#ADEHOJE – MILICINHAS DA FAMÍLIA BOLSONARO

#ADEHOJE – MILICINHAS DA FAMÍLIA BOLSONARO

 

SÓ UM MINUTO – Apavorantes as revelações que vêm sendo feitas pelas investigações do Ministério Público do Rio de Janeiro em cima do gabinete do hoje senador Flávio Bolsonaro, mas que era vereador na Capital carioca. Queiróz em ação, milicianos, da pesada, do mal, rachadinhas, que são digamos divisões salariais: te dão o emprego, você recebe e devolve…O presidente diz que não tem nada a ver com isso, mesmo até com a ex-mulher envolvida. É coisa de muito dinheiro sendo lavado, e vamos ver no que dá.

Tristeza: morreu o artista pernambucano Francisco Brennand, aos 92 anos. Festejado em todo o mundo, era bom polemista com sua sobras fálicas.

Sacudida: Trump teve seu impeachment voado ontem no Congresso. Agora segue pro Senado, mas lá os republicanos vão dar um jeito de sumir com o processo. De qualquer forma, já mostra pro mundo o caminho que gente como ele deve tomar: rua! Mas é capaz de voltara ser eleito, porque lá, como aqui, o mundo se divide ainda burramente em duas laranjas.

#ADEHOJE – SILÊNCIO, DE UM LADO. E PROTESTOS QUE VÊM AÍ

#ADEHOJE – SILÊNCIO, DE UM LADO. E PROTESTOS QUE VÊM AÍ

 

SÓ UM MINUTO – Estive bem chateada – e, sinceramente, ainda estou – com a morte do Gugu, de quem gostava muito, além da admiração. Ainda não compreendi muito bem essa instantaneidade da vida. Algumas mortes parecem acender toda a filosofia que vive dentro de cada um de nós. E você aí, como vê tudo isso? Tem medo? Se der, depois me conte.

Enquanto isso, os homens que nos desgovernam teimam em nos ameaçar, clara ou veladamente, porque sabem que a situação está insustentável e que hora dessas a paciência do povo vai explodir, nas ruas, sabe-se Deus como e onde. E esse é um grande temor. Pegam as letras e esse número terrível – AI-5 – e, como papagaios acenam. Não sei se exatamente isso pode adiantar esses protestos.

Cada uma! E a Damares Alves tentando ser essssperta?. Convocou uma coletiva , apareceu atrasada e ficou em silêncio “para que vocês sintam como é difícil uma mulher ficar em silêncio”. Ao contrário, deveria ter aproveitado o dia, o momento e o cargo para por a boca no trombone, exatamente para que as mulheres não tenham mais de ficar em silêncio.

#ADEHOJE – O ÚLTIMO CAPÍTULO DE NOSSAS NOVELAS

#ADEHOJE – O ÚLTIMO CAPÍTULO DE NOSSAS NOVELAS

SÓ UM MINUTO – Se pudéssemos gravar um ou dois fins para o desfecho de nossas vidas, como o fazem os autores das novelas! Estou muito triste hoje, apreensiva e ansiosa para saber notícias reais do Gugu, de quem gosto muito. Fico sabendo da morte, em Miami, do Rabino Henry Sobel, vítima de câncer de pulmão. Um herói de nossa história recente, que, com coragem, denunciou a tortura nos bárbaros tempos de ditadura militar que vivemos. Nossos dias têm sido difíceis, de apreensão, com destaque nossa apreensão política e no visível retrocesso que vivemos em questões morais, de comportamento, de crise de liderança.

Tem coisa mais absurda do que um presidente como este aí, ser horrível com sua equipe horrível, falar em criar um partido “Aliança pelo Brasil”, dar a ele o número 38 fazendo alusão ao armamento? Tem coisa mais absurda do que a tal excludente de ilicitude? Uma espécie de libera geral da morte.

#ADEHOJE – COMO MANTER A MENTE QUIETA, A ESPINHA ERETA E O CORAÇÃO TRANQUILO?

#ADEHOJE –

COMO MANTER A MENTE QUIETA, A ESPINHA ERETA E O CORAÇÃO TRANQUILO?

SÓ UM MINUTO – A mente quieta, A espinha ereta. E o coração tranquilo…A frase imortal da canção de Walter Franco que nos deixou hoje, aos 74 anos, e que tanto nos inspira há tanto tempo está cada dia mais difícil de ser seguida.

Como? Com o óleo que a cada dia se espalha pelas nossas praias, mangues, infesta os corais? E com um ministro que ousa chamar o Greenpeace de ecoterroristas? Com essa gente que ousa acusar o derramamento como coisa da “esquerda”? Que quem protesta é preso, e não se sabe como será punido quem sujou o mar?

Com um maluco de um presidente que nos envergonha diante do mundo com aqueles seus olhos secos, arregalados e sem piscar? Com esses filhos zero zero zero que não cansam de nos surpreender? Eles e a turma que arrastam atrás de si.

Isso sem falar nessa reforma na previdência que atinge diretamente as mulheres, nas ideias de cortes sociais de Paulo Guedes. Tantas outras coisas que precisam de muito mais de um minuto, muito mais …

Imagem relacionada

#ADEHOJE – PATRICIO BISSO, E A ZICA GERAL BRASIL

#ADEHOJE – PATRICIO BISSO, E A ZICA GERAL BRASIL

SÓ UM MINUTO – Primeiro, um tempo de profunda tristeza pela perda do amigo Patricio Bisso, que morreu no domingo, aos 62 anos, em Buenos Aires. Bisso viveu muito tempo aqui e saiu – acusado de atentado ao pudor e perseguido por bobagens e preconceito.

Um prédio residencial de sete andares se desmancha no ar em um bairro de classe média, em Fortaleza, Ceará e começam a ser contados os mortos e feridos. Puff, caiu, dez e meia da manhã. Nas praias as equipes enxugam gelo, ou melhor, catam o óleo como medeias desfiando o que tece de dia. Animais chegam mortos cobertos de piche. Os rios começam a ser afetados. Eles? Bem…

O presidente do PSL encrencado, sabe-se lá a mando agora exatamente de quem, o timing. Por causa do que a gente sabe, mas vai levar mais gente nessa rede.

Enquanto isso, que gracinha: a Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) autorizou ontem, que o GSI (Gabinete de Segurança Institucional) da Presidência da República bloqueie sinais de celulares ao redor de onde estiverem o presidente Jair Bolsonaro e o vice-presidente Hamilton Mourão.200 metros!

Mais um bom motivo para a gente querer eles bem longe de nós?

JOÃO GILBERTO CANTOU SÓ PARA MIM

 JOÃO GILBERTO CANTOU SÓ PARA MIM

MARLI GONÇALVES

… Como se fosse hoje, lembro bem da única coisa que achei esquisita. Coca-Cola. Ele pegava a Coca-Cola, a garrafa, e esquentava na torneira de água quente. Por sua voz, seu bem mais precioso. A voz. A nossa voz. O Brasil. A Aquarela do Brasil. Guardo essa noite na caixa mágica da vida. Foi a noite que João cantou só para mim…

No carro, quase seis da tarde, distraída, ligo o rádio, na Eldorado, e ouço a locutora anunciar mudança na programação, e que daqui ali a minutos seria apresentado um “programa especial Gilberto Gil, em homenagem a ele que nos deixou hoje”. Foram suas palavras.

Fiquei com a boca amarga. Tive de parar. Imediatamente procurei o celular e fui ver o que havia acontecido. E havia acontecido que quem tinha morrido era João Gilberto, era ele quem havia nos deixado. Mas por minutos sofri por um, por dois, ambos amigos, ambos queridos, e um deles está ai, está bem, Giló. Passei a sofrer pela perda do outro, que se foi. Minutos depois, muitos para mim uma eternidade, a locutora volta, pede desculpas pelo que chamou de “gafe”. “O programa especial será para João Gilberto”, anunciou, como se seu erro tivesse sido pequeno.

Eu não perdoei o sofrimento que ela me deu, mesmo que por minutos, que já sofri por um, e que era o outro. Eu achei que eu – e quem mais a ouvia naquele minuto – merecia um pedido de desculpas muito mais incisivo.

Eu conheci o geminiano João Gilberto. Convivi vários dias com ele. Até intimamente, devo dizer.

Eu conheci o mestre. Conto que um dia, em um desses dias que estivemos juntos, eu ouvi esse mestre da voz que acaricia cantar só para mim; e ele naquele momento, muitos anos atrás, 85, 86, procurava o tom em que cantaria Saudosa Maloca, de Adoniran Barbosa, que pensava em gravar de forma especial.

“…Se o senhor não “tá” lembrado/ Dá licença de “contá”/Que aqui onde agora está
Este edifício “arto”/Era uma casa “véia”/Um palacete assobradado
Foi aquí, seu moço, que eu, Mato Grosso e o Joca/ “Construímo” nossa maloca
Mas, um dia, “nóis” nem pode se “alembrá”
Veio os “home” co’as “ferramenta”
O dono “mandô derrubá”…”

Tinha gostado muito da experiência de gravar “Me Chama”, do Lobão. Queria diversificar seu repertório.

“…Chove lá fora e aqui, faz tanto frio / Me dá vontade de saber/Aonde está você
Me telefona/Me chama, me chama, me chama. Nem sempre se vê
Lágrimas no escuro, lágrimas no escuro/ Lágrimas, cadê você
Tá tudo cinza sem você/ Tá tão vazio…”

Estávamos nessa noite no Hotel Maksoud Plaza. O jantar era especial, o chef de cozinha – que comandava o Cuisine du Soleil que, quem lembra, claro, não esquece, fez um jantar exclusivo para o João; para nós, e que levou pessoalmente ao quarto, onde ficou ainda um bom tempo conversando, contando de novos pratos e acontecimentos para o João. Se não me falha a memória tantos anos depois, o chef era da terra de João, Juazeiro, na Bahia. Ou de alguma cidade ali por perto. Matavam saudades e lembranças. Ali ele era o João. Simplesmente, João.

João Gilberto era exclusivo.

Quem disse que ele não falava com ninguém? Quanto mitos João Gilberto criou nessa vida que acabou nesse sábado, 6 de julho de 2019!

Como se fosse hoje, lembro bem da única coisa que achei esquisita. Coca-Cola. Ele pegava a Coca-Cola, a garrafa, e esquentava na torneira de água quente. Por sua voz, seu bem mais precioso.

A voz. A nossa voz. O Brasil. A Aquarela do Brasil.

Guardo essa noite na caixa mágica da vida. Foi a noite que João cantou só para mim.

Eu conheci João Gilberto. E ele era demais.

O João que conheci não era rabugento; era alegre, divertido, doido, na varanda olhava em direção às torres da Avenida Paulista e gostava de ver as aves noturnas, os morcegos, todos os que volitam em volta delas e que se vê da janela dos hotéis em noites limpas. Apontava, acompanhava os voleios nas luzes da cidade. Dizia que eram poemas.

Na época, como produtora cultural – a minha empresa chamava Chega de Férias! – organizamos e apresentamos dois shows com o João. Foi assim que o conheci.

Um, solo, na barca, o Latitude, – vocês lembram daquela construção em forma de barco, enorme, estacionado, que havia na avenida 23 de Maio, aquela casa de shows? Pois ali ele cantou lindamente, só ele, o banquinho, o violão.

Dias depois ele faria um outro show único no Palácio das Convenções do Anhembi. Ele, e orquestra. Completa, precisa.

Quem viu, quem esteve lá, em alguma dessas duas noites, nunca deve ter esquecido porque foram mesmo momentos formidáveis. O APCA (o prêmio da Associação Paulista de Críticos de Arte) daquele ano foi dele, destes shows, dessas apresentações que fez em São Paulo depois de um longo tempo.

Trabalhar com o João era emoção, tensão. Ele já havia criado problemas antes, poderia não vir na última hora, diziam. Os jornais não acreditavam que ele cumpriria e apareceria para os shows. Tanto quanto Tim Maia, também tinha a fama de às vezes “não querer ir” se invocasse com algo.

Ele brigava porque era perfeccionista, e o microfone, o ar condicionado, o retorno, o palco, a luz, o banquinho, o violão, a afinação, nada lhe escapava – tinha de estar tudo perfeito.

E estando perfeito, ele cantava. Perfeitamente. Com seu repertório sempre perfeito. E seu humor ficava perfeito também.

João, João, lembro do pacote, um embrulho de folha de papel de jornal que trazia e quando abria, desenrolava, surgiam aqueles lindos “camarões” verdes, naturais, erva pura, nunca soube onde arranjava. Ele gostava de pegar por punhados. Na época fumava. Não sei por quanto tempo cultivou esse hábito ainda depois desses anos.

João, João, lembro de estar com ele em um outro hotel ali da Rua Carlos Sampaio – na época recém inaugurado – onde o hospedamos nesses dias pré esses dois shows e ensaios em São Paulo. Bravo, fazia que não, mas não gostava dessa fama, ficava bravo, não gostava dessas lendas que em volta dele se criavam. Odiava ler na imprensa que não viria, quando já estava aqui.

Pois veio, e nunca mais que eu soubesse deixou de ir a qualquer show marcado nos anos seguintes. Encrencou muito, reclamou, mas nunca mais faltou, pelo menos que eu soubesse, e também porque sempre foram raras suas apresentações ao vivo. Dessa temporada que fizemos, ele pediu, queria ficar mais. Descansou mais dois dias no hotel, mas quieto, sozinho. Não queria ver ninguém.

Seu desejo atendido. Nem o pessoal da arrumação ele aceitava que entrasse no quarto até que fosse embora para o Rio de Janeiro. A curiosidade foi o rastro que deixou quando partiu. Os pratos de comida? Guardava todos dentro das gavetas, das cômodas, dos armários da suíte.

João, João sempre pôde tudo.

Produzia outras lendas, ria das que criou, as que sempre acreditaram, como a do gato que se jogou da janela, que jurava ter sido mentira. E aprontava outras, e passou a vida fazendo isso, até essa sua morte. Pouco sabemos exatamente do João desses últimos anos, dessa família onde se meteu, desses problemas financeiros, das dívidas, dos processos, dos aluguéis, das gravadoras.

Sabíamos dele sempre por alguém, pensa, nunca por ele. Na minha cabeça, quem o cercava nesses últimos anos o manteve fechado, isolado, quase em cárcere. Doente, talvez de tristeza, inclusive com os rumos do Brasil que tanto cantou, que tanto esse baiano amava. Tudo bem, talvez esteja exagerando, mas é assim que sinto que não foram nada bons seus últimos dias, seus últimos tempos.

João, que baque saber que se foi. Sento e escrevo à memória do João que conheci, da música que ouvi, do carinho que recebi. O João que passou pela minha vida.

O João que a gente ouve desde tanto tempo e que vai sempre continuar ouvindo, ali, baixinho, cantando suave, com uma bossa que sempre será nova, sempre será só sua.

Chega a saudade.

Não fotografei você. Lembro também que não gostava, nem que fosse de Rolleiflex. Fica na minha memória. Registrado. No meu coração.

Em meus ouvidos…

“… Se você disser que eu desafino amor
Saiba que isso em mim provoca imensa dor
Só privilegiados têm ouvido igual ao seu
Eu possuo apenas o que Deus me deu…”

6 DE JULHO DE 2019

#ADEHOJE – FOTO DA MALA, TURBULÊNCIAS E VITÓRIAS

#ADEHOJE – FOTO DA MALA, TURBULÊNCIAS E VITÓRIAS

 

SÓ UM MINUTO – Ufa! Pá, que foi bonita a vitória ontem contra a Argentina! Uns momentos de torcida e alegria. Bolsonaro foi lá – desta vez ganhou aplausos, mas também levou boas vaias. Ficou incrustado lá com Neymar, aquele que ainda está sob acusação. Bolsonaro legou o Paulo Guedes, mas devia ter levado o general Heleno que está bem chateado com o filhote do Capitão. Apareceu a foto dos 39 quilos de cocaína. Não estava nem escondido debaixo de nada. Purinha.

Puxa, fiquei chateada de saber que Marlene Matheus, ex-presidente do Corinthians, morreu. Ela foi bem combativa essa mulher! E era tão engraçada quanto o marido, Vicente Matheus.

O ministro da Justiça, Moro, ficou muitas horas respondendo a perguntas até que a cobra fumou, a situação complicou, teve brigas, xingamentos, baixaram o nível e ele aproveito para se mandar. Perda de tempo: ele só vai repetir o que já disse, até que haja novas investigações e mais profundas, além de vazamentos mais importantes…. Esses aí são fraquinhos…Não se sustentam.

Redes sociais instáveis !

#ADEHOJE – TRISTEZA PELA PARTIDA DE CECÍLIA THOMPSON

#ADEHOJE – TRISTEZA PELA PARTIDA DE CECÍLIA THOMPSON

 

Só um minuto – Desculpem, mas hoje nosso ADEHOJE é só tristeza. A queridíssima jornalista Cecilia Thompson, nos deixou, aos 82 anos. Foi encontrar-se com seu amado filho e o grande amor de sua vida, Gianfrancesco Guarnieri.

Uma vida dedicada ao jornalismo. Uma vida dedicada às pessoas. Perco uma amiga. Perco uma leitora. Todos nós perdemos um pedaço da inteligência neste país.

Enquanto isso, eles continuam fazendo esse país continuar parado. E não são caminhoneiros: são parlamentares, ministros, juízes.

 

ARTIGO – As surpresas dos segundos fatais. Por Marli Gonçalves

 

Você pensa nisso? Sobre os átimos da vida das pessoas, nossos? O que separa a existência e o arrebatamento? A imprevisibilidade da vida? Tenho refletido sobre isso. Muito mais forte agora, pela maturidade e, óbvio, influenciada também pela terrível e literal avalanche de acontecimentos que assistimos nos últimos tempos. É a visão do descontrole que temos sobre a vida e a morte, sobre todas as coisas e seus inversos. Sobre as patéticas declarações dos que propiciam que segundos terríveis assim ocorram.

Imagem relacionada

Como você lida com isso? Resolvi perguntar. Cada vez mais, não no sentido religioso, mas filosófico, parece que temos de diariamente sorver tudo o que nos acontece de bom com sofreguidão, como se esses momentos sejam o combustível que necessitamos, uma reserva pessoal de energia, para seguir pulando nesse tabuleiro, nesse quadrado que corremos até sermos imprensados pela realidade de alguma força contrária.

Essa semana foi mais uma, pródiga em notícias de segundos. Aliás, esse ano está se avolumando com elas, como Brumadinho, a lama que escorreu e varreu centenas de vidas, as crianças baleadas por outras na escola de Suzano. Tivemos agora a chuva torrencial que caiu no Rio de Janeiro, os prédios que desabaram. A família que teve o carro fuzilado pelo Exército.

Acompanhamos pelo noticiário. Mas você se imagina em alguma daquelas situações? Não vamos nem pensar em quem vive em áreas de risco, que estas pessoas não têm outro rumo e parecem apenas esperar seus destinos se agarrando ao pouco que conseguem obter desta vida, ligadas em um automático desalento. Pensa naquela avó toda feliz com sua neta, passeando em um shopping, distraindo a criança que os pais haviam deixado com ela para viajar. Eu a imaginei comprando um brinquedo, passando na praça da alimentação. Na saída, fim de tarde, a chuva forte. Melhor pegar um táxi, pensou. Pouco tempo depois, ela, a neta e o motorista do táxi saíam de circulação, esmagados por um morro que derreteu, de uma via que deveria ter sido interditada.

O jovem que faria aniversário no dia seguinte, e que comemoraria com um churrasco, pegou carona na garupa da moto de um amigo. Pensava no quê? Se compraria linguiças, picanha, talvez coraçõezinhos de frango, algumas garrafas de cerveja, carvão? A água que descia das ladeiras de onde morava não teve pena. Aproveitando-se talvez até dessa sua distração diletante, o arrancou da moto, levando-o com ela. Em segundos, sem aniversário, sem carne, sem nada. Afogado. Não no mar, não em nenhum lago ou represa, mas na rua, na viela, preso debaixo das rodas de um carro estacionado.

Voltando um pouco, no domingo, a família – pai, mãe, filha, sogro, a amiga do casal de carona – sai de uma festa infantil. No caminho natural de todos os dias, o carro popular, branco, passa próximo a um quartel. Não corria, ninguém pediu que parasse. Passava. Passou. Diante de mais de uma dezena de soldados do Exército, talvez postados ali, chateados, porque em trabalho debaixo do Sol naquele dia de forte calor que prenunciava inclusive a chuva torrencial dos dias seguintes. Parece que aguardavam avistar um outro carro branco, também popular, do mesmo modelo popular, repito, daquele da família feliz, e que havia sido roubado pouco antes. Não perguntaram. Dispararam. 80 tiros. Um fuzilamento. Sem paredão. Os soldados não ouviram – há relatos de que até debocharam – os gritos desesperados, o choro da criança, das mulheres, da mãe e esposa. O motorista, o marido, morreu na hora; o sogro, atingido, tenta sair do carro. Do lado de fora, um morador de rua corre para tentar ajudar – ele entendeu os gritos – mas logo cai atingido gravemente. Está em coma, estado gravíssimo. Quantos segundos se passaram?

Por outro lado, para amenizar, surge nas redes sociais um vídeo que viraliza. Ele mostra uma cena incomum. No mesmo Rio de Janeiro, um homem negro, alto, munido de duas caixas plásticas, com elas construindo uma ponte para que uma senhora atravessasse em segurança a rua inundada. A cada passo, a gentileza, a mão auxiliando que a senhora fosse pulando de uma a outra até chegar segura ao outro lado. Também foram segundos; mas estes mudaram para melhor a vida do guardador de carros, viúvo, com um filho pequeno. Sua generosidade ganhou o mundo e ele ganhou uma vida nova, uma casa, vinda de uma vaquinha organizada pela internet, e por alguém que em outro segundo pensou como poderia ajudar.

Em segundos, tudo realmente pode mudar. Mas o que não muda, nem em segundos, nem em minutos, dias, horas, meses, anos, décadas, é o descaso das autoridades, nem as suas patéticas declarações depois que os fatos acontecem sob as suas barbas.

Não foram chuvas corriqueiras, senhor prefeito Crivella. O Exército matou sim, senhor Presidente. Fuzilou. Não foram “incidentes lamentáveis”, Ministro Moro, e outros tantos, que nós é que lamentamos que depois de tantos dias depois vocês abram a boca só para dizer isso.

Foram segundos em que morreram ou tiveram suas vidas modificadas muitas pessoas. São vocês que comandam muitas dessas diferenças entre a vida e a morte, entre a alegria e a tristeza, entre o futuro e o fim.

———————————-reloginho animado

Marli Gonçalves, jornalista –

marligo@uol.com.br / marli@brickmann.com.br

Brasil, lamentável 2019


ME ENCONTRE (se republicar, por favor, se possível, mantenha esses links):

https://www.youtube.com/c/MarliGon%C3%A7alvesjornalista

(marligoncalvesjornalista – o ç deixa o link assim)

https://www.facebook.com/BlogMarliGoncalves/

https://www.instagram.com/marligo/

#ADEHOJE – NINGUÉM SABE O QUE FAZER COM A VENEZUELA. VEIAS FECHADAS NA AMÉRICA LATINA

#ADEHOJE – NINGUÉM SABE O QUE FAZER COM A VENEZUELA. VEIAS FECHADAS NA AMÉRICA LATINA

 

Só um minuto – Vamos falar a verdade: ninguém sabe mais o que fazer com a Venezuela. Os fatos se anteciparam com a autoproclamação de Juan Guaidó como presidente, sem que o Maduro queria sair da cadeira onde se aboletou. A ajuda humanitária foi um bom pretexto, mas pelo que já vimos esse final de semana, não vai dar certo nem será fácil essa entrega do outro lado, pelo Brasil, ou pela Colômbia. Os Estados Unidos provocam, mas não aparecem para segurar os estragos. Muito menos a Rússia.

Perdemos hoje Roberto Avallone, jornalista esportivo que todos conhecem, Ex-companheiro de redação no Jornal da Tarde. Siga na luz.

#ADEHOJE – Morte de Boechat uniu pontas desfiadas há anos

#ADEHOJE – Morte de Boechat uniu pontas desfiadas há anos

 

SÓ UM MINUTOBoechat ficaria orgulhoso em ver a união de todos em torno de seu nome e do jornalismo nacional.

O JORNALISMO NACIONAL ESTÁ HÁ MUITO TEMPO ACUADO, ATACADO, VILIPENDIADO, DESPRESTIGIADO. De repente, a morte de um de seus principais expoentes, Ricardo Boechat, um dos mais duros e diretos defensores de direitos, de justiça, e uma praga contra políticos corruptos, foi o que uniu a todos. Pena que mais uma vez na tristeza. Pelo menos nessas primeiras 24 horas não houve direita ou esquerda – houve a tristeza pela perda de um voz que sabia como ninguém falar ao povo. As ondas do rádio serenaram. O noticiário de tevê ficou sombreado.

#ADEHOJE – TRAGÉDIAS SE SUCEDEM NO PAÍS. LULA FICA LÁ.

#ADEHOJE – TRAGÉDIAS SE SUCEDEM NO PAÍS. LULA FICA LÁ.

 

Só um minuto – Mais um dia de tristezas nos cenário nacional. Passam de 300 os mortos na tragédia de Brumadinho, rompimento da barragem da Vale. E no Rio de Janeiro fortes chuvas na noite de ontem já causaram seis mortes. Foram desmoronamentos, deslizamentos, o horror que se espalhou por toda a cidade. Em São Paulo, os viadutos e pontes estão assustadores, todos com problemas graves, emendas, buracos, rachaduras. As cidades largadas à própria sorte. Para piorar, perdemos Carlos Fernando, um grande músico, vocalista do Nouvelle Cuisine. Ah, vocês já devem saber: o sitio de Atibaia rendeu mais doze anos e 11 meses de prisão para o Lula… A defesa deve recorrer.

 

#ADEHOJE, #SÓ UM MINUTO – PROVIDÊNCIAS JÁ. CHEGA DE MORTES DE MULHERES

#ADEHOJE, #SÓ UM MINUTO – PROVIDÊNCIAS JÁ. CHEGA DE MORTES DE MULHERES

A situação está insustentável. Somente em 2019, e que foram noticiadas, já são mais de 12 mortes de mulheres. Facadas, tiros, machadadas, emboscadas, mortas diante dos filhos. Até quando serão falhos os sistemas de proteção? Onde estão as medidas como os botões de pânico? Chega. Precisamos juntas dar um basta a essa situação

Morre Audálio Dantas: grande perda. Que me deixa muito triste. Um amigo, grande e antigo amigo

Morreu o grande jornalista Audálio Dantas, um digno cidadão brasileiro

Fiquei sabendo agora pela Thaís, neta dele, que trabalha com minha filha Mariana, uma notícia muito triste para todos os jornalistas e cidadãos brasileiros: morreu meu amigo Audálio Dantas, um cara que batalhou pela vida até o seu último suspiro.

Estive com ele poucos dias atrás num almoço com velhos amigos no Hospital Premier, onde ele viveu seus últimos dias, com a mesma dignidade de toda uma longa jornada de lutas, nem sei de quantos anos, porque até hoje há controvérsias, mas foram muitos, alguma coisa entre 80 e 90.

Trabalhou até onde deu, vivia com muito aperto apenas dos seus escritos, que lhe garantiam a sua sobrevivência e a da brava e unida família Dantas, comandada pela guerreira Vanira.

Audálio há tempos sofria de muitos achaques da saúde, um após outro, mas tenho certeza de que morreu foi mesmo de tristeza, ao ver o que fizeram do seu país, pelo qual sempre foi muito apaixonado.

Nas nossas últimas conversas, ele já estava desesperançado de que a nossa geração ainda conseguisse ver o Brasil com que sonhamos a vida toda, mais justo, mais humano, mais decente.

Sertanejo valente dos sertões das Alagoas, este brasileiro de muito talento e firmeza foi um dos protagonistas da passagem da ditadura para a democracia quando falar a verdade era correr risco de vida.

Para quem quiser saber mais sobre a sua história, é só entrar no Google, porque agora vou ao velório para ver se é verdade que ele morreu mesmo.

Homens como Audálio Dantas nunca deveriam morrer, mas continuarão vivos na nossa lembrança.

Vida que segue para quem fica.

Quem matou? Quem mandou matar? Projeto ABRAJI faz levantamento sobre assassinatos, em documentário

 

LINK: http://www.abraji.org.br/projetos/tim-lopes/

No sábado, 28 de outubro, às 16h30, a Abraji lança na sala 4 do cinema Caixa Belas Artes, em São Paulo, o documentário.

Os autores –  Bob Fernandes, Bruno Miranda e João Wainer – estarão lá para debater o tema e contar um pouco dos bastidores deste trabalho. A entrada é gratuita. 

QUEM MATOU?
QUEM MANDOU MATAR?

Política e polícia no assassinato de jornalistas

 Bob Fernandes (reportagem)
Bruno Miranda (vídeos)

Quase todos nas cabeças, tórax, alguns na boca: 36 tiros.

Assim foram assassinados os jornalistas Gleydson Cardoso de Carvalho, Djalma Santos da Conceição, Rodrigo Neto de Faria, Walgney Assis de Carvalho, Paulo Roberto Cardoso Rodrigues e Luiz Henrique Rodrigues Georges.

Gleydson, 36 anos, morto dentro do estúdio da Rádio Liberdade FM, em Camocim, Ceará, em 2015. Três tiros.

Djalma, 54 anos, sequestrado, torturado e assassinado no meio do mato em Conceição da Feira, Bahia, em 2015. Quinze tiros.

Dois anos antes, em Ipatinga, Vale do Aço, Minas, em intervalo de 37 dias foram mortos Rodrigo e Walgney. Três tiros para cada.

Em 2012, em Ponta Porã, Mato Grosso do Sul, assassinados Paulo Roberto, o “Paulo Rocaro”, e Luiz Henrique Georges, o “Tulu”.

Nove tiros para Paulo, três para “Tulu”. Mortos em fevereiro e outubro. A 50 metros de distância um do outro, na mesma Avenida chamada Brasil.

“Tulu” dirigia o Jornal da Praça, que tinha “Paulo Rocaro” como Editor-Chefe. Paulo era, também, Diretor do Site Mercosul News.

Nos demais assassinatos, acusação, indiciamento ou, no mínimo, suspeita de políticos ou seus familiares terem dado ordem para matar.

Em dois dos quatro municípios, policiais suspeitos, ou acusados de envolvimento nos assassinatos.

O Brasil tem outorgadas 14.350 emissoras de rádio, com 9.973 outorgas para emissoras nas áreas comercial e educativa e 4.377 para rádios comunitárias.

O jornalismo é quase sempre feito pelas rádios. À exceção de Ponta Porã, e do fotógrafo Walgney Carvalho em Ipatinga, demais assassinados trabalhavam basicamente em rádio.

Se no topo o país vive monopólios na indústria de comunicação de massa, imagine-se a fragilidade no Brasil profundo.

Emissoras e profissionais, muitas vezes em vão, se esforçam para não se tornarem reféns de anunciantes. Sejam eles de origem privada ou pública.

Em muitos casos, na prática o salário é obtido diretamente pelo profissional junto aos anunciantes. Essa, uma fragilidade extremamente perigosa. E não apenas para o jornalismo. Principalmente para os jornalistas.

Segundo o Committee to Protect Journalists (CPJ) 39 jornalistas foram mortos no Brasil desde 1992. Assassinos ou mandantes de 25 destes jornalistas mortos continuam impunes.

Jornalistas mortos no exercício da profissão são, na realidade, mais do que os listados nessa contagem.

Ao levantar casos de jornalistas mortos no exercício da profissão, o CPJ e a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (ABRAJI) têm tido prudência.

Prudência recomendável diante da imensidão continental do Brasil. E, além disso, das dificuldades em se definir com precisão: o assassinato se deu por motivos ligados ao jornalismo ou por ações pessoais alheias ao exercício profissional?

Limite por vezes tênue, como se verá em casos investigados em quatro reportagens que resultaram, também, em quatro vídeos.

O limite leva à prudência, mas não impede que se exija investigação e punição dos responsáveis seja em que caso for.

Essa, de resto, uma obrigação fundamental do jornalismo no país que tem assistido quase 60 mil mortes violentas a cada ano.

Quando estas reportagens e vídeos eram finalizados foi presa e indiciada Roseli Ferreira Pimentel (PSB), 44 anos, prefeita de Santa Luzia, Minas Gerais.

Presos também David Santos Lima, Alessandro de Oliveira Souza e Gustavo Sérgio Soares Silva.

Todos acusados de envolvimento no assassinato de Maurício Campos Rosa, 64 anos. Morto com cinco tiros em 17 de agosto de 2016.

Maurício era dono do jornal local “O Grito”, distribuído gratuitamente na região metropolitana de Belo Horizonte.

Quais, entre dezenas de casos, investigar e documentar?

Além do flagrar em regiões variadas a violência indiscriminada, generalizada pelo país, optamos por alguns critérios nessa viagem de 14.800 quilômetros pelo Brasil.

  • Gleydson, em Camocim, Ceará, por ter sido assassinado dentro do estúdio, quando entrava no ar. Crime com repercussão mundo afora.
  • Rodrigo Neto e Walgney de Carvalho, em Ipatinga, pela reação exemplar do jornalismo aos assassinatos.

Pressionado pelo trabalho de repórteres da região, e pelo Sindicato dos jornalistas de Minas, o governo estadual montou uma força-tarefa.

Os dois assassinos, um deles policial, foram condenados e presos. Acusados por outros crimes, 10 policias foram presos. Depois, pouco a pouco, foram libertados. Os mandantes seguem livres.

Em Conceição da Feira, na Bahia, o contrário. Ninguém preso. O delegado que investigou o crime já não está na cidade. Que seguia sem promotor, sem juiz, e sem Fórum.

Em Ponta Porã/ Pedro Juan Caballero, a feroz disputa do narcotráfico, com a presença de “Comandos” que, assim como Brasil afora, guerreiam e ocupam territórios.

Mortes e mais mortes, com máxima brutalidade, no meio de ruas e avenidas de duas cidades fronteiriças tornadas uma só. E assassinato por motivo político com envolvimento de personagens da narcopolítica.

Naquela fronteira, e demais municípios onde jornalistas foram assassinados, um mosaico do Brasil extremamente violento.

Os órgãos de Dona Mariza poderão ser doados? Uma amiga questiona. Veja as regras gerais

Antes de mais nada, meus profundos sentimentos. Não é a ex-primeira dama.

TRISTE

É uma mãe, avó, esposa que cuidou dedicadamente de seu marido quando este adoeceu e que comeu o pão que o diabo amassou para chegar onde chegou.

______________

Resultado de imagem para dONA mARISA

TRAGO AO DEBATE. MÉDICOS, COMO FUNCIONA?

 

Uma amiga conhecedora das lides médicas me chama a atenção para uns detalhes sobre a falada doação da família Lula dos órgãos de Dona Mariza, hoje em morte cerebral.
Segundo ela, esses ítens – Drogas que inibem o SNC/ 66 ANOS/ ex-fumante…E temperatura corporal abaixo de 35 – impediriam a doação.

Veja detalhamento constante no Ministério da Saúde:

______________

Informe-se sobre o processo de doação de órgãos e tecidos
Transplantes


Para ser doador, não é necessário deixar documento por escrito. Caberá aos familiares autorizar a retirada dos órgãos

 

O número de doadores de órgãos no Brasil cresce cada dia e, com ele, o índice de transplantes realizados no país. Atualmente, o programa público nacional de transplantes de órgãos e tecidos é um dos maiores do mundo. Para ser doador, não é necessário deixar documento por escrito. Cabe aos familiares autorizar a retirada, após a constatação da morte encefálica. Neste quadro, não há mais funções vitais e a parada cardíaca é inevitável.

Embora ainda haja batimentos cardíacos, a pessoa com morte cerebral não pode respirar sem ajuda de aparelhos. O processo de retirada dos órgãos pode ser acompanhado por um médico de confiança da família. É fundamental que os órgãos sejam aproveitados enquanto há circulação sanguínea para irrigá-los. Mas se o coração parar, somente as córneas poderão ser aproveitadas.

Quando um doador efetivo é reconhecido, as centrais de transplantes das secretarias estaduais de saúde são comunicadas. Apenas elas têm acesso aos cadastros técnicos de pessoas que estão na fila. Além da ordem da lista, a escolha do receptor será definida pelos exames de compatibilidade com o doador. Por isso, nem sempre o primeiro da fila é o próximo a ser beneficiado. As centrais controlam todo o processo, coibindo o comércio ilegal de órgãos.

A doação é regida pela Lei nº 9.434/97. É ela quem define, por exemplo, que a retirada de órgãos e tecidos de pessoas mortas só pode ser realizada se precedida de diagnóstico de morte cerebral constatada por dois médicos e sob autorização de cônjuge ou parente.

Para ser doador é preciso:

• Ter identificação e registro hospitalar;

• Ter a causa do coma estabelecida e conhecida;

• Não apresentar hipotermia (temperatura do corpo inferior a 35ºC), hipotensão arterial ou estar sob efeitos de drogas depressoras do Sistema Nervoso Central;

• Passar por dois exames neurológicos que avaliem o estado do tronco cerebral. Esses exames devem ser realizados por dois médicos não participantes das equipes de captação e de transplante;

• Submeter o paciente a exame complementar que demonstre morte encefálica, caracterizada pela ausência de fluxo sangüíneo em quantidade necessária no cérebro, além de inatividade elétrica e metabólica cerebral;

• Estar comprovada a morte encefálica. Situação bem diferente do coma, quando as células do cérebro estão vivas, respirando e se alimentando, mesmo que com dificuldade ou um pouco debilitadas.

Observação: Após diagnosticada a morte encefálica, o médico do paciente, da Unidade de Terapia Intensiva ou da equipe de captação de órgãos deve informar de forma clara e objetiva que a pessoa está morta e que, nesta situação, os órgãos podem ser doados para transplante.

Quais órgãos podem ser doados?

• Coração (retirado do doador antes da parada cardíaca e mantido fora do corpo por no máximo seis horas);

• Pulmões (retirados do doador antes da parada cardíaca e mantidos fora do corpo por no máximo seis horas);

• Rins (retirados do doador até 30 minutos após a parada cardíaca e mantidos fora do corpo até 48 horas);

• Fígado (retirado do doador antes da parada cardíaca e mantido fora do corpo por no máximo 24 horas);

• Pâncreas (retirado do doador antes da parada cardíaca e mantido fora do corpo por no máximo 24 horas);

• Valvas Cardíacas

Quais tecidos podem ser doados?

• Córneas (retiradas do doador até seis horas depois da parada cardíaca e mantidas fora do corpo por até sete dias);

• Medula óssea (se compatível, feita por meio de aspiração óssea ou coleta de sangue);

• Pele (retirada do doador até seis horas depois da parada cardíaca);

• Cartilagem (retirada do doador até seis horas depois da parada cardíaca);

• Ossos (retirados do doador até seis horas depois da parada cardíaca e mantidos fora do corpo por até cinco anos);

• Sangue

Doadores vivos

A doação de órgãos também pode ser feita em vida para algum membro da família ou amigo, após avaliação clínica da pessoa. Nesse caso, a compatibilidade sangüínea é primordial e não pode haver qualquer risco para o doador. Os órgãos e tecidos que podem ser retirados em vida são rim, pâncreas, parte do fígado, parte do pulmão, medula óssea e pele.

Para doar é necessário:

• Ser um cidadão juridicamente capaz (maior de 18 anos ou menor de idade antecipado, com condições de saúde que não comprometam a manifestação válida da sua vontade);

• Estar em condições de doar o órgão ou tecido sem comprometer a saúde e aptidões vitais;

• Apresentar condições adequadas de saúde, avaliadas por um médico que afaste a possibilidade de existir doenças que comprometam a saúde durante e após a doação;

• Querer doar um órgão ou tecido que seja duplo, como o rim, e não impeça o organismo do doador continuar funcionando;

• Ter um receptor com indicação terapêutica indispensável de transplante

• Ser parente de até quarto grau ou cônjuge. No caso de não parentes, a doação só poderá ser feita com autorização judicial.

Quem não pode doar?

• Pacientes portadores de doenças que comprometam o funcionamento dos órgãos e tecidos doados, como insuficiência renal, hepática, cardíaca, pulmonar, pancreática e medular;

• Portadores de doenças contagiosas transmissíveis por transplante, como soropositivos para HIV, doença de Chagas, hepatite B e C, além de todas as demais contra-indicações utilizadas para a doação de sangue e hemoderivados;

• Pacientes com infecção generalizada ou insuficiência de múltiplos órgãos e sistemas;

• Pessoas com tumores malignos – com exceção daqueles restritos ao sistema nervoso central, carcinoma basocelular e câncer de útero – e doenças degenerativas crônicas.

Fonte:
Ministério da Saúde

ARTIGO – Roletas russas da vida. Por Marli Gonçalves

 

MAO NA MAOUma decisão, um passo, um segundo, um minuto, uma virada errada, uma distração, um tropeção, uma bala, uma chuva, uma rua, uma carona, uma queda. Qualquer coisa. A vida é frágil. A terra é frágil. O ser humano vive em uma corda bem bamba e muito fina desde que nasce até que morre. Tudo pode acontecer. Inclusive nada. Essa é a verdadeira loucura da existência

MAO FACA

Como é que pode? Como é que pode? Todo mundo batendo cabeça e se perguntando das ironias da vida quando fatos horríveis assim acontecem. Os inesperados. Ouvi e li de um tudo, e são dezenas as fantásticas teses conspiratórias que garantiam- já minuto seguinte ao acidente que matou o ministro do STF Teori Zavascki – que foi um atentado. Um assassinato. Claro, investigue-se, detalhe por detalhe, peça por peça, minuciosamente, o que ocorreu. Não deixem essa virar mais uma lenda urbana que viva no imaginário popular assombrando o país.

Mas eu não quero ser considerada burra nem ingênua ao ter certeza de que foi acidente.

Acidentes com aviões particulares têm enorme chance de matar personalidades. Gente conhecida. Gente importante. Gente famosa. Quem é que anda para lá e para cá em aviões particulares? Em helicópteros? Eu? Você? Até já andei muito, mas sempre de carona, de estepe, por algum motivo profissional, acompanhando algum cliente, como jornalista, nem sabia se meu nome contava na lista de passageiros. Como as duas mulheres que, além do piloto, do dono da aeronave – pessoa entre as mais bem relacionadas do país – e do ministro, estavam lá e tentavam chegar à bela Paraty em um chuvoso e cinzento dia de verão. Que tipo de sabotagem seria essa que só ocorreria na ponta da pista? Quem teria contratado São Pedro para soprar nuvens? Sofisticada essa ideia de fazer cair no mar, para afundar e ninguém achar os destroços.

Ah, mas era o ministro que cuidava da Lava Jato! Sim. Podia ser outro ou outra da mais alta Corte. Podia ser Moro, algum membro (ou todos) da força tarefa do Ministério Público. Algum artista – eles se deslocam muito em aviões. Para “pegar” o ministro não haveria outra forma? – veneno, urticária, espiã, manga com leite, jogar um piano da janela quando ele estivesse passando, cortar o cabo do elevador, infiltrar uma cobra venenosa no gabinete dele? (se bem que essa opção não pode ainda ser descartada…)

São pessoas – não há redoma que possa protegê-las delas mesmo. Andam de carro, de moto, de avião, de bicicleta. Podem escorregar no tapete do banheiro depois do banho. Depende do que fazem, como vivem, onde andam, e até do que comem – são protegidos, mas seguranças não são infalíveis e nem conselhos de cuidado com isso ou cuidado com aquilo e que em geral são ignorados. Igual à gente quando foi criança, a mãe disse não vá, e birrentos demos com a cara na parede – alguns têm cicatrizes que lembram esse dia a vida toda. Claro, quando não foi mortal de vez, e valeu a vida.

A verdade é que ninguém nunca espera que vá acontecer o que pode acontecer. Ninguém acredita que poderá ser retirado desse mundo de forma tão abrupta que não tenha nem tempo de respirar, dizer tchau. Creio que nem quem pratica esportes e outros passatempos radicais pensa nisso. No xeque-mate.

E não adianta ter medo. O medo não salva. É o famoso quando tem de acontecer acontece. Deus resolveu – para quem nele acredita. Fatalidade. A hora da morte.

Há riscos e perigos. Risco é a probabilidade. Perigo é uma ou mais condições que têm o perfil de causar ou contribuir para que o Risco aconteça. Não se mede e não há como eliminar o Risco. Já os perigos até poderiam ser prevenidos, analisados, mensurados e corrigidos.

São perigos que nos rondam como a bala do tambor do revólver de uma roleta russa. Ou como se andássemos sempre com pés enormes em campos minados.

Podia ser um terremoto, um maremoto, uma enchente, uma avalanche, um ataque de coração. Podia até ser um atentado.

Mas foi um avião e um passeio interrompido. Que esperamos não interrompa as esperanças do povo brasileiro na Justiça e no desfecho da mais rumorosa tentativa de faxina e descoberta de quem nos bateu a carteira.

ROLETA

_______________________

20160813_143252Marli Gonçalves, jornalista – Não adianta não fazer, não ir, não tentar. Só morre quem está vivo. Ou que pelo menos estava assim até que…

2017, acreditam?

____________________________________________

E-MAILS:

MARLI@BRICKMANN.COM.BR
MARLIGO@UOL.COM.BR

23 anos sem o anjo que ainda me guia na vida: EDISON DEZEN

Hoje, 25 de agosto, como todos os anos, para mim é dia de boas lembranças, de vida, de viagens, de conhecimento, mas especialmente de amor. Dia de lembrar, também, e uma tristeza imensa me invade apenas porque se o mundo fosse povoado por gente como Edison foi,  como levou sua vida, nossa, como  como toda ela seria tão bela, boa, bonita, caridosa, de paz!

Edison Dezen foi a melhor pessoa que conheci em minha vida, não sendo superado nem 23 anos após sua morte.

Hoje, coincidentemente, achei uma de sua últimas mensagens para mim, sempre acompanhada dos anjos que já o representavam aqui na Terra. Do dia do meu aniversário, no ano anterior à sua morte.

Mas onde vejo anjos – e sou guardiã de vários que o acompanhavam- me sinto beijada por ele.

Não posso deixar de mostrar a todos, com o orgulho que sempre tive de ter sido sua parceira, meu lorde Dezen.

E um pedido: por favor, proteja-me. Proteja a nossos amigos. A aura de sua energia nos alimenta.

Anjos, olhai por nós

20160825_141058

Anjosanjos

Chorei. Médico de cuidados paliativos agradece a Bowie. Na hora da morte, fleuma. ( Da Folha SP)

graphics-medical-medicine-204552Médico de cuidados paliativos agradece a David Bowie em carta comovente

DE SÃO PAULO

Em um blog da prestigiosa revista médica inglesa “BMJ”, um médico de cuidados paliativos do NHS (Serviço Nacional de Saúde britânico) publicou uma comovente carta a David Bowie, morto na semana passada.

“No início daquela semana conversei com uma paciente do hospital que estava chegando ao fim da vida. Falamos de sua morte e sua música, David, e isso nos levou a conversar sobre várias questões profundas que nem sempre são fáceis de se discutir com alguém que encara sua própria morte próxima. Na realidade, sua história virou para nós um gancho para falar muito abertamente da morte”, escreveu Mark Taubert.

No texto, Taubert agradece ao artista pelos anos 80 (e os momentos de alegria proporcionados pelas músicas de Bowie) e também pelo último álbum, “Black Star”. “Sou médico de cuidados paliativos, e o que você fez no período que antecedeu sua morte teve um efeito profundo sobre mim e muitas das pessoas com quem eu trabalho. “Blackstar” está cheio de referências, pistas e alusões”, escreveu. “O vídeo de “Lazarus” é muito profundo, e muitas das cenas terão significados diferentes para cada um de nós; para mim, o vídeo fala em lidar com o passado quando você se vê diante da morte inevitável.”

Taubert também comenta as últimas imagens de Bowie que foram divulgadas. “Foi dito que as fotos suas que emergiram alguns dias após sua morte teriam sido de suas últimas semanas de vida. Não sei se é correto, mas tenho certeza que muitos de nós adoraríamos ficar tão bem em um terno elegante quanto você estava naquelas fotos. Você estava lindo, como sempre, contestando diretamente a imagem assustadora com a qual as últimas semanas de vida muitas vezes são associadas.”

Leia a carta abaixo.

Jimmy King/Divulgação
David Bowie
David Bowie

*

Oh, não, não diga que é verdade!

Querido David,

Naqueles dias frios e cinzentos de janeiro de 2016, enquanto íamos pouco a pouco absorvendo a notícia de sua morte, muitos de nós continuamos a trabalhar como sempre. No início daquela semana conversei com uma paciente do hospital que estava chegando ao fim da vida. Falamos de sua morte e sua música, David, e isso nos levou a conversar sobre várias questões profundas que nem sempre são fáceis de se discutir com alguém que encara sua própria morte próxima. Na realidade, sua história virou para nós um gancho para falar muito abertamente da morte, algo que muitos médicos e enfermeiros têm dificuldade em introduzir numa conversa. Mas, antes de ir mais fundo no bate-papo com a paciente, quero lhe dizer algumas coisas. Espero que você não ache isso um tédio.

Obrigado pelos anos 80, quando seu álbum “ChangesOneBowie” nos proporcionou horas de alegria, especialmente durante uma viagem de ida e volta de Darmstadt a Colônia. Acho que meus amigos e eu sempre vamos associar “Diamond Dogs”, “Rebel Rebel”, “China Girl” e “Golden Years” àquele momento particular de nossas vidas. É desnecessário dizer que nos divertimos demais em Colônia.

Obrigado por Berlim, especialmente no começo, quando suas canções nos mostraram um pouco do pano de fundo musical do que estava acontecendo na Alemanha Oriental e Ocidental. Ainda tenho “Helden” em vinil e o ouvi novamente quando ouvi a notícia de sua morte (e você vai gostar de saber que “Helden” também fará parte do nosso próximo evento Analogue Music Club, no pub Pilot, em Penarth, este mês). Algumas pessoas podem associar David Hasselhoff à queda do Muro de Berlim e à reunificação da Alemanha, mas muitos alemães provavelmente gostariam que o tempo tivesse pegado um cigarro e o enfiado na boca de Hasselhoff naquela época, em vez de ouvir “I’ve been looking for freedom” interminavelmente no rádio. Para mim, a trilha sonora daquele momento na nossa história é “Heroes”.

Obrigado também em nome do meu amigo Ifan, que foi a um de seus shows em Cardiff. A irmã dele, Haf, estava na porta naquela noite, recebendo os ingressos, e ouvi um boato de que Ifan conseguiu entrar de graça (ele pede desculpas!). Você acenou para ele e o amigo dele do palco. Isso ficou na memória de Ifan para sempre.

Obrigado por “Lazarus” e “Blackstar”. Sou médico de cuidados paliativos, e o que você fez no período que antecedeu sua morte teve um efeito profundo sobre mim e muitas das pessoas com quem eu trabalho. “Blackstar” está cheio de referências, pistas e alusões. Como sempre, você não facilitou muito a interpretação, mas isso talvez não seja o principal. Sempre ouvi falar de como você foi meticuloso em vida. Para mim, o fato de sua morte tranquila em casa ter coincidido tão estreitamente com o lançamento do álbum, com sua mensagem de despedida, não deve ter sido coincidência. Tudo isso foi planejado cuidadosamente para ser uma obra de arte tendo a morte como tema. O vídeo de “Lazarus” é muito profundo, e muitas das cenas terão significados diferentes para cada um de nós; para mim, o vídeo fala em lidar com o passado quando você se vê diante da morte inevitável.

Sua morte em casa. Muitas pessoas com quem falo na minha vida profissional pensam que a morte acontece sobretudo em hospitais, em ambientes muito clínicos, mas eu suponho que você tenha optado por morrer em casa e tenha planejado isso detalhadamente. Esse é um dos objetivos nossos na medicina paliativa, e o fato de você tê-lo realizado talvez leve outras pessoas a enxergarem isso como uma opção que gostariam de realizar. Foi dito que as fotos suas que emergiram alguns dias após sua morte teriam sido de suas últimas semanas de vida. Não sei se é correto, mas tenho certeza que muitos de nós adoraríamos ficar tão bem em um terno elegante quanto você estava naquelas fotos. Você estava lindo, como sempre, contestando diretamente a imagem assustadora com a qual as últimas semanas de vida muitas vezes são associadas.

Para controlar seus sintomas, imagino que você tenha tido profissionais de cuidados paliativos dando-lhe assistência com a dor, náusea, vômitos e falta de ar, e imagino que eles o tenham feito bem. Penso que eles também devem ter conversado com você sobre qualquer angústia emocional que você possa ter sentido.

Para seu planejamento prévio de cuidados paliativos (ou seja, planejamento das decisões relativas à sua saúde e cuidados médicos, antes de sua situação se agravar e você ficar incapaz de expressar o que queria), com certeza você teve muitas ideias, expectativas, decisões e estipulações prévias. Estas devem ter sido apresentadas com clareza por escrito, perto de sua cama, em sua casa, para que todos que o encontrassem estivessem claramente informados do que você desejava, independentemente de sua capacidade de se comunicar com as pessoas. Essa é uma área que não apenas os profissionais de cuidados paliativos, mas todos os profissionais de saúde querem que seja observada e aprimorada, para reduzir as chances de incidentes repentinos de saúde automaticamente levarem as pessoas a serem carregadas ao pronto-socorro de ambulância. Especialmente quando as pessoas não estão mais em condições de expressar-se bem sozinhas.

E duvido que alguém lhe tenha feito reanimação cardiopulmonar (RCP) nos últimos dias ou horas de sua vida ou tenha sequer cogitado em fazê-lo. Lamentavelmente, esse tratamento ainda é dado de modo padrão a alguns pacientes que não deixaram claro que não o querem. A RCP envolve a compressão física do peito, que às vezes quebra ossos, choques elétricos, injeções e inserção de tubos nas vias aéreas -e só tem êxito em 1%-2% dos pacientes cujo câncer já se espalhou para outros órgãos do corpo. É muito provável que você tenha pedido à sua equipe médica uma ordem de Não Empreender a Reanimação Cardiopulmonar. Só posso imaginar como deve ter sido falar abertamente disso, mas você foi um herói, ou um “Held”, mesmo nesse momento mais difícil de sua vida. E os profissionais que o atenderam devem ter tido bons conhecimentos e habilidades de atendimento paliativo e de final da vida. Lamentavelmente, essa parte essencial da formação médica nem sempre é dada aos profissionais de saúde juniores, incluindo médicos e enfermeiros, e às vezes é passada por cima ou não vista como prioritária por aqueles que planejam o ensino deles. Acho que se você algum dia voltar à vida (como Lázaro), vai defender a criação de bons cursos de cuidados paliativos abertos a todos os profissionais de saúde em toda parte.

Então voltamos à conversa que tive com a senhora que tinha recebido pouco antes a notícia de que tinha câncer metastático em estado avançado e provavelmente não teria mais que um ano de vida pela frente. Ela falou de você e adorava sua música, mas, por alguma razão, não apreciava seu figurino de Ziggy Stardust (não tinha certeza se você era menino ou menina). Também ela tinha lembranças de lugares e acontecimentos nos quais sua música foi a trilha sonora idiossincrática. Então conversamos sobre uma morte boa, os momentos finais da vida e como eles geralmente são. Falamos sobre cuidados paliativos e como podem ajudar. Ela me falou de como seu pai e sua mãe morreram. Disse que queria morrer em casa, não em um hospital ou sala de emergência, mas que concordaria em ser transferida para uma Unidade de Cuidados Paliativos se seus sintomas ficassem graves demais para permitir o cuidado em casa.

Ela e eu tentamos imaginar quem estava ao seu lado quando você deu seu último suspiro e se alguém estava segurando sua mão. Acho que esse era um aspecto da visão que ela tinha de sua própria morte que tinha importância máxima para ela, e você, David, lhe proporcionou um jeito de expressar esse anseio profundamente pessoal a mim, um relativo desconhecido.

Obrigado.

Dr. Mark Taubert, especialista em Cuidados Paliativos do NHS (Serviço Nacional de Saúde britânico) em Cardiff, Reino Unido. @DrMarkTaubert”

ARTIGO – Sobre o medo, bruxas e cozinheiros. Por Marli Gonçalves

brujanueva3  Seria bem bom se tivéssemos alguns poderes mágicos que nos dessem condição de mudar o mundo, ou ao menos controlar alguns de seus detalhes sórdidos. Crescemos sonhando com a magia, nas histórias que ouvimos, nos livros que lemos. Nas fábulas que acabamos depois vivendo de verdade quando adultos, lembrando daqueles bichos que falavam e que eram os seus personagens. Tudo feito, de um lado, para nos incutir o medo e o respeito ao limite; mas é esse medo que acaba nos tornando dependentestumblr_lqru9m6njS1qh59n0o4_250

Pode ser um esconderijo interessante para esses tempos difíceis. Rever alguns dos ensinamentos de nossos livros infantis, onde sempre existe alguma conclusão embutida, a tal moral da história – moral da história, vejam só. Quando um não quer, dois não brigam. Quando dois brigam, um terceiro tira proveito.

Sempre também nos contaram histórias aterrorizantes, embora muitas vezes sua carinha fosse doce e meiga, parecendo inofensivas. Não é cruel o diálogo da formiga e da cigarra? Não é triste imaginar a desilusão da tal menina do leite diante da jarra despedaçada?

Ah, não se lê mais fábulas para as crianças? Nem La Fontaine, Esopo? Elas agora vivem só de princesinhas patricinhas com seus enormes guarda-roupas e caixas de maquiagem? E os meninos? De heróis musculosos com roupas colantes ou seminus e viris? Ou aqueles de videogames que estão sempre desferindo golpes mortais e pulando obstáculos?

Como hoje se prepara uma pessoinha para a vida? Sem a sovinice do Tio Patinhas, sem a generosidade do Riquinho, o loiro garoto milionário meio socialista. Sem os trambiques da magra Maga Patalógica e da estrambelhada descabelada Madame Min, com suas sopas de asas de morcego, aranhas e pernas de sapos, que ambas mexiam e remexiam em seus caldeirões fumegantes.

Atualmente coelho não sai mais de cartola, nem pombo fica dando mole por aí. Podem virar iguarias cozidas em outras paradas. Pois sobre esses caldeirões tenho reparado muito nessa enxurrada de programas de culinária, por exemplo. Já me chamava a atenção o número de homens ligados em cozinha. Encontro e vejo muitos na feira mostrando suas habilidades para fazer compras, discutindo detalhes nas barracas com os comerciantes, coisa que não imaginava de forma alguma ver há alguns anos. Gastam muito, mais em suprimentos e em utensílios. Usam avental. Dali, emergem “panelinhas”- que falar em pratos pode ser desconsideração com os “chiquês” (chiliques também) deles.

Crianças se enfrentam em campeonatos, e os marmanjos em casa ficam postando suas piores fantasias. Na minha época não podia chegar nem perto do fogão, quanto mais poderia de um torneio sob mais pressão que a válvula da panela; era como se houvesse uma muralha que me mantivesse distante e a qualquer criança pelo menos a cinco metros dele. Minha mãe tinha um trauma: quando era pequena lá no interior de Minas teve uma amiga que virou uma chaleira de água fervente em cima de si própria; sobreviveu, mas pelo tanto que minha mãe sofria em lembrar creio que ficou realmente monstruosa.

Tudo isso para dizer que ando pensando se as pessoas não estão tanto nas cozinhas em busca de criar o elixir da vida, a poção da imortalidade, o néctar dos deuses, e extraem essa mágica nos pratos que fazem diante de plateias e torcidas. Vencendo limites.

Outros buscam nos esportes radicais o seu encontro particular com a morte. E há os que flertam com ela dia e noite em atitudes.

São as novas caras da morte. As das fantasias bonitas que vão aparecer nas inúmeras festas de Dia das Bruxas que também se comemora por aqui; são as cores vivas da festa mexicana que esse ano quase que um furacão com nome de mulher tornou ainda mais dramáticas.

É também esse bang-bang que enfrentamos nas grandes cidades, que nos fazem temer e tremer, nos afastando das ruas, assustados com qualquer estampido que pode selar nossas vidas.

São Paulo, sem moral nessa história, 2015

bruxa148MARLI GONÇALVES, JORNALISTA – Entre escolher doces ou travessuras, pode ficar com os dois?

********************************************************************
E-MAILS:
MARLI@BRICKMANN.COM.BR
MARLIGO@UOL.COM.BR
POR FAVOR, SE REPUBLICAR, NÃO ESQUEÇA A FONTE ORIGINAL E OS CONTATOS

 AMIZADE? ESTOU NO FACEBOOK.
SIGA-ME: @MARLIGO

Horror e ataques à imprensa: Blogueiro decapitado em Minas Gerais. A Coruja do Vale

MAIS UMA MORTE.

 OS JORNALISTAS DE Minas PUBLICARAM ESSA NOTÍCIA NO Facebook. E a Abraji estuda mais detalhes e se deve sair com nota de protesto

Um homem decapitado foi encontrado na manhã de hoje em Padre Paraíso. A suspeita é que seja Evany José Metzker, editor do jornal Coruja do Vale e dono da MTZ Mídia, desaparecido desde a semana passada. A polícia ainda não confirma que o corpo seja mesmo dele, no entanto, moradores da cidade ouvidos pelo sindicato garantem que se trata mesmo de Metzker. O presidente do Sindicato dos Jornalistas, Kerison Lopes – que está em Ipatinga, por ironia do destino, acompanhando a gravação de um documentário sobre o assassinato, em 2013, dos jornalistas Rodrigo Neto e Walgney Carvalh – acompanha da região o desenrolar dos acontecimentos. O sindicato espera que esse não seja mais um caso de violência contra os profissionais do jornalismo, que vem crescendo em todo o Brasil. Crimes dessa natureza são um atentado contra a liberdade de expressão e o direito à informação. Vamos aguardar a confirmação, mas já estamos em contato com as autoridades para que tudo seja esclarecido com rigor e celeridade.

http://www.em.com.br/…/corpo-de-jornalista-e-encontrado-dec…

http://www.hojeemdia.com.br/…/corpo-decapitado-pode-ser-de-…

 

 

Pra completar a tristeza, morre Joe Cocker. Mais uma lenda que era verdade

Lenda do rock, cantor Joe Cocker morre aos 70 anos

Do UOL, em São Paulo
  • AP

    A voz rouca de Joe Cocker o transformou em um dos maiores intérpretes do rock. "With a little help from my friends" e "Feelin' Alright" são exemplos de sucessos de CockerA voz rouca de Joe Cocker o transformou em um dos maiores intérpretes do rock. “With a little help from my friends” e “Feelin’ Alright” são exemplos de sucessos de Cocker

O cantor Joe Cocker morreu nesta segunda-feira (22), aos 70 anos, informou a BBC. Nascido John Robert Cocker, no dia 20 de maio de 1944, em Sheffield, na Inglaterra, ele lutava contra um câncer no pulmão.

A notícia foi confirmada pelo empresário do cantor, Barrie Marshall, que afirmou que Cocker morreu de uma doença não revelada. “Será impossível para preencher o espaço que ele deixa em nossos corações”, disse Marshall.

Cocker ficou mundialmente conhecido por sua releitura antológica do clássico dos Beatles, “With a Little Help From my Friend“. Com sua voz rouca, a música cantada originalmente por Ringo Starr ganhou uma roupagem blues e se tornou ainda mais famosa e arrebatadora. A canção conquistou o 1° lugar nas paradas britânicas e foi tema de abertura da série “Anos Incríveis”, exibida na TV Cultura.

Pelo Twitter, Ringo lamentou a morte do amigo. “Adeus e Deus abençoe Joe Cocker, de um de seus amigos. Paz e amor”, escreveu o baterista.

FONTE: UOL

ARTIGO – Aiaiai, se eu soubesse antes, aiaiai. Por Marli Gonçalves

tumblr_minkfdvKDO1s3rws8o1_1280Pela internet, como de costume, acompanhava o noticiário geral e, meio de esgueira, via pelo tablet o depoimento, a oitiva, como gostam de falar para ficar mais importante, da contadora do doleiro lá no Congresso Nacional. Reparava até o quanto a moça era articulada, segura e bem menos feia do que apareceu na capa da revista que a lançou ao estrelato político. De repente o avião que duas horas antes tinha caído em Santos pousou na fala de um congressista, lá em Brasília. Parece que era o jatinho que servia ao candidato Eduardo Campos…t_019191aa1eb0446b91c9848a64d2db7b

Foi o suficiente para que os pelos do meu braço se eriçassem de uma forma que conheço bem, quando bate alguma intuição meio esquisita, e essa tinha sido quase óbvia. Os minutos seguintes foram de confusão absoluta na imprensa e na cabeça até a confirmação fatal. Claro que se ele não estivesse ali já teria aparecido para dar um tchauzinho, não?

Foi também o marco de uma situação bem esquisita, que sei que muita gente tem pensado mas poucos a expressam. Que candidato maravilhoso perdemos! Não é que de repente todo mundo ia votar nele? As pesquisas anteriores deviam estar erradas porque – nossa! – como é que eu não soube antes o quanto ele era fantástico, líder, popular, cheio de ideias, seguidores, eleitores, simpático, além de impecável chefe de família, etcs, muitos etceteras?

Santa hipocrisia. Porque não falavam todas essas coisas maravilhosas sobre ele quando estava por aí piscando seus olhos de cristal, pedindo votos, sendo obrigado até a viajar mais do que os demais candidatos. Não dá para contar quantos textos tenho lido, e escritos por jornalistas, que o colocaram imediatamente no sétimo céu, depositário de nossas esperanças, redentor de Pernambuco, com ideias que mudariam o nosso modo de ver a política nacional, essa massa disforme na qual essa política se transformou nos últimos doze anos, três reinados petistas. Se fossem textos de familiares, amigos, correligionários seriam sim, naturais, depois de uma grande perda. Mas não: tentativas de tirar a casquinha, ter a sua lasquinha do muro de Berlim.

Especialistas apareceram de todos os cantos. Hipóteses e suposições pulularam igual aos peixes na piracema. Notas oficiais despencavam por minuto na nossa caixa postal. Tudo quanto é poste, associação de qualquer coisa lamentou, sentiu muito, sendo que a maioria não tinha nem a menor ligação, nem com a política quanto mais com o candidato. A imprensa toda pirou a ponto de ter posto no ar coisas que até agora aparecem inacreditáveis, como a história do socorrista que declarou ter ido lá nos escombros, visto o corpo, aberto os olhos e constatado que eram os “olhos azuis do meu candidato”, como exprimiu aos prantos diante das câmeras.

Para tudo! Li, ouvi e ainda ouço, aiaiai, de um lado, tudo quanto é tipo de explicação, de teoria conspiratória, de acusações, e pior, lamentos com listas de “quem é que deveria estar lá no avião aquele dia e não morreu, fica por aí “. Até em abdução falaram, sim, Eduardo teria sido levado por ETs. E a história do helicóptero contra o qual o avião teria se chocado? Helicóptero esse que, claro, virou pó, se desmaterializou, junto com seu piloto, se é que havia um, porque também correu a história do drone assassino, perdido ali entre as nuvens de chuva.

De outro lado, pipocaram imediatas desconstruções da possível nova adversária, Marina Silva, O horror. A completa falta de noção, mas ao mesmo tempo uma amostra viva, muito viva, do que, e no que se transformou o Brasil, a ignorância, a falta mínima de raciocínio, os bonecos animados pagos para inflamar uns contra os outros, formando uma corrente muito desagradável de informação, contrainformação e invasão nas redes sociais.

Lembrei-me de Chico Buarque, não pela razão que sempre tentaram associá-lo a Eduardo Campos, mas por uma música, “Se eu Soubesse”, do trabalho Bastidores, de 2011. Procure ouvir. Lembrei-me de Maísa cantando sofrida a bela e “Castigo”, de Dolores Duran (“Se eu soubesse/Naquele dia o que sei agora/Eu não seria esta mulher que chora/Eu não teria perdido você”). Lembrei até do Michel Teló, “Ai se eu te pego”, mas esse porque tive vontade de esganar uns e outros nesse dia que embora seja para ser esquecido nunca o será.

Escrevo antes dos funerais. Imagino bem o quanto mais se irá falar, escrever, especular sobre o acidente, sobre as vítimas, sobre avião e caixas pretas, e especialmente sobre o candidato – aquele que era tão bom, tão maravilhoso, tão especial que todo mundo ia votar nele, embora as pesquisas o mostrassem patinando; se virando em mil para defender a própria mãe na entrevista, tendo que explicar muito bem por que demorou tanto para pular do barco governista. Fora explicar Marina, acalmar Marina, e carregar Marina para baixo e para cima, o que agora será precioso.

martinAchei duas frases perfeitas para a ocasião. A primeira, dada como um provérbio português – “O se eu soubesse é santo que nunca valeu para ninguém” – e a segunda, quase premonitória, creditada a Martin Luther King: “Mesmo se eu soubesse que amanhã o mundo se partiria em pedaços, eu ainda plantaria a minha macieira” .

Pelo que vejo, Eduardo chegou a semear, e se Deus quiser, muitas maçãs brotarão e esperamos que seja logo, agora.

São Paulo, 2014, no sempre horrível agosto que traz sempre algum desgostoMarli Gonçalves é jornalista – Prometo que, sempre que achar alguém bem legal, conto logo para vocês. Como já disse, não gosto nada dessa história de ter de morrer para viver sempre. E só assim ser tão bom que não devia ter morrido…

end9

********************************************************************E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br

ARTIGO – Baques. Por Marli Gonçalves

gifscrik107Tem sido um após o outro. Nunca achei tão difícil como agora lidar com eles. Talvez porque venham em série e não tem dado tempo de a gente se recuperar direito. Talvez não. Talvez porque eles tenham justamente como característica o susto, a falta de preparo, serem sorrateiros ou inexistentes até explodirem – exatamente o que faz com que certos fatos sejam um baque, o tal.

Woman_boxer_2Baques tonteiam. Ficamos “abestados” quando baqueados. Eu ando embasbacada. Você também deve andar, porque está difícil. Quer saber mais ou menos do que estou falando? Pensa nos sete gols que tomamos da Alemanha. Foi ou não foi, melhor, foram ou não foram baques, sete baques que nos deixaram com a cara mole, como se todos estivéssemos dentro de um saco de areia pendurado, socado sem dó? Só que aconteceu e há dias estamos de alguma forma tentando lidar com isso, quase que dissecando os fatos que levaram a isso.

Baque é igual terremoto. O chão parece sumir de debaixo dos pés. A cabeça zune e você simplesmente não quer acreditar, mas aquilo aconteceu, mesmo, confirmado. Você pode até estar vendo acontecer e não acreditando, até que alguém venha dar um beliscão ou um tapa para que saia do estado catatônico. O coração parece que vai sair pela boca e os próximos minutos serão muito estranhos, porque variarão da apatia ao desespero e descontrole. Vivemos aos baques. E quando morremos causamos baques.

Cammy-super2Essa semana terrível começou com um desses baques, enorme, gigantesco e inacreditável, em torno da morte da amiga Vange Leonel. Sei que quem está na chuva é para se molhar, e que quem está vivo pode no instante seguinte virar só alma. Mas desta vez veio mais ainda no susto, e isso de alguma forma especial me afetou profundamente. Distraída, passava os olhos no Twitter e a primeira mensagem dizia “Morre a ativista, cantora, escritora e compositora Vange Leonel… ” Durante alguns segundos, até ler mais abaixo um outro tuite, dessa vez de sua companheira, outra amiga de algumas dezenas de anos, pensava ainda que era uma brincadeira mórbida. Ainda duvidei outros minutos até conseguir telefonar e, sim, tinha acontecido. Foi um baque. Perplexidade. A partir daí conheci uma das maiores dificuldades que já tive para lidar com o choque, com o susto, com uma situação, embora já tenha passado por outras até piores. Precisei parar para pensar. Na fragilidade. De tudo, de todos. Mais: de nós todas, de gente de nossa tribo, que viveu vida parecida com a nossa.meditation-1animated

Vange, 51 anos, mulher, vida saudável, para cima, bem amada. De repente, a descoberta de um câncer e, em vinte dias, o fim, como soube depois como ocorrera. Não a via pessoalmente há algum tempo, mas estávamos sempre ali, por perto, pelas redes sociais, redes que às vezes nos enganam tal a proximidade que parecem oferecer, mas muito longe da vida real de carne e osso.

Escrevo pensando quantas vezes você aí também pode ter tido essa estranha sensação de não saber lidar com algo, não conseguir lidar. Se pudéssemos nos refugiar em algum outro mundo… Cair em algum buraco de Alice que nos levasse a outro país! Como a realidade pode ser tão dura?spingif

Acredito que tenhamos algum dispositivo que se aciona em determinadas ocasiões. O meu fez com que eu chorasse copiosamente durante horas, como se todas umas lágrimas guardadas para o caso de racionamento transbordassem incontrolavelmente. Há quem grite. Outros desmaiam. Outros começam a rir nervosamente. E há quem apenas mantenha a frieza.

No meu caso chorei porque sabia que havia partido uma grande mulher, solteira, sem filhos, como eu, libertária outro tanto, com um monte de conhecimento que não foi reconhecido em vida pela hipocrisia de uma sociedade moralista que não mostra sua cara de forma aberta. Sim, morreu, virou noticia de primeira página, todos os portais, ganhou várias manifestações – o mínimo que merecia. Agora a imagino apenas dando uma gostosa gargalhada, brincando de alisar o bigode que às vezes colocava para sair por aí, de onde estiver, se pode saber disso, rindo de todo o alvoroço que causou.

Cammy-hdstanceTalvez você não tenha mesmo ouvido falar de Vange Leonel até agora, não saiba quem ela era. Mas eu não quero deixar que você não saiba que perdeu de saber justamente que, porque ela viveu sua originalidade e sexualidade de forma total, teve o seu sucesso rigorosamente bloqueado, tachada como sapatão quando não havia ainda toda essa propaganda e glamorização vazia em torno da questão como agora, com beijo de duas bonitas e casamento em novela, beijo e casamento de cantora na vida real retratado nas colunas sociais. Vange apenas era, ao lado da companheira de mais de 30 anos de união, Cilmara Bedaque. Não precisou casar, se vestir de noiva ou noivo, nem de qualquer outra papagaiada dessas.olbeachbums

Um baque. Baque também é barulho. Som de maracatu. Tem o baque virado, o baque solto. É queda, que podia ser também queda de todos os preconceitos. Vivemos aos baques e solavancos, mais ainda caindo nos buracos das ruas. Tomamos um quando recebemos as contas que não sabemos como pagar. Ficamos baqueadas quando sabemos de traições, quando nos damos conta de que não nos dão nosso merecido valor, quando lemos os jornais do dia a dia.

Baqueamos quando vemos que é preciso morrer para que o porque tanto lutamos seja pelo menos visto. Ou comentado.

São Paulo, 2014


Marli Gonçalves é jornalista Anda com vontade de fazer uma placa, um adesivo, pode ser de carro. “Aqui andamos devagar”. Serve para várias coisas.


E-mails:marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br

Ô SEMANINHA FDP! Morre João Ubaldo Ribeiro. Veja manifestação da Câmara Brasileira do Livro.

book

Adeus a João Ubaldo

Foi com muita tristeza que a diretoria da Câmara Brasileira do Livro (CBL) recebeu a notícia do falecimento do escritor e jornalista João Ubaldo Ribeiro.
A CBL teve a honra de reconhecer o talento de João Ubaldo, por meio do Prêmio Jabuti, em duas ocasiões. A primeira, em 1972, quando o escritor ganhou o prêmio de melhor autor revelação com o romance Sargento Getúlio, e em 1985, foi condecorado na categoria Melhor Romance do Ano, com a obra Viva o Povo Brasileiro.
O setor editorial perde, neste dia, um dos grandes romancistas e cronistas da atualidade, membro da Academia Brasileira de Letras. Mas suas obras sempre permanecerão vivas na memória dos brasileiros.

Descanse em paz, Ubaldo!

Karine Pansa, presidente da Câmara Brasileira do Livro

DO UOL:

O escritor João Ubaldo Ribeiro, autor de obras como “A Casa dos Budas Ditosos” e “Sargento Getúlio”, morreu na madrugada desta sexta-feira (18), aos 73 anos, vítima de embolia pulmonar. A informação foi confirmada pela assessoria de imprensa da ABL (Academia Brasileira de Letras), onde ele ocupava a cadeira 34. Com mais 20 títulos publicados em 16 países, teve diversas obras adaptadas para o cinema, teatro e TV.

O velório, inicialmente marcado para as 10h, foi adiado para as 13h no Salão dos Poetas Românticos na sede da ABL, no Rio (av. Presidente Wilson, 203, Castelo), e será aberto ao público. O corpo dele será enterrado no sábado no mausoléu da ABL, no cemitério São João Batista, também no Rio. O horário ainda não foi definido –a família aguarda a chegada de Manuela, filha do escritor, que mora na Alemanha e está a caminho Brasil.

O presidente da ABL, Gerado Holanda Cavalcanti, determinou cumprimento de luto por três dias e que a bandeira da Academia fosse hasteada a meio mastro. “É uma grande perda para a Academia, para o romance e o jornalismo nacionais. João Ubaldo Ribeiro deixa uma obra de excelência. Estamos todos muito chocados com a notícia”, declarou Cavalcanti.

João Ubaldo, que também é pai do apresentador e ex-VJ da MTV Bento Ribeiro, passou mal em sua casa no Leblon, no Rio de Janeiro. Um funcionário do prédio onde o escritor morava há cerca de 20 anos disse ao programa GloboNews que, por volta das 3h da manhã, a família pediu por ajuda médica, mas que não houve tempo de prestar socorro. A morte do escritor foi declarada às 5h.

ARTIGO – Vida que segue, por Marli Gonçalves

ange-13Tenho certeza de que todo mundo pensa o quanto viver, simplesmente viver, é muito louco. Pior: a gente vive com a certeza de que vai morrer um dia desses. E aí, que vai acontecer? Como será? Que dia e do quê? Mas, fundamentalmente, pelo menos eu penso que uma das maiores dúvidas é o que ficará de lembrança dos nossos passos aqui na Terra ange-13

Tenho um amigo que várias vezes já me falou sobre isso, sobre seu desejo secreto que certamente executaria se pudesse: morrer de mentira. Para ficar por ali ouvindo tudo o que dizem dele no velório, saber quem iria e como se comportariam – quem choraria, quem jogaria pedra, assim por diante. Ele fica fascinado e lembra da ideia se vê algum filme sobre pós-vida ou, ainda, algum caso daquela doença que todo mundo pensa que o cara está morto e de repente ele pisca, a catalepsia.

Por que estou falando sobre isso? Porque, primeiro, como disse no início, viver é louco; segundo, esta semana perdi uma pessoa muito importante para mim.E, terceiro, porque tenho certeza que essa pessoa nunca vai morrer de verdade, assim como meu melhor amigo que perdi há 20 anos em um agosto desses, e assim como minha mãe, há 10 anos. Eles realmente não estão aqui, carne e osso, entre nós. Só que deixaram tanta coisa boa, tantas lembranças importantes, ensinamentos fundamentais, que sobreviverão todos os dias. Vai me dizer que você nunca teve essa sensação?

Cópia de fee_16Não é saudade, embora ela também esteja presente.sempre. É mais real do que isso, mais palpável, não tem nada de fantasma – é presença boa. Dá até para consultar em pensamento sobre este ou aquele assunto, pedindo orientação. Nessas horas a gente pensa muito na energia das palavras, na vibração que cada uma delas traz e se perpetua em algum cantinho, e que vão se juntando igual às células formando um novo corpo que também pode ser etéreo ou invisível para nós, ainda mortais. Fica mais fácil entender a eternidade e a vida ou qualquer coisa após a morte. Pelo menos acho mais lógico.

heart-sun-glitter-source_bq4Claro que ter feito algo para a humanidade, ter sido importante, famoso, badalado e reconhecido ajuda a nunca ser esquecido em nenhum dia. Ah! E a ser lembrado de uma forma legal, não daquelas quando costumamos ficar estarrecidos e comentar: “Fulano deve estar se mexendo no túmulo”. Ultimamente a coisa está mais louca ainda, porque com tantas imagens, fotos, gravações, perfis em redes sociais, googles, não dá mais para ninguém morrer quietinho – escarafuncham tudo. Pior: descobrem alguns segredos.

Mas essa não é a minha questão. O engraçado foi a coincidência de, justamente no dia em que soube da morte e pensei que nunca mais veria esse meu mestre, inclusive espiritual, na quinta passada, a mocinha da novela das nove que morre no altar implora horas antes à sua cuidadora: “Não me deixe ser esquecida”. Na novela isso se traduz no aroma de rosas brancas e acordes de Clair de Lune que, pelo que entendi, infernizarão muito o tal noivo traidor e a amante da mocinha rica e sem graça, que realmente precisaria pedir. Mas isso é novela.

Na vida real essas lembranças que trazemos talvez sejam menos melosas, mas mais conscientes. Por ela as pessoas pedem que missas sejam rezadas, frequentam cultos ou mesas brancas e etceteras, em busca de algum contato ou notícia, de algo que apazigue seus corações, pensamentos e até arrependimentos.

fee_19Sei que na verdade foi também nessa semana que de repente precisei ser absolutamente racional, forte e lúcida, buscando palavras firmes para consolar uma família em desespero e os outros amigos a quem acabei incumbida de dar a péssima notícia. Busquei não sei onde as palavras de conforto e acabei reparando que todas elas traduziam que eu sentia que apenas ele não estaria mais na Terra, mas que sua lembrança e ensinamentos de verdadeira humildade e sabedoria estariam encravados para todo o sempre em todos que o conheceram. Esse alguém que passou a vida, olha a ironia, sendo a ponte entre mundos, médium, usando seu corpo e soltando sua mente para incorporar espíritos guerreiros, deuses, mestres, ou doidivanas ou aflitos, em busca de luz, da “esquerda” e da “direita”. Céu e Inferno.

Me restou meditar na vida que segue; uma oração silenciosa. Com os olhos rasos d’água, gotinhas teimosas escorrendo do cantinho e uma tristeza muito particular. Pensando no tempo que escorrega. No que temos de deixar. Em tudo isso.

São Paulo, 2013

Marli Gonçalves é jornalista Espera ainda poder fazer muita coisa para deixar, e para muita gente.

mani

********************************************************************
E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br

JT: o jornal que me levou ao jornalismo está morrendo. Carlinhos Brickmann escreve sobre isso no Observatório da Imprensa. Vale a pena ler. E dá vontade de chorar. Veja algumas capas históricas

Jornal da Tarde

crônica de uma morte anunciada

POR CARLOS BRICKMANN

 

Éramos todos jovens, muitos de nós brilhantes, a maioria absoluta de indiscutível competência. Errávamos muito, também; mas errávamos por excesso de ambição, por buscar objetivos muitas vezes inatingíveis, raramente por ignorância. Dali surgiram as sementes de várias equipes de altíssima qualidade: Realidade, Veja, Rede Globo, Rede Bandeirantes, Repórter Esso (na fase TV Record), Visão, Playboy.

Mino Carta era o diretor, Murilo Felisberto o coração e a alma. Ruy Mesquita, o patrão, sentava-se à mesa de pauta para discutir o jornal do dia (e foi lá na Redação que treinou seus filhos nas artes da comunicação). Ewaldo Dantas Ferreira, um dos maiores repórteres do país, trazia matérias exclusivas, da maior importância. Em cada área da redação, buscava-se o melhor – e o jornal conseguiu a façanha de ganhar o Prêmio Esso com a manchete de sua primeira edição, Pelé casa no Carnaval.

Era a cara do nosso Jornal da Tarde, a maior revolução da imprensa brasileira desde a reforma do Jornal do Brasil: um grande furo de reportagem, um texto magnífico, a notável diagramação, e um erro na foto – em vez de Rose, a noiva de Pelé, quem estava com o Crioulo na foto era a cunhada, a irmã de Rose. Não fazia mal: o jornal era tão bom que esses erros passavam batidos.

Os salários eram ótimos, pagos em dia, com antecipação de aumento (em vez de dezembro, outubro). Os jovens mais promissores ascendiam rapidamente: João Vitor Strauss, de extrema competência e capacidade impressionante de trabalho, teve seis aumentos num só ano, sempre por iniciativa da chefia. O JT ganhou o Prêmio Esso vários anos seguidos, com o casamento de Pelé, a tragédia de Caraguatatuba (com o excesso de chuvas, a Serra do Mar desabou sobre a cidade), o primeiro transplante de coração no Brasil. Houve até uma joint-venture que o Ewaldo Dantas articulou para viabilizar o transplante: o jornal não hesitou em pagar a viagem de um médico à África do Sul, onde trabalhava o Dr. Christiaan Barnard, pioneiro dos transplantes cardíacos, para buscar o know-how que nos faltava. Afinal de contas, a empresa que viabilizou a criação da Universidade de São Paulo, empresa pertencente à família que fundou a Faculdade de Medicina da USP, tinha tudo a ver com o progresso do país na área das ciências.

A resposta do público sempre foi positiva. O JT começou a circular, em 4 de janeiro de 1966, com doze mil exemplares; virou o ano com 40 mil.

Um jornal jovem, chique, moderno, antenado. Fez a primeira reportagem com Roberto Carlos, quando a imprensa ignorava a música da juventude; mostrou as tendências da moda, da alimentação, da cidade. Não era como o New York Times, “todas as notícias que devem ser publicadas”; esse era o papel do irmão mais velho, o Estadão. Éramos o oposto: “todas as notícias que temos vontade de publicar”. E que, não por acaso, já que a equipe estava sintonizadíssima com os leitores, eram as notícias que o público do jornal queria encontrar no seu JT.

Notícias e muito mais: certa vez, este colunista, editor de Internacional, encontrou uma pequena informação a respeito de um petroleiro a vela que o Japão estava projetando. O navio tinha velas controladas por computador, controle de rumo por um antepassado do GPS (não havia satélite, ele se guiava eletronicamente pelas estrelas) e, sempre que o vento era insuficiente para manter a velocidade, seus motores entravam automaticamente em funcionamento. A propósito, nunca mais consegui encontrar qualquer informação sobre o projeto – deve ter sido abandonado.

Enfim, a matéria era a cara do JT. Buscamos no arquivo a imagem de um dos mais belos veleiros de todos os tempos, o Cutty Sark, contamos a história dos veleiros, demos as poucas informações de que dispúnhamos sobre o veleiro-petroleiro. Por volta das três da manhã, Murilo Felisberto viu a matéria e se apaixonou por ela. Decidiu rediagramá-la: usou a página na horizontal, encheu-a com a imagem do Cutty Sark, e cada linha da matéria passou a ter um tamanho diferente, entrando pelas escotilhas, margeando as velas, envolvendo a gávea. Detalhe: não valia hifenizar as palavras. O Murilo só gostava de frases com palavras inteiras.

A nova redação da matéria, cada linha com seu tamanho, durou umas boas cinco horas. Devidamente entregue, fiz a reclamação: “Murilinho, ficou linda, mas ninguém vai ler”. Ele concordou e completou: “Mas todo mundo vai comentar que este jornal tem um acabamento impecável”. Tinha razão: daquela página, todos que a viram se lembram. E quem está tão interessado assim em informações sobre veleiros e transporte de chá da China para a Inglaterra?

Pois é, acabamento impecável. O que significa fotos maravilhosas. Oswaldo Maricato, um intuitivo fantástico, Milton Ferraz, também fantástico e de técnica impecável, Rolando de Freitas, Zé Pinto, Geraldo Guimarães, Solano José, Francisco Lucrécio – muitos, muitos, onde é que encontraram tanta gente boa? – que pegavam a garotada ainda inexperiente do reportariado e comandavam a reportagem. Não, não eram só fotógrafos: eram magníficos repórteres que também fotografavam. E como fotografavam! A imagem da derrota do Brasil no estádio de Sarriá, na Copa de 82, é uma foto de Reginaldo Manente: o garoto chorando que ocupou a primeira página do JT. As fotos eram ótimas, os fotógrafos eram ótimos, e ótimo era o uso das imagens por um jornal que fazia questão de ter sempre o melhor acabamento.

Nomes? Estavam por lá Miguel Jorge, que alguns anos mais tarde chegaria ao Ministério, no Governo Lula; Guilherme Miranda, o lendário Bill Duncan, que até morrer de câncer comandou com Ruy Portilho, também do JT, o Prêmio Esso; Ricardo Setti, hoje um dos melhores analistas políticos do país; Rolf Kuntz, mestre do jornalismo econômico; Telmo Martino, língua de cobra das mais temidas; o foquinha César Giobbi, que lá cresceu profissionalmente até se transformar no grande cronista da sociedade; Ivan Ângelo, Fernando Portela, Hamílton de Almeida, Vital Battaglia, Regina Echeverría, Mario Marinho, Regina Helena Teixeira, que transformava transportes e serviços públicos em matérias charmosas tipo JT; José Roberto Guzzo, Roberto Pompeu de Toledo, Maria Ignez França, Sérgio Pompeu, Renato Pompeu, Marcos Faerman, Marli Gonçalves, Humberto Werneck, Valéria Wally, Leão Lobo, Édson Paes de Mello, Antônio Toinho Portela – o sacana que, ao traduzir uma história em quadrinhos, deu ao elefante, por algum motivo desconhecido, o nome deste colunista – Fernando Mitre, Teresa Montero, o Jovem Gui, o excelente jornalista e notável figura humana José Eduardo Castor, Waldo Paoliello, Luiz Fernando Mercadante, Antônio Carlos Fon, Inajar de Souza, Tão Gomes Pinto, Luís Nassif, Moisés Rabinovici – que agora, num jornal que já foi antiquado, faz uma beleza de imprensa contemporânea, o que há hoje de mais próximo do Jornal da Tarde.

Tínhamos Luís Carlos Secco, que como ninguém dominava automóveis e automobilismo, e seu “filho adotivo” Paquinha – ou melhor, se você não quiser irritá-lo, “Luís Fernando Silva Pinto”, hoje correspondente da Globo nos EUA.

Como antigamente no futebol brasileiro, grandes jornalistas surgiam em safras, tornando difícil, quase impossível, dizer quem era o melhor do grupo.

Talvez o correto fosse dizer que os melhores eram todos.

Houve brigas internas, crises financeiras, concorrência de outros grupos jornalísticos na caça aos talentos. Laerte Fernandes e Ulysses Alves de Souza saíram, Niles Simone morreu – e eram eles que organizavam a bagunça das noticias que jorravam na redação e permitiam que fossem bem aproveitadas.

Em certo momento, houve uma opção desastrosa: o moderníssimo jornal da metrópole contemporânea, o irmão mais leve e solto do poderoso O Estado de S.Paulo, foi transformado numa versão popular, baratinha, do jornal mais antigo. O lindo logotipo foi trocado por outro, supostamente mais popular (e com muito menos significado). O Jornal da Tarde, famoso por surpreender seus leitores, passou a ser mais previsível e chato que debate de candidato.

Percival de Souza, símbolo do JT, renovador da reportagem policial, ficou encostado – e os grandes furos que ainda trouxe, como a localização do Cabo Anselmo e a entrevista com ele, ainda um dos mais misteriosos participantes dos acontecimentos de 1964, foram ignorados.

As belas imagens ficaram no passado. O acabamento, descuidado, deixou de ser preocupação. E a cidade moderna, movimentada, alegre, sintonizada com o que havia de novo no mundo, perdeu seu jornal de referência.

Um jornal morre vinte anos antes de fechar as portas. O Jornal da Tarde, anunciam os departamentos comerciais, os jornaleiros, as boas fontes (e negam os diretores da empresa), que já está morto faz tempo, deve fechar até o fim do ano. E, comenta-se, no Dia de Finados.

Um toque de mau-gosto que explica por que o bom gosto do JT perdeu a batalha.

 

FONTE: OBSERVATÓRIO DA IMPRENSA – COLUNA CIRCO DA NOTÍCIA

Este slideshow necessita de JavaScript.