você, recheado de razão, vai reclamar de algo. Por exemplo, com o síndico. Ou com a empregada de casa. No trabalho. Na loja. E o que acontece? O outro lado vem e te despeja uma história que não tem nada, nadica de pitibiriba, a ver com o caso, em geral mais triste do que a crucificação de Cristo, ou para justificar, ou para te deixar com a cabeça caída. Responde, mas mandando tal carga negativa que você tem vontade é de sair dali voando e se internar num convento, passar a cuidar apenas de atividades filantrópicas, doar tudo o que tem. Agora, aprendi: fez isso? Ah, vai ouvir um cabedal, uma cachoeira, um rio caudaloso de problemas porque aí recolho todos – os que eu já tive, tenho e talvez terei, ou li sobre em algum lugar; peço emprestado os problemas dos amigos e afins, criando mais detalhes verdadeiramente escabrosos, pingando sangue, suor e lágrimas. Ora, façam-me um favor!

Deve ser. Deve ser moda. Só pode ser. Ou bactéria. Pegou na política também. Petistas e simpatizantes andam batendo verdadeiros recordes nisso, em torcer a porca, mudar o foco quando são flagrados, explicar que não é bem assim, “ô gente ruim”! Não há assunto, denúncia, fato comprovado que apareça que eles não digam que tudo não passa de mera invenção da mídia conservadora burguesa que não quer deixar que acabem as injustiças sociais e pretende detonar as grandes conquistas dos trabalhadores, travar o desenvolvimento e o crescimento da Pátria. Todas, claro, vantagens obtidas apenas por ele, O Criador, claro, O Lula, quando o mundo começou – não sei se você sabe, fato que ocorreu apenas em 2002, Ano da Assunção. No futuro não haverá arqueólogo, sociólogo, que entenda essa Era, nem chupando os ossinhos que escavarem.

Impressionante. E eu achando que já tinha visto de tudo.

São Paulo, 2011, 9 anos DDP (Depois Deles no Poder)(*) Marli Gonçalves é jornalista. Aliás, também deve ser moda ser jornalista. Porque agora todo mundo, incluindo atores e humoristas, se apresenta como repórter, jornalista, apresentador de tevê, comunicador, famoso, entrevistador, perguntador, blogueiro. Fuja dos que se dizem “independentes”. É moda, e vai passar..

************************************************************E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br
ATENÇÃO: Por favor, ao reproduzir esse texto, não deixe de citar os e-mails de contato, e os sites onde são publicados originalmente http:// http://www.brickmann.com.br e no https://marligo.wordpress.com// Aqui você encontra todos os artigos anteriores:www.brickmann.com.br
Estou no Twitter, @MarliGo, Facebook, e no blog : Clica aqui, para ir lá no blog! Visite o site MARLI GONÇALVES – Onde você encontra de tudo e muito mais
No Twitter, querendo seguir e ser seguida: “www.twitter.com/MarliGo

ARTIGO – Vista-se com isto.

                                                                                                            MARLI GONÇALVES   Já que agora somos livres para dizer e apelar para o que queremos, vamos desfilar por aí. Suba nessa passarela. Já pensou se usássemos nossos corpos como cartazes, com roupas que passassem recados por aí? Quanta coisa para dizer! Mensagem do dia. Tabuleta. Bandeirinha. O que você escreveria na sua?

O menino vinha andando, mãos no bolso, um ser normal, aparência tranquila. Mas ele – só pode ser – queria mesmo é se comunicar sem falar, mantendo informadas as pessoas com quem cruzasse, para que ficassem longe – me pareceu que era uma preguiça até peculiar de explicar muito. REVOLTADO: era o que diziam as letras brancas em sua camiseta preta. Apenas isso: revoltado. Ninguém sairia com uma dessas, sem se sentir assim. Sem estar assim. Sem ser assim. E revoltado com tudo, sem exceções. Palavra forte, essa.

Vi esta cena já há alguns dias, mas ela ficou na minha cabeça. Vamos virar cápsulas daqui a pouco. Penso que cada vez mais, até por conta de tantas tecnologias, nos fechamos em nós mesmos. Isso não é bom. Pensou se, por exemplo, a gente pudesse ter uma eletrotela na cabeça, que ficasse passando o noticiário, o “nosso” noticiário? Um Twitter vivo? “Não fale brusco comigo. Estou na TPM”. “Quero que o mundo acabe em melado”. “Hoje vou à luta”. “Passa um SMS”. “Só ligo a cobrar”. “Dormindo em pé”.

Já conhecemos aqui nesta terra um presidente que, quando começou a se isolar, comunicava-se por intermédio da camiseta com a qual corria no fim de semana, e chegou até ao deselegante “aquilo roxo”. Um tanto grosseiro, mas esse cidadão ainda continua por aí, de volta aos círculos íntimos do poder. Devia usar uma assim: Bandido.

Aperfeiçoando a minha invenção, já pensou se fosse como uma máquina da verdade, daquelas que lêem seus pensamentos? O que diria a eletrotela de Dilma Rousseff? E quando está ao lado de Michel Temer? Você não tem essa curiosidade? De vez em quando, admita, também não imagina e põe balõezinhos na cabeça das pessoas, ou na sua mesmo, com um pensamento que fica ali pairando? Sabe aquele desenho que tem bolinhas e o balão, para denotar que é apenas um pensamento? Alguns são realmente censuráveis.

Não é tão louca a ideia, gente – já existe, já vi, passa uma mensagem vermelha, um banner, mas só para duas ou três palavras, fixadas na fivela do cinto ou mesmo no peito de uma camiseta. Você programa. Não é a coisa mais bonita do mundo, mas escuta só que não vai demorar e algum maluco beleza lança algo em laser, ou holografia, 3-D, neon, tinta invisível. Vai ser um aplicativo.

Aqui só fiz aperfeiçoar a “criação”, dar uma de stylist, e desejando única e exclusivamente melhorar o entendimento entre os humanos que não anda nem um pouco fácil. Mal ou bem, se a gente pensar, essa onda de tatuagens não deixa de ser essa forma de expressão, só que mais radical; imagem eterna. Faz, mas não dá para mudar mais de ideia, nem de estado de espírito. Se tatuou dragão, não vai mostrar borboleta; se tatuou beija-flor, não dá para virar urubu de uma hora pra outra. Não pega nem bem. Sacou?

Melhor então é voltar à proposta inicial, roupas. Uma palavra. No máximo duas, uma composta ou substantivo + adjetivo, um sinal de pontuação. Pensei também se não seria uma boa uma coisa até mais intelectual, mas que também dissesse tudo sobre você. Viajei na ideia de um vestido preto, simples, com bom caimento, com as letras no peito, brancas: “BALZAC?”. Ou talvez apenas SADE, SARTRE, DALI, CONFUCIO, PICASSO, DA VINCI, PELÉ. Depende de quem você gostaria de estar representando, ou de quem você gostaria de ter como se fosse um autógrafo no corpo.

Estampas não faltarão. Inclusive na linha bons desejos. Teve uma época que uma grife fez umas assim, mas começaram a piratear e eles desistiram. A linha era essa: Paz, Amor, Fraternidade, Igualdade, Liberdade. Proponho Verdade, Mentira. Tive um par de meias assim que amava: um era YES; o outro pé, NO. Serviam também como sinalizadores.

Longe da política e da militância a favor de qualquer coisa, podíamos pensar também em uma linha de lingerie especial, para homens e mulheres: Aperte Aqui, Abra devagar, Entre. Fique. Também poderiam ser usados os símbolos internacionais de trânsito. PARE. Curva acentuada à direita. Siga em frente. Cuidado: obstáculo. Livre, à frente. Proibido parar.

Garanto que ia ter um monte de gente comprando, para ver se melhorava a comunicação em casa. Uma coisa bem particular. Ou na rua. Agora podemos tudo, mesmo. Somos quase LIVRES.

São Paulo, TRÂNSITO PARADO. CONGESTIONADO. TÚNEL INTERDITADO. 2011.
(*) Marli Gonçalves é jornalista. Já pensou se combinássemos todos e passássemos a fazer SEGREDO ETERNO também dos nossos gastos com a copa e cozinha?

************************************************************

E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br
ATENÇÃO: Por favor, ao reproduzir esse texto, não deixe de citar os e-mails de contato, e os sites onde são publicados originalmentehttp:// http://www.brickmann.com.br e no https://marligo.wordpress.com// Aqui você encontra todos os artigos anteriores:www.brickmann.com.br
Estou no Twitter, @MarliGo, Facebook, e no blog : Clica aqui, para ir lá no blog! Visite o site MARLI GONÇALVES – Onde você encontra de tudo e muito mais
No Twitter, querendo seguir e ser seguida: “www.twitter.com/MarliGo

Assuntos altamente sérios: como Léa T. esconde o pênis

Lea T. explica a Oprah como esconde o pênis para tirar fotos

DE SÃO PAULO

A top model brasileira transexual Lea T., 28, explicou em entrevista à Oprah Winfrey como faz para esconder o pênis durante sessões de fotos.

“Todo mundo me pergunta isso, especialmente os homens com quem trabalho. É meio desconfortável, tenho que colocar o pênis para trás e usar calcinhas bem pequenas. É bem chato, principalmente quando me sento”, disse Lea T.

“Eu gostaria de poder aceitar meu corpo como o de um homem. Acho que minha vida seria muito mais fácil e seria menos doloroso para minha família… Mas é algo dentro do meu cérebro.”

Lea T. falou ainda sobre sua opção sexual. “Muitos transexuais são gays antes. Eu sempre gostei de homens”.

A modelo comentou também sobre o seu pai, o ex-jogador de futebol Toninho Cerezo. “Meu pai disse ‘se você é mulher, homem, cachorro ou qualquer coisa, eu vou amá-la pelo que você é’.”

No mês passado, Lea T. entrou no ranking mais importante de modelos do mundo, o do site Models.com.

A top brasileira aparece na quadragésima posição, acima de beldades como a argentina Dafne Cejas (47ª) e a holandesa Patricia van der Vliet (46ª).

DO UOL